Tag: mundo

A problemática do suicídio

Jéssica Marçal / Da Redação

Citando o que diz o Catecismo, padre Mário explica que ainda há salvação para os que atentaram contra a própria vida

No mês de outubro de 2013, a intenção de oração geral do Papa Francisco trouxe à tona a problemática do suicídio. O Santo Padre rezou por todos os que estão desesperados a ponto de desejar o fim da própria vida, para que sintam a proximidade de Deus.

Mas o que leva uma pessoa ao suicídio? Segundo o psicólogo João Carlos Medeiros, que trabalha com psicologia há 20 anos, os motivos podem variar de uma frustração a transtornos psiquiátricos. Especialmente o “vazio” de um mundo secularizado pode levar ao esvaziamento existencial e à depressão, causando desespero maior como o suicídio.

João explica que, por algum desses dois fatores, a mente da pessoa entra em tal estado que ela acha melhor a morte como solução para um problema que ela tem em vida.

“Ela não percebe as consequências que isso pode gerar na vida dela ou então na vida das pessoas que vão ficar. Ela não se dá conta disso. Ela está em uma frustração muito grande, em um vazio existencial e não vê sentido na vida”.

O sentido que a vida tem hoje é um dos pontos destacados pelo padre Mário Marcelo Coelho, sjc, doutor em teologia moral. Ele explica que quando o sentido da vida é colocado em algo material que não é alcançado, isso causa frustração. Entretanto, mesmo quando se consegue o que queria, isso não leva à uma realização, e a pessoa se frustra da mesma maneira.

“Tanto é que um grande índice hoje de pessoas que têm depressão, tristeza e chegam até mesmo ao suicídio são de países ricos. Então não é o bem material que vai trazer uma satisfação pessoal”, destaca o sacerdote.

Posição da Igreja

A Igreja trata da questão do suicídio no Catecismo da Igreja Católica (CIC), especificamente nos números 2280, 2281 e 2282. Uma das primeiras considerações é de que a vida é um valor e precisa ser respeitada. O padre explica, então, que é preciso cada um reconhecer a vida como um dom de Deus, sentindo-se administrador dessa vida e não seu proprietário.

“Nós não podemos dispor dessa vida. O suicídio contradiz a própria inclinação pessoal do ser humano, de perpetuar e conservar a sua vida, e ele fere gravemente o amor a si mesmo, o dom que Deus deu, que é a própria vida”, pontuou o sacerdote.

Objeto de atenção devem ser, então, segundo o padre, as causas que levam ao suicídio, que podem ser variadas, conforme já citou o psicólogo. Esses são fatores que podem, inclusive, anular a responsabilidade da pessoa diante do suicídio.

“Mesmo sendo um atentado contra a vida, a responsabilidade da pessoa pode ser diminuída. Portanto, o que a Igreja pede? Fazer um discurso valorizando a vida e ajudar as pessoas que passam por momentos difíceis a darem um sentido à sua própria vida”, disse padre Mário.

O sacerdote esclareceu que mesmo a pessoa que cometeu suicídio pode ser salva, inclusive essa é uma questão que a Igreja pede em seus documentos. Ele citou como exemplo o número 2283 do Catecismo: “Não se deve desesperar da salvação das pessoas que se mataram. Deus pode, por caminhos que só Ele conhece, dar-lhes ocasião de um arrependimento salutar. A Igreja ora pelas pessoas que atentaram contra a própria vida”.

E a Igreja pede um carinho e atenção para com a família de quem cometeu suicídio, pois em muitos casos os familiares acabam se responsabilizando pelo que acontece. “Rezar, pedir que a misericórdia de Deus desça sobre a família e sobre a pessoa que se matou”, finalizou o padre.

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda