“Prisioneiros da virtualidade, perdemos o sabor da realidade”, diz Papa

Santa Missa em Skopje 

Terça-feira, 7 de maio de 2019, Da redação, com Vatican News
https://noticias.cancaonova.com/especiais/pontificado/francisco/viagens-francisco/bulgaria-e-macedonia/prisioneiros-da-virtualidade-perdemos-o-sabor-da-realidade-diz-papa/

Católicos da Macedônia do Norte se reuniram na capital, Skopje, para um evento inédito: participar da primeira missa celebrada por um Papa no país

Papa Francisco celebrou a Santa Missa em Skopje, na Macedônia do Norte./ Foto: Ognen Teofilovski-Reuters

Uma homilia profunda marcou a celebração da Missa presidida pelo Papa Francisco na Praça Macedônia, em Skopje, nesta terça-feira, 7. A reflexão do Pontífice foi inspirada no Evangelho de João: “Quem vem a Mim não mais terá fome, e quem crê em Mim jamais terá sede” (Jo 6, 35).

“O Senhor veio para dar vida ao mundo e sempre o faz de uma maneira que consegue desafiar a mesquinhez dos nossos cálculos, a mediocridade das nossas expectativas e a superficialidade dos nossos intelectualismos”, afirmou o Papa.

Toda a multidão, reunida ao redor de Jesus, descobriu que a fome de pão tinha também outros nomes: fome de Deus, fome de fraternidade, fome de encontro e de festa partilhada.

Ao invés, prosseguiu o Papa, “nos habituamos a comer o pão duro da desinformação, e acabamos prisioneiros do descrédito, dos rótulos e da infâmia; julgamos que o conformismo saciaria a nossa sede e acabamos por nos dessedentar de indiferença e insensibilidade; alimentamo-nos com sonhos de esplendor e grandeza e acabamos por comer distração, fechamento e solidão; empanturramo-nos de conexões e perdemos o gosto da fraternidade. Prisioneiros da virtualidade, perdemos o gosto e o sabor da realidade”.

Temos fome, Senhor

Portanto, devemos dizer com força e sem medo: temos fome, Senhor. “Fome de pão, fome de fraternidade, fome de Deus.” Somente essa fome vai nos tirar de nossos fechamentos, solidões, da indiferença, e nos abrir para a ternura e a conversão.

Madre Teresa de Calcutá conhecia bem esta fome, a ponto de fundar a sua vida sobre dois pilares: Jesus encarnado na Eucaristia e Jesus encarnado nos pobres! Amor que recebemos, amor que damos. Ela sabia que o “amor de Deus e amor do próximo fundem-se num todo: no mais pequenino, encontramos o próprio Jesus e, em Jesus, encontramos Deus”, disse Francisco, citando a Encíclica Deus caritas est de Bento XVI.

O Pontífice então concluiu: “Encorajemo-nos uns aos outros a levantar-nos de pé e experimentar a abundância do seu amor; deixemos que Ele sacie a nossa fome e sede no sacramento do altar e no sacramento do irmão”.

Nenhum comentário ainda

Comentários desativados

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda