Quando os noivos confundem igreja com motel

Quando os noivos confundem a igreja com o motel

Por A Catequista em 17/11/2011    http://ocatequista.com.br/?p=2584

 “Já viram uma noiva entrar na igreja com ‘Pretty Woman’? Pois é… Ontem eu vi… : S”. Ao ver esta mensagem no Twitter, não me surpreendi nada, nada. O senso do sagrado anda tão deteriorado, que nem debaixo das barbas de Deus o povo toma tento. As cerimônias de casamento, infelizmente, refletem este desbunde mais do que qualquer outro rito – até porque muitos casais que solicitam este Sacramento não são efetivamente católicos.

Houve um tempo em que os noivos e os convidados tinham uma postura reverente ao entrar no templo de Deus. Mas a minha geração vê o casamento mais como uma oportunidade especial de aparecer do que como um acontecimento religioso. Não são poucos os noivos que emporcalham o rito com músicas impróprias, trajes vulgares e bizarrices diversas, tudo isso sob os olhares condescendentes de alguns membros do clero.

A banalização do rito do casamento fica evidente especialmente na escolha das músicas, que de religiosas não tem nada. O que não falta é casal de noivos confundindo a igreja com o motel: querem que sejam tocadas no templo santo as mesmas baladas que costumam ouvir no “Xamego’s Point”.

No top hit das músicas profanas para casamentos na Igreja, temos:

  • Com te Partiró – Andrea Bocelli;
  • She – Elvis Costello;
  • Hey Jude – Beatles;
  • Fascinação – versão do Armando Louzada;
  • Unchained Melody – Tema do filme Ghost;
  • Eu sei que vou te amar – Tom Jobim/Vinícius de Morais;
  • Over the Rainbow – Israel Kamakawiwo’ole;
  • Love me Tender – Elvis Presley;
  • My heart will go on – Celine Dion;
  • Endless love – Diana Ross & Lionel Richie.

Ok, muitas destas músicas são tudo de bom, mas não têm nada a ver com uma cerimônia religiosa. Podem ser perfeitamente tocadas na festa do casamento, mas o povo insiste em avacalhar o rito, por ignorância ou por capricho.

Algumas noivas piriguetes querem-se fazer notar especialmente pela sensualidade, e, diante do altar do Cordeiro Imolado, se apresentam com os peitos quase saltando pra fora do decote. Alguém aí deve estar pensando que isso é papo de velha carola, mas #euqueriaserdotempo em que a palavra “pudor” e a expressão “local sagrado” faziam algum sentido.

Cada vez mais são adicionados elementos estranhos ao rito do matrimônio, como o injustificável destaque dado à entrada de pajens e damas, quase sempre acompanhados pela canção tema de algum filme da Disney. À primeira vista, isso parece muito bonitinho e inofensivo. Mas cada um desses fru-frus colabora para que o Sacramento seja visto por todos como mais um evento mundano, distraindo a atenção daquilo que é essencial. Assim, aquilo que poderia ser uma bela ocasião de testemunho para os convidados e para a comunidade, se reduz a um triste circo de vaidades. Ninguém está ligando muito pro sagrado (as leituras, as promessas, as orações, as bênçãos); todo o destaque é dado ao profano.

Quando eu falo em “circo”, não estou exagerando. Em março deste ano, um homem e uma mulher de Garibaldi-RS casaram-se na Igreja fantasiados de Shrek e Fiona. A cerimônia, realizada na matriz da cidade, foi presidida por um frade, e os convidados também estavam fantasiados (ver mais fotos aqui). Após o ocorrido, os bispos da Diocese de Caxias do Sul advertiram o celebrante e emitiram uma nota à imprensa desaprovando a palhaçada.

Na foto, o casal Shrek e Fiona da Serra Gaúcha. Mas… onde estará o burro?

No Antigo Testamento, quando Deus falou a Moisés do meio da sarça ardente, disse:

Não te aproximes daqui. Tira as sandálias dos teus pés, porque o lugar em que te encontras é uma terra santa (Ex 3, 5).

É óbvio que não havia mal algum no fato de Moisés usar sandálias, porém, tirá-las antes de pisar no solo sagrado era um sinal concreto de respeito, de reconhecimento da santidade daquele local.

Da mesma forma, não há mal nenhum em curtir Elvis Presley, por exemplo, mas inserir uma música do seu repertório dentro de um rito religioso só revela o quanto estamos mais interessados em fazer um evento “com a nossa cara”, “diferente” e “emocionante” do que em louvar a Deus de forma humilde, reverente e liturgicamente adequada.

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda