Tag: capacidade

Não aguento mais carregar a minha cruz. O que eu faço?

Abraçar a própria cruz é um ato de fé

Se carregar a cruz fosse algo simples e agradável, Jesus não teria sofrido tanto para carregar a Sua nem teria contado com a ajuda de Simão de Cirene, conforme narra o Evangelho.

Carregar uma cruz… É preciso entender que não se trata de algo que nos trará benefício do ponto de vista humano. Não! Vez por outra, e isso não é raro, olharemos para ela com olhar de relutância, de um peso maior do que podemos suportar. Alguns dirão que não precisamos nos humilhar, que “Deus não quer nosso sofrimento, Ele nos quer sorrindo”. Afirmações “clássicas”, frases feitas, etc., podem confundir o que é, de fato, verdade: Deus não poupou Seu próprio Filho de percorrer o caminho da cruz.

A cruz que, em Jesus, deixa de ser uma maldição para se tornar caminho de expiação dos nossos pecados, foi feita para ser carregada, e cada um de nós precisa assumir a sua. O Senhor não se omitiu diante da cruz e não omitiu que sofreríamos. Muito pelo contrário, Ele nos disse: “Quem quiser vir após mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz a cada dia, depois vem e segue-me” (cf. Lc 9,23). O que Deus quer é nos dar toda a capacidade para carregarmos nossa cruz, a exemplo de Seu próprio Filho.

E como responder a essa pergunta: “O que eu faço se não aguento mais carregar a minha cruz?”. Em primeiro lugar, precisamos assumir a “nossa” cruz. Ela é só nossa e de mais ninguém, não podemos renegá-la, não podemos querer que outros a carreguem. Não, ela é nossa.

Deus, na Sua infinita e amorosa providência, se encarregará de “aliviar”, aqui e ali, esse caminho de cruz. O cireneu vai aparecer no momento em que mais precisarmos, mas precisamos fazer o caminho e, no caminho, experimentar essas manifestações do Senhor que não nos poupa por amor, porque sabe que a nossa humanidade decaída só tem um caminho de purificação: o caminho percorrido pelo Seu Filho Jesus, Aquele que nos amou e se entregou por nós.

Tomar a cruz a cada dia significa que entramos na dinâmica do Reino dos Céus livremente, esperando n’Ele a capacidade para carregá-la, contemplando o socorro de Deus quando, humanamente, não temos mais forças físicas, espirituais nem mentais para ir em frente.

Isso implica, é claro, num ato de fé. Eu creio em Deus, por isso me disponho a carregar minha cruz no dia de hoje. O amanhã não existe, só tenho o hoje, e por isso me disponho a carregá-la.

E não só isso: eu também me disponho a ser feliz apesar da cruz. O ato humano da fé traz para nós esse dom que é graça. Essa dinâmica de me dispor e ser socorrido por ela vai produzir o fruto da virtude da fé na cruz como meio eficaz de redenção e salvação.

Se você não aguenta mais, abrace a cruz. Renegá-la? Ignorá-la? Jamais! Abraçar é um ato de fé. E Deus nos dará o amor para irmos até o fim!

Márcio Todeschini
Comunidade Canção Nova
@TodeschiniCN

A Igreja pode impedir um matrimônio?

A Igreja pode se negar a celebrar um matrimônio?

Há alguns dias foi noticiado que um pároco de Niterói, RJ, não aceitou celebrar o matrimônio de um casal, pois julgou haver um impedimento dirimente; isto é, algo que tornaria o matrimônio nulo. Algumas pessoas até se revoltaram e julgaram que a Igreja Católica foi cruel com o casal; mas não se trata disso.

Vamos esclarecer a questão, sem entrar no mérito da questão do caso de Niterói.   Muitos casamentos são declarados nulos pelos Tribunais eclesiásticos porque pode ter havido faltas que tornam nulo o sacramento; sem valor. Essas falhas são muitas; por exemplo: falta de capacidade para consentir (cânon 1095), se um dos cônjuges não tem  juízo perfeito e não tem condições mentais de assumir as obrigações do matrimônio; Ignorância (cânon 1096) sobre a vida sexual no casamento; emprego da simulação para enganar o cônjuge  (cânon 1101); uso da violência ou medo para conseguir o consentimento do outro (cânon 1103); condição não cumprida (cânon 1102); falta de idade  mínima (cânon 1083); impotência permanente para o ato sexual (cânon 1084); o fato da pessoa já ser casada (cânon 1085); se o cônjuge é um padre ou uma irmã consagrada (cânon 1087 e 1088); rapto do cônjuge (cânon 1089); crime cometido para se casar com alguém (cânon 1090); cônjuges parentes (pai e filha; avo e neta, irmãos, etc.) (cânon 1091); parentesco legal por adoção (cânon 1094). Nesses casos e em outros o casamento seria inválido; então, o pároco se souber do impedimento antes do casamento, não pode realizá-lo. Um dos impedimentos que o Código de Direito Canônico coloca para a validade de um matrimônio, é a impotência para o ato sexual, permanente e irreversível, atestada por um médico. Diz o Código de Direito Canônico:Cân. 1084 – §1. A impotência para copular, antecedente e perpétua, absoluta ou relativa, por parte do homem ou da mulher, dirime o matrimônio por sua própria natureza.§2. Se o impedimento de impotência for duvidoso, por dúvida quer de direito quer de fato, não se deve impedir o matrimônio nem, permanecendo a dúvida, declará-lo nulo.§3. A esterilidade não proíbe nem dirime o matrimônio, salva a prescrição do cânon 1098.

É bom notar que a esterilidade não é causa de nulidade. O que torna nulo o matrimônio é a impossibilidade definitiva do ato sexual por problema físico ou de outra natureza. Por que isso?

Porque uma das finalidades do matrimônio é gerar os filhos; e esses só podem ser gerados – no entendimento da moral católica – por meio do ato sexual. É este ato próprio do casal que “consuma” o matrimônio; sem ele o sacramento não será completo; é por isso que o casal que não pode copular não pode receber o matrimônio, pois ele seria nulo.

É bom dizer que esta norma da Igreja é antiquíssima, vem desde o Código anterior, e está vinculada à natureza do matrimônio.

Portanto, não se trata de uma maldade da Igreja; mas apenas uma coerência com o sacramento do matrimônio cuja finalidade principal é gerar os filhos. Se um casal recebesse o matrimônio com o propósito de nunca ter filhos, este matrimônio seria nulo. É por isso que o sacerdote pergunta aos noivos no altar: “Estais dispostos a receber os filhos que Deus lhes enviar, e educá-los na fé do Cristo e da Igreja?” A resposta deve ser “sim” para o matrimônio ser válido. A Igreja ensina que os casais precisam estar abertos aos filhos, pois isto é inerente ao sacramento do matrimônio; os filhos são o maior dom do matrimônio, ensina o Catecismo da Igreja. Um matrimônio sem filhos, exceto o caso de infertilidade, é como uma colméia sem abelhas.

“A Sagrada Escritura e a prática tradicional da Igreja veem nas famílias numerosas um sinal da bênção divina e da generosidade dos pais” (CIC, 2373; GS, 50,2).

E conclui dizendo que: “os filhos são o dom mais excelente do Matrimônio e constituem um benefício máximo para os próprios pais” (CIC, 2378).

Para o casal que se ama, mas não pode copular por problemas de saúde definitivos, e que por isso não podem receber o matrimônio, há a possibilidade de viverem juntos com irmãos, ajudando-se mutuamente.

Prof. Felipe Aquino

“Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua família” (At 16, 31)

“Quem se descuida dos seus, e principalmente dos de sua própria família, é um renegado, pior que um infiel” (1Tm 5, 8).

A realidade que mais nos aproxima da ideia do paraíso é nosso lar, disse alguém. Aos homens, como aos pássaros, o mundo oferece mil lugares para pousar, mas somente o seu lar é o seu verdadeiro ninho.

Podemos percorrer o mundo à procura do que desejamos ver e conhecer, mas nada é como o nosso lar; os filhos e netos nos mantém agarrados à vida. Há um provérbio persa que diz que “quem não tem irmão, tem as pernas fracas”. A criança é o amor visível. Cada criança, ao nascer, nos traz a mensagem de que Deus não perdeu ainda a esperança nos homens, disse Tagore.

Uma infância feliz é o maior presente que os pais podem dar aos filhos.

A maior alegria é colhida na família, a cada dia. Eu não trocaria por nada toda a vida que vivi em família.

A alegria de gerar e educar os filhos, de conviver com eles, faz a nossa maior felicidade. Infelizmente muitos estão enganados pensando que podem buscar a felicidade fora do lar, ou sem construir um lar. O egoísmo e o medo estão fazendo muita gente rejeitar o casamento e a família. Não faça isso. Faça a sua vida girar em torno da família. Nada nos faz tão felizes como aquilo que construímos com a nossa vida, com a nossa luta e com a nossa dedicação.

Até quando nos deixaremos enganar, querendo ir buscar a felicidade tão longe, se ela está bem junto de nós?

A família é o complemento de nós mesmos. Ela é a base da sociedade. Nela somos um indivíduo reconhecido e amado, e não apenas um número, um RG, um CPF.

É no seio da família que cada pessoa faz a experiência própria do que seja amar e ser amado, sem o que jamais será feliz. Quando a família se destrói a sociedade toda corre sério risco; e é por isso que temos hoje tantos jovens delinquentes, envolvidos nas drogas, na bebida e na violência. Muitos estão no mundo do crime porque não tiveram um lar.

Sem dúvida a maior tragédia do mundo moderno é a destruição da família. O divórcio arrasa com os casamentos e, consequentemente com as famílias. Os filhos pagam o preço da separação dos pais; e eles mesmos sofrem com isto. Quando as famílias eram bem constituídas, não havia tantos jovens envolvidos com drogas e com a violência, com o homossexualismo e com a depressão.

Mais do que nunca o mundo precisa de homens e mulheres dispostos a constituir famílias sólidas, edificadas pelo matrimônio, onde os esposos vivam a fidelidade conjugal e se dediquem de corpo e alma ao bem dos filhos. E é isto que dá felicidade ao homem e à mulher.

Infelizmente uma mentalidade consumista, egoísta e comodista toma conta do mundo e das pessoas cada vez mais, impedindo-as de terem filhos.

Não há na face da terra algo mais nobre e belo que um homem e uma mulher possam fazer do que gerar e educar um filho. Nada pode ser nem de longe, comparado à vida humana. Nem toda riqueza que há debaixo da terra vale uma só vida humana, porque esta é criada a imagem de semelhança de Deus, dotada de inteligência, liberdade, vontade, consciência, capacidade de amar, cantar, sorrir e chorar. O que pode ser comparado a isto?

Nada pode nos dar tanta satisfação do que ver o filho nascer, ensiná-lo a andar, falar, escrever, e seguir o seu caminho neste mundo.

A felicidade do lar está também no relacionamento saudável, fiel e amoroso dos esposos. Sem fidelidade conjugal a família não se sustenta. E esta fidelidade tem um alto preço de renuncia às tentações do mundo, mas produz a verdadeira felicidade. Marido e mulher precisam se amar de verdade, e viver um para o outro, absolutamente, sem se darem ao direito da menor aventura fora do lar. Isto seria traição ao outro, aos filhos e a Deus.

Não permita que o seu lar se dissolva por causa de uma infidelidade de sua parte. A felicidade tem um preço; temos de pagar o preço da renúncia ao que é proibido. Não se permita a menor intimidade com outra pessoa que não seja o seu esposo ou sua esposa.

Não brinque com fogo, para não queimar a sua felicidade e a dos seus caros.

A grande ameaça à família hoje é a infidelidade conjugal; muitos maridos, e também esposas, traem os seus cônjuges e trazem para dentro do lar a infelicidade própria e dos filhos. Saiba que isto não compensa jamais; não destrua em pouco tempo aquilo que foi construído em anos de luta.

Marido e mulher precisam viver um para o outro e ambos para os filhos. O casal precisa conversar se perdoar; se um não perdoa o outro em suas pequenas falhas, jamais desfrutará de suas grandes virtudes. A felicidade do casal pode ser muito grande, mas isto depende de que ambos vivam a promessa do amor conjugal. Amar é construir o outro; é ajudá-lo a crescer; é ajudá-lo a vencer os seus problemas. Amar é construir alguém querido, com o preço da própria renúncia. Quem não está disposto a este sacrifício nunca saberá o que é a felicidade de um lar. O homem não precisa trocar de mulher para ser feliz. É tão absurdo dizer que um homem não pode amar a mesma mulher toda a sua vida quanto dizer que um violonista precisa de diversos violinos para tocar a mesma música. Se alguém não sabe tocar violino não adianta ficar trocando de violino.

Na sagrada missão de educar bem os filhos, o casal encontra a felicidade. Viva para os filhos e você será feliz.

Os pais precisam antes de tudo ter tempo para eles, e saber conquistá-los; sem isto, os filhos não os ouvirão e não seguirão os seus conselhos. Mas o filho deve ser conquistado por aquilo que você é para ele, e não por aquilo que você dá para ele.

Cada filho é como um diamante que Deus nos entrega para ser lapidado com carinho. Não há alegria maior para um homem do que encontrar alegria em seu filho bem formado e educado. Cada filho é a nossa imagem; “filho de peixe é peixinho”. O filho é educado muito mais pelo exemplo dos pais do que por suas palavras.

São Tomás de Aquino dizia que a família constitui para os filhos “um útero espiritual”. Os pais devem ser amigos e confidentes e não os tiranos dos filhos.

Na medida em que os casamentos vão se desfazendo, as famílias vão se destruindo, por falta de Deus, a felicidade dos homens vai aumentando. Fuja desta rota se quiser ser feliz e ter paz na alma.

A família é a “igreja doméstica”; é nela que os filhos devem aprender com os pais a maravilha da fé; é ali, no colo da mãe que a criança deve aprender a rezar e viver os mandamentos da lei de Deus para ser feliz.

O casal cristão se deseja ser feliz precisa cultivar uma vida de oração em casa e na igreja, de frequência aos sacramentos, de meditação da Palavra de Deus, etc.

Mas, mesmo que sua casa já esteja desmoronada, você a pode reconstruir com Deus, porque para Ele nada é impossível. Não olhe para o passado, não fique pisando e culpando a sua alma; olhe para Jesus, crê no Senhor, e Ele abrirá um caminho novo em sua vida; creia nisso.

Mesmo que seu marido a tenha abandonado; mesmo que sua esposa o tenha traído, mesmo que seus filhos o tenham decepcionado… olhe para Jesus, creia Nele, e Ele lhe dará uma nova alternativa de vida. Jesus disse: “Se creres verás a glória de Deus”. (Jo 11,40) Não há uma vida na terra que esteja a tal ponto destruída que Deus não possa restaurá-la.

“Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua família”(At 16,31)

Prof. Felipe Aquino

Acampamento Juvenil dos Ondinhas

Nos dia 18 e 19 de novembro próximo passado, os jovens do Onda estiveram em um Acampamento/Retiro temático na cidade de Butiá, acompanhados de três casais de tios: Tia Fabiane e Tio Evandro, Tia Rose e Tio Rogério, Tia Bel e Tio Irineu.

No sábado pela manhã bem cedo, fomos enviados em missão com a bênção de Padre Ronaldo. Partimos às 7h em um ônibus da Central Transportes, dirigido pelo Tio Dila, que aliás muito participou e nos ajudou nessa empreitada. Cerca de 40 jovens ansiosos, com suas barracas e equipamentos , chegaram às 9h na Fazenda. O casal Marnei e Carina, proprietários da Fazenda, administradores e monitores do encontro nos recepcionaram muito bem e ainda pela manhã o plano estratégico foi exposto à apreciação dos tios presentes.

Uma característica do casal é que o grupo visitante coloca o tema e eles desenvolvem o roteiro, sempre sujeito a mudanças e aprovação dos coordenadores e tios. Até o meio dia de sábado houve um tempo para montar as barracas e ambientação com os espaços e benfeitorias do lugar.

Detalhe: muitos pássaros, vacas, cavalos, patos, gansos, perus, galinhas e galo (o despertador do acampamento). Após o almoço, palestra inicial falando em confiança nos colegas e capacidade de enfrentar obstáculos e desafios. O palestrante focou bastante na necessidade de conhecer as pessoas que nos rodeiam, perguntar quem são, como são, o que fazem, em que acreditam. Na sequência, o grupo foi dividido em duas equipes: vermelha e amarela.

Todos foram ao campo, e o ápice foi a descida da tirolesa com todo aparato de segurança. Mais tarde, o grupo lanchou e após se deslocou a uma espécie de capela natural em meio às taquareiras. Lugar maravilhoso: depois de uma caminhada por uma trilha no meio do campo, chegamos num pequeno vale com muitas taquareiras e no meio delas, abre-se uma clareira protegida dos dois lados. Dentro da clareira, havia um espaço lindo com bancos antigos tipo igreja e na frente onde seria o presbitério, uma grande gruta com uma grande imagem de Nossa Senhora Aparecida, com cerca de 1,80m de altura.

Maria, certamente gostou do que viu e ouviu. Mais tarde todos jantaram e depois da janta aconteceu uma espécie de “luau” mas não ao ar livre. Subimos a uma sala reservada da fazenda, e todos puderam sentar-se. Motivados pela Palavra de Deus proferida pelo mestre Marnei, alguns se apresentaram, comentaram de suas vidas, suas angústias, seus anseios, planos e objetivos. E o Santíssimo se fez presente pelas mãos de um ministro da igreja que auxilia nas atividades. Bem mais tarde, quando os jovens se recolheram às barracas, os tios foram a um local chamado de capela, onde encontramos novamente o Santíssimo.

Questionado e esclarecendo, Marnei declarou que tem o apoio e aprovação de um bispo da igreja local para o acolhimento e utilização do Senhor Eucarístico. Observe-se que as atitudes, gestos, palavras e motivações usadas com a imagem do Santíssimo foram o tempo todo de profundo respeito e adoração. Ninguém, além do ministro, tocou no ostensório e não houve abuso nenhum segundo nossa apreciação. Fomos para o berço e levantamos às 6h do dia seguinte com um dia maravilhoso e muito frio. Na verdade às 05h08min um vigoroso galo acionou o canto e despertou o acampamento.

Tomamos um café bem simples e partimos para a cidade para a Santa Missa que começou às 9h. Na Paróquia Santa Terezinha, Padre Paulo César nos recebeu muito bem e fez uma acolhida oficial no início da Missa. Igreja simples, uma comentarista (que comentava tudo), um organista (que tocava muito bem e cantava bastante forte), folheto Dia do Senhor, e assim foi. As 11h estávamos de volta ao acampamento.

Marnei e família levaram o grupo para um pavilhão aberto que eles chamam de rincão. Cantos, pequena palestra sobre o tema “Ficai Conosco Senhor”, encenações lúdicas, mais cantos e muitas orações. Fomos ao almoço, diga-se de passagem muito simples e muito gostoso, feito pelos caseiros. Depois do almoço, todos desmontaram as barracas e prepararam-se para a Pista de Obstáculos na água e no barro do açude. Roupas bem velhinhas, tênis caindo aos pedaços. As equipes, vermelha e amarela, apresentaram uma lista de 1 a 20 com os nomes dos integrantes. Seria a lista por ordem de entrada na pista.

A tarefa: competir com um de cada equipe a cada vez e somar pontos para definir o ganhador. Um grande detalhe: pensar e agir como Jesus pensaria e agiria. A equipe amarela montou sua estratégia de uma forma muito interessante. Quem entrasse na pista, se preciso, ajudaria o adversário. Ao nos encaminharmos ao local, mais uma demonstração de espírito de corpo da equipe amarela – entraram de mãos dadas.

Iniciamos as competições e ora uma equipe chegava na frente, ora outra equipe. Como o barro era um forte componente da brincadeira, os ganhadores deveriam jogar barro sobre os perdedores. A amarela fez o contrário – jogou barro em si próprio. Para encurtar a história, por pontos conquistados a equipe vermelha chegou a frente mas a amarela levou o grande destaque da ação Cristã, pensou e agiu como Jesus pensaria e agiria.

Todos confraternizaram e foram banhar-se, não no Jordão, mas num açude um pouco mais limpinho para tirar o excesso de barro. Chuveirada, reunião no rincão e rescaldo final do encontro. Todos, um a um, jovens e tios, falaram, abriram o coração, se emocionaram e com muita certeza encerraram o passeio muito mais amigos e muito mais fieis um ao outro e a Deus Pai Todo Poderoso.

Vários depoimentos atestaram o sucesso do acampamento. Testemunhos vários, evidenciaram que as pessoas envolvidas com o grupo têm tendência de se fechar com os suas amizades mais próximas e mais compatíveis o que os leva a distanciarem-se de outros colegas a ponto de não saber nem o nome muitas vezes, muito menos as dificuldades, tristezas e alegrias do outro.

Final apoteótico, preces de envio de volta à cidade e bênção final. Chegamos na igreja da Piedade às 20h30min. Cabe as equipes e seus coordenadores, seguir o trabalho de onde encerrou no final de semana. Desenvolver mais os diversos assuntos e catalisar a grande missão do Onda – Jovem evangelizando jovem, pensando como Jesus pensou e deixando Deus ser Deus – no comando de tudo.

Novo Hamburgo, 21 de novembro de 2017.

Omissão e indiferença, o grande pecado contra os pobres, afirma Papa

Dia Mundial dos Pobres

Domingo, 19 de novembro de 2017, Da redação, com Rádio Vaticano

Em celebração do Dia Mundial dos Pobres, Francisco relembrou a importância do amor a Deus e ao próximo

A omissão é também o grande pecado contra os pobres, foi o que afirmou Francisco na missa deste domingo, 19, o último do ano litúrgico e data em que toda a Igreja celebra o Dia Mundial dos Pobres. A solenidade aconteceu na Basílica de São Pedro e teve a participação de 4 mil pessoas entre pobres e necessitados, associações de voluntários e dioceses do mundo todo.

A celebração do dia, instituída por Francisco em novembro de 2016 ao final do Jubileu da Misericórdia, teve como evangelho dominical a parábola dos talentos, ponto de partida para a reflexão do Santo Padre sobre as missões designadas por Deus. De acordo com o pontífice aos olhos de Deus nenhum filho pode ser descartado, sendo destinado a todos, talentos e missões, conforme a capacidade de cada um.

“Vemos, na parábola, que a cada servo são dados talentos para os multiplicar. Mas enquanto os dois primeiros realizam a missão, o terceiro servo não faz render os talentos; restitui apenas o que recebera. (…). Em que o terceiro servo desagradou ao Senhor? Diria, numa palavra (talvez caída um pouco em desuso mas muito atual), a omissão. O seu mal foi o de não fazer o bem”, afirmou Francisco.

Ao relacionar o evangelho com o tema da celebração dominical, o Papa fez alusão a realidade dos que se compadecem, mas não lutam em favor dos pobres. “O servo mau, uma vez recebido o talento do Senhor que gosta de partilhar e multiplicar os dons, guardou-o zelosamente, contentou-se com salvaguardá-lo; ora, não é fiel a Deus (…), como diz a parábola, aquele que junta novos talentos é que é verdadeiramente ‘fiel’, porque tem a mesma mentalidade de Deus e não fica imóvel: arrisca por amor, joga a vida pelos outros, não aceita deixar tudo como está. Descuida só uma coisa: o próprio interesse. Esta é a única omissão justa”, refletiu.

“Dizer: ‘Não me diz respeito, não é problema meu, é culpa da sociedade’. É passar ao largo quando o irmão está em necessidade, é mudar de canal, logo que um problema sério nos indispõe, é também indignar-se com o mal mas sem fazer nada. Deus, porém, não nos perguntará se sentimos justa indignação, mas se fizemos o bem”, alertou o Santo Padre. Para agradar a Deus, concretamente, Francisco afirmou que é preciso conhecê-lo para que as ações destinadas a Ele não sejam mais do agrado de quem as executa, do que Dele que as receberá.

De acordo com o pontífice os gostos do Senhor são facilmente encontrados no Evangelho e nos textos da bíblia. “Ele diz: ‘Sempre que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, a Mim mesmo o fizestes’. Estes irmãos mais pequeninos, seus prediletos, são o faminto e o doente, o forasteiro e o recluso, o pobre e o abandonado, o doente sem ajuda e o necessitado descartado. Nos seus rostos, podemos imaginar impresso o rosto d’Ele; nos seus lábios, mesmo se fechados pela dor, as palavras d’Ele: ‘Este é o meu corpo’”, afirmou.

Nos pobres manifesta-se a presença de Jesus, que, sendo rico, se fez pobre, lembrou o Santo Padre. “No pobre, Jesus bate à porta do nosso coração e, sedento, pede-nos amor. Quando vencemos a indiferença e, em nome de Jesus, nos gastamos pelos seus irmãos mais pequeninos, somos seus amigos bons e fiéis, com quem Ele gosta de Se demorar”, acrescentou.

“Por isso neles, na sua fragilidade, há uma ‘força salvífica’. E, se aos olhos do mundo têm pouco valor, são eles que nos abrem o caminho para o Céu, são o nosso ‘passaporte para o paraíso’. Para nós, é um dever evangélico cuidar deles, que são a nossa verdadeira riqueza; e fazê-lo não só dando pão, mas também repartindo com eles o pão da Palavra, do qual são os destinatários mais naturais. Amar o pobre significa lutar contra todas as pobrezas, espirituais e materiais”, afirmou o Papa.

Para o pontífice aproximar-se de quem é mais pobre é lembrar-se daquilo que conta verdadeiramente, o amor a Deus e ao próximo, princípio eterno do que permanece, diante de todo o resto que desaparece. “Hoje podemos perguntar-nos: ‘Para mim, o que conta na vida? Onde invisto?’ Na riqueza que passa, da qual o mundo nunca se sacia, ou na riqueza de Deus, que dá a vida eterna? Diante de nós, está esta escolha: viver para ter na terra ou dar para ganhar o Céu. Com efeito, para o Céu, não vale o que se tem, mas o que se dá, e ‘quem amontoa para si não é rico em relação a Deus’. Então não busquemos o supérfluo para nós, mas o bem para os outros, e nada de precioso nos faltará”, concluiu.

Santo Evangelho (Mt 25, 14-30)

33º Domingo do Tempo Comum – Domingo 19/11/2017 

Primeira Leitura (Pr 31,10-13.19-20.30-31)
Leitura do Livro dos Provérbios:

10Uma mulher forte, quem a encontrará? Ela vale muito mais do que as joias. 11Seu marido confia nela plenamente, e não terá falta de recursos. 12Ela lhe dá só alegria e nenhum desgosto, todos os dias de sua vida. 13Procura lã e linho, e com habilidade trabalham as suas mãos. 19Estende a mão para a roca, e seus dedos seguram o fuso. 20Abre suas mãos ao necessitado e estende suas mãos ao pobre. 30O encanto é enganador e a beleza é passageira; a mulher que teme ao Senhor, essa sim, merece louvor. 31Proclamem o êxito de suas mãos, e na praça louvem-na as suas obras!

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

 

Responsório (Sl 127)

— Felizes os que temem o Senhor e trilham seus caminhos!
— Felizes os que temem o Senhor e trilham seus caminhos!

— Feliz és tu, se temes o Senhor/ e trilhas seus caminhos!/ Do trabalho de tuas mãos hás de viver,/ serás feliz, tudo irá bem!

— A tua esposa é uma videira bem fecunda/ no coração da tua casa;/ os teus filhos são rebentos de oliveira/ ao redor de tua mesa.

— Será assim abençoado todo homem/ que teme o Senhor./ O Senhor te abençoe de Sião,/ cada dia de tua vida.

 

Segunda Leitura (1Ts 5,1-6)
Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses:

1Quanto ao tempo e à hora, meus irmãos, não há por que vos escrever. 2Vós mesmos sabeis perfeitamente que o dia do Senhor virá como um ladrão, de noite. 3Quando as pessoas disserem: “Paz e segurança!”, então de repente sobrevirá a destruição, como as dores de parto sobre a mulher grávida. E não poderão escapar. 4Mas vós, meus irmãos, não estais nas trevas, de modo que esse dia vos surpreenda como um ladrão. 5Todos vós sois filhos da luz e filhos do dia. Não somos da noite, nem das trevas. 6Portanto, não durmamos, como os outros, mas sejamos vigilantes e sóbrios.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

 

Anúncio do Evangelho (Mt 25,14-30)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, Jesus contou esta parábola a seus discípulos: 14“Um homem ia viajar para o estrangeiro. Chamou seus empregados e lhes entregou seus bens. 15A um deu cinco talentos, a outro deu dois e ao terceiro, um; a cada qual de acordo com a sua capacidade. Em seguida viajou. 16O empregado que havia recebido cinco talentos saiu logo, trabalhou com eles e lucrou outros cinco. 17Do mesmo modo, o que havia recebido dois lucrou outros dois. 18Mas aquele que havia recebido um só saiu, cavou um buraco na terra e escondeu o dinheiro do seu patrão. 19Depois de muito tempo, o patrão voltou e foi acertar contas com os empregados. 20O empregado que havia recebido cinco talentos entregou-lhe mais cinco, dizendo: ‘Senhor, tu me entregaste cinco talentos. Aqui estão mais cinco, que lucrei’. 21O patrão lhe disse: ‘Muito bem, servo bom e fiel! Como foste fiel na administração de tão pouco, eu te confiarei muito mais. Vem participar da minha alegria!’ 22Chegou também o que havia recebido dois talentos, e disse: ‘Senhor, tu me entregaste dois talentos. Aqui estão mais dois que lucrei’. 23O patrão lhe disse: ‘Muito bem, servo bom e fiel! Como foste fiel na administração de tão pouco, eu te confiarei muito mais. Vem participar da minha alegria!’. 24Por fim, chegou aquele que havia recebido um talento, e disse: ‘Senhor, sei que és um homem severo, pois colhes onde não plantaste e ceifas onde não semeaste. 25Por isso, fiquei com medo e escondi o teu talento no chão. Aqui tens o que te pertence’. 26O patrão lhe respondeu: ‘Servo mau e preguiçoso! Tu sabias que eu colho onde não plantei e ceifo onde não semeei? 27Então, devias ter depositado meu dinheiro no banco, para que, ao voltar, eu recebesse com juros o que me pertence’. 28Em seguida, o patrão ordenou: ‘Tirai dele o talento e dai-o àquele que tem dez! 29Porque a todo aquele que tem será dado mais, e terá em abundância, mas daquele que não tem, até o que tem lhe será tirado. 30Quanto a este servo inútil, jogai-o lá fora, na escuridão. Aí haverá choro e ranger de dentes!’”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

 

A IGREJA CATÓLICA CELEBRA E VENERA HOJE
São Roque González e companheiros mártires – Jesuítas

Celebramos a santidade destes Jesuítas que deram a vida pela fé, são eles: Roque González e seus companheiros

Roque González nasceu em Assunção do Paraguai, em 1576, e estudou com os Padres Jesuítas, que muito ajudaram-no a desenvolver seus dotes humanos e espirituais.

O coração de Roque González sempre se compadeceu com a realidade dos indígenas oprimidos, por isso ao se formar e ser ordenado Sacerdote do Senhor, aos 22 anos de idade, foi logo trabalhar como padre diocesano numa aldeia carente. São Roque, sempre obediente à vontade do Pai do Céu, entrou no noviciado da Companhia de Jesus, com 33 anos, e acompanhado com outros ousados missionários, aceitou a missão de pacificar terríveis indígenas.

São Roque González fez de tudo para ganhar a todos para Cristo, portanto aprendeu além das línguas indígenas, aprofundou-se em técnicas agrícolas, manejo dos bois e vários outros costumes da terra. Os Jesuítas – bem ao contrário do que muitos contam de forma injusta – tinham como meta a salvação das almas, mas também a promoção humana, a qual era e é a consequência lógica de toda completa evangelização.

Certa vez numa dessas reduções que levavam os indígenas para a vida em aldeias bem estruturadas e protegidas dos
colonizadores, Roque González com seus companheiros foram atacados, dilacerados e martirizados por índios ferozes fechados ao Evangelho e submissos a um feiticeiro, que matou o corpo mas não a alma destes que, desde 1628, estão na Glória Celeste.

Em 1988, o Papa João Paulo II canonizou os três primeiros mártires sul-americanos: São Roque González, Santo Afonso Rodríguez e São João del Castillo.

São Roque González e companheiros mártires, rogai por nós!

XXXIII Domingo do Tempo Comum – Ano A

Por Mons. Inácio José Schuster

Estamos chegando no fim de mais um Ano Litúrgico. E isso nota-se na “tonalidade” escatológica das leituras. Os últimos domingos do Tempo Comum têm esta perspectiva escatológica (o fim dos tempos) que se prolonga até à solenidade de Cristo-Rei (encerramento do Ano Litúrgico). O texto evangélico deste domingo é a parábola dos talentos que devem ser postos a render. Recorda-nos a vinda de Jesus Cristo como Juiz universal, ou seja, o momento em que cada um prestará contas da sua própria vida. Sugerimos a proclamação da forma longa do texto. Se tivéssemos que resumir numa frase a sua mensagem, diríamos: “aproveitar o tempo”. Na parábola, um patrão louva e recompensa os seus funcionários a quem deu cinco e dois talentos, porque com criatividade fizerem render o que tinham recebido. Todavia, repreende e castiga aquele que, tendo recebido somente um talento, não o pôs a render, nem fez qualquer esforço para que tal acontecesse. Todos recebemos talentos na nossa vida: uns de ordem natural (a vida, a saúde…), outros de ordem espiritual, outros de ordem intelectual, outros de ordem material. Em primeiro lugar, é importante que cada um descubra os seus próprios dons, para, ao longo da vida, os pôr a render. No evangelho não se tem em consideração o número de “talentos”. Não está nas nossas mãos receber mais ou menos; o que é importante é pôr a render os talentos que nos foram concedidos. A primeira leitura ajuda-nos a aprofundar o evangelho. O Livro dos Provérbios elogia a mulher virtuosa. Parece um texto muito “machista”, mas não podemos esquecer o contexto social da época em que foi escrito. Nessa altura, a mulher não trabalhava fora de casa e ocupava-se somente das tarefas domésticas. Mas a finalidade do texto continua atual: elogiar a mulher virtuosa, ou seja, a pessoa que, como nos diz o evangelho, põe a render os seus talentos. A Oração Eucarística IV faz referência ao cuidado que devemos ter com tudo o que Deus nos concedeu, ou seja, os bens deste mundo e as nossas próprias qualidades: “Formastes o homem à vossa imagem e lhe confiaste o universo, para que, servindo-Vos unicamente a Vós, seu Criador, exercesse domínio sobre todas as criaturas”. A proclamação da Oração Eucarística IV neste domingo completaria a Liturgia da Palavra. Tal como a primeira leitura e o evangelho, a segunda leitura fala-nos do fim dos tempos, especialmente da vinda do Senhor. Eram muitos os que perguntavam sobre quando seria o regresso de Jesus. São Paulo responde que o mais importante não é saber o dia ou a hora, mas que somos filhos da luz e, por isso, não vivemos nas trevas. Por outras palavras, repete a mensagem da parábola dos talentos: “não durmamos como os outros, mas permaneçamos vigilantes e sóbrios”. Um elemento essencial na escatologia é a imagem do banquete. O prêmio que se recebe por ter feito render os talentos é um lugar no banquete do Senhor. Todos desejamos participar nesse banquete final. Mas, não podemos esquecer que, enquanto não chegar esse momento, somos convidados à eucaristia, antecipação sacramental do banquete escatológico. Como conclusão da homilia e introdução à liturgia eucarística, poder-se-ia salientar a importância da missa na vida do cristão, onde se recebe o corpo e o sangue de Cristo que um dia virá em plenitude com toda a sua glória e esplendor.

 

VIVA O TEMPO PRESENTE NUMA FIDELIDADE ATIVA
Padre Bantu Mendonça

A expectativa e a vigilância convertem-se em responsabilidade pela transformação do mundo. A parábola dos talentos ressalta a vigilância como atitude de quem se sente responsável pelo Reino de Deus. E quem recebeu talentos – e não os faz render – pode ser demitido do Reino por “justa causa”. O Evangelho situa-se no quinto e último grande discurso escatalógico, ou aquele que trata do fim último das coisas. O tema básico do discurso é a vigilância, ilustrada pela leitura dos sinais dos tempos, a parábola do empregado responsável, a das virgens prudentes e imprudentes e que vai terminar na festa de Cristo Rei, com o texto sobre o Juízo Final. Por trás da parábola dos talentos há um tempo de expectativa e de sofrimento. Na época em que Mateus escreveu o Evangelho, muitos cristãos estavam desanimados diante da demora da segunda vinda do Messias. Além disso, o converter-se à fé cristã acarretava perseguição e até morte. As comunidades se esvaziavam e o ardor por Jesus Cristo esmorecia. O evangelista escreve com o objetivo de reanimar a fé. Jesus apresenta-se como um Senhor que, antes de empreender uma viagem, reúne seus empregados e reparte com eles sua riqueza para que a administrem. A um deu cinco talentos, a outro dois e um talento ao terceiro: a cada um segundo sua capacidade. E viajou para longe. No retorno, Ele pede contas. Os dois primeiros fizeram com que os talentos rendessem em dobro. O último devolveu o talento tal qual tinha recebido, pois com medo de arriscar havia enterrado o talento. Curioso é o motivo de tal procedimento. Não tomou tal atitude por preguiça, mas por medo da severidade de seu Senhor. Em consequência, os dois primeiros foram elogiados e recompensados pela eficiente administração e o último foi demitido por “justa causa”. No tempo de Jesus um talento era uma soma considerável de dinheiro, e hoje pode ser interpretado em termos de dons ou carismas recebidos de Deus. O trecho demonstra que o importante é arriscar-se e lançar-se à ação em prol do crescimento do Reino de Deus, para que os dons que recebemos d’Ele possam crescer e se frutificar. De forma alguma se deve interpretar este texto “ao pé-da-letra”, como se ele tratasse de investimentos e lucros financeiros, pois ele é uma parábola, que é uma comparação usando imagens e símbolos conhecidos. Jesus confiou à comunidade cristã a revelação dos segredos do Reino e a revelação de Deus como o “Abbá”, ou querido Pai. Esse dom é um privilégio, mas também um desafio e uma responsabilidade. Nem a comunidade cristã nem o cristão individual podem guardar para si essa riqueza. Embora carreguemos “esse tesouro em vasos de barro” (cf. II Cor 4,7), como disse São Paulo, temos que partir para a missão, para que todos cheguem a essa experiência de Deus e do Reino. Não é suficiente que estejamos preparados para o encontro com o Senhor. O “outro lado da medalha” é a atividade missionária, que faz com que o Reino de Deus cresça, mediante o testemunho da nossa prática de justiça. O terceiro empregado, devolvendo ao Senhor o talento que recebera – nem mais nem menos – em termos de justiça está quite. Ele personifica os membros das comunidades que não traduzem em seus relacionamentos os dons recebidos de Deus ou daqueles que, observando rigorosamente a Lei, se consideram perfeitos cumpridores da vontade do Senhor, mas que, na verdade, desconhecem a exigência fundamental do Messias que é de gratidão e iniciativa. Por isso, são castigados por sua mediocridade. Enterrar os talentos é sinônimo de eximir-se da responsabilidade diante da missão que o Ressuscitado confiou a Seus discípulos como Suas testemunhas e continuadores da obra que Ele mesmo recebeu do Pai: salvar a humanidade (cf. At 1,6-11). Enterrar os talentos é privar a comunidade dos dons de que ela está necessitando. A omissão é um pecado que prejudica a edificação da comunidade. É instalar-se para não correr riscos. Para aqueles que aderiram à fé, não basta ser bons evitando o mal a fim de serem aprovados como solícitos administradores dos bens do Reino. O que se exige de nós é a capacidade de correr o risco com responsabilidade e compromisso. Jesus nos alerta sobre a necessidade de vivermos o tempo presente numa fidelidade ativa como um preparo ao Juízo Final. Quando voltar, o Senhor recompensará os bons administradores com a salvação, isto é, com a alegria de Seu convívio na Jerusalém celeste. Portanto, não enterre o seu talento. Faça-o render a fim de que possa ser recompensado pelo Senhor quando chegar: “Muito bem, empregado bom e fiel. Tu foste fiel negociando com pouco dinheiro, e por isso vou pôr-te para negociar com muito. Vem festejar comigo!”

 

O SERVO BOM E FIEL… VEM PARTICIPAR DA MINHA ALEGRIA
Por Dom Emanuele Bargellni, Prior do Mosteiro da Trasnfiguração
33º DOMINGO DO TEMPO COMUM – A
Leituras: Pr 31, 10-13; 19-20; 30-31 – 1 Ts 5, 1-6; Mt 25, 14-30

Que alegria ouvir este apaixonado convite na boca do patrão elogiando seu empregado pela obra bem cumprida; ficando feliz de partilhar com ele sua própria felicidade! Se além disto, – isto é, o patrão que se alegra pela engenhosa criatividade do seu servidor – for o próprio Senhor, que trata o servidor como seu amigo, introduzindo-o na sua intimidade, o estupor desta festa é ainda mais encantador! É justamente isso, o que Jesus pretende nos revelar, através da parábola, sobre a relação do Pai com cada um de nós. Uma relação de confiança, com a qual o Pai desafia a liberdade, a criatividade e a responsabilidade do homem na construção do seu reino, e o convida a tornar-se seu colaborador. A parábola do patrão, que entrega a seus empregados uma relevante soma de dinheiro para que eles a trabalhem durante sua ausência, faz parte da perspectiva escatológica que caracteriza todo o capítulo 25 do evangelho de Mateus. Sobre a vinda gloriosa do Senhor, ninguém conhece o tempo e a modalidade ao não ser o próprio Pai (Mt 24,36.42-44). Esta incógnita deve gerar nos discípulos vigilância e anseio do encontro, como acontece com as moças que esperam em meio à noite o noivo, enquanto este se atrasa para chegar e celebrar a festa das bodas (Mt 25, 1-13). Deve suscitar confiança e operosidade e não medo, como nos empregados sábios que administram os talentos recebidos (Mt 25, 14-30). Deve alimentar aquela lucidez de visão que faz reconhecer o Senhor já presente nas situações da vida, especialmente nos mais necessitados. O Senhor julgará somente a partir da criatividade fecunda do amor, não pela quantidade das obras cumpridas (Mt 25, 31-46). Com a parábola de hoje, Jesus nos surpreende mais uma vez. O Pai, nos diz Jesus, se relaciona com o homem, apontando antes de tudo sobre suas capacidades positivas. Com o intuito de despertar suas potencialidades e responsabilidade, o liberta de todo medo que paralisa as energias vitais, e de toda presunção que faz o homem descuidar de suas responsabilidades diante de Deus. Deus, ao contrário, transforma o empregado num colaborador responsável e criativo, e ainda mais, num amigo com quem partilhar a sua mesma alegria da vida. Que diferença com certas imagens de Deus, recorrentes em certa pregação, que, com o intento de recuperar o enfraquecido sentido do pecado, chega a apresentar-lhe o rosto deformado de um fiscal, interessado mais ao código das normas que à pessoa! A parábola destaca logo três elementos salientes na pedagogia de Deus. 1- “Chamou seus empregados e lhes entregou seus bens… a cada qual de acordo com sua capacidade” (Mt 25,15). Os executivos das empresas, ao entregar uma tarefa aos empregados, determinam antes de tudo o objetivo da iniciativa. Pretendem de todos, sem distinção, o máximo esforço para alcançá-lo. O alcance do objetivo é o único critério para avaliar o comportamento de todo empregado. O Pai de Jesus, ao contrário, na imagem do patrão da parábola, entrega seus bens “a cada um de acordo com sua capacidade”, e, ao acertar as contas, julga o resultado, não em base da quantidade do capital ganho, mas em proporção ao empenho que, com responsabilidade e criatividade, cada um desenvolveu. Ele está interessado antes de tudo ao bem estar, à realização das potencialidades da pessoa, mais que à renda do capital entregue. Ele está interessado em poder partilhar sua felicidade com o empregado/amigo! A retribuição que Deus dá é sempre total, contra a lógica de uma visão mercantil e moralizante da vida e da religião. A parábola dos trabalhadores desempregados, chamados a trabalhar na vinha do patrão a qualquer hora do dia, com a distribuição do inteiro salário mesmo para aqueles que tinham chegado ao cair do sol, já orientava nesta direção desconcertante, isto é, do estilo do Pai que recompensa dando, não o que achamos ter merecido, mas a si mesmo e gratuitamente. “Toma o que é teu e vai. Eu quero dar a este último o mesmo que a ti…. Ou estás com ciúme porque sou bom? (Mt 20, 1- 16). 2- “Chamou seus empregados e lhes deu seus bens….. Em seguida viajou” (Mt 25, 15). O patrão, depois de entregar a cada um os talentos de acordo com sua capacidade, escolhe viajar. Afasta-se deliberadamente. Deixa aos empregados plena liberdade de atuação. Manifesta plena confiança em cada um, e de cada um solicita a expressão das próprias capacidades. Corre o risco de perder. Não exige mais, não renuncia ao possível. Chama cada um a ser seu colaborador na vida e na construção do seu reino. O Senhor é amante da vida e promove as pessoas. Deparamos-nos com o mistério da liberdade do homem, solicitada e promovida por Deus. Significativa esta imagem do patrão que, depois de entregar aos empregados seus bens, vai viajar.  Se afasta, por assim dizer, para cada um estar certo que Deus não limita sua liberdade, criatividade e responsabilidade na construção da sua história. Como afirma Paulo na carta aos Filipenses, Deus se faz pequenino, e se retrai na pequenez do Verbo que se despoja de toda glória divina, se esvazia, e partilha nossa pequenez, para o homem partilhar a vida verdadeira em plenitude. “Oh admirável intercâmbio! Deus se fez homem para que o homem participe da natureza de Deus”, cantamos com estupefata alegria ao celebrar o mistério da encarnação na solenidade do Natal. 3- Cada um dos empregados reage à sua maneira. Nisto cada um manifesta quem ele é de verdade, e qual a qualidade da relação vivenciada para com o patrão. Os dois primeiros empregados manifestam auto-estima, iniciativa, abertura aos riscos e prudência, liberdade e responsabilidade. O terceiro tem uma baixa auto-estima, dá una leitura prejudicialmente negativa das atitudes do patrão, vive a relação com ele sob o pesadelo do medo, e acaba simplesmente escondendo no chão o precioso talento: “Senhor, sei que és um homem severo, pois colhes onde não plantaste e colhes onde não semeaste. Por isso fiquei com medo e escondi o teu talento no chão. Aqui tens o que te pertence” (Mt 25, 25). Ele reduz Deus às medidas da sua mesquinhez de ânimo. O medo paralisa suas capacidades, o torna irresponsável diante do patrão e do talento, enquanto ele julga que seu dever e sua habilidade hão de limitar-se a “guardar intacto” o talento recebido. Pelo contrário esta atitude é definida pelo patrão como uma radical infidelidade à tarefa recebida, que era a de trabalhar o talento e não somente de guardá-lo. Às vezes o mesmo mecanismo paralisante se insinua na vida pessoal e até na vida das comunidades, no que diz respeito ao tesouro vivente que nos foi “entregue-confiado” (em latim: entregar = tradere, traditio[tradição]), através da pregação do evangelho e da tradição viva da Igreja. A Tradição da Igreja, a dos elementos essenciais da fé e da vida espiritual da Igreja, é um tesouro vivente e dinâmico, como é a Palavra de Deus que a gerou e que fica gerando-a. É preciso trabalhá-la para que ela possa produzir seus frutos de vida no Espírito. Guiada pela Divina Providência, ela cresce ao longo da história, sob o impulso do mesmo Espírito e através dos vários ministérios e experiências da comunidade cristã. Uma luz muito iluminadora sobre este assunto tão vital foi oferecida ao povo cristão do nosso tempo, pelo Concílio Vaticano II na Constituição Dei Verbum (ver em maneira especial o n. 8), e mais recentemente pela Exortação apostólica do Papa Bento XVI, “Verbum Domini” (2010). Às vezes, na presunção de guardar em maneira mais fiel algumas práticas religiosas ou certas maneira de pensar a vida cristã, que alguém julga como “tradição” importante, acaba congelando o tesouro da fé e da vida recebida, sob uma determinada forma histórica ou cultural. O tesouro fica escondido no chão, impedido de frutificar. O Senhor vai nos pedir conta desta administração do seu tesouro, talvez generosa, mas desprovida do devido discernimento do Espírito. A cultura da modernidade parece ter desenvolvido, no que diz relação à responsabilidade do homem na história, uma atitude que vai num sentido contrário. Destacou a responsabilidade do homem até a radical autonomia na construção do mundo, considerando Deus um impedimento à real dignidade do homem. “Viver como se Deus não existisse”, foi um marco fundamental da modernidade. A tradição bíblica, porém, considera o homem/mulher colaborador de Deus na sábia gestão da criação. O trabalho do homem corresponde à sua divina vocação de “guardar e cultivar” o mundo e promover a vida na história (cf Gn 2, 8-15). Paulo, na carta aos Tessalonicenses, destaca esta tarefa, como preparação responsável à vinda gloriosa do Senhor (Ts 5, 1-6). Esta tensão entre compromisso na história do hoje e a espera da vinda gloriosa do Senhor, faz dos cristãos homens e mulheres de espírito critico, sábios, vigilantes e livres. A repetida imagem bíblica do ladrão que surpreende na noite, e das dores do parto que podem sobrevir de repente (1 Ts 5,2-3), não devem nos desnortear. Jesus e Paulo pretendem destacar o fato que o evento escatológico do reino de Deus não depende dos poderes humanos, mas da livre e benevolente vontade do Pai. Isto há de gerar não medo, mas vigilância confiante. A imagem da mulher operosa e criativa, reforça esta perspectiva (primeira leitura). Às vezes também entre as pessoas “religiosas”, se encontra a atitude “mundana” de acreditar que o homem e não Deus é o principal protagonista da santidade pessoal, assim como da eficácia da evangelização e do ministério apostólico nas suas variadas formas. O papa Bento XVI, durante sua recente visita apostólica na Alemanha, chamou a atenção sobre a exigência de despojar-se de certas formas finas de mundanização que poluem a Igreja no espírito. Jesus nos diz que Deus chama o homem a tornar-se seu colaborador, na liberdade e na criatividade. Seu próprio projeto de vida se torna também obra do homem, a exercer na liberdade do amor, liberta de todo medo: “Vós não recebestes um espírito de escravos, para recair no temor, mas recebestes um espírito de filhos adotivos, pelo qual clamamos: Abba-Pai” (Rm 8,15). A recompensa que o empregado/amigo/filho recebe, é o próprio Deus: “Como foste fiel na administração de tão pouco, eu te confiarei muito mais. Vem participar da minha alegria” (Mt 25,21.23). O empregado medroso, ao contrário, tem uma imagem totalmente deformada do patrão/Deus, como de um “algoz”; e de si mesmo como de um escravo. Junto com o talento, enterrou a si mesmo. Está já morto. Por isso, como se poderia ainda deixar o talento precioso nas suas mãos? Ou, como ele poderia partilhar a alegria do seu patrão? Por si mesmo, ele se jogou fora da vida. A dura sentença do patrão que o expulsa do circuito da festa, mais que uma severa punição por parte do patrão, parece a ratificação da triste sorte já construída pelo próprio empregado medroso e irresponsável. A Oração Eucarística IV, hoje pode interpretar bem as perspectivas abertas pelas leituras bíblicas, e dar-lhes a profundidade da oração que tudo consegue unificar em Cristo e no seu mistério de morte e ressurreição, transformando o dom da palavra recebida em ação de graças ao Pai, por Cristo Jesus, no Espírito Santo.

 

Homilia do Padre Françoá Costa – XXXIII Domingo do Tempo Comum – Ano A
Espiritualidade do trabalho

Aquele que recebeu cinco talentos e o que recebeu somente dois foram bons trabalhadores. Cada um deles, recebidos os talentos, “negociou com eles; fê-los produzir, e ganhou outros” (Mt 25,16). É preciso trabalhar! Mais ainda, é preciso trabalhar bem! São João Paulo II, na sua Carta Encíclica sobre o trabalho humano (“Laborem exercens”), falava de “elementos para uma espiritualidade do trabalho”. No entanto, ninguém duvida que a primeira coisa para falarmos de uma espiritualidade do trabalho é que se tenha um trabalho e se trabalhe. É verdade que nem sempre é fácil ter um trabalho. Há muitas pessoas desempregadas. Nesse sentido, a justiça social apela aos representantes responsáveis pelo bem comum da sociedade que se empenhem em criar cada vez mais postos de trabalho.

Mas também é verdade que alguém poderia não trabalhar ou trabalhar mal simplesmente porque é um preguiçoso. Como vencer a preguiça? Trabalhando. Uma boa lição deixou aos filhos aquele camponês que estava prestes a morrer. Conta-se que os seus filhos eram bem comodistas e o pai, já moribundo, disse-lhes: ‘meus filhos, estou morrendo, mas vou deixar como herança um campo e um tesouro que se encontra neste mesmo campo; vocês só terão que procurá-lo cavando o terreno’. Morto o pai, começou a caça ao tesouro. Vão cavando, revolvendo o terreno e… nada. Depois de, literalmente, cavar todo o terreno não encontraram nenhum tesouro; só então entenderam qual era o tesouro que o pai lhes tinha deixado: o trabalho.

O trabalho é um dom de Deus, que criou o homem para que trabalhasse (cf. Gn 2,15). No nosso trabalho nós temos que fazer como aqueles servos que negociaram e fizeram com que os talentos se multiplicassem. Eles sabiam que eram administradores de bens que não lhes pertenciam. E nós, o que somos? Administradores, servos, trabalhadores na vinha do Senhor, negociantes com os talentos de Deus. O Senhor nos pedirá conta da nossa administração. Temos que trabalhar santificando a nossa profissão.

O primeiro requisito para santificar o próprio trabalho, agradando ao Senhor e fazendo do trabalho um ambiente de apostolado, é fazê-lo bem: pontualidade, responsabilidade, honestidade, prudência, solidariedade etc. Essas e outras virtudes formam o cortejo das virtudes do trabalhador. Um cristão que deseja ser santo, mas desenvolve mal o seu trabalho pode vir a ser um autêntico contra testemunha do Evangelho: reza, mas não trabalha bem; vai à Missa, mas não é honesto nas relações de compra e venda; faz penitência, mas não pratica a pequena mortificação de chegar pontualmente ao trabalho; fala que todo mundo tem que ser bom, mas ele mesmo é não é justo com os seus funcionários… Mal serviço à evangelização! Ainda que participe de uns cinco grupos da paróquia, se não é bom trabalhador, bom pai de família e bom amigo dos seus amigos, não vai atrair para Deus, não estará se santificando, não estará vivendo uma boa espiritualidade.

É justamente em meio ao barulho do mundo, ao ruído das fábricas, à paciente leitura dos livros da faculdade, enfim, por ocasião dos diversos afazeres do cotidiano nós encontramos a Deus, ele nos espera em meio a essas coisas. Fugir dessa realidade é fugir do mundo real e seria, portanto, fugir do encontro com Deus. Nesse sentido, as palavras de S. Francisco de Sales são atuais para animar-nos a viver essa “espiritualidade do trabalho” da qual falava o grande João Paulo II: “a prática da devoção tem que atender à nossa saúde, às nossas ocupações e deveres particulares. Na verdade, Filotéia, seria porventura louvável se um bispo fosse viver tão solitário como um cartuxo? Se pessoas casadas pensassem tão pouco em juntar para si um pecúlio, como os capuchinhos? Se um operário frequentasse tanto a igreja como um religioso o coro? Se um religioso se entregasse tanto a obras de caridade como um bispo? Não seria ridícula tal devoção, extravagante e insuportável? Entretanto, é o que se nota muitas vezes, e o mundo, que não distingue nem sequer a devoção verdadeira da imprudência daqueles que a praticam desse modo excêntrico, censura e vitupera a devoção, sem nenhuma razão justa e real” (S. Francisco de Sales, Filotéia, 1,3).

Vamos continuar negociando com os nossos talentos. Há momentos nos quais precisamos ser fortalecidos para continuar com esse empenho firme e alegre: santificar a realidade profissional, a de todos os dias. Vamos fortalecer-nos na Missa dominical, e até diária se possível; na meditação diária da Palavra de Deus; na reza quotidiana do Terço; nas visitas ao Santíssimo. Todas essas práticas de piedade são como um “posto de combustível” aonde o carrinho da nossa alma vai se reabastecer para continuar caminhando, encontrando e amando a Deus, conversando com ele em todos os momentos da nossa jornada.

 

Homilia de D. Henrique Soares da Costa – XXXIII Domingo do Tempo Comum – Ano A
Pr 31,10-13.19-20.30-31 / Sl 127 / 1Ts 5,1-5 / Mt 25,14-30

De um modo ou de outro, a Palavra do Senhor sempre nos fala da vida, nos revela o sentido, nos mostra o caminho. Hoje, o Senhor nos apresenta a existência como um punhado de talentos, de dons, de oportunidades que a providência gratuita e misteriosa de Deus colocou em nossas mãos para que façamos frutificar. Certamente, jamais compreenderemos porque nascemos desse modo ou somos daquele outro. Podemos, no entanto, ter a certeza que o Senhor nos deu uma vida, “a cada um de acordo com a sua capacidade”. Ora, é esta vida, dom de Deus, fruto de um desígnio de amor sem fim, que cada um de nós deve responsavelmente cultivar e fazer frutificar em benefício nosso de dos irmãos. Na mulher forte e industriosa da primeira leitura, aparece um exemplo de alguém que não se contenta em passar pela vida, mas vai tecendo o fio da existência com as pequenas fidelidades de cada dia. Do mesmo modo, a segunda leitura chama-nos atenção para o fato que nos serão pedidas contas da vida, dom recebido de Deus. Daí, o conselho: “Não durmamos, como os outros, mas sejamos vigilantes e sóbrios”.

Caríssimos, uma das grandes tentações do mundo atual é pensar que a existência é nossa de modo absoluto, como se cada um de nós se tivesse criado a si próprio, dado a si próprio a existência. Fechados em si próprios, os homens pensam que podem ser felizes construindo a vida de seu próprio modo, à medida de suas próprias idéias e objetivos. Ilusão! A vida é dom de Deus e somente nos faz felizes se dela fizermos um diálogo amoroso com o Senhor, autor e doador de nosso ser. Mais que talentos na vida, o Senhor nos concedeu a própria vida como um precioso talento. Desenvolvê-lo e ser feliz e buscar não a nossa própria satisfação, não nossa própria medida, não nosso próprio caminho, mas fazer da existência uma busca amorosa e cheia de generosidade da vontade de Deus. Eis! Somente seremos felizes e maduros quando tivermos a capacidade de arriscar verdadeiramente nos perder, nos deixar para nos encontrar no Senhor, alicerce e fonte de nossa vida. Eis o verdadeiro investimento!

Infelizmente, a dinâmica do mundo hodierno, pagão e ateu, não no ajuda nessa direção. Há distração demais, novidade demais, produto demais a ser consumido; há preocupação demais com uma felicidade compreendida como satisfação de nossos desejos, carências e vontades. Há consciência de menos de que a vida é dom e serviço, doação e abertura para o infinito; há percepção de menos de que aqui estamos de passagem e de que lá, junto ao Senhor, é que permaneceremos para sempre. Atolamo-nos de tal modo nos afazeres da vida, no corre-corre de nossas atividades, no esforço por satisfazer nossas vontades, na busca de nossa auto-afirmação, que perdemos a capacidade de compreender realmente que somos passageiros e viandantes numa existência breve e fugaz que somente valerá a pena será vivida na verdade se for compreendida como abertura para o Senhor e, por amor a ele, abertura generosa e servidora para os outros.

Caríssimos, estejamos atentos à advertência do Apóstolo: “Vós, meus irmãos, não estais nas trevas, de modo que esse dia vos surpreenda como um ladrão. Todos vós sois filhos da luz e filhos do dia” O Dia é Cristo, a Luz é Cristo. Viver na luz, viver no dia é viver na perspectiva de Cristo Jesus, é valorizar o que ele valoriza e desprezar o que ele despreza. Filhos da luz, filhos do dia – eis o que deveríamos ser! Mas, com tanta freqüência nossa mente e nosso coração, nossos pensamentos e nossos afetos encontram-se entenebrecidos como o dos pagãos… Quão grave para nós, porque conhecemos a Luz, cremos no Dia que é o Cristo-Deus!

Não nos iludamos, não façamos de conta que não sabemos: todos haveremos de dar contas a Deus de nossa existência, do sentido que lhe demos, daquilo que nela construímos. Queira Deus que nossa vida seja como a do Cristo Jesus: uma verdadeira e amorosa abertura para Deus e uma abertura para os outros! Queira Deus que consigamos, iluminados pela sua Palavra, nutridos pela sua Eucaristia e animados pela oração diária, viver nossa existência na perspectiva de Deus, de tal modo que vivamos, vivamos de verdade, vivamos em abundância, vivamos uma vida que valha a pena!

Que o Senhor no-lo conceda pela sua graça. Amém.

Todos os Santos

É preciso reconhecer o valor da santidade

Só há sentido em falar de “santo” se fizermos referência a Deus, tendo Jesus Cristo como critério de santidade. Ele testemunhou a prática das bem-aventuranças na convivência de Seu tempo, foi capaz de enfrentar os caminhos da vida, seja no sofrimento ou nas alegrias, colocando Sua vida como doação para o bem das pessoas e do mundo.

A santidade é fruto de uma consciência convicta de pertencer a Jesus Cristo e de colocar tudo na vida como prática de amor a Deus. Ela vem da consciência fraterna na comunidade, do respeito e do valor que damos às realidades que nos cercam. Supõe um estilo de vida marcado pela esperança, pela mansidão, pela misericórdia e pela pureza.

Podemos dizer que os santos são os bem-aventurados, os felizes, que conseguiram prosseguir na vida mesmo tendo de enfrentar dificuldades e sofrimentos. Estão sempre apoiados em Deus e não simplesmente nas coisas materiais, naquilo que é passageiro e que não satisfaz plenamente os desejos do coração das pessoas.

Ser santo é não duvidar do amor de Deus nem agir com violência revidando atitudes de maldade. É decepcionar-se com as injustiças que acontecem e desrespeitam os mais fracos e indefesos. É ter a capacidade de agir com misericórdia e amor, superando conflitos, desavenças, agindo para defender um mundo de paz.

Santidade e justiça caminham juntas na construção do Reino de Deus. Quem se ajusta à Sua vontade soberana tem lugar em Seu Reino. É um Reino de valores que tem preço de martírio, como aconteceu com o Mestre Jesus Cristo; é o preço pago pela felicidade adquirida no Evangelho no meio de um mundo de muita hostilidade.

O mundo, no sentido pejorativo, não reconhece o valor e a dignidade de quem participa da filiação divina. Na verdade, não reconhece valores de eternidade. Tudo isso dificulta a fidelidade de quem acredita na mensagem de Jesus Cristo, caminho de santidade e de vida autenticamente feliz. Os contravalores da cultura moderna são totalmente desestimuladores de uma verdadeira santidade de vida.

Dom Paulo Mendes Peixoto

Desapego

Há uma insaciável febre de compras

Não é fácil enfrentar um tempo marcado por propostas estimulantes de consumismo e com requinte de esbanjamento. A questão é tão grave que chega até a provocar desequilíbrio social, complicando a vida de muitas pessoas em condições financeiras desconfortáveis. Há uma insaciável febre de compras, induzida pela força e pertinência da mídia.

Seria saudável se todas as pessoas tivessem o necessário para o próprio consumo, mas com capacidade também para certas renúncias, concretizando uma vida de desapego e capacidade de partilha fraterna. Apego exagerado a determinadas riquezas pode denotar sintoma de injustiça, de incapacidade para viver em comunidade e de enxergar o vazio na vida de muitos outros.

Não encarar o desapego de forma concreta pode levar o rico a ficar cada vez mais rico e o pobre cada vez mais pobre. Com isto aumenta o fosso existente entre uma classe social e outra, ocasionando uma sociedade que experimenta “na pele” o mundo da violência, do inconformismo e da insegurança. Com isto, sofrem os ricos e os pobres e toda a sociedade com eles.

Existem administradores desonestos e inescrupulosos, agindo de forma escandalosa e injusta com todos. É uma esperteza que clama aos céus, provocando a ameaça e o confronto da justiça. Sabemos que, quem pratica o mal, mais cedo ou mais tarde, poderá sofrer as consequências. A injustiça, em muitos casos, é percebida por quem de direito que, às vezes, toma providências.

É importante agir com inteligência diante dos bens que o mundo coloca à nossa disposição. São repugnantes as fraudes que se cometem na administração pública e nos atos privados, deixando transparecer apego a realidades que pertencem a outros. Diz o Mestre Jesus que os filhos das trevas são muito espertos.

O desapego faz as pessoas serem ricas diante de Deus, porque a vida do mundo passa e tudo fica por aí. A grande riqueza é a vida em todas as suas dimensões, na integridade e gratuidade diante da natureza e do Criador. A riqueza pode criar vazio, porque ela é passageira.

Dom Paulo Mendes Peixoto
Arcebispo de Uberaba (MG)

Família: Lugar da Bênção de Deus

‘…Família é para ser lugar da bênção, da graça de Deus.
Dimensão para o crescimento físico, psíquico, afetivo e espiritual do ser humano.

Espiritualmente a família tem sido lugar de quê? Quem sabe muitos pais serão cobrados disso, do dia em que, diante do padre, da família e dos amigos, juraram que iriam acolher com amor os filhos que Deus lhes confiasse, educando na Lei de Cristo e da Igreja. E hoje o filho está longe de Deus.

Por que será? Porque não teve essa mesma preocupação do crescimento espiritual. E sabe por quê? Porque ninguém dá aquilo que não tem. Como dar amor, se não temos amor? A família, muitas e muitas vezes, não está sendo lugar de bênção. É triste dizer que a família tem sido, muitas e muitas vezes, o lugar da desgraça, da angústia, da falta de amor.

E por quê? Quantas e quantas pessoas, na rua são alegres e felizes, mas quando chegam em casa perdem a alegria. Por isso as famílias se tornam lugar de mágoa, de ressentimento, de tristeza, de angústia. Quando falta Deus na família, falta absolutamente tudo. Observe os grandes ídolos do mundo moderno, cantores, artistas famosos, de vez em quando eles deixam vir à tona  a maior de suas carências.

E qual é? A família. A falta desse amor por quê? Porque a família não está sendo lugar de bênção. Para ser lugar de bênção de Deus, muitas vezes não se precisa de muita coisa. Pequenos detalhes fazem um grande amor. Um grande amor não é feito de grandes coisas, não. Grandes coisas qualquer pessoa faz, tanto para o bem, quanto para o mal, se ela estiver no desespero. Agora, fazer cada dia pequenas coisas, de modo extraordinariamente maravilhoso, só quem tem o Espírito de Deus; do contrário, não consegue. E aí está a santidade. Esse é o segredo.

Cl 3, 12-17: 12 Portanto, como eleitos de Deus, santos e queridos, revesti-vos de entranhada misericórdia, de bondade, humildade, doçura, paciência. 13 Suportai-vos uns aos outros e perdoai-vos mutuamente, toda vez que tiverdes queixa contra outrem. Como o Senhor vos perdoou, assim perdoai também vós. 14 Mas, acima de tudo, revesti-vos da caridade, que é o vínculo da perfeição. 15 Triunfe em vossos corações a paz de Cristo, para a qual fostes chamados a fim de formar um único corpo. E sede agradecidos. 16 A palavra de Cristo permaneça entre vós em toda a sua riqueza, de sorte que com toda a sabedoria vos possais instruir e exortar mutuamente. Sob a inspiração da graça cantai a Deus de todo o coração salmos, hinos e cânticos espirituais. 17 Tudo quanto fizerdes, por palavra ou por obra, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai.

Entranhada misericórdia, doçura… Doçura no falar, no toque, no olhar… Humildade! Marido não tem de ser mais que a mulher, e a mulher não de ser mais que o marido. São diferentes na função, mas iguaizinhos em dignidade. Humildade é fazer o outro se sentir mais importante. Isso é amor! Amor que não tem humildade não é amor. Humildade, doçura, bondade, paciência. O ser humano é fraco, é limitado. Custa  a crescer, e cresce com o tempo. Bondade, doçura, paciência. ‘Suportai-vos uns aos outros e perdoai-vos mutuamente’.

O que é suportar? Uma mesa com a perna quebrada precisa de um suporte. Suportar é segurar a fraqueza do outro. Mas suportar é também pegar uma alavanca, um suporte, para ajudar a movimentar algo pesado. Suportar é estender o braço na hora que o outro demonstra sua fraqueza. A mulher precisa ser suporte para o marido. O marido precisa ser suporte para a mulher. O casal precisa ser suporte para os filhos. A família precisa ser suporte para a sociedade. Suportar é ter a capacidade de se sacrificar, de sofrer calado muitas vezes por causa do outro. Na hora que o outro levanta a voz, eu abaixo a minha. Não é criar pessoas perfeitas, isso não existe! Mas é saber suportar o outro.

Na hora da fraqueza do outro, eu vou ser força para ele. O marido não pode chorar no ombro da mulher infelizmente chora no balcão do boteco. Ele chora no colo de uma prostituta. Essa é a  diferença! Então o marido tem de ser o suporte da esposa, tem de ser o ombro para ela chorar no momento de fraqueza. Não precisa falar nada. É só chegar e dar um abraço. Quantos e quantos casais precisam descobrir que não é uma relação sexual, como o mundo mostra que precisa ter; que muito mais importante,  prazeroso e santo, muitas e muitas vezes, é uma leve passada de mão no cabelo, um aperto de mão, um beijo na testa.

Eis o que importa! Mais que suportar, como São Paulo diz, é preciso perdoar mutuamente. ‘Ah, eu amava muito aquela pessoa, até que ela fez isso comigo, aí acabou!’ Nunca amou! A palavra perdoar já traz em si mesma a palavra amar, porque perdoar é per+doar, doar é dar-se. Então, o sinônimo mais perfeito de amar é doar. Perdoar é amar por inteiro. E dar-se de novo, como Deus se dá a nós. É saber que nós  não somos perfeitos.

Sabe qual é o grande segredo para perdoar? É começar a cada dia como novo que é, é não levar dia velho para dia novo. Deus não leva. Quando chega o final do dia, Ele pega o rascunho do dia e joga fora. E chega outro dia… Deus acredita muito em nós! Ele diz que hoje vai dar certo, prepara aquele dia como se fosse o ontem, o anteontem. Perdoar é dar-se. Perdoar é amar de novo, é amar por completo. Perdoar é curar o outro. Uma das grandes missões do matrimônio cristão é curar o outro. Marido, você foi escolhido de Deus e por Deus, para curar sua esposa. Quantas pessoas têm uma doença e vem me pedir para fazer uma oração.

Eu tenho feito a seguinte pergunta para muitas delas: A senhora já pediu a seu marido para impor as mãos sobre a senhora e orar? Infelizmente, na grande maioria das vezes nem a mulher reza pelo marido nem o marido pela mulher. Que tristeza! Vivem juntos. Dormem juntos. Ficam nus um diante do outro, mas não têm coragem de se abençoarem mutuamente. Não rezam um pelo outro.

Marido! A sua mão tem dom de cura para sua mulher. Mulher! A sua mão tem dom de cura para seus filhos.

Filhos! Vocês têm dom de cura para seus pais. Além de rezar uns pelos outros, a família precisa ser laboratório de perdão mútuo. Perdoar é não ficar olhando para trás’.

Trecho retirado do livro ‘Famílias Restauradas’, Pe. Léo, SCJ.

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda