Tag: vida

Onde não há misericórdia não há justiça, diz Papa em homilia

Segunda-feira, 23 de março de 2015, Da Redação, com Rádio Vaticano 

Francisco voltou a abordar o tema da misericórdia durante a Missa da manhã desta segunda-feira na Casa Santa Marta

Onde não há misericórdia não há justiça. Tantas vezes, o povo de Deus sofre um julgamento sem misericórdia. Essa foi, em síntese, a homilia do Papa Francisco durante a Missa desta segunda-feira, 23, na Casa Santa Marta.

Francisco falou de três mulheres e de três juízes: uma mulher inocente, Susana; uma pecadora, a adúltera; e uma pobre viúva necessitada. “Todas as três, de acordo com alguns Padres da Igreja, são figuras alegóricas: a Santa Igreja, a Igreja pecadora e a Igreja necessitada”, explicou.

Os três juízes são ruins e corruptos, observou o Papa. Escribas e fariseus julgaram a mulher adúltera, tinham dentro do coração a corrupção da rigidez; sentiam-se puros, porque observavam rigorosamente a lei. Mas essa rigidez os leva a uma vida dupla, explicou Francisco.

“Esses que condenavam essas mulheres, depois, iam procurá-las, em segredo, para se divertir um pouco. Os rígidos são – uso o adjetivo que Jesus lhes deu – hipócritas: eles têm vida dupla. Aqueles que julgam a Igreja – todas as três mulheres são figuras alegóricas da Igreja – com rigidez têm vida dupla. Com a rigidez nem mesmo se pode respirar”.

Depois, há os dois juízes idosos que chantageiam uma mulher, Susana, para que se entregasse a eles, mas ela resistiu. Tais juízes tinham a corrupção do vício, neste caso, a luxúria. Por fim, o outro juiz interpelado pela pobre viúva. Ele era um homem de negócios e não temia a Deus, não se preocupava com ninguém. Francisco destacou que os três juízes não conheciam a misericórdia.

“A corrupção os distanciava da compreensão da misericórdia, de serem misericordiosos. E a Bíblia nos fala que, na misericórdia, se encontra o justo do juízo. E as três mulheres – a santa, a pecadora e a necessitada, figuras alegóricas da Igreja – padecem desta falta de misericórdia. Hoje, também o povo de Deus, quando encontra estes juízes, é julgado sem misericórdia, seja no civil, seja no eclesiástico. E onde não há misericórdia não há justiça”.

Francisco lembrou, por exemplo, que quando o povo de Deus se aproxima voluntariamente para pedir perdão, muitas vezes, encontra alguém assim: os viciados, que são capazes de tentar abusar deles, e este é um dos pecados mais graves; os mercadores, que não dão esperança; e os rígidos, que punem nos penitentes aquilo que escondem na própria alma. Tudo isso se chama “falta de misericórdia”, afirmou o Papa.

“Queria somente dizer uma das palavras mais bonitas do Evangelho que me comove tanto: ‘Ninguém te condenou?’ – ‘Não, ninguém, Senhor’ – ‘Tampouco eu te condeno’. ‘Tampouco eu te condeno’ é uma das palavras mais bonitas, porque está cheia de misericórdia”.

Na catequese, Papa destaca importância do dom do conselho

Quarta-feira, 7 de maio de 2014, Da Redação, com Rádio Vaticano

Para cerca de 60 mil fiéis, na Praça São Pedro, Francisco explicou importância do dom do conselho para seguir o caminho de Deus

Dando sequência ao ciclo de catequeses sobre os dons do Espírito Santo, Papa Francisco falou sobre o dom do conselho na catequese desta quarta-feira, 7. Ele destacou que esse dom torna o homem capaz de fazer a escolha certa, no dia a dia, seguindo a lógica de Jesus e do Seu Evangelho.

Cerca de 60 mil peregrinos estiveram na Praça São Pedro para a audiência geral com o Santo Padre, que destacou a importância desse dom para a comunhão entre Deus e o homem. “O conselho é o dom com o qual o Espírito Santo torna a nossa consciência capaz de fazer uma escolha concreta em comunhão com Deus. Ele nos torna sensíveis à sua voz e orienta os nossos pensamentos, fazendo-nos, assim, crescer interiormente, para não nos deixar agir à mercê do egoísmo e do próprio modo de ver as coisas”.

Para que isso aconteça, Francisco disse ser essencial a oração, pois é ela que faz com que o homem seja dócil à voz de Deus. Dessa forma, deixa-se de lado a lógica pessoal, cheia de limitações, para amadurecer uma sintonia profunda com o Espírito.

“Sempre voltamos ao mesmo ponto. A oração. Rezar é tão importante!”, disse Francisco, afirmando que é preciso rezar não somente as orações que se aprende quando criança, mas também usando as palavras, pedindo ajuda e conselho.

Como todos os outros dons do Espírito, também o conselho constitui um tesouro para toda a comunidade cristã, explicou o Papa. Isso porque é possível escutar a voz de Deus por meio dos irmãos. “É um grande dom poder contar com homens e mulheres que nos ajudam a reconhecer a vontade de Deus na nossa vida!”.

Francisco deu um exemplo de como esse dom funciona na prática, citando uma experiência que teve no confessionário do Santuário de Lujan, na Argentina. Nessa ocasião, havia, na fila, um rapaz que confessou um grande problema. Ele disse que estava, ali, porque sua mãe o havia aconselhado a pedir ajuda a Nossa Senhora.

“Eis uma mulher que tinha o dom do conselho! Não sabia encontrar uma saída para o problema do filho, mas indicou o caminho justo: ‘Vá a Nossa Senhora e ela lhe dirá o que fazer’. Este é o dom do conselho. Não dizer: ‘Mas, isto…’. Deixar que o Espírito Santo fale”.

O Santo Padre destacou que aquela mulher simples deu ao filho o verdadeiro conselho, pois, olhando para Nossa Senhora, o rapaz entendeu o que deveria fazer. “Este é o dom do conselho. Vocês, mães, que têm este dom, peçam-no para seus filhos: aconselhar os filhos é um dom de Deus”.

Estamos em peregrinção rumo à plenitude da vida

O Amor de Deus é eterno: Papa Francisco na mensagem do Angelus

“Nós estamos em peregrinação rumo à plenitude da vida e é essa plenitude da vida que ilumina os nossos passos na nossa caminha da vida quotidiana. O amor de Deus é eterno, a sua fidelidade é eterna”. Esta é, em síntese, a principal mensagem catequética do Angelus pronunciado esta manhã na Praça S. Pedro pelo Papa Francisco.

Como de costume aos domingos, às 12,00 horas pontuais (hora de Roma), o Papa Francisco apresentou-se na Janela do Palácio Pontifício, na Praça de S. Pedro repleta de fiéis e peregrinos vindos de todas as partes do mundo para assitir a habitual cerimónia do Angelus. A mensagem do Ângelus é centrada sobre o significado da vida para além da morte, da ressurreição dos mortos. Neste sentido o Papa Francisco começou por recordar que o Evangelho deste domingo apresenta-nos Jesus em discussão com os saduceus que negavam a ressurreição. E é precisamente sobre este argomento que eles dirigem uma pergunta a Jesus com a mera intenção de ridicularizar a fé na ressurreição dos mortos. E partem precisamente do caso imaginário relativo ao tema do levirato: da mulher que teve sete maridos, todos eles mortos um atrás do outro e perguntam a Jesus a quem pertencerá esta mulher após a sua morte.

Mas logo após ter dado esta resposta, observa o Papa Francisco, Jesus, servindo-se das Sagradas Escrituras passa ao contrataque com semplicidade e com uma originalidade que nos deixam cheios de admiração para com o nosso Mestre, o único Mestre. A prova da ressurreição Ele o encontra no episódio da sarça ardente na qual Deus se revela como Deus de Abrãao, de Isac e de Jacob. O Nome de Deus está ligado aos nomes dos homens e das mulheres com os quais Ele se relaciona e esta relação é muito mais forte do que a morte. Eis a razão porque Jesus afirma que Deus não é um Deus dos mortos, mas dos vivos porque todos vivem para Ele.

“A relação decisiva, a aliança fundamental é a aliança com Jesus: Ele mesmo é a Aliança, Ele é a Vida e a Ressurreição porque com o seu amor crucificado venceu a morte. Em Jesus Deus nos dá a vida eterna, concede-a à todos nós e todos graças a Ele têm a esperança de uma vida ainda mais verdadeira do que a actual vida. A vida que Deus nos prepara supera a nossa imaginação porque Deus surpreende sempre com o seu amor e com a sua misericórdia”.

Portanto na vida além da morte, acontecerá tudo o contrário daquilo que imaginavam os saduceus: não é esta nossa vida que servirá de referência à eternidade, mas pelo contrário, é a eternidade a iluminar e dar esperança a vida terrena de cada um de nós. Contemplada únicamente com os olhos humanos somos levados a considerar que a nossa vida, a vida humana caminha rumo à morte. Jesus porém, recorda o Papa, transforma pelo contrário essa visão pessimista da vida e afirma que a nossa peregrinação vital vai da morte à vida. Por conseguinte, “nós, diz o Papa, caminhamos rumo à plenitude da vida e é precisamente essa plenitude da vida que nos ilumina diariamente na nossa vida . Daí a importância de acreditar na esperança da ressurreição que nos é dada graças à fidelidade de Deus: a “fidelidade de Deus é eterna, disse o Papa Francisco.

Após a recitação do Angelus, o Papa Francisco anunciou que hoje, em Paderborn, na Alemanha, será proclamada Beata, Maria Teresa Bonzel, fundadora da Congregação das Pobres Irmãs Franciscanas da Adoração Perpétua, que viveu no século XIX . A Eucaristia constituía a fonte da qual tirava energia espiritual para se dedicar mediante uma caridade incansável ao serviço dos mais necessitados.

“Desejo assegurar a minha aproximação às populações das Filipinas e daquela região que foram atingidas por um tremendo tufão. Infelizmente as vítimas são muitas e os danos materiais também enormes. Rezemos em silêncio para estes nossos irmãos e irmãs e procuramos de fazer-lhes chegar uma nossa ajuda concreta”.

Finalmente com o mesmo pesar o Papa Francisco recordou a o sexagésimo aniversário da chamada “Noite dos cristais” relativa as violências que ocorereram na noite entre 9 – 10 de novembro de 1938 contra os Hebreus e que abriu o caminho ao triste fenómeno histórico da Shoa. Neste sentido, disse o Papa Francisco, renovamos a nossa aproximação e solidariedade ao pobo hebraico e rezemos a Deus para que a memória do passado nos ajude a ser cada vez mais vigilantes contra todo o tipo de ódio e de intolerância.

Não se pode ser cristão sem o amor de Cristo, lembra Papa

Missa na Basílica de São Pedro, quinta-feira, 31 de outubro  de 2013, Da Redação, com Rádio Vaticano em italiano  

Celebrando na Basílica de São Pedro, Francisco centrou a homilia no amor de Cristo, base da vida do cristão

Na manhã desta quinta-feira, 31, Papa Francisco celebrou a Missa na Basílica de São Pedro, no altar onde se encontra o túmulo do Beato João Paulo II. O Papa comentou as leituras do dia: a carta de São Paulo aos Romanos, na qual o apóstolo fala de seu amor por Cristo, e o trecho do Evangelho de São Lucas, no qual Jesus chora sobre Jerusalém que não entendeu ser amada por Ele.

O Pontífice partiu da certeza de Paulo ao falar de seu amor por Cristo. Deus havia mudado a vida do apóstolo, que passou a colocá-Lo no centro de sua vida, tendo Jesus como referência para tudo.

“Sem o amor de Cristo, sem viver deste amor, reconhecê-lo, nutrir-nos daquele amor, não se pode ser cristão: o cristão, aquele que se sente olhado pelo Senhor, com aquele olhar tão belo, amado pelo Senhor e amado até o fim. O cristão sente que a sua vida foi salva pelo sangue de Cristo. E isto faz o amor: esta relação de amor”.

Por outro lado, o Evangelho do dia traz a imagem da tristeza de Jesus quando vê que Jerusalém não entendeu o seu amor, amor que Cristo compara ao de uma galinha que quer reunir os pintinhos sob suas asas. Essa falta de entendimento é justamente o contrário do que sentia Paulo.

“Sim, Deus me ama, Deus nos ama, mas é algo abstrato, é algo que não me toca o coração e eu me arranjo na vida como posso. Não há fidelidade ali. E o choro do coração de Jesus para Jerusalém é este: ‘Jerusalém, tu não és fiel; tu não te deixaste amar; e tu te confiaste a tantos ídolos, que te prometiam tudo, te diziam dar-te tudo, depois te abandonaram’. O coração de Jesus, o sofrimento do amor de Jesus: um amor não aceito, não recebido”.

O Papa convidou então a refletir sobre esses dois ícones: Paulo, que permanece fiel até o fim ao amor de Jesus e encontra nesse amor a força para seguir adiante, e, por outro lado, Jerusalém, o povo infiel, que não aceita o amor de Jesus, ou pior ainda, que vive este amor, mas pela metade, segundo as próprias conveniências.

“Olhemos para a fidelidade de Paulo e a infidelidade de Jerusalém e ao centro olhemos para Jesus, o seu coração, que nos ama tanto. O que podemos fazer? A pergunta: eu me pareço mais com Paulo ou com Jerusalém? O Senhor, por intercessão do Beato João Paulo II, ajude-nos a responder esta pergunta”, finalizou o Santo Padre.

 

HOMILIA

Nestas leituras há duas coisas que nos atingem. Primeiro, a segurança de Paulo: “Ninguém pode afastar-me do amor de Cristo”. Mas tanto amava o Senhor, porque o tinha visto, havia encontrado-o, o Senhor havia mudado a sua vida. Tanto amava-O que dizia que nada poderia afastá-lo Dele. Propriamente este amor do Senhor era o centro, justamente o centro da vida de Paulo. Nas perseguições, nas doenças, nas traições, mas, tudo aquilo que ele viveu, todas as coisas que lhe aconteceram em sua vida, nada disso pôde afastá-lo do amor de Cristo. Era o centro da sua vida, a referência: o amor de Cristo. E sem o amor de Cristo, sem viver deste amor, reconhecê-lo, nutrir-nos deste amor, não se pode ser cristão: o cristão, aquele que se sente olhado pelo Senhor, com aquele olhar tão belo, amado pelo Senhor e amado até o fim. Sente… O cristão sente que a sua vida foi salva pelo sangue de Cristo. E isto faz o amor: esta relação de amor. Isto foi a primeira coisa que me tocou tanto.

A outra coisa que me atinge é esta tristeza de Jesus, quando olha Jerusalém. “Mas tu, Jerusalém, que não entendeu o amor”. Não entendeu a ternura de Deus, com aquela imagem tão bela, que diz Jesus. Não entender o amor de Deus: o contrário daquilo que sentia Paulo.

Mas, sim, Deus me ama, Deus nos ama, mas é algo abstrato, é algo que não me toca o coração e eu me arranjo na vida como posso. Não há fidelidade ali. E o choro do coração de Jesus para Jerusalém é este: ‘Jerusalém, tu não és fiel; tu não te deixaste amar; e tu te confiaste a tantos ídolos, que te prometiam tudo, te diziam dar-te tudo, depois te abandonaram’. O coração de Jesus, o sofrimento do amor de Jesus: um amor não aceito, não recebido.

Estes dois ícones hoje: o de Paulo, que permanece fiel até o fim ao amor de Jesus, de lá encontra a força para seguir adiante, para suportar tudo. Ele se sente frágil, sente-se pecador, mas tem a força naquele amor de Deus, naquele encontro que teve com Jesus Cristo. Por outro lado, a cidade e o povo infiel, não fiel, que não aceita o amor de Jesus, ou, pior ainda, né? Que vive este amor, mas pela metade: um pouco sim, um pouco não, segundo as próprias conveniências. Olhemos para Paulo, com a sua coragem que vem deste amor, e olhemos Jesus que chora sobre aquela cidade, que não é fiel. Olhemos para a fidelidade de Paulo e para a infidelidade de Jerusalém e ao centro olhemos para Jesus, o seu coração, que nos ama tanto. O que podemos fazer? A pergunta: eu me pareço mais com Paulo ou com Jerusalém? O meu amor a Deus é tão forte como o de Paulo ou o meu coração é como o de Jerusalém? O Senhor, por intercessão do Beato João Paulo II, ajude-nos a responder a esta pergunta. Assim seja!

Desceu à mansão dos mortos

É na esperança que fomos Salvos!

O Credo ensina que “Jesus desceu à mansão dos mortos”. Isso significa que, de fato, Ele morreu e que, por Sua morte por nós, venceu a morte e o diabo, o dominador da morte (Hb 2,14). São João disse que Ele veio a nós para “destruir as obras do demônio” (1 Jo 3,8). “Ele foi eliminado da terra dos vivos” (Is 53,8). “Minha carne repousará na esperança, porque não abandonarás minha alma no Hades nem permitirás que teu Santo veja a corrupção” (At 2,26-27).

Jesus morreu, mas Sua alma, embora separada de Seu corpo, ficou unida à Sua Pessoa Divina, o Verbo, e desceu à morada dos mortos para abrir as portas do céu aos justos que o haviam precedido (cf. Cat. §637). Para lá foi como Salvador, proclamando a Boa Nova aos espíritos que ali estavam aprisionados. Os Santos Padres da igreja dos primeiros séculos explicaram bem isso. São Gregório de Nissa (†340) disse: “Deus [o Filho] não impediu a morte de separar a alma do corpo, segundo a ordem necessária à natureza, mas os reuniu novamente um ao outro pela Ressurreição, a fim de ser Ele mesmo, em Sua pessoa, o ponto de encontro da morte e da vida, e tornando-se, Ele mesmo, princípio de reunião para as partes separadas” (Or. Catech. , 16: PG: 45,52B).

São João Damasceno (†407), doutor da Igreja e patriarca de Constantinopla ensinou que: “Pelo fato de que, na morte de Cristo, a Sua alma tenha sido separada da carne, a única pessoa não foi dividida em duas pessoas, pois o corpo e alma de Jesus existiram da mesma forma desde o início na pessoa do Verbo; e na Morte, embora separados um do outro, ficaram cada um com a mesma e única pessoa do Verbo” (De fide orthodoxa, 3, 37: PG 94, 109 BA).

A Escritura chama de ‘Morada dos Mortos’, Inferno, Sheol ou Hades, o estado das almas privadas da visão de Deus; são todos os mortos, maus ou justos, à espera do Redentor. Mas o destino deles não é o mesmo como mostra Jesus na parábola do pobre Lázaro recebido no “seio de Abraão”. Jesus não desceu aos infernos (= interior) para ali libertar os condenados nem para destruir o inferno da condenação, mas para libertar os justos, diz o Catecismo (§ 633).

Assim, a Boa Nova foi anunciada também aos mortos, como fala São Pedro (1Pd 4,6). Esta descida de Jesus ao Hades é o cumprimento, até sua plenitude, do anúncio do Evangelho da salvação, e é a última fase da missão de Cristo, é a extensão da redenção a todos os homens de todos os tempos e de todos os lugares. São João disse que Cristo desceu ao seio da terra [um modo de falar], a fim de que “os mortos ouçam a voz do Filho de Deus, e os que a ouvirem vivam” (Jo 5,25). Assim, Jesus, “o Príncipe da vida”, “destruiu  pela morte o dominador da morte, isto é, o diabo, e libertou os que passaram toda a vida em estado de servidão, pelo temor da morte” (Hb 2,5). A partir de agora, Cristo ressuscitado “detém a chave da morte e do Hades” (Ap 1,18), e “ao nome de Jesus todo joelho se dobra no Céu, na Terra e nos Infernos” (Fl 2,10). Uma antiga homilia, de um autor grego desconhecido, e que a Igreja colocou na segunda leitura da Liturgia das Horas, no dia de Sábado Santo, diz:

“Um grande silêncio reina, hoje, na terra, um grande silêncio e uma grande solidão. Um grande silêncio, porque o Rei dorme. A terra tremeu e acalmou-se, porque Deus adormeceu na carne e foi acordar os que dormiam desde séculos. Ele vai procurar Adão, nosso primeiro Pai, a ovelha perdida. Quer visitar todos os que se assentaram nas trevas e à sombra da morte. Vai libertar de suas dores aqueles dos quais é filho e para os quais é Deus: Adão, acorrentado, e Eva com ele cativa. “Eu sou teu Deus e por causa de ti me tornei teu filho. Levanta-te, tu que dormes, pois não te criei para que fiques prisioneiro do Inferno: Levanta-te dentre os mortos, eu sou a Vida dos mortos.”

O Papa beato João Paulo II, falando sobre este mistério, disse: “Depois da deposição de Jesus no sepulcro, Maria é a única que permanece a ter viva a chama da fé, preparando-se para acolher o anúncio jubiloso e surpreendente da ressurreição. A espera vivida no Sábado Santo constitui um dos momentos mais altos da fé da Mãe do Senhor. Na obscuridade que envolve o universo, Ela se entrega plenamente ao Deus da vida e, recordando as palavras do Filho, espera a realização plena das promessas divinas”. (L’Osservatore Romano, ed. port. n.21, 24/05/1997, pag. 12(240).

Felipe Aquino
[email protected]

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda