Pastorais e Movimentos

APOSTOLADO DA ORAÇÃO

O Apostolado da Oração da Paróquia Nossa Senhora da Piedade é composto por 217 integrantes associadas(os), sendo por sua vez 13 zeladoras responsáveis pela distribuição de boletins, referentes a assuntos do movimento e de acompanhamento das atividades do grupo com as(os) demais participantes.

As reuniões do Apostolado ocorrem sempre no segundo sábado de cada mês com todas(os) associadas(os), juntamente com a vice-coordenação (Sra. Therezinha Griebler), além das Missas organizadas pelo grupo, que acontecem todas as sextas-feiras, na igreja Matriz. Ocorrem, também, todas as sextas-feiras do mês, Adoração e Bênção do Santíssimo, às 15h, seguida de Santa Missa, organizada pelo movimento. Há também outras diversas atividades feitas pelo grupo, como retiros e encontros regionais.

Quem tem interesse em participar pode entrar em contato com a Sra. Nair Terezinha Kunst, todas as sextas-feiras à tarde, na igreja Matriz, ou pelo fone 9933-2092.
Apostolado: Significa uma ação de um grupo que irradia a vida Cristã, a evangelização. É ser escolhido a propagar a fé, aceitar e assumir a Deus, física-espiritualmente. É devoção e fé puramente, de intensa vida Eucarística, na espiritualidade do Sagrado Coração de Jesus.

Espiritualidade do Apostolado da Oração
O Coração de Jesus e a Eucaristia

CÁRITAS

Desde maio de 2000, este serviço de amor ao próximo e generosidade é desempenhado na Paróquia Nossa Senhora da Piedade. A Cáritas é um dos braços sociais da Paróquia, assistindo, atualmente, mais de 100 famílias cadastradas.

As pessoas deste serviço voluntário acompanham as famílias – que são moradoras de regiões dos bairros extremamente carentes, como São Jorge e Vila Marisol. São promovidos, além de assistência social, serviços como oficinas de produção de sabão e cursos de artesanato e culinária, para criação de renda familiar.

A Cáritas também desenvolve na Paróquia, um trabalho de inclusão digital, através de aulas de informática. São aulas destinadas a jovens e adultos com o acompanhamento de dois monitores voluntários.

Além disso, o grupo também realiza os tradicionais brechós, feitos nas tardes de quartas-feiras, na igreja Matriz, que revertem verbas para compra de roupas, alimentos, calçados, entre outros materiais necessários. A coordenadora da Pastoral da Cáritas é a Sra. Cirila Ruidias.

Caridade é dom de si aos demais

CONSELHO ECONÔMICO PAROQUIAL

O Conselho Econômico Paroquial é um órgão previsto no atual Código de Direito Canônico, seguindo a linha traçada pelo Concílio Vaticano II, cuja função é administrar corretamente os bens da paróquia, de forma a proporcionar à comunidade paroquial os meios materiais necessários à realização integral da sua missão. Para que a Paróquia possa realizar a sua missão evangelizadora, através do anúncio da Palavra, da celebração dos sacramentos e da prática da caridade, precisa naturalmente de alguns meios materiais, cabendo ao Conselho Econômico administrá-los ao serviço do plano pastoral.

OrientNormasBásicasPárConselhosAdministrativosPar
MITRA NH Orientacoes e normas basicas Parocos-Cons.Adm.Paroquiais
LEGISLAÇÃO DIOCESANA – Sínodo 1990 – Conselho Econ.

CONSELHO DE PASTORAL PAROQUIAL

O CPP – Conselho de Pastoral Paroquial – é uma equipe, um grupo de pessoas, escolhidas pela comunidade dos fiéis, em Assembléia Paroquial e em comunhão com o pároco, provisionadas pelo bispo, que representam as comunidades/capelas, os ministérios, as pastorais e movimentos existentes na paróquia, e têm como missão o serviço da animação pastoral da paróquia. O CPP tem a missão de garantir a vida de comunhão na paróquia. Por isso, é responsável pela organização e articulação das pastorais, e pela espiritualidade e formação dos fiéis. Ao CPP cabe refletir, planejar, decidir, animar e revisar toda a ação pastoral da paróquia. Ele deve preparar, organizar e realizar as Assembléias Paroquiais de Pastoral, que são a instância mais importante da caminhada pastoral da paróquia. Ele encaminha a realização do Planejamento Paroquial de Pastoral. A ele cabe conhecer a realidade e seus desafios, julgá-la com os olhos da realidade e da Palavra de Deus, e estimular ações transformadoras que a tornem sinal do Reino de Deus.

LEGISLAÇÃO DIOCESANA – Sínodo 1990 – Conselho Past.

CORAL

“Quem canta bem, reza duas vezes” (Santo Agostinho).
Se existe uma maneira bela e agradável de se louvar a Deus, é através do canto. Em nossa Paróquia, o coral está presente desde 1954, sempre emprestando suas vozes, a fim de que elas nos ajudem a rezar melhor. Para aqueles que se sentirem chamados a este serviço tão belo e necessário à Liturgia, podem procurar os componentes do grupo, que se reúne sempre às terças-feiras, a partir das 20h, no Salão Paroquial.

A regência do coro está sob responsabilidade da Irmã Veronice Weber, religiosa da Congregação das Irmãs de Santa Catarina, V.M., e o coordenador do grupo é o Sr. Irineu Dutra.

Sobre a Música Sacra – São Pio X

COROINHAS

“E me aproximarei do altar de Deus, do Deus de minha alegria e exultação” (Sl 42, 4).

Ser chamado ao serviço de coroinha ou acólito é, sem dúvida, uma grande dádiva de Deus. São eles os responsáveis pelo zelo com as Alfaias (conjunto de paramentos utilizados na celebração da Santa Missa), Vasos Sagrados (cálices, âmbulas e patenas) e Incenso.
As crianças que participam desse serviço têm um privilégio em relação aos demais: estão perto de Nosso Senhor no momento da Consagração, vivenciam integralmente os mistérios dos Sacramentos e auxiliam a comunidade a se encontrar com o Pai. Nesse trabalho, adquirem uma maior intimidade com Jesus Cristo, através da vida de oração. Aderem e percebem o quanto Ele as ama, bem como a toda humanidade.

Nosso grupo de coroinhas disponibiliza encontros de formação aos sábados pela manhã. Aqueles que se sentirem impelidos a esse serviço, podem procurar a sacristia da igreja, sempre ao final das celebrações das Santas Missas.

Curso para Acólitos
Manual dos Acólitos
Participação do Acólito passo-a-passo na Missa

ECC

Encontro de Casais com Cristo (ECC) é um Movimento destinado a casais cristãos e casados pela Igreja, que tem por objetivo evangelizar famílias, entendendo-as como núcleo de uma sociedade enraizada na fé. Busca cultivar no cerne da família os valores cristãos, para que exista um posterior engajamento nas diversas pastorais comunitárias.

CATEQUESES
Histórias para a FAMÍLIA – PAIS e FILHOS
Oração dos Casais
Serviço-Escola da Igreja Católica
Via Sacra do Amor Esponsal

MINISTROS EXTRAORDINÁRIOS DA SAGRADA COMUNHÃO

Após o Concílio do Vaticano II (1962-1965), o Papa Paulo VI autorizou a instituição dos Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão (MESC), fiéis leigos cuja missão é facilitar aos celebrantes a distribuição da Sagrada Comunhão em igrejas, capelas, hospitais, aos doentes nas casas e outros lugares, desde que o sacerdote não possa fazer isso. O exercício desse ministério conserva um caráter supletivo e extraordinário, não dispensando os Ministros Ordinários (Bispos, presbíteros, diáconos) de fazer a sua parte. Este ministério sagrado é exercido em nossa Paróquia por leigos que tem uma vida cristã autêntica, são maduros na fé, e podem servir a Igreja. O MESC com uma boa formação doutrinária, pode também realizar a celebração da Palavra, orientar as pessoas a quem leva a Eucaristia, etc, ensinando e vivendo o que a Igreja ensina, especialmente em relação à Eucaristia e as condições para recebê-la dignamente. O Ministro extraordinário participa mensalmente de reuniões de formação, a fim de conhecer melhor a doutrina da Igreja Católica, especialmente a fundamentação dogmática, moral e sacramental.

Immensae Caritatis
Instrução Fidei Custos
Instrução Redemptionis Sacramentum – A Participação dos Fiéis na Celebração da Eucaristia

Instrução Redemptionis Sacramentum – As Disposições para receber a Sagrada Comunhão
Instrução Redemptionis Sacramentum – Ministros Extraordinários da Comunhão

ONDA

O ONDA é um movimento da Igreja Católica, destinado a propiciar formação moral e religiosa para crianças e jovens de 10 a 13 anos de idade.

O termo ONDA é uma sigla para Objetivo Novo De Apostolado, e quer nos indicar que as crianças podem nos auxiliar a conhecer um pouco melhor a Deus. A forma como estes pequenos enxergam o mundo e demonstram seus sentimentos são o melhor testemunho que eles podem dar, a suas famílias e a comunidade em geral, dos ensinamentos que Jesus nos deixou. O movimento surgiu de uma forte necessidade de dar continuidade na perseverança das crianças que faziam, ou estavam participando da catequese de Primeira Eucaristia, fortalecendo-as na fé e no seu apostolado junto às suas famílias.

O curso em si tem duração de três dias e, através de atividades, liturgia, brincadeiras e músicas, convida as crianças a refletirem um pouco sobre o mundo, a família, Deus e a Igreja. Após o curso estes pequenos são convidados a participar de reuniões semanais de perseverança que são conduzidas por “tios” voluntários da própria paróquia e jovens que cresceram dentro do movimento.

Quando algum jovem perseverante atinge a idade superior a faixa etária estipulada para o ONDA pode, com o aval dos “tios” e pároco local, seguir participando do movimento desde que esteja disposto a auxiliar na condução dos encontros e do curso. Existem para estes casos outros retiros (cursos) de formação intitulados REMO e REDE, que visam preparar estes jovens para junto com os demais envolvidos na paróquia fortalecerem o ideal de acolhimento e evangelização das crianças.

PASTORAL CATEQUÉTICA

A Pastoral da Catequese conta com um grupo de catequistas para atender bem os catequizandos e seus pais, possibilitando a comunicação com as duas Capelas que fazem parte de nossa Comunidade: a Capela Nossa Senhora de Lourdes, no Bairro Jardim Mauá, e a Capela Beata Regina Protmann, no Bairro Vila Nova.

História: No início, o ensino cristão ou a catequese, como a conhecemos, era realizado nas casas junto com as famílias, onde os pais eram os primeiros catequistas dos filhos, passando a eles as orações e os mandamentos e, quando recebiam a visita dos sacerdotes, estes realizavam os Sacramentos de Iniciação – Batismo, Crisma e Eucaristia. Com o passar do tempo, os padres é quem ministravam a catequese, contando também com a colaboração das Irmãs da Congregação de Santa Catarina, sendo utilizado o Catecismo de perguntas e respostas, como manual de entendimento da fé da Igreja Católica.

Na secretaria da Paróquia encontram-se todos os arquivos de registro dos catequizados de Eucaristia e Crisma desde 1922. O primeiro Livro de Registros é de 04 de maio daquele ano, data em que foram crismadas mais de quinhentas pessoas pelo Arcebispo Metropolitano de Porto Alegre, Dom João Becker. Os registros dos primeiros catequizados que receberam a Eucaristia constam de 07 de novembro de 1954. A celebração foi presidida pelo Monsenhor Edmundo Backes, que atuou como pároco na comunidade por mais de 40 anos.

Com a criação da Diocese de Novo Hamburgo, em 1980, a catequese começa a ter um processo mais sistemático e orgânico, com uma nova metodologia, ocorrendo periodicamente as jornadas de estudos, reuniões, encontros, cursos e congressos, possibilitando assim, aos nossos catequistas, uma formação permanente.

Fé dos Católicos deve ser sólida
Jesus e as crianças
TERMO de COMPROMISSO

PASTORAL DA COMUNICAÇÃO (PASCOM)

A Pastoral da Comunicação (PASCOM) foi criada em abril de 2010, e tem como objetivo ajudar na evangelização através de um eficiente plano de comunicação, visando informar sobre o que ocorre na Paróquia, como também levar até a comunidade material de formação conforme os ensinamentos da Igreja.

PASTORAL DA CRIANÇA

Sendo a Pastoral da Criança um Organismo de Ação Social da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, tem como objetivo o desenvolvimento integral das crianças e promove também suas famílias e comunidades, sem distinção de raça, cor, profissão, nacionalidade, sexo, credo religioso ou político.

PASTORAL DO BATISMO

A Pastoral do Batismo é uma Pastoral que prepara para o sacramento do Batismo, sinal que, pelo poder do Espírito Santo, nos faz participar da família de Deus, que é a Igreja Missionária, para vivermos como verdadeiros filhos seus, irmãos entre nós. Tem como objetivos, preparar os adultos, principalmente os pais, junto com os padrinhos, para que tenham consciência da importância do Sacramento do Batismo, como iniciação cristã, pertença à Igreja, identidade católica, na vivência da fé eclesial missionária. Comprometer-se a educar os filhos na fé da Igreja e receber os demais Sacramentos. Essa preparação visa à consolidação da consciência no que concerne a responsabilidade que cada família, juntamente com seus compadres, deve ter em relação à formação religiosa de seus filhos e afilhados.

Batismo

PASTORAL FAMILIAR

É uma organização pastoral da Igreja destinada a atuar essencialmente na família, voltando-se para o apoio aos casais tanto no que se refere ao pré-matrimônio, como ao pós-matrimônio. Também auxilia na resolução de conflitos internos envolvendo famílias cristãs, ao ser procurada. Conselho, diálogo, encontros e momentos de reflexão são alguns meios utilizados para garantir sua eficácia enquanto grupo.

PASTORAL LITÚRGICA

“Celebrem o Senhor, porque ele é bom, porque o seu amor é para sempre” (Sl 136, 1).

Em conformidade com a reforma litúrgica apresentada pelo documento do Concílio Vaticano II, Sacrosanctum Concilium, nossa comunidade, prevendo uma maior participação dos leigos nas celebrações da Santa Liturgia, se reúne uma vez por mês para organizar as cerimônias. Nesses encontros, os representantes das pastorais da igreja Matriz e das Capelas definem os responsáveis pelas celebrações solenes, ensaiam cantos e dialogam, a fim de encontrarem meios para que a Liturgia seja sempre respeitada e celebrada com toda a dignidade que a Igreja pede, e que Nosso Senhor merece. Ao compreendermos que a Liturgia é o meio pelo qual o Divino é alcançado pelo humano, descobrimos a beleza que ela traz consigo, possibilitando-nos um diálogo mais profundo com Deus, permitindo que antecipemos, já aqui neste mundo, um pouco daquilo que viveremos plenamente no Céu. Os responsáveis por esta pastoral na Paróquia Nossa Senhora da Piedade são o casal João Carlos e Márcia Fröehlich.

Anúncio das Solenidades Móveis de 2017

PASTORAL DA SAÚDE

É uma pastoral que tem por tema central de sua proposta o “Cuidado com a Vida”, baseando-se na ação de Jesus Cristo. Através do conforto espiritual, oficinas de saúde alternativa, palestras e atendimentos especializados, a pastoral procura prestar assistência aos mais variados casos. De acordo com a CNBB “é a ação evangelizadora de todo o povo de Deus, comprometido a defender, promover, preservar, cuidar e celebrar a vida, tornando presente na sociedade de hoje a missão libertadora de Cristo no mundo da saúde”.

CLJ – CURSO DE LIDERANÇA JUVENIL

Para a(o)s jovens da Paróquia de 13 a 18 anos de idade. É na Paróquia que o CLJ se desenvolve e realiza sua meta primária. O jovem do CLJ deve sentir-se em casa em sua comunidade. Todos os cristãos são Filhos de Deus pela graça do Batismo, assim, todos os cristãos devem sentir-se em casa na Igreja, pois é a casa de seu Pai, e se temos um mesmo Pai, somos irmãos em Cristo. A Igreja é a nossa casa, por isso, devemos cuidá-la, ajudá-la em suas necessidades, etc. A Paróquia é o lugar da comunhão dos cristãos, que se reúnem em torno da Eucaristia e da Palavra de Deus. Ao jovem, como leigo e membro ativo do Povo de Deus, cabe a principal tarefa de ser “apóstolo entre os jovens”. A melhor maneira de ser apóstolo é dando um testemunho de vida coerente, isto é, viver de acordo com a fé. “Quem não vive como pensa, acaba pensando como vive!”. A tarefa de conduzir os jovens até a paróquia é específica do jovem apóstolo que já está engajado no CLJ. Os métodos são os mais variados: inscrever novos candidatos no Pré, trazê-los à catequese do Crisma, promovendo EPJ’s (Encontros Paroquial de Jovens) nas Paróquias ou escolas e, até mesmo, colaborando com as coordenações de Ensino Religioso nas escolas da comunidade. Os leigos têm a tarefa de anunciar o Cristo em suas mais diversas atividades. Entre esses meios situam-se, em cada grupo, os “Encontros Semanais”. Momentos de encontro, vivência comunitária, conscientização, debates, estudos, planejamento para a vida e para a ação evangelizadora, que no caso do leigo está centrado no testemunho de vida no seu respectivo ambientes de convivência.

Estrutura do movimento CLJ

O CLJ é um Movimento de evangelização, que se desenvolve numa Paróquia, e possui uma expressão diocesana. Assim, necessita de uma organização para o seu bom funcionamento, a fim de que as necessidades dos jovens possam ser atendidas da melhor maneira possível. Necessita de órgãos para expressar-se e definir-se. Sem estes, correria o risco de sofrer distorções e perder suas características. Poderia até perder o rumo da missão a que foi criado. Os órgãos que o CLJ prevê para sua organização são os Secretariados, Diocesano e Paroquial.

Como Movimento paroquial, em cada Paróquia em que é implantado, o CLJ cria um Secretariado Paroquial. Como Movimento inserido na Pastoral da Diocese de Novo Hamburgo, o CLJ constitui também um Secretariado Diocesano. O Secretariado não é simples governo, mas é serviço. Por isso, deve buscar uma vida mais coerente com o Evangelho. Para servir, o Secretariado é investido de uma autoridade colegiada. Sem esta, seria um órgão inútil. Mas a autoridade significa serviço; tem por missão procurar a realização do mistério da unidade na diversidade; tem por missão valorizar, auxiliar, canalizar e impulsionar os carismas de cada um dos integrantes do Movimento. Tem por missão servir, para que o Movimento permaneça fiel ao seu fim.

Secretariado Diocesano

O Secretariado Diocesano (SD) tem a função de atuar para que se realize o mistério da unidade em todo o movimento, no âmbito da Diocese. É o órgão que liga formalmente o Movimento ao seu Bispo, ao serviço apostólico que vem dos “Doze”. O CLJ só pode ser Igreja se tiver o selo dos apóstolos e o CLJ tem consciência de que sem o vínculo apostólico não pode ser plenamente Igreja. Compreende-se, também, que o SD de Novo Hamburgo, como secretariado de um movimento integrado na Pastoral da Diocese e como movimento paroquial, tenha por membros natos os sacerdotes que assistem o Povo de Deus nas Paróquias onde existem grupos do mesmo Movimento. O SD, nesta Igreja particular, é constituído pelos Diretores Espirituais – nomeados pelo Bispo -, casais e jovens, investidos dos seguintes departamentos: Coordenação Diocesana (formada de casal e jovens da Serra e do Vale), Secretaria, Tesouraria, Ligação, Montagem, Pós, Pré, Liturgia, Folclore, Promoções e Comunicação.
a) Coordenação Diocesana: direção dos trabalhos em todas as reuniões plenas, supervisão dos Departamentos do Secretariado e representação do Movimento à nível Diocesano e Interdiocesano.
b) Secretaria: Elaboração das atas de reuniões, organização e controle da freqüência às reuniões, correspondência, controle dos arquivos, apoio às demais funções.
c) Tesouraria: controle financeiro do Movimento, apresentação de balancetes financeiros (prestação de contas) mensais, e controle do patrimônio.
d) Ligação: responsável pela organização e execução das reuniões mensais do CLJ III, responsável por demais iniciativas à nível de formação e desempenho do CLJ III.
e) Montagem: montagem e controle dos cursos de CLJ I e II, além organizar encontros de formação e retiro para os tios. Poderá desempenhar várias iniciativas na formação doutrinal que beneficiará os jovens e tios palestrantes.
f) Pós: acompanhamento dos trabalhos de perseverança nos ambientes paroquiais, colaboração aos grupos paroquiais para a organização de um roteiro de assuntos a serem enfocados nesses encontros;
g) Pré: acompanhamento dos trabalhos de preparação dos candidatos ao CLJ I, nos diferentes âmbitos paroquiais, supervisionar o trabalho realizado pelos diferentes departamentos de Pré paroquiais, coordenar a unificação dos EPJs (Encontros Paroquiais de Jovens), que serão realizados nas diferentes Paróquias e escolas.
h) Liturgia: responsável pela elaboração de manuais, instruções litúrgicas aos membros do Movimento. Deve presidir juntamente com o DED os momentos de espiritualidade nos encontros e auxiliar nas Missas de caráter diocesano.
i) Folclore: reunir esporadicamente os folclores das Paróquias para ensaiar novos cantos, unificar os modos de cantar e tocar as músicas; organização da pasta de músicas e folheto de cantos para Missa.
j) Promoções: planejamento e organização das atividades promocionais que visam angariar fundos para o Movimento e outras de caráter mais pastoral. Promover atividades de integração do Movimento e organizar as equipes de trabalhos para as atividades diocesanas.
k) Comunicação: responsável pela manutenção e abastecimento do Site Diocesano, bem como, divulgação do Movimento nos diferentes meios de comunicação. Sua função também será a de ligação com a Pastoral da Comunicação Diocesana.
l) Colégio: O DED poderá constituir este departamento com alguns membros da coordenação diocesana anterior. A nova coordenação será amparada (nos primeiros seis meses) por este departamento. Também será sua função específica verificar as necessidades missionárias do movimento bem como as fundações.

Secretariado Paroquial

O Secretariado Paroquial (SP) é o órgão base do Movimento. Dirige o Movimento na Paróquia, desempenha no grupo paroquial aquilo que o coração desempenha no organismo humano. Quem vitaliza o Movimento é o próprio Cristo, que lhe comunica o seu Espírito. Assim, o SP é um instrumento destinado a servir o grupo paroquial para que se abra à ação e à vontade do Senhor. O Secretariado Paroquial (SP), como órgão de base do Movimento, tem a função de dirigi-lo no âmbito da Paróquia (de forma colegiada entre jovens e tios). É constituído pelo Pároco, Coordenador, Vice-coordenador, Secretário, Tesoureiro (ou casal), Casal bem-estar e Coordenadores de departamentos.
a) Pároco e Vigário (Diretor Espiritual Paroquial): membro nato do Secretariado Paroquial, com o encargo de confirmar os demais membros indicados. Supervisor dos encontros semanais. Supervisor da ação pastoral do grupo e animador, portador do encargo de aprovar as fichas dos candidatos aos cursos de CLJ I, II e III, antes de enviá-las ao SD.
b) Coordenador: supervisão dos trabalhos em todas as reuniões plenas do grupo paroquial, da secretaria e do Pós CLJ I e Pós CLJ II. Representação do grupo, juntamente com o vice, perante o SD e direção de reuniões do SP;
c) Vice-coordenador: substituição do coordenador em seus impedimentos, supervisão dos departamentos;
d) Secretário: elaboração das atas de reuniões, anotação da frequência. Fica encarregado dos documentos e da correspondência.
e) Tesoureiro: controle financeiro do grupo, locação de ônibus para passeios ou viagens do grupo, elaboração de balancetes mensais e apresentação ao pároco.
f) Casal bem-estar: apoio a todos os cargos, supervisão da tesouraria, bem estar do grupo, representação do grupo, juntamente com o coordenador e vice perante o SD.
g) Coordenadores de departamentos: coordenação dos trabalhos do departamento a que pertence, responsável pela integração do departamento nas atividades do grupo todo.

O Movimento precisa ter consciência permanente de seu próprio ser e do agir. Para manter a unidade na riqueza da diversidade de seus membros, precisa daquele mínimo de organização exigido pela condição humana de todos os movimentos. Necessita de um mínimo de estrutura, mas sempre consciente de que a finalidade de toda a estrutura é servir.

DIRETRIZES E BASES DO MOVIMENTO CLJ
Website do CLJ – Diocese de Novo Hamburgo

 

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda