Intenções de Missa

Está bem difundido nas comunidades o costume de anunciar, antes do início da Missa, as intenções pelas quais será celebrada a Eucaristia.

1. O costume de “mandar celebrar Missa”

As pessoas procuram o sacerdote ou vão até a secretaria da igreja e solicitam que a Missa de um determinado dia, no horário estabelecido, seja aplicada numa determinada intenção: por alma de um falecido, ou em ação de graças por um aniversariante, ou pelo sucesso de uma operação… e assim por diante. O fiel que “manda” celebrar a missa oferece uma “espórtula”, ou seja, contribui com um valor em dinheiro que caberá ao sacerdote pela prestação dos serviços religiosos. Atualmente, mais comum a Missa com intenções coletivas, ou seja, várias pessoas encomendam suas intenções, e contribuem com quanto quiserem. A soma dos valores recebidos constituirão a “espórtula” daquela Missa.

2. O que significa tudo isso? Como é que nosso povo entende esses procedimentos?

Entende que a Missa, que o sacrifício de Jesus na cruz, tem um valor espiritual infinito. Portanto, aplicar a Missa por um falecido, por um doente ou em ação de graças é encomendar a oração mais poderosa que se pode oferecer.

A “espórtula” não pode ser entendida como “pagamento”, pois o valor da Missa é infinito, não tem preço! A contribuição seria então uma taxa para o sustento do sacerdote, para cobrir as despesas de funcionamento da igreja e dos serviços religiosos. Todo mundo sabe que é assim que funciona em nossas paróquias, em nossas igrejas. Em princípio, tal costume não merece objeção. Porém, com freqüência, acontecem desvios. Há pessoas que “encomendam” a missa, mas, não se envolvem, não se interessam pessoalmente pela celebração; imaginam que sua própria participação na oração não é nem mesmo necessária, pois o efeito do sacramento depende apenas do ministro ordenado. Se foi registrada a intenção, se foi dada a contribuição “devida”, o efeito seria automático.

3. Qual a maneira correta de colocar as intenções?

Claro que a Eucaristia só pode ser celebrada por um sacerdote. Mas cada membro da assembléia pode e deve participar ativamente na Missa. A intenção que foi encomendada deve estar, em primeiro lugar, dentro do nosso próprio coração. Mais importante e mais relevante que a leitura da lista de intenções antes do início da Missa, muitas vezes extensa e monótona, é estar consciente de que podemos nos unir com Jesus que se oferece no sacrifício do altar, colocando mentalmente nossas intenções. Interessante é que há momentos específicos para isso na própria estrutura da celebração:

- quando chegamos à igreja e, em silêncio, nos colocamos diante do sacrário, fazendo já nossas intenções;

- quando o sacerdote, depois do Ato Penitencial ou do Glória diz “oremos”, antes da primeira oração da Missa;

- durante as preces dos fiéis (pena que em muitos lugares não se reserva um tempinho em silêncio para que cada um reze por suas intenções particulares);

- durante a grande Oração Eucarística, quando se reza pela Igreja, pelo Papa, pelo bispo… é o momento de rezar pelos vivos. É mais um momento para colocar, em silêncio, nossas intenções particulares;

- ainda durante a grande Oração Eucarística, quando se reza pelos que já deixaram esta vida (momento de silêncio). É o momento de rezar, no silêncio do coração, pelos nossos falecidos;

- quando se reza pela paz, outro momento privilegiado para colocarmos nossas intenções, agradecer ou pedir pelos que sofrem ou necessitam de uma graça especial;

- na hora da comunhão, estando com Ele dentro do coração. É hora de lhe falar sobre as nossas intenções, na intimidade e na profundeza da fé.

Pare um pouquinho para pensar: Será que a gente não desperdiça essas excelentes oportunidades de colocar bem dentro do Coração de Jesus as nossas intenções, aquelas que de fato podem brotar do nosso próprio coração. “Mandar celebrar Missa”, o que relativamente é muito fácil, e depois não participar devidamente e conscientemente da Eucaristia acaba sendo um aberrante contra-senso. Você não acha?

Em cada comunidade, o costume é diferente. Normalmente, as intenções, por falecidos e outras, são lidas antes da missa. A leitura deve começar com antecedência suficiente para não atrasar o horário do início da celebração. As intenções não devem ser lidas depois do Hino de Louvor depois que o presidente diz “Oremos” (IGMR 32). Às vezes, é constrangedor dizer “quem encomendou” a missa, porque parece comércio. Também é delicado o padre ressaltar alguma das intenções, deixando as outras de lado. Por isso, cada comunidade tem que analisar o procedimento com as intenções de missa, bem como das espórtulas.

MISSAS MANUAL E PRO POPULO

Missa Comunitária (para cada pedido)

- O que exceder de uma espórtula de missa marcada, ficará no caixa da Paróquia ou Capelania;

- Cabe a cada Paróquia ou Capelania definir o número de intenções para cada pedido (por ex. R$ 2,00).

Missa “Pro populo”: todos os Párocos e Administradores estão obrigados a aplicar uma Santa Missa, pelos vivos e falecidos de sua Paróquia, aos Domingos e dias santos de guarda (cân. 534). Na igreja Matriz de Nossa Senhora da Piedade é aplicada a Santa Missa de todos os domingos às 18h.

DECRETO Mos Iugiter

TABELA DE EMOLUMENTOS 2014

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda