NOVAS MATRÍCULAS Catequese de Primeira Eucaristia e Crisma

Inicia: 1 de novembro de 2017 em 8:00
Termina: 16 de dezembro de 2017 em 11:30

Para todos aqueles que iniciarão o primeiro ano da Catequese Paroquial em 2018.

PERÍODO: de 01 a 30 de novembro de 2017

HORÁRIOS/LOCAL PARA AS INSCRIÇÕES

NA SECRETARIA PAROQUIAL – IGREJA MATRIZ
– 2ª feira – tarde – das 13h30min às 18h (2ª feira de manhã não há expediente externo)
– de 3ª a 6ª feira – manhã – das 8h às 11h30min / tarde – das 13h30min às 18h
– aos sábados – manhã – das 8h às 11h30min.

PRÉ-REQUISITO DOCUMENTAÇÃO
EUCARISTIA
– Ter 10 anos ou completar 10 anos no ano de 2018
– Xérox do Registro de nascimento
– Lembrança do Batismo
– 1 foto 3×4

CRISMA
– Ter feito a 1ª Eucaristia
– Xérox do Registro de nascimento,
– Lembrança do Batismo
– Lembrança da 1ª Comunhão
– 1 foto 3×4

Não será feita a inscrição sem toda a documentação.

 

TERMO DE COMPROMISSO dos Pais e/ou Responsáveis

Tendo a(o) minha(meu) filha(o) inscrita(o) na Catequese, comprometo-me:

1. Conforme previsto no § 5º do item 2 do Catecismo da Igreja Católica, a catequese é uma educação da fé das crianças, dos jovens e dos adultos, a qual compreende especialmente um ensino da Doutrina Cristã Católica, dado em geral de maneira orgânica e sistemática, com o fim de ensiná-los na plenitude da Vida em Jesus Cristo.

2. A catequese, por ser prioritária e essencial à vida da Comunidade Católica, possibilita o crescimento da Igreja em todos os seus sentidos e, por esse motivo, deve ser levada a sério por todos.

3. Desta forma, para que se possa construir uma comunidade unida, forte e comprometida é necessário que todos, catequistas, pai(s) e/ou responsáveis e catequizandos, trabalhem juntos, em clima de cooperação.

4. Por esse motivo, como pai-mãe e/ou responsável me comprometo a:
a) Participar das reuniões e das atividades periódicas promovidas pela catequese;
b) Acompanhar os passos dados por meu(s) filho(s) diante dos temas e das atividades promovidos em cada encontro;
c) Dialogar com meu(s) filho(s) a respeito dos conteúdos repassados na catequese;
d) Acompanhar as atividades propostas pelos catequistas como dever de casa;
e) Participar juntamente com meu(s) filho(s) das Santas Missas inteiras, escolhendo algum dos horários da Comunidade de Fé Católica, todos os sábados (17h) ou domingos (7h30min, 9h ou 18h), conforme o 3º Mandamento da Lei de Deus e o 1º Mandamento da Igreja Católica.
f) Motivar meu(s) filho(s) a frequentar(em) a catequese.

5. A participação dos catequizandos é de suma importância para o enriquecimento da fé católica de toda a família. Sendo assim, o(a) catequizando(a), durante o ano, poderá faltar até no máximo 3 vezes nos encontros, justificando as faltas por meio de atestado médico. Disto dependerá a continuidade da etapa de catequese no ano em curso e no ano seguinte.

6. Solicitamos que as crianças e jovens venham com roupa apropriada para a catequese, porque muitas vezes vamos à igreja/capela para momentos de oração com as turmas. Favor não vir de shorts, mini-saia ou roupas muito decotadas e transparentes, pois queremos manter a dignidade no vestir.

7. Pedimos que todos tragam a sua Bíblia. Vamos usar a Edição da Ave Maria e/ou da CNBB (que pode ser adquirida na Secretaria Paroquial), que é mais acessível no vocabulário e fiel na tradução. Não permitimos Bíblias que não sejam católicas e devidamente aprovadas pelos Bispos.

8. Como dizimista, contribuirei com a taxa da matrícula (1ª etapa R$ 100,00) e da rematrícula (2ª etapa R$ 50,00), procurando estar em dia com o dízimo. Como não dizimista, contribuirei com a taxa dos dois anos de catequese (R$ 180,00 [1ª etapa] + R$ 180,00 [2ª etapa] + a taxa da matrícula R$ 100,00 [1ª etapa] + a taxa da rematrícula R$ 50,00 [2ª etapa], efetuando o pagamento no início da catequese do ano corrente, em março de 2018).

9. Consciente do meu papel na educação religiosa da(o) minha(meu) filha(o), eu assumo o compromisso de cumprir os itens acima referidos e colaborar para que haja uma boa integração com os Catequistas e a Paróquia Nossa Senhora da Piedade.

Pais e/ou Responsáveis / Coordenação Paroquial de Catequese

 

DEZ COISAS IMPORTANTES ANTES DE INSCREVER UM FILHO NA CATEQUESE PAROQUIAL

Vocês não são obrigados a inscrever seus filhos na catequese. Por isso, se nos procuraram de livre e espontânea vontade, aceitem nossas regras e não fiquem reclamando de tudo.

Os catequistas de vossos filhos são pessoas normais, que tem família, trabalho, atividades pessoais, faculdade, problemas, alegrias, frustrações, desânimo, ou seja, sentimentos comuns a qualquer pessoa. Por isso, trate-o com mais carinho e com mais respeito. Pelo menos, tentem saber qual é o nome dele. Isso já será de grande valia.

Quando organizamos palestras, encontros e reuniões, é porque queremos construir uma ponte de relacionamento com vocês. Se não querem participar, não participem. Mas se quiserem, venham com vontade e não fiquem bufando na nossa frente ou olhando o relógio para ver que hora o encontro termina.

A catequese não é depósito de crianças e jovens que não tem o que fazer. A catequese é um lugar de aprofundamento dos assuntos de Deus. Eles precisam aprofundar aquilo que já deveriam saber através dos ensinamentos de vocês, pais. Se vocês nunca falam de Deus com seus filhos, não coloquem nas costas dos catequistas esta obrigação.

Não reclamem do tempo de duração da catequese. Isso nos entristece. A catequese é um processo contínuo. Se for um, dois, três ou quatro anos, isso não importa. Mas se você acha que é demais, não inscreva o seu filho. Vocês são livres para isso.

Não ensinem vossos filhos a mentir. Estamos carecas de saber que muitos pais, burlam as regras definidas na catequese, não participam de eventos e atividades, pois optam pela chácara, o jogo de futebol, o passeio ou até mesmo a preguiça. Sejam verdadeiros, não mintam e não ajudem os seus filhos a inventarem desculpas para tentar enganar os catequistas.

Se vocês são espíritas, sejam bons espíritas, mas não queiram ser católicos também. Uma coisa é bem diferente da outra. Não têm como andar junto. Uma religião prega a ressurreição. A outra, prega o oposto, a reencarnação. Ou vocês são católicos ou são espíritas. As duas, não dá para ser. Igualmente para outros credos.

Antes de culpar a Igreja disso ou daquilo, fiquem sabendo que Igreja são vocês também. Então, ao invés de ficarem apenas arranjando defeitos, porque vocês não exercitam mais o vosso catolicismo, participando de algum serviço ou pastoral e tentando observar com mais atenção o imenso esforço que muitos leigos fazem?

O dia da primeira comunhão ou crisma não é formatura. Se vocês estão preocupados com roupa, almoço e como será a festa, então vossos propósitos são completamente diferentes dos nossos.

10º E último, tratem a catequese da mesma forma que vocês tratam a escola, curso de inglês, escolinha de futebol, informática e as festivas no clube que seus filhos tanto gostam. Não precisam abrir mão de tudo isso por causa da catequese. É só dar a mesma importância. Para nós catequistas, já será bem melhor e nos fará, mais felizes.

Coordenação da Catequese da Paróquia Nossa Senhora da Piedade

 

COMO EVANGELIZAR OS MEUS FILHOS?
Os pais não devem apenas mandar os filhos para a igreja, mas levá-los

A Igreja ensina que os primeiros catequistas são os pais. É no colo deles que toda criança deve aprender a conhecer a Deus, aprender a rezar e dar os primeiros passos na fé; conhecer os Mandamentos e os Sacramentos.
Os pais são educadores naturais, e os filhos assimilam seus ensinamentos sem restrições. Será difícil levar alguém para Deus se isso não for feito, em primeiro lugar, pelos pais. É com o pai e a mãe que a criança tem de ouvir em primeiro lugar o nome de Jesus Cristo, Sua vida, Seus milagres, Seu amor por nós, Sua divindade, Sua doutrina… Eles são os responsáveis a dar-lhes o batismo, a primeira comunhão, a crisma e a catequese.
Quando fala aos pais sobre a educação dos filhos, São Paulo recomenda: “Pais, não exaspereis os vossos filhos. Pelo contrário, criai-os na educação e na doutrina do Senhor” (Ef 6, 4). Aqui está uma orientação muito segura para os pais. Sem a “doutrina do Senhor”, não será possível educar. Dom Bosco, grande “pai e mestre da juventude”, ensinava que não é possível educar sem a religião. Seu método seguro de educar estava na trilogia: amor – estudo – religião.
Nunca esqueci o terço que aprendi a rezar aos cinco anos de idade, no colo de minha mãe. Pobre filho que não tiver uma mãe que o ensine a rezar! Passei a vida toda estudando, cheguei ao doutorado e pós-doutorado em Física e nunca consegui esquecer a fé que herdei de meus pais; é a melhor herança que deles recebi. Não é verdade que a ciência e a fé são antagônicas; essa luta só existe no coração do cientista que não foi educado na fé, desde o berço.
Os pais não devem apenas mandar os seus filhos à igreja, mas, devem levá-los. É vendo o pai e a mãe se ajoelharem que um filho se torna religioso, mais do que ouvindo muitos sermões. A melhor maneira de educar, também na fé, é pelo exemplo. Se os pais rezam, os filhos aprender a rezar; se os pais vivem conforme a lei de Deus, os filhos também vão viver assim, e isso se desdobra em outros exemplos. Os genitores precisam rezar com os filhos desde pequenos, cultivar em casa um lar católico, com imagens de santos em um oratório, o crucifixo nas paredes, etc.; tudo isso vai educando os filhos na fé. Alguém disse, um dia, que “quando Deus tem seu altar no coração da mãe, a casa toda se transforma em um templo”.
Um aspecto importante da educação religiosa de nossos filhos está ligado à escola. Infelizmente, hoje, se ensina muita coisa errada em termos de moral nas escolas; então, os pais precisam saber e fiscalizar o que os filhos aprendem ali. Infelizmente, hoje, o Governo está colocando até máquinas para distribuir “camisinhas” nesses locais. Os filhos precisam em casa receber uma orientação muito séria sobre a péssima “educação sexual” que hoje é dada em muitas escolas, a fim de que não aprendam uma moral anticristã.
Outro cuidado que os pais precisam ter é com a televisão; saber selecionar os programas que os filhos podem ver, sem violência, sem sexo, sem massificação de consumo, entre outros. Hoje temos boas emissoras religiosas. A televisão tem o seu lado bom e o seu lado mau. Cabe a nós saber usá-la. Uma criança pode ficar até cerca de 700 horas por ano na frente de um televisor ligado. Mais uma vez aqui, é a família que será a única guardiã da liberdade e da boa formação dessa criança. Os pais precisam saber criar programas alternativos para tirá-las da frente do televisor, oferecendo-lhes brinquedos, jogos, contando-lhes histórias, etc.. Da mesma forma, ocorre com a internet: os pais não podem descuidar dela.
Mas, para levar os filhos para Deus é preciso também saber conquistá-los. O que quer dizer isso? Dar a eles tudo o que querem, a roupa da moda, a camisa de marca, o tênis caro? Não! Você os conquista com aquilo que você é para o seu filho, não com aquilo que você dá a ele. Você o conquista dando-se a ele; dando o seu tempo, o seu carinho, a sua atenção, ajudando-o sempre que ele precisa de você. Saint-Exupéry disse no livro “O Pequeno Príncipe”: “Foi o tempo que você gastou com sua rosa que a fez ser tão importante para você”.
Diante de um mundo tão adverso, que quer arrancar os filhos de nossas mãos, temos de conquistá-los por aquilo que “somos” para eles. É preciso que o filho tenha orgulho dos pais. Assim será fácil você levá-lo para Deus. Muitos filhos não seguem os pais até a igreja porque não foram conquistados por estes.
Conquistar o filho é respeitá-lo; é não o ofender com palavras pesadas e humilhantes quando você o corrige; é ser amigo dos seus amigos; é saber acolhê-los em sua casa; é fazer programas com ele, é ser amigo dele. Enfim, antes de dizer a seu filho “Jesus te ama”, diga-lhe: “eu te amo”.
Prof. Felipe Aquino
[email protected]

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda