Livro TOMBO

AOS SENHORES PÁROCOS,

REITORES DE SANTUÁRIOS E SEMINÁRIOS

 

Venho lembrar-lhes a importância do LIVRO TOMBO de nossas Paróquias, Santuários e Seminários (menor, propedêutico e maior).

            Trata-se de um Livro tipicamente canônico-eclesial, onde são lançados os atos e fatos significativos, os acontecimentos históricos, os procedimentos administrativos de maior relevância. Este Livro é redigido pelo Pároco, cada um com seu estilo. Em tudo, porém, sempre é necessária a preocupação em registrar a vida da comunidade paroquial. É bom guardá-lo cuidadosamente junto ao arquivo paroquial.

As anotações são feitas sempre na ordem cronológica, indicando o título do assunto, o dia, o mês e o ano. A descrição fiel do ocorrido deve ser clara, objetiva e sucinta, sem prejuízo do essencial.

Exemplos do que pode ser registrado no LIVRO TOMBO: Decreto de Criação e instalação da Paróquia; histórico sobre suas origens; tomada de posse do Pároco, acolhida de ministério dos Vigários paroquiais ou auxiliares, e agentes de pastoral liberados para um trabalho específico (não esquecer o período de permanência deles e uma pequena biografia); a relação dos serviços de Pastorais, organismos, grupos e movimentos organizados na Paróquia, que fomentem do espiritual ao social; eventos marcantes e visitas importantes; relação e criação das Capelas; outros registros significativos da comunidade de fé (Novenas, Tríduos, Cursos, Encontros, visitas pastorais do Bispo, Primeiras Comunhões, Crismas etc), descrição sobre o desmembramento e formação de nova(s) Paróquia(s), aquisição, inauguração e bênção de novas imagens, de sinos, de templos e/ou prédios que sirvam para reunir o Povo de Deus para o culto e a catequese e formação permanente, para os momentos de festa, etc. Jamais o LIVRO TOMBO deve servir para anotar desafetos e/ou publicar discórdias, intrigas, brigas, injustiças e aspectos negativos de pessoas ligadas à comunidade paroquial, muito menos para emitir opiniões sobre funcionários ou conjeturar suposições infundadas em preconceitos.

É de fundamental importância e responsabilidade nossa conservar e transmitir às gerações futuras os documentos históricos das Comunidades Paroquiais. Desse Livro podem ser extraídas informações importantes para a leitura da realidade com seus fatos e acontecimentos registrados, tais como dados estatísticos, população, doações, opiniões etc. Uma consulta periódica ao LIVRO TOMBO é muito relevante para manter atualizada a história da Paróquia.

É também essencial manter organizada a documentação produzida. O Código de Direito Canônico, ainda que indiretamente, no cânon 535, dispõe do cuidado que se deve ter na elaboração dos registros documentais.

Atualmente, cresce mais e mais a valorização desse Livro, em função de diversas pesquisas que precisam ser feitas para o histórico das Paróquias. Por isso, esse tema deve estar presente já na formação dos futuros presbíteros, nas disciplinas de História da Igreja e de Administração Paroquial. Infelizmente, em algumas Paróquiashá negligência ou mesmo omissão quanto à necessidade de registros no LIVRO TOMBO.

Insistimos na importância do LIVRO TOMBO como um tesouro a serviço da posteridade. Por isso, deve sempre ser atualizado e tratado com carinho. Basta imaginarmos a importância que o mesmo terá no processo do resgate histórico de toda a caminhada firme e significativa das lutas e desafios, vitórias e conquistas de nossa Diocese num futuro próximo. Quem conseguiu, neste tempo todo, registrar a caminhada feita, verá certamente o quanto é importante o valor deste Livro. Que o diga a Paróquia Nossa Senhora da Conceição de São Leopoldo que já completou 166 anos (criada em 1846), a Paróquia São Miguel de Dois Irmãos, que tem 155 anos (criada em 1857) e a Paróquia Nossa Senhora da Piedade, com mais de 132 anos (criada em 1880), apenas para dar três exemplos.

In Iustitia Christi,

Mons. Inácio José Schuster, Vigário Geral

Novo Hamburgo, 01 de janeiro de 2012, na Solenidade de Nossa Senhora Mãe de Deus.

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda