Tag: casa

Sexta-feira Santa tem coleta em favor da Terra Santa

Hoje, com todo o mundo, fazemos a coleta  em benefício  da Igreja Católica da Terra Santa (Jerusalém), pela salvaguarda «da memória» da passagem de Nosso Senhor em 74 Santos Lugares.

Visto a impossibilidade de subsistência da Igreja nessa região sem o apoio e solidariedade das outras Igrejas, que necessitam de moradias e trabalho para frear a tentação do êxodo que progressivamente diminui o número de cristãos.

No trabalho cotidiano da Custódia da Terra Santa estão comprometidos 300 frades franciscanos de mais de trinta nações diferentes que, juntamente com outros religiosos(as) e leigos(as) voluntários, se empenham na manutenção e renovação dos lugares santos como também no acolhimento e assistência aos peregrinos. A Custódia cuida de trinta paróquias e oitenta igrejas; dirige 16 escolas com 10.000 alunos e 400 professores, diferentes escritórios com 250 postos de trabalho, cinco hospedarias (as «Casas Novas») com quinhentos leitos para peregrinos, três residências de anciãos e dois internatos para órfãos.

Ajuda as famílias cristãs, em sua maioria excluídas do sistema político-religioso local, dando-lhes, moradias ou ajudando a pagar alugueis. Respalda a juventude universitária com bolsas de estudo, e as crianças com creches. Também promove uma ação científica, cultural e ecumênica através da Faculdade de Teologia Bíblica e Arqueologia de Jerusalém, o Centro de Estudos Orientais Cristãos do Cairo, o Instituto Magnificat de música sacra e uma Editora «FranciscanPrinting Press». Todas estas atividades são possíveis graças à generosidade dos cristãos de todo o mundo.

A coleta de hoje, Sexta-feira Santa, em todas as paróquias, será destinada, toda ela, para a ajuda à Custódia, que agradece o empenho e colaboração dos católicos.

 

Coleta é destinada aos projetos e trabalhos da Igreja da Terra Santa

Na Sexta-feira Santa acontece anualmente a coleta universal em favor da Terra Santa, promovida pelo Fórum Internacional da Ação Católica (FIAC).

“A coleta da Sexta-feira Santa é importante para a realização de programas de apoio aos cristãos da Terra Santa que dependem da ajuda financeira dos irmãos e irmãs em Cristo do mundo inteiro. É um modo de apoiar a missão da Igreja, especialmente nos lugares onde cada cristão deve se sentir em casa”, disse a responsável pela Coordenação Juvenil do FIAC, Codruta Fernea.

Na carta do prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais, Cardeal Leonardo Sandri, divulgada por ocasião da coleta, explicou que graças a essas doações, as comunidades católicas da Terra Santa – como o Patriarcado Latino de Jerusalém, a Custódia da Terra Santa, além das comunidades greco-melquita, copta, maronita, síria, caldeia e armênia, junto com as famílias religiosas e organizações de todos os tipos – receberão “apoio para estarem próximas aos pobres e aos sofredores sem distinção de credo ou etnia”,

Os jovens da Ação Católica se comprometem a encontrar em suas paróquias as formas mais adequadas de sensibilização para essa iniciativa, explicando a origem, o significado e trabalhando concretamente pela coleta de ofertas que serão enviadas para as dioceses.

No site do Fórum Internacional da Ação Católica – www.fiacifca.org – estão disponíveis materiais úteis para a coleta e atualizações sobre as atividades do FIAC relacionadas com a Terra Santa.

Santo Evangelho (Mc 10, 28-31)

8ª Semana do Tempo Comum – Terça-feira 28/02/2017

Primeira Leitura (Eclo 35,1-15)
Leitura do Livro do Eclesiástico.

1Aquele que guarda a lei faz muitas oferendas; 2aquele que cumpre os preceitos oferece um sacrifício salutar (3).4Aquele que mostra agradecimento, oferece flor de farinha, e o que pratica a beneficência oferece um sacrifício de louvor. 5O que agrada ao Senhor é afastar-se do mal, e o que o aplaca é deixar a injustiça. 6Não te apresentes na presença de Deus de mãos vazias, 7porque tudo isso se faz em virtude do preceito. 😯 sacrifício do justo enriquece o altar, o seu perfume sobe ao Altíssimo. 9A oblação do justo é aceitável, e sua memória não cairá no esquecimento. 10Honra ao Senhor com coração generoso e não regateies as primícias que apresentares. 11Faze todas as tuas oferendas com semblante sereno, e com alegria consagra o teu dízimo. 12Dá a Deus segundo a doação que ele te fez, e com generosidade, conforme as tuas posses; 13porque ele é um Deus retri­buidor, e te recompensará sete vezes mais. 14Não tentes corrompê-lo com presentes: ele não os aceita; 15nem confies em sacrifício injusto, porque o Senhor é um juiz que não faz discriminação de pessoas.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

 

Responsório (Sl 49)

— A todos que procedem retamente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.
— A todos que procedem reta­mente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.

— “Reuni à minha frente os meus eleitos, que selaram a Aliança em sacrifícios!” Testemunha o próprio céu seu julgamento, porque Deus mesmo é juiz e vai julgar.

— “Escuta, ó meu povo, eu vou falar; ouve, Israel, eu testemunho contra ti: Eu, o Senhor, somente eu, sou o teu Deus! Eu não venho censurar teus sacrifícios, pois sempre estão perante mim teus holocaustos.

— Imola a Deus um sacrifício de louvor e cumpre os votos que fizeste ao Altíssimo. Quem me oferece um sacrifício de louvor, este sim é que me honra de verdade. A todo homem que procede retamente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.

 

Evangelho (Mc 10,28-31)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 28começou Pedro a dizer a Jesus: “Eis que nós deixamos tudo e te seguimos”. 29Respondeu Jesus: “Em verdade vos digo, quem tiver deixado casa, irmãos, irmãs, mãe, pai, filhos, campos, por causa de mim e do Evangelho, 30receberá cem vezes mais agora, durante esta vida — casa, irmãos, irmãs, mães, filhos e campos, com perseguições — e, no mundo futuro, a vida eterna. 31Muitos que agora são os primeiros serão os últimos. E muitos que agora são os últimos serão os primeiros”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

 

A IGREJA CATÓLICA CELEBRA E VENERA HOJE
Santos Romão e Lupicino – Irmãos peregrinos 

Santos Romão e Lupicino, fundaram mosteiro baseado nas regras de São Pacômio, São Basílio e Cassiano

São Romão entrou para a vida religiosa com 35 anos, na França, onde nasceram os dois santos de hoje. Ele foi discernindo sua vocação, que o deixava inquieto, apesar de já estar na vida religiosa. Ao tomar as constituições de Cassiano e também o testemunho dos Padres do deserto, deixou o convento e foi peregrinar, procurando o lugar onde Deus o queria vivendo.

Indo para o Leste, encontrou uma natureza distante de todos e percebeu que Deus o queria ali.

Vivia os trabalhos manuais, a oração e a leitura, até o seu irmão Lupicino, então viúvo, se unir a ele. Fundaram então um novo Mosteiro, que se baseava nas regras de São Pacômio, São Basílio e Cassiano.

Romão tinha um temperamento e caminhada espiritual onde com facilidade era dado à misericórdia, à compreensão e tolerância. Lupicino era justiça e intolerância. Nas diferenças, os irmãos se completavam, e ajudavam aos irmãos da comunidade, que a santidade se dá nessa conjugação: amor, justiça, misericórdia, verdade, inspiração, transpiração, severidade, compreensão. Eles eram iguais na busca da santidade.

O Bispo Santo Hilário ordenou Romão, que faleceu em 463. E em 480 vai para a glória São Lupicino.

Santos Romão e Lupicino, rogai por nós!

Entronizemos a Sagrada Família em nossas casas

padrejonas.com  

Jesus, Maria e José precisam ser entronizados em nossa casa para que nós e nossa família sirvamos ao Senhor. Que Jesus, Maria e José sejam nossos donos, os senhores da nossa casa!

Nossa Senhora veio ao mundo com a missão exclusiva de ser mãe do Filho de Deus. O Pai quis que Seu Filho se fizesse homem e tivesse uma mãe biológica; Maria foi a escolhida. Desde o início, ela foi escolhida em vista do Filho. Sendo Sua mãe, ela também se pôs a Seu serviço. Ela também poderia dizer: “É preciso que Ele cresça e que eu diminua”.

No alto da cruz, Jesus nos deu Maria como mãe. Mas, desde toda a eternidade, quando o Pai concebeu Seu plano, Ele já trazia no coração que a Virgem Maria seria mãe do Seu Filho e mãe de todos nós, para que Jesus fosse o primogênito de uma multidão de irmãos.

São José também foi escolhido por Deus para ser o pai adotivo de Jesus por obra do Espírito Santo. José investiu toda a sua vida em Maria e em Jesus, vivendo somente para os dois. Esse foi o seu ato de fé. Uma fé concreta, que atingiu a vida. Nós podemos imaginar todo o carinho que José tinha por Maria e que ela tinha por José. Ele abriu mão de ser pai biológico para investir toda a sua vida, unicamente, nela e em Jesus.

Certamente, ele esperava viver uma vida normal com Maria, ser esposo dela e ter filhos como todo judeu. Para os judeus, ter filhos era muito importante, mas José abriu mão de tudo isso. Ele aceitou não ser pai de ninguém para ser o esposo de Maria e o pai adotivo de Jesus. Que beleza ele viveu!

Olhando para São José, vemos como é linda a nossa vocação de homens. O Senhor confiou no homem e lhe entregou uma mulher, do mesmo modo que entregou Maria a José. Deus, que é Pai, deu ao homem a missão de ser pai, confiou-lhe filhos para criar. São filhos de Deus, mas foram entregues ao homem para serem cuidados.

Que os maridos amem suas esposas, entreguem-se por elas e, como o modelo de Maria e José, honrem o dom e a bênção que Deus lhes deu pelo sacramento do matrimônio.

Para que você e sua casa sirvam ao Senhor, é preciso que Jesus seja o Rei, o Senhor da sua casa.

Eu convido você para fazer a entronização da Sagrada Família em seu lar. Tome uma imagem ou um quadro a fim de que Jesus, Maria e José permaneçam onde você mora. Que eles sejam os donos da sua casa e você possa dizer: “Jesus, Maria e José, minha família vossa é”.

Histórias e contos de Natal

Nenhum conto pode competir com o que escreveu Charles Dickens em 1844, Conto de Natal.
Através dos sonhos que sobressaltam ao rico avarento Mr Scrooge, Dickens sabe evocar todas as nostalgias do Natal. E mostra que o principal calor desses dias nasce do carinho nos lares. Boa pregação e mensagem para as festas. Poucos o terão lido e quase todos o terão visto em alguma das múltiplas versões cinematográficas. Porque é uma das histórias que mais vezes foi levada ao cinema. A primeira foi em 1913.
Desde então, se rodou de todas as maneiras possíveis, inclusive em desenhos animados (Murakami) e com fantoches (e Michel Caine). Mas a versão mais famosa é a de Brian Desmond Hust (1951), com um impressionante Alistair Sin como Mr Scrooge. Ano após ano, volta à tela, o inesquecível filme de Frank Capra, Que belo é viver. No fundo, é uma releitura da história de Dickens. Com James Stewart a ponto de suicidar! se, um simpático anjo não lhe fizesse pensar no que teria passado se não tivesse vivido. Ninguém está sobrando no mundo. Também é uma boa mensagem de Natal.
Algo tem o Natal quando suas histórias e contos podem dizer-nos simplesmente coisas tão importantes. Como se estivessem dirigidas a crianças, são recordadas aos grandes. Já as sabemos, mas, em outras circunstâncias, nos dá pudor dizê-las. Quiçá porque são enormemente bonitas, simples e ternas. Em outras épocas do ano, preferimos linguagens abstratas, que sempre são menos ternas que os contos. Provavelmente é uma maneira de resistir-se a reconhecer que, no fundo, seguimos sendo crianças. Porque aspiramos ao mesmo que elas: um pouco de carinho, um pouco de proteção, um pouco de festa e tempo para brincar. O mundo dos grandes, com suas seriedades e preocupações, é só para as horas de trabalho. Mas a felicidade tem que ver com o que ingenuamente desejam as crianças. Não há outra fórmula: “Se não vos fizerdes como as crianças, não entrareis no Reino dos Céus…”.
O Natal, por ser para as crianças, é tempo de histórias e contos. E, desde que existe a Internet, podem ser encontrados milhares na rede. Para todos os gostos. Também há contos horrorosos, desesperançados e pós-modernos. Querem ser contos para os grandes e, por isso mesmo, perderam o Norte, e não sabem aonde vão. Pelo contrário, me aconselharam o conto que publicou faz poucos anos Enrique Monasterio, A Manjedoura que Deus colocou. Começa de uma maneira preciosa: “No princípio Deus quis colocar um Presépio e criou o universo para enfeitar a manjedoura”. Explica que o Natal “não é um aniversário, nem uma recordação; muito menos é um sentimento; é o dia em que Deus coloca uma manjedoura em cada alma”. E com essa inspiração constrói seu relato. Estupendo.
Mas a principal história do Natal não é um conto nem uma recreação literária. É a recordação do Nascimento de Jesus, o Filho de Deus que nasceu de Maria naquela noite, santa desde então.
Por isso, antes que um conto, no Natal é preciso recomendar os começos do Evangelho de São Lucas e de São Mateus. Na Alemanha, existe o entranhável costume de ler em família, em voz alta, junto a Manjedoura, o capítulo 2 de São Lucas, na mesma noite de Natal. Ali aparecem Maria e José, e nos é contado que não encontraram lugar na pousada, e que tiveram que buscar um presépio. E se recorda a imensa alegria dos anjos e seu anúncio aos pastores. Com essa mensagem de Deus, que sempre é oportuna para os homens que devemos ser crianças: “Glória a Deus no Céu e paz na terra aos homens que ama o Senhor”.

JESUS VEM ME VISITAR!
Imagine que um amigo lhe telefona agora e avisa que daqui a 30 minutos Jesus virá visitá-lo.
Desligando o telefone você olha ao seu redor e vê que a faxina não foi feita, não há nada especial na geladeira ou na despensa para servir e corre para varrer rapidinho a sala, arruma umas almofadas no sofá para que Jesus se sinta mais confortável e coloca uma Bíblia estrategicamente aberta na mesa de centro.
Esconde os cigarros, os cinzeiros sujos, as bebidas alcoólicas, as revistas impróprias, CDs de rock pesado, forró duplo sentido, os livros de bruxas e Harry Potter dos seus filhos adolescentes, DVDs inadequados a uma casa cristã, o buda de gesso, os livros de Kardec, Paulo Coelho e esoterismo que estão na estante, e de repente bate o desespero.
É tanta coisa para esconder de Jesus que nem dará tempo tentar, e o pior, ainda preciso tomar um banho, pentear os cabelos e vestir uma roupa apropriada para a ocasião! Mas que roupa deveria vestir?
O desespero se instala!
O celular toca. É seu amigo novamente, agora avisando que Maria Santíssima virá com seu Filho Jesus e trarão também alguns anjos da corte celeste.
E agora? Como receberei o céu em minha casa no meio daquele caos? Sento-me exausto e choro. Choro e esqueço do relógio. Minha vida passa por meus pensamentos com um filme. A cada erro que relembro ter cometido, é como se uma espada penetrasse o meu coração por ter ofendido à Deus. Enquanto aquele choro sincero lava a minha alma esqueço da hora e me assusto com a campainha que toca. Vou cabisbaixo abrir a porta, como olharei para Jesus, Maria e seus anjos, todo desgrenhado, olhos inchados, suado e infeliz?
Ao me deparar com o Rei dos reis na minha porta, meu impulso é jogar-me ao chão. O impacto da Sua presença me paralisa. Passado o choque, mãos fortes e amorosas, mãos paternais me ajudam a levantar, e uma voz cálida e trovejante me transpassa a alma ferida. Aqueles olhos profundos, de uma santidade e misericórdia jamais descritíveis, me olham com um misto de piedade e alegria. Esqueço de quem sou e me entrego a um abraço longo, onde todo um passado equivocado é trocado por uma nova vida de certezas.
Já refeito, olho para a doce Mãe ali na porta da minha casa esperando ser acolhida, e então os convido:
Meu Senhor e minha Mãe, não tenho nada para ofertar-lhes, minha casa está despreparada assim como está também o meu coração, mas, vejo todo o amor do mundo em vossos olhos e seria uma imensa honra recebê-los. Se ainda quiserem, por favor, podem entrar!
Estamos no advento. Todos os anos nós cristãos deveríamos aproveitar este período para refazer nosso relacionamento com Deus e nos preparar dignamente para recebê-lo, não somente no natal, mas, em qualquer dia, todos os dias!
Quando Jesus veio pela primeira vez muitos O rejeitaram e nossos pecados O rejeitam até hoje.
Ele vem pela segunda e definitiva vez. A hora e o dia não sabemos, mas, estejamos prontos para que não sejamos surpreendidos de mãos e corações vazios.
“Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. Na terra a aflição e a angústia apoderar-se-ão das nações pelo bramido do mar e das ondas. Os homens definharão de medo na expectativa dos males que devem sobrevir a toda a terra. As próprias forças dos céus serão abaladas. Então verão o Filho do homem vir sobre uma nuvem com grande glória e majestade. Quando começarem a acontecer estas coisas, reanimai-vos e levantai as vossas cabeças; porque se aproxima a vossa libertação” (Lc 21, 25-28).
“Velai sobre vós mesmos, para que os vossos corações não se tornem pesados com o excesso de comer, com a embriaguez e com as preocupações da vida; para que aquele dia não vos apanhe de improviso. Como um laço cairá sobre aqueles que habitam a face de toda a terra. Vigiai, pois, em todo o tempo e orai, a fim de que vos torneis dignos de escapar a todos estes males que hão de acontecer, e de vos apresentar de pé diante do Filho do homem” (Lc 21, 34-36).
“Eis que Estou à porta e bato: se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei Eu com ele, e ele Comigo” (Ap 3, 20).
“Se alguém Me ama, guardará a Minha palavra e o meu Pai o amará e a ele viremos e nele estabeleceremos a nossa morada” (Jo 14, 23).

Santo Evangelho (Mt 9, 27-31)

1ª Semana do Advento – Sexta-feira 02/12/2016 

Primeira Leitura (Is 29,17-24)
Leitura do Livro do Profeta Isaías.

Assim fala o Senhor Deus: 17Dentro de pouco tempo, não se transformará o Líbano em jardim? E não poderá o jardim tornar-se floresta? 18Naquele dia, os surdos ouvirão as palavras do livro e os olhos dos cegos verão, no meio das trevas e das sombras. 19Os humildes aumentarão sua alegria no Senhor, e os mais pobres dos homens se rejubilarão no Santo de Israel; 20fracassou o prepotente, desapareceu o trapaceiro, e sucumbiram todos os malfeitores precoces, 21os que faziam os outros pecar por palavras, e armavam ciladas ao juiz à porta da cidade e atacavam o justo com palavras falsas. 22Isto diz o Senhor à casa de Jacó, ele que libertou Abraão: “Agora, Jacó não mais terá que envergonhar-se nem seu rosto terá de enrubescer; 23quando contemplarem as obras de minhas mãos, hão de honrar meu nome no meio do povo, honrarão o Santo de Jacó, e temerão o Deus de Israel; 24os homens de espírito inconstante conseguirão sabedoria e os maldizentes concordarão em aprender”.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

 

Responsório (Sl 26)

— O Senhor é minha luz e salvação.
— O Senhor é minha luz e salvação.

— O Senhor é minha luz e salvação; de quem eu irei ter medo? O Senhor é a proteção da minha vida; perante quem eu tremerei?

— Ao Senhor eu peço apenas uma coisa, e é só isso que eu desejo: habitar no santuário do Senhor por toda a minha vida; saborear a suavidade do Senhor e contemplá-lo no seu templo.

— Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver na terra dos viventes. Espera no Senhor e tem coragem, espera no Senhor!

 

Evangelho (Mt 9,27-31)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 27partindo Jesus, dois cegos o seguiram, gritando: “Tem piedade de nós, filho de Davi!” 28Quando Jesus entrou em casa, os cegos se aproximaram dele. Então Jesus perguntou-lhes: “Vós acreditais que eu posso fazer isso?” Eles responderam: “Sim, Senhor”. 29Então Jesus tocou nos olhos deles, dizendo: “Faça-se conforme a vossa fé”. 30E os olhos deles se abriram. Jesus os advertiu severamente: “Tomai cuidado para que ninguém fique sabendo”. 31Mas eles saíram, e espalharam sua fama por toda aquela região.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

 

A IGREJA CATÓLICA CELEBRA E VENERA HOJE
São Cromácio – Bispo de Aquiléia (Itália) 

A casa de São Cromácio era centro de atividade espiritual, de estudo, oração e encontro de amigos sacerdotes e leigos, dispostos a cresceram para Deus

Hoje a Igreja nos apresenta São Cromácio, Bispo de Aquiléia (Itália). Esta cidade da Europa, por um tempo foi muito importante para o Império Romano, que a tinha como centro político e principalmente para o Cristianismo, pois São Jerônimo a chamou: “Comunidade de santos”. Neste contexto que, no século IV, Cromácio aparece como pertencente do Clero de Aquiléia e ajudante fiel do Bispo Valeriano. Cromácio nasceu em Aquiléia no ano 345.

São Cromácio colaborou na organização da diocese e na luta contra o Arianismo, que semeava a mentira em que Jesus Cristo seria criatura escolhida, e não Deus. A casa de São Cromácio era centro de atividade espiritual, de estudo, oração e encontro de amigos sacerdotes e leigos, dispostos a cresceram para Deus. Quando Valeriano morreu, todos – Clero e o povo – não tiveram dúvida em aclamar Cromácio para Bispo de Aquiléia. Isto em 388.

Como Bispo, foi santo e sábio pastor, culto, enérgico na defesa da doutrina e incansável na evangelização dos povos, o próprio São Cromácio se destacou como pregador e escritor, além de cooperar para que São Jerônimo e Rufino trabalhassem cada um na sua tradução das Sagradas Escrituras. São Cromácio faleceu em sua cidade – Aquiléia – no ano de 408, local que jamais esqueceu deste santo Bispo.

São Cromácio, rogai por nós!

Santo Evangelho (Mt 7, 21.24-27)

1ª Semana do Advento – Quinta-feira 01/12/2016 

Primeira Leitura (Is 26,1-6)
Leitura do Livro do Profeta Isaías.

1Naquele dia, cantarão este canto em Judá: “Uma cidade fortificada é a nossa segurança; o Senhor cercou-a de muros e antemuro. 2Abri as suas portas, para que entre um povo justo, cumpridor da palavra, 3firme em seu propósito; e tu lhe conservarás a paz, porque confia em ti. 4Esperai no Senhor por todos os tempos, o Senhor é a rocha eterna. 5Ele derrubou os que habitam no alto, há de humilhar a cidade orgulhosa, deitando-a por terra, até fazê-la beijar o chão. 6Hão de pisá-la os pés, os pés dos pobres, as passadas dos humildes”.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

 

Responsório (Sl 117)

— Bendito é aquele que vem vindo em nome do Senhor.
— Bendito é aquele que vem vindo em nome do Senhor.

— Dai graças ao Senhor porque ele é bom! “Eterna é a sua misericórdia!” É melhor buscar refúgio no Senhor, do que pôr no ser humano a esperança; é melhor buscar refúgio no Senhor, do que contar com os poderosos do mundo!”

— Abri-me vós, abri-me as portas da justiça; quero entrar para dar graças ao Senhor! “Sim, esta é a porta do Senhor, por ela só os justos entrarão!” Dou-vos graças, ó Senhor, porque me ouvistes e vos tornastes para mim o Salvador!

— Ó Senhor, dai-nos a vossa salvação, ó Senhor, dai-nos também prosperidade! Bendito seja, em nome do Senhor, aquele que em seus átrios vai entrando! Desta casa do Senhor vos bendizemos. Que o Senhor e nosso Deus nos ilumine!

 

Evangelho (Mt 7,21.24-27)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 21“Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos Céus, mas o que põe em prática a vontade de meu Pai que está nos céus. 24Portanto, quem ouve estas minhas palavras e as põe em prática, é como um homem prudente, que construiu sua casa sobre a rocha. 25Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos deram contra a casa, mas a casa não caiu, porque estava construída sobre a rocha. 26Por outro lado, quem ouve estas minhas palavras e não as põe em prática, é como um homem sem juízo, que construiu sua casa sobre a areia. 27Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos sopraram e deram contra a casa, e a casa caiu, e sua ruína foi completa!”

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

 

A IGREJA CATÓLICA CELEBRA E VENERA HOJE
Santo Elígio, um homem de muitas profissões 

Santo Elígio, foi grande organizador, apóstolo cheio de zelo, sabedoria e bondade

Santo Elígio nasceu em Limoges no ano de 588, de nobre família galo-romana, exerceu várias profissões e chegou a Bispo.

Elígio (também conhecido pelo nome de Elói) que em Paris tinha trabalhado como aprendiz junto com o superintendente de confecções de moedas reais, empenhou-se tanto e com tamanha honestidade que, com o precioso metal (ouro) que lhe foi fornecido para fazer um trono para o rei Clotário II, ele fez dois tronos, isso valeu-lhe a promoção de diretor da casa da moeda e ourives do rei. Ainda existem muitas moedas assinadas por Elígio e sabe-se que, em determinada altura, também cunhou moedas em Marselha.

No tempo de Dagoberto II, filho e sucessor de Clotário II, Elígio foi um dos conselheiros mais influentes do rei. Diz-se que os enviados dos príncipes estrangeiros se avistavam previamente com ele, antes de serem recebidos oficialmente pelo soberano. Era diplomata hábil e por mais de uma vez conseguiu evitar a guerra. Gozava de tanta confiança junto do rei, que não só se permitia fazer-lhe reparos sobre a indumentária descuidada, mas também sobre a sua vida privada que, como se sabe, deixava ainda mais a desejar.

O tempo que sobrava a este homem da corte, dos seus negócios e orações, de acudir aos pobres, remir cativos ou libertar escravos, empregava-o em honrar com a sua arte as relíquias dos santos. Atribuem-se-lhe os relicários feitos para S. Germano de Paris, S. Piat, S. Severino, S. Martinho, Santa Comba e Santa Genoveva. Diz-se que decorou também com trabalhos de ourivesaria o túmulo de S. Dinis. Além disso, fundou mosteiros, entre os quais um perto de Solignac em Limousin, outro dedicado a S. Martinho de Noyon e ainda outro a seis milhas de Arrás, numa colina que depois se chamou Monte de Santo Elói (Santo Elígio).

Em 639, morto o rei, demitiu-se de todos os cargos, para entrar na vida eclesiástica, tendo sido ordenado sacerdote por Deodato, Bispo de Mans. Foi sagrado Bispo em Ruão, no dia 14 de maio de 641, e ocupou desde então a Sé Episcopal de Noyon. Foi grande organizador, apóstolo cheio de zelo, sabedoria e bondade. A sua atividade irradiou para Flandres, Holanda e até, segundo se conta, para a Suécia e Dinamarca.

Faleceu no ano de 659 com 71 anos de idade.

Santo Elígio, rogai por nós!

Santo Evangelho (Lc 19, 1-10)

31º Domingo do Tempo Comum – 30/10/2016 

Primeira Leitura (Sb 11,22-12,2)
Leitura do Livro da Sabedoria:

22Senhor, o mundo inteiro, diante de ti, é como um grão de areia na balança, uma gota de orvalho da manhã que cai sobre a terra. 23Entretanto, de todos tens compaixão, porque tudo podes. Fechas os olhos aos pecados dos homens, para que se arrependam. 24Sim, amas tudo o que existe, e não desprezas nada do que fizeste; porque, se odiasses alguma coisa não a terias criado. 25Da mesma forma, como poderia alguma coisa existir, se não a tivesses querido? Ou como poderia ser mantida, se por ti não fosse chamada? 26A todos, porém, tu tratas com bondade, porque tudo é teu, Senhor, amigo da vida. 12,1O teu espírito incorruptível está em todas as coisas! 2É por isso que corriges com carinho os que caem e os repreendes, lembrando-lhes seus pecados, para que se afastem do mal e creiam em ti, Senhor.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

 

Responsório (Sl 144)

— Bendirei eternamente vosso nome;/ para sempre, ó Senhor, o louvarei!
— Bendirei eternamente vosso nome;/ para sempre, ó Senhor, o louvarei!

— Ó meu Deus, quero exaltar-vos, ó meu Rei,/ e bendizer o vosso nome pelos séculos./ Todos os dias haverei de bendizer-vos,/ hei de louvar o vosso nome para sempre.

— Misericórdia e piedade é o Senhor,/ ele é amor, é paciência, é compaixão./ O Senhor é muito bom para com todos,/ sua ternura abraça toda criatura.

— Que vossas obras, ó Senhor, vos glorifiquem,/ e os vossos santos com louvores vos bendigam!/ Narrem a glória e o esplendor do vosso reino/ e saibam proclamar vosso poder!

— O Senhor é amor fiel em sua palavra,/ é santidade em toda obra que ele faz./ Ele sustenta todo aquele que vacila/ e levanta todo aquele que tombou.

 

Segunda Leitura (2Ts 1,11-2,2)
Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Tessalonicenses:

Irmãos: 11Não cessamos de rezar por vós, para que o nosso Deus vos faça dignos da sua vocação. Que ele, por seu poder, realize todo o bem que desejais e torne ativa a vossa fé. 12Assim o nome de nosso Senhor Jesus Cristo será glorificado em vós, e vós nele, em virtude da graça do nosso Deus e do Senhor Jesus Cristo. 2,1No que se refere à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e à nossa união com ele, nós vos pedimos, irmãos: 2não deixeis tão facilmente transtornar a vossa cabeça, nem vos alarmeis por causa de alguma revelação, ou carta atribuída a nós, afirmando que o Dia do Senhor está próximo.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

 

Anúncio do Evangelho (Lc 19,1-10)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1Jesus tinha entrado em Jericó e estava atravessando a cidade. 2Havia ali um homem chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores de impostos e muito rico. 3Zaqueu procurava ver quem era Jesus, mas não conseguia, por causa da multidão, pois era muito baixo. 4Então ele correu à frente e subiu numa figueira para ver Jesus, que devia passar por ali. 5Quando Jesus chegou ao lugar, olhou para cima e disse: “Zaqueu, desce depressa! Hoje eu devo ficar na tua casa”. 6Ele desceu depressa, e recebeu Jesus com alegria. 7Ao ver isso, todos começaram a murmurar, dizendo: “Ele foi hospedar-se na casa de um pecador!” 8Zaqueu ficou de pé, e disse ao Senhor: “Senhor, eu dou a metade dos meus bens aos pobres, e se defraudei alguém, vou devolver quatro vezes mais”. 9Jesus lhe disse: “Hoje a salvação entrou nesta casa, porque também este homem é um filho de Abraão. 10Com efeito, o Filho do Homem veio procurar e salvar o que estava perdido”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

 

A IGREJA CATÓLICA CELEBRA E VENERA HOJE
São Frumêncio – Padre portador da paz 

A história do santo de hoje se entrelaça com a conversão de uma multidão de africanos ao amor de Cristo e à Salvação

São Frumêncio nasceu em Liro da Fenícia. Quando menino, juntamente com o irmão Edésio, acompanhava um filósofo de nome Merópio, numa viagem em direção às Índias. A embarcação, cruzando o Mar Vermelho, foi assaltada e só foram poupados da morte os dois jovens, Frumêncio e Edésio, que foram levados escravos para Aksum (Etiópia) a serviço da Corte.

Deste mal humano, Deus tirou um bem, pois ao terem ganhado o coração do rei Ezana com a inteligência e espírito de serviço, fizeram de tudo para ganhar o coração da África para o Senhor. Os irmãos de ótima educação cristã, começaram a proteger os mercadores cristãos de passagem pela região e, com a permissão de construírem uma igrejinha, começaram a evangelizar o povo. Passados quase vinte anos, puderam voltar à pátria e visitar os parentes: Edésio foi para Liro e Frumêncio caminhou para partilhar com o Patriarca de Alexandria, Santo Atanásio, as maravilhas do Ressuscitado na Etiópia e também sobre a necessidade de sacerdotes e um Bispo. Santo Atanásio admirado com os relatos, sabiamente revestiu Frumêncio com o Poder Sacerdotal e nomeou-o Bispo sobre toda a Etiópia, isto em 350.

Quando voltou, Frumêncio foi acolhido com alegria como o “Padre portador da Paz”. Continuou a pregação do Evangelho no Poder do Espírito, ao ponto de converterem o rei Ezana, a rainha, e um grande número de indígenas, isto pelo sim dos jovens irmãos e pela perseverança de Frumêncio. Quase toda a Etiópia passou a dobrar os joelhos diante do nome que está acima de todo o nome: Jesus Cristo.

São Frumêncio, rogai por nós!

Santo Evangelho (Lc 14, 1.7-11)

30ª Semana Comum – Sábado 29/10/2016 

ANO PAR

Primeira Leitura (Fl 1,18b-26)
Leitura da Carta de São Paulo aos Filipenses.

Irmãos, 18bde qualquer maneira, com segundas intenções ou com sinceridade, Cristo é anunciado. E eu me alegro com isso, e sempre me alegrarei. 19Pois eu sei que isso resultará na minha salvação graças à vossa oração e à assistência do Espírito de Jesus Cristo. 20Segundo a minha viva expectativa e a minha esperança, não terei de corar de vergonha. Se a minha firmeza continuar total, como sempre, então Cristo vai ser glorificado no meu corpo, seja pela minha vida, seja pela minha morte. 21Pois para mim, o viver é Cristo e o morrer é lucro. 22Entretanto, se o viver na carne significa que meu trabalho será frutuoso, neste caso, não sei o que escolher. 23Sinto-me atraído para os dois lados: tenho desejo de partir, para estar com Cristo – o que para mim seria de longe o melhor – 24mas para vós é mais necessário que eu continue minha vida neste mundo. 25Por isso, sei com certeza que vou ficar e continuar com vós todos, para que possais progredir e alegrar-vos na fé. 26Assim, com a minha volta para junto de vós, vai aumentar ainda a razão de vos gloriardes em Cristo Jesus.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

 

Responsório (Sl 41)

— Minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo!
— Minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo!

— Assim como a corça suspira pelas águas correntes, suspira igualmente minh’alma por vós, ó meu Deus!

— Minha alma tem sede de Deus, e deseja o Deus vivo. Quando terei a alegria de ver a face de Deus?

— Peregrino e feliz caminhando para a casa de Deus, entre gritos, louvor e alegria da multidão jubilosa.

 

ANO ÍMPAR

Primeira Leitura (Rm 11,1-2a.11-12.25-29)
Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos.

Irmãos, 1eu pergunto: Será que Deus rejeitou o seu povo? — de modo algum. Pois também eu sou israelita, da descendência de Abraão, da tribo de Benjamim… 2aDeus não rejeitou o seu povo, que ele desde sempre considerou. 11Eu pergunto: Acaso eles tropeçaram para cair? — Não, de modo algum. De fato, o passo em falso que eles deram serviu para a salvação dos pagãos, e a salvação dos pagãos, por sua vez, deve servir para despertar ciúme neles. 12Ora, se o passo em falso deles foi riqueza para o mundo e o pequeno número de crentes dentre eles foi riqueza para os pagãos, que riqueza não será a adesão de todos eles ao Evangelho! 25Irmãos, para não serdes presunçosos por causa da vossa sabedoria, é importante que conheçais o mistério, a saber: o endurecimento de uma parte de Israel é para durar até que a totalidade dos pagãos tenha entrado na salvação. 26E então todo o Israel será salvo, como está escrito: “De Sião virá o libertador; ele tirará as impiedades do meio de Jacó. 27Essa será a realização da minha aliança com eles, quando eu tirar os seus pecados”. 28De fato, com relação ao evangelho, eles são inimigos para benefício vosso, mas com relação à escolha divina, eles são amados, por causa dos patriarcas. 29Pois os dons e a vocação de Deus são irrevogáveis.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

 

Responsório (Sl 93)

— O Senhor não rejeita o seu povo!
— O Senhor não rejeita o seu povo!

— É feliz, ó Senhor, quem formais e educais nos caminhos da Lei, para dar-lhe um alívio na angústia.

— O Senhor não rejeita o seu povo e não pode esquecer sua herança: voltarão a juízo as sentenças; quem é reto andará na justiça.

— Se o Senhor não me desse uma ajuda, no silêncio da morte estaria! Quando eu penso: “Estou quase caindo!” Vosso amor me sustenta, Senhor!

 

Evangelho (Lc 14,1.7-11)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

1Aconteceu que, num dia de sábado, Jesus foi comer na casa de um dos chefes dos fariseus. E eles o observavam. 7Jesus notou como os convidados escolhiam os primeiros lugares. Então contou-lhes uma parábola: 8“Quando fores convidado para uma festa de casamento, não ocupes o primeiro lugar. Pode ser que tenha sido convidado alguém mais importante do que tu, 9e o dono da casa, que convidou os dois, venha te dizer: ‘Dá o lugar a ele’. Então ficarás envergonhado e irás ocupar o último lugar. 10Mas, quando fores convidado, vai sentar-te no último lugar. Assim, quando chegar quem te convidou, te dirá: ‘Amigo, vem mais para cima’. E isto vai ser uma honra para ti diante de todos os convidados. 11Porque quem se eleva será humilhado e quem se humilha será elevado”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

 

A IGREJA CATÓLICA CELEBRA E VENERA HOJE
São Narciso – Bispo de Jerusalém

Presidiu com Teófilo de Cesareia a um concílio onde foi aprovada a determinação de se celebrar sempre a Páscoa num Domingo

O santo de hoje, São Narciso, foi Bispo de Jerusalém e, quando se deu tal fato, devia ter quase cem anos de idade. Narciso não era judeu e teria nascido no ano 96. Homem austero, penitente, humilde, simples e puro, sabe-se que presidiu com Teófilo de Cesareia a um concílio onde foi aprovada a determinação de se celebrar sempre a Páscoa num Domingo.

Eusébio narra que em certo dia de festa, em que faltou o óleo necessário para as unções litúrgicas, Narciso mandou vir água de um poço vizinho, e com sua bênção a transformou em óleo. Conta também as circunstâncias que levaram Narciso a demitir-se das suas funções.

Para se justificarem de um crime, três homens acusaram o Bispo Narciso de certo ato infame. “Que me queimem vivo – disse o primeiro – se eu minto”. “E a mim, que me devore a lepra”, disse o segundo. “E que eu fique cego”, acrescentou o terceiro. O desgosto de ser assim caluniado despertou em Narciso o seu antigo desejo pelo recolhimento e, por isso, sem dizer para onde ia, perdoou os caluniadores e saiu de Jerusalém em direção ao deserto. Considerando-o definitivamente desaparecido, deram-lhe por sucessor a Dio, ao qual por sua vez sucederam Germânio e Górdio. Todavia, os três caluniadores não tardaram a sofrer os castigos que em má hora tinham invocado, pois o primeiro pereceu num incêndio com todos os seus, o segundo morreu de lepra e o terceiro cegou à força de tanto chorar o seu pecado.

Alguns anos depois, Narciso reapareceu na cidade episcopal. Nunca tinha sido posta em dúvida a santidade do seu procedimento.; por isso, foi com imensa alegria que Jerusalém recebeu seu antigo pastor. Segundo diz Eusébio, continuou Narciso a governar a diocese até a idade de 119 anos, auxiliado por um coadjutor chamado Alexandre. Faleceu cerca do ano de 212.

São Narciso, rogai por nós!

XXXI Domingo do Tempo Comum – Ano C

Santo Evangelho segundo São Lucas 19, 1-10
Tendo entrado em Jericó, Jesus atravessava a cidade. Vivia ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe de cobradores de impostos. Procurava ver Jesus e não podia, por causa da multidão, pois era de pequena estatura. Correndo à frente, subiu a um sicómoro para o ver, porque Ele devia passar por ali. Quando chegou àquele local, Jesus levantou os olhos e disse-lhe: «Zaqueu, desce depressa, pois hoje tenho de ficar em tua casa.» Ele desceu imediatamente e acolheu Jesus, cheio de alegria. Ao verem aquilo, murmuravam todos entre si, dizendo que tinha ido hospedar-se em casa de um pecador. Zaqueu, de pé, disse ao Senhor: «Senhor, vou dar metade dos meus bens aos pobres e, se defraudei alguém em qualquer coisa, vou restituir-lhe quatro vezes mais.» Jesus disse-lhe: «Hoje veio a salvação a esta casa, por este ser também filho de Abraão; pois, o Filho do Homem veio procurar e salvar o que estava perdido.»

 

Por Pe. Inácio José Schuster

Zaqueu queria ver Jesus em Jericó mas, como era de baixa estatura, subiu ao Sicômoro, isto é, uma árvore alta e frondosa. Zaqueu era um publicano, Zaqueu era uma autoridade pública, mas Zaqueu não teve medo do ridículo; ele queria ver Jesus.
Do alto daquele observatório cômodo Zaqueu podia, sem ser percebido, olhar para aquele de quem havia ouvido muita coisa. Era um curioso. Mas a sua curiosidade se transformou em perplexidade quando Jesus, passando por ele, levantou os olhos, o viu e gritou: “Zaqueu, desce depressa porque hoje é preciso que eu me hospede em tua casa”. Zaqueu não esperou o segundo chamamento, imediatamente desceu e recebeu Jesus, com alegria, na sua casa.
Porém, o evangelista não nos trouxe o texto só porque Zaqueu foi um bom anfitrião para Jesus; a consciência de Zaqueu pesava e pesava bastante, sobretudo quando se viu face a face com Jesus. Sem que Jesus tivesse sequer insinuado, ou insistido, Zaqueu começou logo a confessar: “Senhor, eu fui desonesto, Senhor, eu defraudei, mas eu estou disposto a pagar quatro vezes mais aqueles a quem eu extorqui dinheiro e a metade dos meus bens eu darei aos pobres”.
Jesus consentiu na generosidade de Zaqueu e afirma que o Filho do Homem veio para salvar quem estava perdido. É interessante: muito mais tarde, São Francisco de Assis deixou tudo, absolutamente tudo, até mesmo a roupa do corpo ficando nu na frente do pai e do próprio bispo porque não queria absolutamente nada de sua família.
Deus nos trata diferentemente. De Zaqueu se contentou com a metade, de São Francisco de Assis exigiu tudo. E assim cada um na oração, cada um no contato diário com Deus vai percebendo o que Deus quer e o que Deus deseja dele. No entanto, Deus ama aquele que dá com alegria.
Seja o que for o que Deus pedir deve ser dado. É muito? É pouco? O que Deus quer de mim? Que abandone tudo? Que abandone o quê? Não tenho fórmula e resposta para tudo, cada um se sinta a vontade, sozinho, e responsável com Deus na oração; e a resposta virá juntamente com o esclarecimento. O que Deus verdadeiramente quer e pede de mim?

 

«Zaqueu, desce depressa»
Santa Teresa do Menino Jesus (1873-1897), carmelita, Doutora da Igreja / Carta 137, à sua irmã Celina (in OC, Cerf DDB 1992, p. 452)

Jesus juntou-nos, se bem que por caminhos diferentes; juntas nos elevou acima de todas as coisas frágeis deste mundo, de todas as coisas que passam; por assim dizer, colocou todas as coisas debaixo dos nossos pés. Como Zaqueu, nós subimos a uma árvore para ver Jesus. Então poderíamos dizer como São João da Cruz: «Tudo é meu, tudo é para mim, a Terra é minha, o Céu é meu, Deus é meu e a Mãe do meu Deus é minha». […]
Celina, que mistério é a nossa grandeza em Jesus! Eis tudo o que Jesus nos mostrou ao fazer-nos subir à árvore simbólica de que eu falava há pouco. E agora, que ciência irá Ele ensinar-nos? Não nos ensinou já tudo? Ouçamos o que Ele nos diz: «Apressem-se a descer, hoje tenho de ficar em vossa casa». Pois é! Jesus diz-nos para descermos. Mas para onde devemos descer? Celina, sabe-lo melhor do que eu, mas deixa-me dizer-te para onde devemos agora seguir Jesus. Outrora, os judeus perguntaram ao nosso divino Salvador: «Mestre, onde moras?» e Ele respondeu-lhes: «As raposas têm as suas tocas, as aves do céu os seus ninhos e Eu não tenho onde reclinar a cabeça» (Mt 8,20). Eis para onde devemos descer para podermos servir de morada a Jesus: sermos tão pobres que não tenhamos onde reclinar a cabeça.

 

Jesus quer nos visitar
Padre Pacheco

Jesus entra em Jericó. Jericó é a cidade mais antiga do mundo, possuindo a idade de quase 10 mil anos. Jericó é esta cidade que encontra-se no deserto da Judéia. Aí, por sua vez, mora uma pessoa muito odiada por todos, pelo fato de ser cobrador de impostos – profissão que se caracteriza numa traição ao seu povo, pois toma dos impostos dos seus próprios irmãos conterrâneos, para ser dado ao Império Romano. Esta pessoa, cobradora de impostos, odiado por todos, é Zaqueu.
Zaqueu é esta pessoa, segundo Lucas, de estatura baixa e, como qualquer pessoa, por mais que se encontre perdida, em seu mais íntimo possui uma sede de felicidade, de realização, que o dinheiro não lhe trouxe e nunca trará. Zaqueu está rico, mas paupérrimo em seu mais íntimo, nos valores e nas virtudes.
Zaqueu sobe no sicômoro, para poder ver Jesus; Jesus vê Zaqueu, não em cima da árvore, mas em cima de uma perspectiva de ver este tal de Jesus e poder ser acolhido por Ele. A surpresa para Zaqueu é que, alem de ter visto Jesus, Este lhe diz que quer ir à sua casa. Zaqueu, surpreso e maravilhado, não desce da árvore, e sim, desaba – acredito eu.
Em casa de Zaqueu, Jesus o ama profundamente, fazendo refeição e partilhando a vida com aquele que, nem ele acreditava mais em si. O que mais me deixa maravilhado nesta passagem acerca do encontro de Jesus com Zaque, é que, Lucas – profundamente detalhista no seu evangelho – não narra o assunto, a partilha que Zaqueu teve com Jesus. Isso é para nos dizer que, aquilo que se encontra no mais intimo do nosso coração, a nossa intimidade, são realidades que não dizem respeito a ninguém; mas somente a nós e a Jesus.
Jesus passa hoje pela vida de cada um de nós. Creio profundamente que esta árvore hoje não seja um sicômoro, mas sim Nossa Senhora. Por quê? Porque Maria é esta árvore, cujo fruto é Jesus Cristo, o salvador da humanidade. Para termos o fruto da vida, que é Jesus, subamos nesta árvore que é Maria, ou seja, sejamos íntimos de Maria para que possamos acolher Jesus Cristo – o fruto da vida – em nossa vida.
A maior causa pela qual não estamos gestando frutos de santificação em nós é o fato de não estarmos impregnados de Maria; o Espírito Santo não realiza as grandes maravilhas que quer realizar, não porque não pode ou não quer; pelo contrario. O Espírito Santo não encontra almas apaixonadas pela sua Esposa – Nossa Senhora. Quando o Espírito santo encontra uma alma apaixonada pela sua Esposa – como não existe esposo sem esposa – aí Ele entra e realiza as maiores maravilhas que pode acontecer na existência humana.
Em pentecostes, os apóstolos não fazem uma experiência de pedir o Espírito Santo – diretamente. Eles fazem uma experiência com Maria e, é desta experiência, que recebem o Esposo da Virgem, o Espírito do Pai, por meio do Filho.
Tudo isso para dizer que, Zaqueu hoje é cada um de nós. O sicômoro é Maria – a árvore que trouxe o maior fruto para a humanidade, proveniente de Deus: Jesus Cristo. Permitamos receber Jesus na nossa casa e esta casa tem nome: o coração de cada um de nós. Somente quando Jesus entra em nossa vida, em nosso coração é que tudo se transforma.

 

Neste domingo, começamos a ler a 2ª Carta de São Paulo aos Tessalonicenses, na Grécia. Iremos ouvir  esta carta em três domingos, porque estamos nos aproximando do fim do Ano Litúrgico; este documento Paulino fala-nos da esperança na última vinda do Senhor, que existia nos cristãos daquela comunidade. Porém, uma mensagem muito clara é dada pelo evangelho de Zaqueu, pelo extrato do Livro da Sabedoria e pelo Salmo Responsorial. Uma mensagem de bondade e de perdão divinos, que nos ajudará a ter um pouco mais de serenidade e de confiança.
Há salmos no Saltério que nos mostram um Deus “clemente e compassivo, lento para a ira e rico de misericórdia”. O Salmo de hoje é um deles. É uma “fotografia” de Deus que nos poderá ajudar a ter Dele uma ideia de Alguém próximo e consolador. O Livro da Sabedoria fala-nos de um Deus que se compadece de todos: “não olhais para os seus pecados”. Todavia, muitas vezes terá que corrigir e convidar à conversão. Mas, o perdão é a principal característica de Deus. No evangelho, Jesus manifesta-se como o autêntico “sacramento” e imagem desse Deus que perdoa. Tem palavras amáveis com um publicano, Zaqueu, uma das pessoas mal vistas na sociedade do seu tempo, devido à sua profissão: cobrador de impostos e colaborador dos romanos. Jesus se convidada para a casa de Zaqueu e com aquela refeição faz com que este publicano se converta e repare os males que cometeu. Aos que murmuravam, Jesus, em poucas palavras, explica este gesto e todo o seu projeto salvífico: “O Filho do Homem veio procurar e salvar o que estava perdido”. Os doentes são os  que precisam de médico.
Este episódio de Zaqueu e a 1ª leitura do Livro da Sabedoria colocam-nos perante uma questão: serei capaz de perdoar? Tenho sentimentos de tolerância para com os outros, mesmo para aqueles que são tidos como “pecadores”? Serei capaz de dar “um voto de confiança” aos outros como Jesus fez com Zaqueu, com Mateus e com Pedro? Todos nós precisamos, certamente, de um coração mais compassivo: como o de Deus e de Cristo. Ou seja, temos que ser mais acolhedores, tolerantes para com os defeitos dos outros, não nos fecharmos na nossa santidade, não sermos “severos” para com as faltas dos outros, a começar pela nossa família e pela nossa comunidade. Não esqueçamos que Deus já nos perdoou muitas vezes e que continua a perdoar-nos e que também os outros também nos vão perdoando as nossas fraquezas.
Quando celebramos a Eucaristia, damos conta que Jesus Cristo oferece-se a todos, sem fazer distinção de raça, idade, condição social, como Palavra e como Alimento de vida. Na celebração eucarística, comungamos o Corpo e o Sangue do Senhor. Mas, antes deste momento, há o rito do gesto da paz, que é um símbolo do nosso compromisso de crescer na fraternidade e na reconciliação. São estes sinais que nos ajudarão a ser mais acolhedores e solícitos para com o próximo.

 

31º Domingo do Tempo Comum, C
Padre Wagner Augusto Portugal, Vigário Judicial da Diocese da Campanha

Meus queridos Irmãos,
Estamos caminhando para o fim do ano litúrgico. Assim a liturgia de hoje nos propõe uma reflexão sobre o amor de Deus e a gratidão de um pecador chamado Zaqueu. Por isso o pecado é colocado em debate nesta liturgia. Quando o homem é pecador “Deus não quer a morte do pecador, mas sim, que ele se converta e viva” (Cf. Ez 18, 23).
Deus ama as criaturas humanas. Por isso Deus cuida para cada uma de suas criaturas não se perca com o pecado. Quando Deus castiga os pecadores, é com intenção de um grande pedagogo: para lembrar aos pecadores que é necessária uma conversão sincera, uma mudança de vida profunda e uma volta para a santidade na presença de Deus que deve permear a vida de todos os cristãos.
Prezados irmãos,
O amor de Deus pra com as criaturas, particularmente pelos mais pecadores, é o tema da primeira Leitura (cf. Sb 11, 23-12, 2). A Sabedoria de Deus mostrou-se, na História, preferencialmente como carinho e misericórdia. Mesmo o castigo infligido aos egípcios, para que Israel pudesse ser liberto, foi moderado. Deus pode ser magnânimo, porque é forte. Também, não quer a morte do pecador. Deus é “amigo da vida” e comunica às suas criaturas o “espírito da vida”. Aos pecadores, trata com o amor de um educador, conforme cantaremos no Salmo Responsorial (cf. Salmo 144): “Bendirei eternamente vosso nome; para sempre, ó Senhor, o louvarei!”.
A perspectiva final da história e da nossa vida é a temática da Segunda Leitura (cf. 2Ts 1, 11-2, 2). Nesta leitura o apóstolo Paulo ensina como se deve reagir contra os fanáticos que anunciam o dia do Senhor para já, dizendo que já não vale a pena trabalhar e cuidar da ordem do mundo. A leitura desta carta no fim do ano litúrgico nos quer conscientizar da tensão em que vivemos. A história do mundo e de cada pessoa tem um sentido irreversível: a vinda de Cristo e a nossa união com Ele. Porém, não se pode “especular” sobre a data do retorno de Cristo. Importa fazer a vontade de Deus e o “ato de fé”; e rezar para que Deus nos sustente nisso.
Irmãos e Irmãs,
Lucas (cf. Lc. 19, 1-10) usa a passagem de Zaqueu para nos dar um recado sempre atual: a salvação veio para todos. Para todos, indistintamente! Zaqueu espera pela passagem de Jesus. Quando Jesus passa ele se dirige a Zaqueu e diz: “Hoje a salvação entrou na tua casa!” (cf. Lc 19, 9).  A história de Zaqueu acontece perto de Jerusalém, ou seja, numa distância de 30km. A misericórdia de Deus, encarnada em Jesus, não tem limites. Zaqueu precisa esvaziar-se. Volta o tema fundamental de todo o Evangelho de São Lucas: o desapego é a condição básica do discípulo, que quer chegar ao Calvário e mergulhar com Jesus no insondável oceano da misericórdia divina.
Zaqueu era o chefe dos cobradores dos impostos para os romanos. Com esse trabalho Zaqueu enriqueceu-se.  Jesus caminha para Jerusalém, mas para na cidade de Jericó, centro produtor de tâmaras, bananas, laranjas, uvas e cereais. De Jericó também vinham muitos dos sacerdotes que serviam ao templo, sendo considerada uma cidade sacerdotal.
Jesus passa por Jericó. Zaqueu espera pela sua passagem. Zaqueu era pequeno em estatura. Pequeno no tamanho, mas grande na vontade de ver Jesus e de se converter. Zaqueu era mais um pecador que queria ir ao encontro de Jesus. Zaqueu além de pecador público, por estar a serviço dos romanos, era considerado impuro, fora-da-lei e da comunidade. Zaqueu é o chefe dos publicanos. Pecador máximo, portanto. Mas, Jesus deixa de lado tudo isso. A misericórdia de Deus é maior do que todos os pecados e todos os pecadores. A misericórdia de Deus não olha o passado, se o presente está aberto à conversão e a mudança de vida.
Meus queridos irmãos,
Zaqueu encontrou um modo de ver Jesus. Zaqueu é o primeiro que procurou ver Jesus e Jesus o ouviu. Procurar, ver e ouvir se juntam. O verdadeiro discípulo está em permanente procura do Senhor, através de muitos meios e modos. Não uma procura teórica, mas prática, até mesmo enfrentando o ridículo, como o fez Zaqueu que trepou em uma árvore à beira da estrada para ver Jesus.
Zaqueu e o sicômoro, a árvore. A árvore em que foram enrolados Adão e Eva pela perdição do pecado original. Jesus que está à porta de Jerusalém vai ao encontro de outra árvore, a árvore da Cruz, para assumir os pecados de toda a humanidade. Zaqueu, assim, quebra o orgulho, expondo-se ao ridículo. Revestido de humildade, pode receber em casa a salvação merecida por quem se deixou crucificar na segunda árvore.
Estimados amigos,
Cinco palavras permeiam, ainda, a liturgia deste domingo: o HOJE DA SALVAÇAO, ou seja, a conversão que não pode esperar e que necessita sempre ser repensada para viver a alegria do serviço na santidade. Junto ao HOJE DA SALVAÇAO se une a palavra DEPRESSA. Indica a prontidão diante de alguma coisa de grande interesse. Quem descobre a graça do Reino não se deixa reter por nada. A terceira palavra PERMANECER, ou ficar. Isso para dizer que Jesus fora à casa de Zaqueu para hospedar-se. Permanecer significa para Jesus a comunhão de vida entre Jesus e os discípulos. Jesus não procura apenas hospedar-se, quer que nossa vida seja uma só vida com ele. A quarta palavra é a ALEGRIA. A alegria de ser regenerado do pecado e a volta para a graça de Deus. Por fim, a quinta palavra: É PRECISO que a salvação de Deus venha em nosso socorro para que sejamos homens livres e santos.
Meus irmãos,
A segunda leitura nos adverte que devemos estar prontos para o Dia do Senhor, vivendo como de dia, ocupados com as obras justas que Deus nos confiou, sobretudo, o serviço fraterno aos irmãos.
O Evangelho não nos dá normas sobre “como fazer justiça”. Isso não quer dizer que o cristão deva acomodar-se, aceitando as situações e a sociedade tal como o Santo Padre Paulo VI admoestou com propriedade: “A situação presente deve ser enfrentada corajosamente, devem ser combatidas e vencidas as injustiças que ela comporta. O desenvolvimento exige transformações audazes, profundamente inovadoras. Devem ser empreendidas, sem tardar, reformas urgentes. Que cada um tome generosamente a sua parte”. Em suma, o mandamento do amor exige uma ativa e radical transformação do mundo. Mas uma coisa é afirmar que uma exigência revolucionária, outra é tomar o caminho que se exprime no recurso à violência. E o Evangelho nos ensina a viver a gratuidade, desarmar das violências e viver o amor fraterno.
Assim, todos os domingos, a nossa comunidade é visitada por Cristo, como visitou a Zaqueu, pela presença dos irmãos na assembléia, por sua Palavra, pelo pão e o vinho com água eucaristizados. Importa que tenhamos o desejo de ver a Jesus, de atender ao seu desejo de visitar-nos. Esta visita nos transformará, especialmente, se aprendermos a distribuir os bens de Deus aos irmãos. Amém!

 

A missão começa em casa
Dom Paulo Mendes Peixoto

É dentro de casa que acontece a maior expressão de convivência e de relacionamento fraterno entre as pessoas. É o ambiente familiar o local onde cada indivíduo constrói sua própria identidade, as raízes da sua personalidade e a fonte para estruturar uma melhor ou pior vida social.
No espaço da família, na casa, Deus derrama suas bênçãos, como aconteceu com Zaqueu do Evangelho, que recebeu Jesus em sua residência. Zaqueu ficou muito sensibilizado com a importante visita que quis até mudar de vida. Jesus disse: “Hoje a salvação entrou nesta casa”.
Na verdade, a salvação não só entrou naquela casa, mas na vida de Zaqueu. Isto é um convite para que aconteça o mesmo em nossa vida. A mudança interior é fundamental para acontecer a missão. É a vida nova a fonte da missão e de ação transformadora.
O mesmo acontece numa eleição, quando elegemos um novo Presidente da República. Uma nova pessoa, que deve garantir esperança para todos os cidadãos. A segurança disto vem de berço, da família, da casa. Não podemos esperar muito de quem não tem. Por isto é importante conhecer a vida familiar do candidato.
É o amor de Deus que confere às pessoas o valor da dignidade para exercerem uma missão com frutos positivos. Amor que exige correspondência e opções concretas no exercício dos compromissos assumidos. Aí estão o estímulo e a força para a missão, as condições para um trabalho concreto.
O que esperamos de quem exerce uma missão é a dignidade, o equilíbrio, o respeito por tudo que ajuda a todos, o bem público etc. Só assim acontece a fertilidade da bênção de Deus. Coisa que não acontece no mundo das injustiças e desonestidades.
Com tudo isto nós conseguimos ver a importância da estrutura familiar, fato que tem sido lamentável nos últimos tempos. A sociedade não está podendo contar mais com a missão que vem de casa. A falta de estrutura familiar tem sido muito grande, deixado os filhos totalmente sem condições para uma cidadania com responsabilidade.

 

A revolução no coração do homem a partir da experiência de Zaqueu
Padre Wagner Augusto Portugal, Vigário Judicial da Diocese da Campanha – MG

Zaqueu é o exemplo para qualquer rico que deseja alcançar a salvação. A sua conversão começa com o desejo de conhecer Jesus de perto, continua quando se une ao povo para se encontrar com Jesus e acolhê-lo em sua própria casa. A conversão se completa quando Zaqueu se dispõe a partilhar seus bens e devolver com juros o que roubou.
São Lucas é o único evangelista a relatar o episódio de Zaqueu. Jesus procurou a conversão de todos e trouxe a mensagem de libertação cristã para pobres e ricos, embora de modos diferentes.
Aqui encontramos o tema da conversão e suas exigências. Zaqueu se aproxima de Jesus por curiosidade e termina acolhendo-o em sua casa, repartindo entre os pobres, grande parte de seus bens.
Ao restituir o quádruplo a todos os seus devedores e dar metade de seus bens aos pobres, mostra no caminho do Reino, aberto à justiça e à fraternidade. A metade de seus bens é o gesto que se deve esperar de todos os ricos que têm bens de sobra. É a forma de se fazer justiça e de demonstrar gratidão a esse Deus que sempre nos cumula de bens.
Zaqueu se mostra como autêntico cristão apesar de sua profissão, que o excluía de toda relação com os puros e justos. Sua generosidade é o sinal de sua pertença aos excluídos de Israel, que souberam descobrir em Jesus o autêntico enviado de Deus.
A luz fundamental e decisiva, sob a qual um discípulo de Cristo deve colocar-se e permanecer toda a vida, parece ser a que emana dessas grandes palavras de Jesus: “O Filho do Homem veio procurar e salvar o que estava perdido”.

 

Deus vê em cada um a alma que há que salvar, diz Papa
Meditação no Angelus deste domingo

CIDADE DO VATICANO, domingo, 31 de outubro de 2010 (ZENIT.org) – Bento XVI assegurou que Deus vê em cada pessoa uma alma que há de salvar. Durante o encontro dominical com milhares de peregrinos, o pontífice comentou a passagem que a liturgia deste domingo apresentava: a conversão de Zaqueu, um arrecadador de impostos do imperador romano.
“Deus não exclui ninguém, nem pobres nem ricos. Deus não se deixa condicionar por nossos preconceitos humanos, mas vê em cada um uma alma que há que salvar, e o atraem especialmente aquelas almas que são consideradas perdidas e que assim o creem elas mesmas”, afirmou o Papa, dirigindo-se desde a janela de seu apartamento aos milhares de peregrinos na praça de São Pedro.
Esse era precisamente o caso de Zaqueu, o chefe dos publicanos de Jericó, importante cidade do rio Jordão, depreciado por seus compatriotas judeus por sua falta de honestidade, e quem recebeu Jesus em sua casa.
Sabendo que as pessoas criticariam sua decisão de visitar a casa de um “pecador público”, Jesus “quis arriscar e ganhou a aposta”, assegurou o Papa. “Zaqueu, profundamente impressionado pela visita de Jesus, decide mudar de vida, e promete restituir o quádruplo do que roubou”.
“Jesus Cristo, encarnação de Deus, demonstrou esta imensa misericórdia, que não tira nada à gravidade do pecado, mas que busca sempre salvar o pecador, oferecer-lhe a possibilidade de resgate, de voltar a começar, de se converter”, acrescentou o Papa.
O Papa concluiu a meditação sobre o Evangelho reconhecendo que “Zaqueu acolheu Jesus e se converteu, pois Jesus tinha sido o primeiro a acolhê-lo”.
“Não o havia condenado, mas tinha respondido a seu desejo de salvação. Peçamos à Virgem Maria, modelo perfeito de comunhão com Jesus, que experimentemos a alegria de receber a visita do Filho de Deus, de ficar renovados por seu amor, e transmitir aos demais sua misericórdia”, disse o Papa.

 

Bento XVI: Deus não exclui ninguém
Intervenção com motivo do Angelus
CIDADE DO VATICANO, domingo, 31 de outubro de 2010 (ZENIT.org) – Apresentamos a intervenção de Bento XVI ao rezar este domingo a oração mariana do Angelus junto a milhares de peregrinos na praça de São Pedro, no Vaticano.
* * *
Queridos irmãos e irmãs,
O evangelista São Lucas presta uma atenção particular ao tema da misericórdia de Jesus. Em sua narração, encontramos alguns episódios que destacam o amor misericordioso de Deus e de Cristo, que afirma que não veio para chamar os justos, mas os pecadores (Cf. Lucas 5,32). Entre as narrativas de Lucas, encontra-se a da conversão de Zaqueu, que a liturgia deste domingo apresenta. Zaqueu é um “publicano”, e mais, o chefe dos publicanos de Jericó, importante cidade no rio Jordão. Os publicanos eram os arrecadadores dos impostos que os judeus deviam pagar ao imperador romano, e por este motivo eram considerados pecadores públicos. Ademais, aproveitavam com frequência sua posição para fazer chantagem e sacar dinheiro das pessoas. Por este motivo, Zaqueu era muito rico, mas depreciado por seus concidadãos. Portanto, quando Jesus, ao atravessar Jericó, deteve-se precisamente na casa de Zaqueu, isso suscitou ume escândalo geral. O Senhor, no entanto, sabia muito bem o que fazia. Por assim dizer, quis arriscar e ganhou a aposta: Zaqueu, profundamente impressionado pela visita de Jesus, decide mudar de vida, e promete restituir o quádruplo do que roubou. “Hoje chegou a salvação a esta casa”, disse Jesus, e conclui: “o Filho do homem veio para buscar a salvar o que estava perdido”.
Deus não exclui ninguém, nem pobres nem ricos. Deus não se deixa condicionar por nossos preconceitos humanos, mas vê em cada um uma alma que há que salvar, e o atraem especialmente aquelas almas que são consideradas perdidas e que assim o creem elas mesmas. Jesus Cristo, encarnação de Deus, demonstrou esta imensa misericórdia, que não tira nada à gravidade do pecado, mas que busca sempre salvar o pecador, oferecer-lhe a possibilidade de resgate, de voltar a começar, de se converter. Em outra passagem do Evangelho, Jesus afirma que é muito difícil para um rico entrar no Reino dos Céus (Cf. Mateus 19, 23). No caso de Zequeu, vemos precisamente que o que parece impossível realiza-se: “Ele entregou sua riqueza e imediatamente ficou substituída pela riqueza do Reino dos Céus”, comenta São Jerônimo (Homilia sobre o Salmo 83, 3). E São Máximo de Turim acrescenta: “As riquezas, para os néscios, são um alimento para a desonestidade; no entanto, para os sábios, são uma ajuda para a virtude; a estes, se lhes oferece uma oportunidade para a salvação, no caso dos outros provoca um tropeço que leva à ruína” (Sermões, 95).
Queridos amigos, Zaqueu acolheu Jesus e se converteu, pois Jesus tinha sido o primeiro a acolhê-lo! Não o havia condenado, mas tinha respondido a seu desejo de salvação. Peçamos à Virgem Maria, modelo perfeito de comunhão com Jesus, que experimentemos a alegria de receber a visita do Filho de Deus, de ficar renovados por seu amor, e transmitir aos demais sua misericórdia.
[Traduzido por ZENIT ©Libreria Editrice Vaticana]

 

Santo Evangelho (Lc 7, 1-10)

24ª Semana Comum – Segunda-feira 12/09/2016

ANO PAR

Primeira Leitura (1Cor 11,17-26.33)
Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios.

Irmãos, 17no que tenho a dizer-vos, eu não vos louvo, pois vossas reuniões não têm sido para o vosso bem, mas para o mal. 18Com efeito, e em primeiro lugar, ouço dizer que, quando vos reunis em assembleia, têm surgido divisões entre vós. E, em parte, acredito. 19Na verdade, convém que haja até cisões entre vós, para que também se tornem bem conhecidos aqueles dentre vós que resistem à prova. 20De fato, não é para comer a Ceia do Senhor que vos reunis em comum. 21Pois cada um se apressa a comer a sua própria ceia; e enquanto um passa fome o outro se embriaga. 22Não tendes casas onde comer e beber? Ou desprezais a Igreja de Deus e quereis envergonhar aqueles que nada têm? Que vos direi? Hei de elogiar-vos? Neste ponto, não posso elogiar-vos. 23O que eu recebi do Senhor foi isso que eu vos transmiti: Na noite em que foi entregue, o Senhor Jesus tomou o pão 24e, depois de dar graças, partiu-o e disse: “Isto é o meu corpo que é dado por vós. Fazei-o em memória de mim”. 25Do mesmo modo, depois da ceia, tomou também o cálice e disse: “Este cálice é a nova aliança, em meu sangue. Todas as vezes que dele beberdes, fazei isto em minha memória”. 26Todas as vezes, de fato, que comerdes deste pão e beberdes deste cálice, estareis proclamando a morte do Senhor, até que ele venha. 33Portanto, meus irmãos, quando vos reunirdes para a Ceia, esperai uns pelos outros.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

 

Responsório (Sl 39)

— Irmãos, anunciai a morte do Senhor, até que ele venha!
— Irmãos, anunciai a morte do Senhor, até que ele venha!

— Sacrifício e oblação não quisestes, mas abristes, Senhor, meus ouvidos; não pedistes ofertas nem vítimas, holocaustos por nossos pecados, e então eu vos disse: “Eis que venho”.

— Sobre mim está escrito no livro: “Com prazer faço a vossa vontade, guardo em meu coração vossa lei”.

— Boas novas de vossa justiça anunciei numa grande assembleia; vós sabeis: não fechei os meus lábios.

— Mas se alegre e em vós rejubile todo ser que vos busca, Senhor. Digam sempre: “É grande o Senhor!” os que buscam em vós seu auxílio.

 

ANO ÍMPAR

Primeira Leitura (1Tm 2,1-8)
Leitura da Primeira Carta de São Paulo a Timóteo.

Caríssimo, 1antes de tudo, recomendo que se façam preces e orações, súplicas e ações de graças, por todos os homens; 2pelos que governam e por todos que ocupam altos cargos, a fim de que possamos levar uma vida tranquila e serena, com toda a piedade e dignidade. 3Isto é bom e agradável a Deus, nosso Salvador; 4ele quer que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade. 5Pois há um só Deus, e um só mediador entre Deus e os homens: o homem Cristo Jesus, 6que se entregou em resgate por todos. Este é o testemunho dado no tempo estabelecido por Deus, 7e para este testemunho eu fui designado pregador e apóstolo e – falo a verdade, não minto –, mestre das nações pagãs na fé e na verdade. 8Quero, portanto, que em todo o lugar os homens façam a oração, erguendo mãos santas, sem ira e sem discussões.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

 

Responsório (Sl 27)

— Bendito seja o Senhor, porque ouviu o clamor da minha súplica!
— Bendito seja o Senhor, porque ouviu o clamor da minha súplica!

— Escutai o meu clamor, a minha súplica, quando eu grito para vós; quando eu elevo, ó ‘Senhor, as minhas mãos para o vosso santuário.

— Minha força e escudo é o Senhor, meu coração nele confia. Ele ajudou-me e alegrou meu coração; eu canto em festa o seu louvor.

— O Senhor é a fortaleza do seu povo e a salvação do seu Ungido. Salvai o vosso povo e libertai-o; abençoai a vossa herança! Sede vós o seu pastor e o seu guia pelos séculos eternos!

 

Evangelho (Lc 7,1-10)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1quando acabou de falar ao povo que o escutava, Jesus entrou em Cafarnaum. 2Havia lá um oficial romano que tinha um empregado a quem estimava muito, e que estava doente, à beira da morte. 3O oficial ouviu falar de Jesus e enviou alguns anciãos dos judeus, para pedirem que Jesus viesse salvar seu empregado. 4Chegando onde Jesus estava, pediram-lhe com insistência: “O oficial merece que lhe faças este favor, 5porque ele estima o nosso povo. Ele até nos construiu uma sinagoga”. 6Então Jesus pôs-se a caminho com eles. Porém, quando já estava perto da casa, o oficial mandou alguns amigos dizerem a Jesus: “Senhor, não te incomodes, pois não sou digno de que entres em minha casa. 7Nem mesmo me achei digno de ir pessoalmente a teu encontro. Mas ordena com a tua palavra, e o meu empregado ficará curado. 8Eu também estou debaixo de autoridade, mas tenho soldados que obedecem às minhas ordens. Se ordeno a um: ‘Vai!’, ele vai; e a outro: ‘Vem!’, ele vem; e ao meu empregado ‘Faze isto!’, e ele o faz’”. 9Ouvindo isso, Jesus ficou admirado. Virou-se para a multidão que o seguia, e disse: “Eu vos declaro que nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé”. 10Os mensageiros voltaram para a casa do oficial e encontraram o empregado em perfeita saúde.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

 

A IGREJA CATÓLICA CELEBRA E VENERA HOJE
São Nilo, fundou um mosteiro em Grottaferrata

Seu testemunho atraiu a muitos, tendo assim a felicidade de fundar vários mosteiros no Sul da Itália

Neste dia mergulhamos na história de São Nilo, onde encontramos um exemplar cristão que viveu no sul da Itália e no fim do primeiro milênio. Nilo, chamado o Jovem, fazia parte de uma nobre família de origem grega, por isso foi considerado o último elo entre a cultura grega e a latina.

Era casado e funcionário do governo de Constantinopla, com o nascimento de uma filha, acabou viúvo e depois descobriu sua vocação à vida monástica, segundo a Regra de São Basílio. Após várias mudanças acabou se fixando em Monte Cassino, perto da famosa abadia beneditina.

Seu testemunho atraiu a muitos, tendo assim a felicidade de fundar vários mosteiros no Sul da Itália, com o cotidiano pautado pelo trabalho e oração. No trabalho, além da agricultura, transcrevia manuscritos antigos, introduziu um sistema taquigráfico (ítalo-grego) e compôs hinos sacros.

São Nilo realizou várias romarias aos túmulos dos santos Pedro e Paulo, aproveitando para enriquecer as bibliotecas de Roma, até que a pedido de Gregório, Nilo fundou um mosteiro em Grottaferrata, perto de Roma.

Este pacificador da política e guerras da época, teve grande importância para a história da Igreja, e na consolidação da vida monástica. Morreu com noventa e cinco anos de idade, no dia 25 de setembro de 1005.

São Nilo, rogai por nós!

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda