Nota sobre a Missa Crioula

01/09/2009

NOTA PASTORAL A RESPEITO DAS CHAMADAS “MISSAS CRIOLLAS” 

Tendo em vista a proximidade da tradicional “Semana Farroupilha”, durante a qual inúmeras atividades são organizadas para o saudável cultivo das tradições gaúchas e tendo em vista que serão muitas as solicitações para a celebração da Santa Missa no ambiente que, no Rio Grande do Sul se costuma chamar de “Missa Criolla”, venho por meio desta Nota Pastoral, solicitar a atenção dos senhores padres para as orientações seguintes:

1. Procure-se atender sempre com muita generosidade estes justos pedidos, que vão ao encontro da alma católica de nosso povo, que tem a alegria de poder participar da Celebração da Eucaristia em momentos importantes de sua vida, em datas marcantes de sua cultura.

2. Procure-se sempre preparar bem estas Celebrações, providenciando tudo o que é necessário e digno para a Celebração da Eucaristia, bem como cuidando de ter bons leitores, salmista, cantores, etc.

3. Segundo as Normas Litúrgicas vigentes e as orientações dos Bispos da Província Eclesiástica de Porto Alegre, as adaptações previstas e autorizadas são as seguintes:

· Músicas adaptadas

· Monições (Inicial, antes do Ato Penitencial, antes das Leituras Bíblicas – uma única intervenção – Homilia, curtas intervenções antes do Prefácio, antes do Pai Nosso, antes da Saudação da Paz, antes da Benção Final).

· As vestes litúrgicas podem também ser adaptadas, desde que se mantenha a dignidade e a integridade. Um belo conjunto túnica, estola e casula, com marcas da tradição gaúcha podem muito bem ser utilizada nesta ocasião. Nunca se celebre sem as vestes litúrgicas.

· A ornamentação do altar (flores, velas, toalhas) e do espaço sagrado onde será realizada a Celebração, podem também ser objeto de criatividade. Ao lado do altar e nunca sobre ele, em uma mesa distinta, podem ser colocados objetos típicos de uso tradicional (cuia, chaleira, lampião, etc.)

· As Leituras Bíblicas, segundo as possibilidades previstas pelas Normas, podem ser adaptadas, escolhendo-se aquelas, mais expressivas e apropriadas.

· Antes do início da Celebração Eucarística, e nunca durante a mesma, pode ser realizado o convite e a procissão da entrega simbólica dos facões, explicando-se o gesto de “desarmamento do espírito”, para a participação no Sagrado Rito.

4. Nas demais realidades, deve-se manter fielmente o estabelecido pelas Normas Litúrgicas em vigor, especialmente:

· Nas partes fixas do Rito Sagrado seja utilizado o Missal Romano, não se permitindo nenhuma modificação ou adaptação.

· Seja utilizado, para as Leituras Bíblicas o Lecionário Ferial ou o Dominical, nunca devendo ser usada na Celebração Eucarística, qualquer outra leitura que não seja bíblica, bem como nunca se deve usar, para a Leitura Bíblica folhetos ou outras edições da Bíblia.

· Evite-se, na Homilia ou nos comentários, o uso de termos teologicamente não adequados, como por exemplo, a aplicação do termo “patrão” a Deus e “peão” aos homens, que dão uma conotação de dominação não condizente com sentido de paternidade e de filiação divina que constituem o cerne da Mensagem Cristã.

5. Nós, Bispos do Rio Grande do Sul já estamos encaminhando um estudo adequado em relação à chamada “Missa Criolla”, para poder posteriormente solicitar à CNBB e à Santa Sé uma regulamentação desta realidade tão tradicional em nosso Estado. Até lá, devemos nos adequar às orientações acima expostas, que foram acertadas entre todos os Bispos do Estado.

Frederico Westphalen, 01 de setembro de 2009.

+ Antonio Carlos Rossi Keller

Bispo de Frederico Westphalen

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda