Dedicação da Igreja

DEDICAÇÃO DA IGREJA – Texto de 1935

I- Celebra-se anualmente o aniversário da consagração ou bênção da Igreja, sob o nome de “DEDICAÇÃO DA IGREJA”. Como Salomão, por ordem de Deus, consagrara, solenemente o Templo em Jerusalém, assim a Santa Igreja, com belas e comoventes cerimônias, dedica e consagra os seus templos, antes de os entregar o culto publico.
Com esta consagração, torna-se sagrado o lugar ou edifício que fica reservado exclusivamente aos atos do culto divino.; usá-los para outros fins, não religiosos, seria uma profanação e até um sacrilégio.
Se já os antigos respeitavam os templos, que erigiam aos seus deuses falsos, quanto mais nós, cristãos, devemos tratar respeitosa e santamente os templos e igrejas que são destinados ao culto de Deus e á celebração dos mistérios divinos! “Á casa de Deus, se deve santidade”, afirma o profeta.
Costuma a Igreja consagrar ou benzer solenemente os edifícios destinados ao culto público e assim, imprimir-lhes um caráter de santidade.
Cometendo-se num tal lugar um pecado grave, comete-se um sacrilégio. Derramando-se, criminosamente sangue humano dentro de uma Igreja consagrada ou solenemente benta, ou perpetrando-se nela um homicídio ou empregando-a para uso vil e indecoroso, ficará a Igreja violada, necessitando de reconciliação, sem a qual não se pode celebrar nela ato algum religioso.
Daí se vê como a igreja vela pela santidade desses lugares destinados ao culto divino. Acompanhemo-la nestes sentimentos.
Entremos na igreja com sumo respeito, lembrando-nos sempre, de que, estando nela, estamos em lugar santo.
Respeito, veneração e adoração dominem nosso interior e exterior.

II- Quem viaja pelo interior, mesmo de trem, vê pequenas capelas com a inscrição: CASA DE ORAÇÃO. São capelas protestantes.
Não podem dizer coisa melhor das suas capelas, do que chamá-las: “Casa de Oração”. Da mesma forma, costuma-se encontrar em algumas famílias, um oratório, num pequeno quarto, reservado para preces, ao qual muito bem poderíamos dar o mesmo nome: “Casa ou sala de oração”.
Mas as nossas igrejas, não possuem outra unção, outra santidade e têm de fato outra denominação, que só elas podem usar: “Casa de Deus!”.
Sim, nossas igrejas, são mais que um salão, onde os fiéis se reúnem para rezar, cantar e ouvir sermões ou escutar a leitura do Evangelho. Nossas igrejas são de fato, realmente a habitação de Deus. São a sua morada, seu tabernáculo, sua casa.
Os anjos, avistando uma igreja católica, dizem: “Ecce tabernaculum Dei cum hominibus!” Eis o tabernáculo de Deus entre os homens!
Em nossa igreja Deus habita em pessoas, Jesus reside nela, não só de passagem, nem somente nas grandes solenidades, mas sempre, dia e noite. Ele está presente com corpo e alma, humanidade e divindade.
A igreja é, de fato, a sua casa, a sua habitação. Os templos católicos são “Casa de Deus e Porta do Céu”.
Ó! Com quanta satisfação avistamos as nossas igrejas!
Como somos rico, riquíssimos! Deus habita entre nós!!!
Devemos ir á igreja, muito mais alegremente do que os judeus acorriam ao templo. Pois este com toda sua grandeza, arte e riqueza, não possuía um tesouro tão rico como nós. Em nossas igrejas habita Deus em pessoa.
Por isto a minh’alma exulta, quando posso entrar em uma igreja, meu coração palpita de alegria e contentamento, quando me aproximo do altar, pois me aproximo de Deus, que desde a minha juventude me encheu a alma de doçura espiritual. Sim, minh’alma anseia por entrar e se demorar na casa de meu Deus.

III- a igreja é o palácio do grande REI, nosso Deus, onde é dada audiência aos fiéis.
Na igreja, recebo a graça das graças, Jesus , na Santa Comunhão!
O templo católico é o teatro das maiores maravilhas da bondade de Deus. È o teatro das mais belas e mais importantes emoções da minha alma.
Com razão posso cantar: “Bendito seja o santuário,/Em que achei consolação
Meu bom Jesus , o teu sacrário/A paz me trouxe ao coração.
Ó Jesus, a minh’alma exulta quando posso achegar-me a voa, e, receber-vos na Santa Comunhão. Será, portanto a minha delícia visitar-vos no Sacrário , adorar-vos na santa Hóstia e abrigar-vos em meu coração
Vendo a vossa igreja, a minh’alma exulta, porque vos sei aí presente, vendo a vossa igreja, imensos desejos me invadem a alma, desejos de vos receber na santa Comunhão. Alimentai e aumentai estes santos desejos, para que eu, atraído pelo vosso amor, corra a hospedar-vos em meu peito.
Jesus, minha vida, consolo em meu pranto
Meu único encanto, magnete etereal!
Eu quero em teu peito ter doce morada,
Para sempre olvidada do mundo fatal.

RESOLUÇÃO: Observar na igreja silêncio absoluto e rigoroso respeito. As comunhões desta semana quero oferecer a Jesus em reparação das irreverências cometidas nas igrejas.

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda