Uma encíclica capitalista ou anticapitalista?

Resposta de dois participantes na apresentação deCaritas in veritate

CIDADE DO VATICANO, terça-feira, 7 de julho de 2009 (ZENIT.org).- Durante a coletiva de imprensa de apresentação da encíclica social Caritas in veritate, de Bento XVI, realizada nesta terça-feira no Vaticano, os jornalistas perguntaram qual é a postura do pontífice frente ao capitalismo e à Organização das Nações Unidas (ONU).

“Não é uma encíclica anticapitalista”, respondeu uma das pessoas escolhidas para apresentar o documento à mídia, o professor Stefano Zamagni, docente de economia política na Universidade de Bolonha e consultor do Conselho Pontifício Justiça e Paz.

Este texto, assegurou, “vê o capitalismo em sua situação histórica”.

No entanto, o professor afirmou que o texto “condena o capitalismo quando se converte em totalitarismo, como dizia João Paulo II”, e reitera que nenhum sistema econômico “garante a felicidade”.

O professor esclareceu que a Igreja não tem a tarefa de propor nem desenvolver soluções a problemas estruturais, mas que seu objetivo é ir à raiz dos conflitos sociais.

Para explicar-se, deu este exemplo: “Se nós cancelássemos a dívida, mas não transformássemos as estruturas, dentro de 15 anos haveria dívida novamente”.

“É necessário atacar as estruturas do pecado”, disse Zamagni, referindo-se à encíclica Pacem in terris, de João XXIII (1963).

A questão do lucro

Por sua parte, o presidente do Conselho Pontifício Justiça e Paz, cardeal Renato Raffaele Martino, falou dos benefícios que os trabalhadores oferecem às empresas e à sociedade com seu trabalho. “O benefício deve estender-se não somente ao sistema capitalista, mas a quem participa do mercado”, disse.

“É então socialista ou capitalista?”, perguntou-se o purpurado italiano. “A característica da doutrina social está no fato de ter presentes todos os componentes da sociedade”, respondeu.

Termo “capitalismo” ausente

A palavra “capitalismo” não aparece na encíclica.

“A longa prevalência do binômio mercado-Estado habituou-nos a pensar exclusivamente, por um lado, no empresário privado de tipo capitalista e, por outro, no diretor estatal. Na realidade, o espírito empresarial há de ser entendido de modo articulado”, diz o Papa.

“O espírito empresarial, antes de ter significado profissional, possui um significado humano – assegura – (…), pelo que é bom oferecer a cada trabalhador a possibilidade de prestar a própria contribuição, de tal modo que ele mesmo saiba trabalhar ‘por conta própria’.”

Para Caritas in veritate, “todo trabalhador é um criador”.

O mercado

Algo de que a encíclica realmente fala da economia de mercado.

“O mercado, se houver confiança recíproca e generalizada, é a instituição econômica que permite o encontro entre as pessoas, na sua dimensão de operadores econômicos que usam o contrato como regra das suas relações e que trocam bens e serviços entre si fungíveis, para satisfazer as suas carências e desejos”, afirma.

“O mercado está sujeito aos princípios da chamada justiça comutativa, que regula precisamente as relações do dar e receber entre sujeitos iguais. Mas a doutrina social nunca deixou de pôr em evidência a importância que tem a justiça distributiva e a justiça social para a própria economia de mercado, não só porque integrada nas malhas de um contexto social e político mais vasto, mas também pela teia das relações em que se realiza.”

De fato, continua dizendo a encíclica, “deixado unicamente ao princípio da equivalência de valor dos bens trocados, o mercado não consegue gerar a coesão social de que necessita para bem funcionar”.

“Sem formas internas de solidariedade e de confiança recíproca, o mercado não pode cumprir plenamente a própria função econômica. E, hoje, foi precisamente esta confiança que veio a faltar; e a perda da confiança é uma perda grave”, conclui.

Na encíclica, não se utiliza nem se menciona os termos “socialismo” e “comunismo”, mais uma prova de que o Papa mostra como seu objetivo é superar ideologias.

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda