Comunhão dos celíacos

AOS SENHORES PÁROCOS,

VIGÁRIOS PAROQUIAIS, VIGÁRIOS AUXILIARES E CAPELÃES

 

 

COMUNICADO sobre

Os CELÍACOS e a Comunhão Eucarística

 

A doença celíaca, já conhecida no primeiro século a.C., impede seus portadores de ingerir qualquer produto que contenha glúten – por exemplo, alimentos feitos com farinha de trigo, centeio, aveia, cevada e malte.

Os que têm essa doença sofrem muito em nossa sociedade, uma vez que é muito difícil eliminar o glúten, que está presente na maioria dos alimentos processados. Segundo alguns estudos, para cada 400 pessoas há uma celíaca.

Os católicos que são portadores dessa doença enfrentam um sério problema: como comungar? Para a maioria deles, mesmo em pequenas doses o glúten (presente na hóstia) provoca reações. Quando um sacerdote conhece essa doença e compreende o drama dos celíacos, facilita sua vida, permitindo-lhes comungar sob a espécie do vinho. Acontece que os celíacos gostariam também de comungar sob a espécie do pão – naturalmente, desde que sem glúten.

Apesar do que prescreve o Código de Direito Canônico – “o sacrossanto Sacrifício Eucarístico deve ser oferecido com pão e vinho… o pão deve ser só de trigo” (Cân. 924) – foi consultada a Santa Sé, na certeza de que antes já devia ter sido pedida orientação a esse respeito. A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos respondeu que:

1. A Congregação para a Doutrina da Fé – única competente para decidir sobre a matéria dos sacramentos -, a 08 de maio de 1995 se pronunciou a esse respeito;

2. Compete ao Bispo diocesano dar normas concretas e autorizar a comunhão somente sob a espécie do vinho;

3. O Bispo pode autorizar a confecção de pão para a Eucaristia com pouco glúten; o glúten, porém, não pode ser eliminado completamente, pois deixaria de ser pão de trigo e a matéria não seria válida;

4. Os candidatos ao sacerdócio que forem celíacos, dada a centralidade Eucarística na vida sacerdotal, não podem ser admitidos às ordens sacras (vale o mesmo para os que sofrem de alcoolismo ou doenças semelhantes).

O posicionamento de Dom Zeno Hastenteufel AUTORIZA que “eles recebam a Sagrada Comunhão só sob a espécie de vinho consagrado, uma vez que o pão de trigo contém glúten, o que para os portadores da doença celíaca é extremamente nocivo à saúde” e PEDE, pois, aos sacerdotes da Diocese de Novo Hamburgo, quando forem procurados por celíacos, que:

1º – exponham-lhes as normas acima (se for necessário);

2º – possibilitem-lhes a Comunhão sob a espécie do vinho, com um cálice pequeno a ser fornecido pela pessoa interessada, com antecedência ao horário do início da Santa Missa.

In Iustitia Christi

Mons. Inácio José Schuster, Vigário Geral

Novo Hamburgo, 08 de setembro de 2010, na Festa da Natividade de Nossa Senhora.

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda