Com a Palavra

Reiki e a fé católica são compatíveis? NÃO!

Prof. Felipe de Aquino  

Reiki é o nome dado a “Energia universal de vida” – algo não bem definido – que, segundo seus adeptos, é uma energia que passa pelas mãos de todo ser humano e pode ser aplicada a pessoas doentes ou aflitas para aliviá-las, segundo Earlene Gleisner, monitora de Reiki (”Reiki na Vida Diária” – Ed. Nova Era, Rio de Janeiro,1999). O que escrevemos nesta artigo está baseado no livro citado acima. A base do Reiki é budista, é uma corrente de pensamento panteísta (tudo é parte de Deus, tudo é Deus) e tem traços de monismo, filosofia que ensina que a pessoa pode “fundir-se com tudo a sua volta” (p. 45). O ser humano seria parte integrante do universo no sentido físico; tudo o que existe seria apenas uma grande substância ou a substância universal. O monismo leva ao panteísmo. O Mestre maior do Reiki parece ser “O Sr. Hawayo Takata. Grão-Mestre REIKI de 1940 a 1980″ (pp. 47s). A proposta de cura por meio de Reiki vem do Oriente e está crescendo em nossos ambientes, por isso o católico precisa conhecer os seus erros. A palavra Reiki vem de rake (= ancinho ou rastelo) em inglês, Rakey é o solo arado. A palavra Rakey é foneticamente igual a Reiki. Segundo Earlene, o Reiki vem a ser a “Energia Universal de Vida no Sistema Usual de Cura Natural” (p. 11). É a “Energia Universal de Vida que verte através de nossos corpos, preenchendo nossa necessidade antes de se transferir para a necessidade do outro” (p. 22). Segundo ela, “os nossos corpos são um veículo por meio do qual a energia Reiki se transfere do Universo para outrem” (p. 42). Ensinam que é por meio das mãos que a energia Reiki passa de uma pessoa para outra, de modo que há técnicas precisas sobre a maneira de impor as mãos sobre a cabeça, sobre o tórax, sobre os joelhos, os pés, as costas. O Reiki ensina que devemos ser bondosos com tudo o que possui vida, já que não estamos sozinhos; e que precisamos nos colocar em contato com a energia que flui através de todos os seres e coisas, árvores, flores, animais, até mesmo os elementos químicos participaram disso. O objetivo é “buscar uma fusão com tudo o que está em volta” (p. 55). Isso mostra que a filosofia base do Reiki é uma prática panteísta – tudo é Deus – não há uma separação entre o Criador e a criatura; ora, isto é um absurdo filosófico e teológico. O panteísmo sempre foi condenado pela Igreja. Deus criou tudo o que existe fora do nada porque quis, por amor, mas as criaturas não são emanações obrigatórias de Deus, como se Ele não fosse soberano e autônomo. Diz Earlene Gleisner que “A Mestre Reiki Victoria Suzanne Crane investigou extensivamente as origens de REIKI e as encontrou intrinsecamente ligadas aos ensinamentos budistas” (p. 48). Isto é suficiente para o católico rejeitar a prática de cura pelo Reiki, pois os princípios do budismo não se coadunam com a fé católica. O budismo acredita na reencarnação, e a salvação da pessoa não se dá pela fé em Jesus Cristo. A filosofia Reiki pode ter boa intenção e dizer coisas bonitas e agradáveis que encantam as pessoas, mas a sua base de sustentação não é recomendada aos católicos. Sem dúvida, há muito de sugestão nas curas do Reiki; sabemos que uma pessoa sugestionada pode ser curada pelo próprio organismo que reage bem devido a um estado de espírito favorável. Basta ver os placebos, simulação de remédios. A mera existência de uma energia natural e humana é questionável e, facilmente, essa concepção se confunde com uma “energia divina” – o que se transforma em panteísmo. Por tudo isso, a concepção filosófica do Reiki não é compatível com a fé cristã, como também confirma D. Estevão Bittencourt em seu artigo “Reiki na vida diária” (Revista PR, n. 467; 2001). Alguns defendem que é possível para o católico usar a “técnica” do Reiki sem adotar a sua filosofia, mas isto é algo arriscado. D. Estevão também diz: “O cristão que se põe na escola do Reiki corre o risco de assimilar, juntamente com a técnica, as linhas monistas-panteistas do pensamento Reiki”. Portanto, o cristão que deseja a cura de seus males há de buscar recursos na medicina e na fé cristã, voltando-se para Deus Pai, Filho e Espírito Santo, que a todos socorre no seu amor e na intercessão dos santos, anjos e dos irmãos. Nada de mágico e desconhecido deve ser misturado com a fé católica. Se Deus não nos dá a cura pela medicina e pela graça, certamente tem um desígnio de salvação atrás desse mal. Devemos crer e viver segundo a palavra de São Paulo que diz: “Tudo concorre para o bem dos que amam a Deus” (Rm 8, 28).

 

REIKI, o poder para curar?
Tradução de um artigo em espanhol do Pe. Miguel Carvallo Campos, especialista em Seitas e Heresias.
Por Mons. Inácio José Schuster

O Reiki é uma técnica de cura promovida pela corrente da Nova Era. É uma disciplina oriental, segundo afirmam seus seguidores, que ajuda a utilizar a capacidade escondida em cada ser humano de aproveitar a “energia vital do universo” para acabar com as doenças do corpo e da alma. Reiki é uma palavra de origem japonesa que se refere a “energia vital do universo” que fluiria através de um discípulo “ativo” pôr ela. O Reiki afirma que as enfermidades são sempre ocasionadas pôr um desequilíbrio na energia e sua técnica, busca encontrar “a harmonia”, “equilíbrio” da energia existente nos diferentes centros energéticos do corpo humano (chakras), mediante a imposição de mãos. Os que utilizam o reiki, prometem um grande alívio no plano físico, espiritual, e uma plena sensação de paz.

A História do Reiki
O Reiki surgiu a princípio do século XX com Mikao Usui, decano de uma pequena universidade cristã em Kyoto – Japão. Contam que teve que deixar o seu posto de decano porque seus alunos lhe pediram para que ensina-se a técnica utilizada pôr Jesus para curar com as mãos, e ele teria se sentido constrangido pôr não possuir este conhecimento. Decidido a investigar esta questão da imposição das mãos, matriculou-se para estudar Teologia na Universidade de Chicago. Pôr não encontrar aí a “receita” para fazer curar como Jesus Cristo, viajou para o norte da Índia e ao Tibete, pois “suspeitava” que aí havia estudado Jesus Cristo. Estudou os escritos budistas do Tibete, e contra Ter aí encontrado a resposta intelectual para a sua inquietação interior. A seguir, voltou para o Japão e aprofundou o estudo da doutrina do Buda, pois sabia que ele também havia realizado curas. Estando em um mosteiro budista, depois de fazer um jejum de 21 dias, diz ter recebido uma visão que lhe revelou o segredo do Reiki para fazer curas físicas. Mais adiante, conta que em outra visão foram revelados os cinco princípios filosóficos do Reiki, e a partir daí teria “descoberto” que toda a enfermidade física tem uma origem espiritual.

O Reiki é compatível com o cristianismo?
O Reiki rapidamente se espalhou para o ocidente, conquistando inúmeros adeptos. Um dos segredos para o seu crescimento está em dizer que é somente uma técnica de cura, e pôr isso não entre em conflito com o cristianismo. Esta é uma das estratégias mais comuns usadas pelos adeptos da Nova Era, para atrair pessoas inocentes para a sua filosofia, com o objetivo final de levar a perda da confiança nos cuidados amorosos de Deus. Quando o Reiki fala de uma energia universal, faz desaparecer o Deus da Bíblia. A Sagrada Escritura nos revela que Deus não é uma energia, mas é uma Pessoa que nos ama com um amor pessoal. Se alguém precisa somente aprender a “ativar a energia universal” não é mais necessário Deus, religião ou fé. Tudo passa a ser sem sentido, porque a própria pessoa passa a dominar o poder presente no universo. E isso, assemelha-se a heresia do panteísmo. Para este pensamento filosófico, Deus e a natureza identificam-se um com o outro. Para o panteísmo tudo é Deus, e o homem é também deus, pôr ser parte deste tudo. No cristianismo Deus é o criador, e o homem criatura. Mesmo criado a imagem e semelhança de Deus, o homem nunca será Deus. Os cristãos crêem na cura pela imposição de mãos. Este foi um ensino de Jesus Cristo para os seus seguidores: “…imporão as mãos aos enfermos e eles ficarão curados” (Mc 16, 18). Esta prática Jesus não a aprendeu na Índia, Tibete ou em alguma outra doutrina oriental. Ele é Deus, veio habitar entre nós para anunciar a salvação. Nele recebemos o poder do alto: “Toda autoridade me foi dada no céu e na terra” (Mt 28, 18). Para exercitar a autoridade dada pôr Jesus basta a fé: “Em verdade vos declaro: todo o que disser a este monte: levanta-te e lança-te ao mar, se não duvidar em seu coração, mas acreditar que sucederá tudo o que disser, obterá esse milagre” (Mc 11, 23).

 

Bispos dos EUA advertem que terapias Reiki não têm lugar em instituições católicas
WASHINGTON DC, 31 Mar. 09 (ACI)

Os bispos americanos publicaram diretrizes que consideram que as chamadas terapias de Reiki, ou “medicina alternativa” originária do Japão, não são científicas e resultam inapropriadas para as instituições católicas.

A Conferência de Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB por suas siglas em inglês) publicou  o documento “Critérios para Avaliar o Reiki como uma Terapia Alternativa” desenvolvido por seu comité de doutrina.

O texto descreve o Reiki como uma técnica de harmonização “inventada no Japão a finais do século XIX por Mikao Usui, quem estudava textos budistas”.

O documento afirma que o “Reiki carece de credibilidade científica” e “ainda não foi aceito pelas  comunidades científica e médica como uma terapia efetiva”. “Faltam estudos científicos sobre a eficácia do Reiki, assim como uma explicação científica plausível de como poderia ser eficaz”, sustenta o documento.

Do mesmo modo, precisa que o “Reiki é descrito frequentemente como um tipo de cura “espiritual’ oposto aos procedimentos médicos comuns para curar usando meios físicos”.

O texto também destaca a diferença radical entre a terapia de Reiki e a cura através do poder divino em que acreditam os cristãos. “Para os cristãos o acesso a cura divina é através da oração a Cristo como Senhor e Salvador, enquanto que a essência do Reiki não é uma oração senão uma técnica que passa do ‘mestre Reiki’ ao discípulo”.

Em conclusão, sustenta o documento, a terapia de Reiki “não encontra suporte nem nos achados da ciência natural nem na crença cristã” e por isso “para um católico, acreditar na terapia Reiki apresenta problemas insolúveis”.Além de explicar que “não é prudente empregar uma técnica que não tem suporte científico”, o documento sustenta que o Reiki implica “importantes perigos” para a saúde espiritual.

“Para utilizar o Reiki se teria que aceitar, ao menos de maneira implícita elementos centrais da visão do mundo que subjazem na teoria Reiki, elementos que não pertencem nem à fé cristã nem às ciências naturais. Sem justificação da fé cristã ou das ciências naturais, um católico que põe a sua confiança no Reiki cairia no âmbito da superstição, a terra de ninguém que não é fé nem ciência”, precisa o documento.

Os bispos adicionam que “superstição corrompe a adoração de Deus ao conduzir o sentimento religioso e a prática para uma falsa direção” e “embora às vezes a gente cai na superstição por ignorância, é responsabilidade de todos os que ensinam em nome da Igreja de eliminar essa ignorância tanto como seja possível”.

“Dado que a terapia Reiki não é compatível com o ensinamento cristão nem a evidência científica, não seria apropriado para as instituições católicas, como centros de saúde e casas de retiro, ou para as pessoas que representam à Igreja, como os capelães, promover ou apoiar a terapia de Reiki”, assinalam.

Fonte http://www.acidigital.com/

Proibido Fumar?

PERGUNTE E RESPONDEREMOS
554/agosto 2008
Mundo Atual  

Será?
PROIBIDO FUMAR?  

Em síntese: O tabaco causa graves danos ao organismo humano. Por isto o uso intemperado do mesmo vem a ser grave, pois é um atentado contra a vida do fumante. Em doses moderadas há quem diga que “não impede de viver cem anos”, por isto em tais casos o fumo não é tido como pecado.  

O fumo é uma prática muito debatida. Há pessoas muito dignas que têm o hábito de fumar, conservando a consciência tranqüila. Eis por que abordaremos a questão nas páginas seguintes.

1. Breves dados históricos
O uso do tabaco chegou à Europa por obra de Cristóvão Colombo, quando voltava da América em 1492; Colombo verificou que os índios fumavam folhas enroladas chamadas “tabaco”. Julga-se que as populações da América pré-colombiana praticavam o uso do tabaco desde remotas épocas. No século XVI o tabaco começou a ser cultivado na Europa como erva medicinal, sendo um dos pioneiros dessa praxe Jean Nicotide Villemain, embaixador da França em Portugal. Foi ele quem enviou sementes de tabaco a Catarina de Medicis e ao rei Francisco I da França. O botânico J. Delechamp deu ao vegetal em foco o nome de herba nicotiana; donde se originou o vocábulo nicotina (de Nicot). O hábito de fumo começou logo no século XVI, na França, entre os nobres da corte régia, que usavam também o rapé, guardado em elegantes tabaqueiras. Ao mesmo tempo, os usuários tomavam consciência dos efeitos daninhos do tabaco nos pulmões dos fumantes, mas as autoridades estatais de vários países favoreciam o plantio por causa de seus interesses lucrativos. Em nossos dias alguns países têm o tabaco como monopólio do Estado, tirando daí grandes proveitos para a sua economia.

2. Efeitos do fumo
A partir de 1959 tem-se dado muita atenção às conseqüência negativas do fumo. O cigarro é multiplamente prejudicial, pois, além de nicotina, contém substâncias aromáticas, e tudo envolvido em papel de valor higiênico suspeito. O fumo ataca principalmente os pulmões, ocasionando o câncer pulmonar. Ainda é de notar que o fumo prejudica não somente o fumante, mas também todos aqueles que respiram o ar contaminado em torno de quem fuma. A gravidade do problema aparece ainda maior quando se considera que muitos jovens começam a fumar desde a adolescência, com cerca de doze anos de idade, às escondidas de seus genitores. Além do tumor pulmonar atribuído ao fumo como principal dano à saúde, registram-se outros efeitos maus: o fumo ataca os brônquios, deteriorando o epitélio ciliar, com o conseqüente aumento do depósito de catarro. Explicitando melhor o efeito principal da nicotina, foram realizadas pesquisas nos Estados Unidos, no Canadá, na Inglaterra e na Itália, que puderam averiguar que o risco de câncer pulmonar é de quinze a trinta vezes maior para os fumantes do que para os não fumantes. Os estudos calcularam outrossim que aproximadamente 400.000 pessoas morrem por ano, vítimas de tumor pulmonar causado pelo fumo. Afirmam os pesquisadores que o fumo ataca também o aparelho cardiovascular por conter, além do mais, monóxido de carbono. Enumeram-se ainda, como resultantes do tabaco, o infarto do miocárdio e a arteriosclerose. É particularmente nociva a mescla do fumo com bebidas alcoólicas ou com contraceptivos ingeridos por mulheres que fumam; tais combinações aumentam a incidência de doenças broncopulmonares e morte acelerada. Dentro destes parâmetros o número de mortes aumenta na proporção de quinze vezes mais entre os fumantes do que entre os não fumantes. Na medida em que as pesquisas progridem, detectam-se ainda outros efeitos nocivos como: diminuição das defesas imunológicas; as gestantes correm o risco freqüente de abortos espontâneos, dos quais 20% são atribuídos ao fumo como também o risco de parto prematuro, atraso de crescimento do feto. O pai fumante contribui, a seu modo, para prejudicar a criança com malformações e mortalidade perinatal. A consciência destes males tem suscitado associações e campanhas que combatem o fumo. Apesar de tudo, ainda há Estados que fomentam o cultivo do tabaco e a promoção de cigarros sob o regime de monopólio do Estado, donde resultam emolumentos para a economia estatal.

3. Avaliação ética
Como em outros casos de avaliação ética, também no caso do fumo, há que distinguir o dado objetivo e o aspecto subjetivo da questão. Do ponto de vista objetivo, isto é, de modo geral (sem levar em conta casos particulares), deve-se dizer que o uso habitual e em doses relevantes do fumo é falha grave no plano moral, pois prejudica grandemente (na proporção da quantidade utilizada) não somente o fumante, mas aqueles que o cercam. Além dos danos à saúde, vem a ser grave falta antiética e ingerência do Estado que explora a produção e o comércio do tabaco com finalidade lucrativa em detrimento da saúde da população. Ao Estado cabe elucidar os cidadãos a respeito dos efeitos nocivos do fumo. Do ponto de vista subjetivo, isto é, considerando os casos particulares, pode-se dizer que o uso do fumo nem sempre é condenável, pois há pessoas que estão de boa fé ou sinceramente convictas de que “fumantes podem viver cem anos”; tais pessoas sabem moderar o uso do fumo. É para desejar, porém, que se esclareça a população acerca dos graves inconvenientes do fumo, a fim de evitar os grandes males que daí decorrem, se não para o próprio fumante, ao menos para quem o acompanha.

Este artigo é inspirado pela obra “Manual de Bioética, de Elio Sgreceia, vol. II, pp. 185-190.

Avós desempenham papel fundamental na transmissão da fé

Quinta-feira, 26 de julho de 2012, Luciane Marins / Da Redação, com colaboração de Nicole Melhado

“Os avós podem ser e muitas vezes são garantia do afeto e da ternura que todo o ser humano necessita”  

Nesta quinta-feira, 26, dia em que a Igreja celebra a festa de Santa Ana e São Joaquim, os avós do mundo inteiro são recordados. A importância deles nas famílias é tão grande que valeu uma referência do Papa Bento XVI no V Encontro Mundial das Famílias na Espanha. “Eles podem ser e muitas vezes são garantia do afeto e da ternura que todo o ser humano necessita dar e receber”. O Santo Padre disse ainda que eles são memória e riqueza das famílias.

Na sociedade moderna, em que cada vez mais os pais têm menos tempo para os filhos, a presença dos avós se torna ainda mais relevante.

Em entrevista ao Programa Octave Dies, produzido pelo Centro Televisivo Vaticano e reproduzido pela TV Canção Nova, a fundadora da Associação dos Avós Católicos (Catholic Grandparents Association), Catherine Wiley, destaca essa realidade. Ela acredita que, muitas vezes, os avós conseguem plantar a semente da fé nos netos mais que os próprios pais. “Os pais trabalham e estão sob uma grande pressão. Os avós entendem que precisam fazer alguma coisa, agora estão em casa, fazem aquilo que podem para transmitir a fé aos netos”.

A Associação criada por Catherine na Irlanda, presente também na Inglaterra, Escócia, Estados Unidos, Tanzânia e Camboja, é composta por milhares de pessoas que enfrentam as dificuldades comuns da vida sem perder a esperança. A própria fundadora, avó de dez netos, fala de seus desafios. “Alguns dos meus filhos se afastaram da fé, alguns dos meus netos não são batizados, houve um divórcio na nossa família, assim eu e meu marido entendemos as dificuldades, os desafios e as dores da vida de uma família católica nos tempos modernos, mas temos que ter esperança”.

Os avós podem pensar que precisam saber sobre teologia para ensinar alguma coisa aos netos, mas, para Catherine eles já sabem tudo. Ela defende que tudo já está dentro deles, no modo como vivem, na fidelidade à Igreja, aos sacramentos e à Missa cotidiana. “Eles são modelos de comportamento e podem transmitir isso,” destaca.

Nos próximos meses, a Associação dos Avós Católicos realizará uma série de eventos em vários santuários na Europa e, em 2013, realizará uma peregrinação internacional a Roma.

Na mensagem que o Papa direcionou aos avós, no V Encontro Mundial das Famílias, Bento XVI pediu que os avós não sejam excluídos. “Deus queira que, por nenhuma razão, sejam excluídos do círculo familiar. São um tesouro que não podemos arrebatar às novas gerações, sobretudo quando dão testemunho da fé diante da proximidade da morte”, destacou.

Bebida e direção, uma combinação fatal

Por Daniel Machado / Produtor do Destrave  

Direção e álcool: até quando?  

“Quantos jovens vão morrer depois de se alcoolizarem e dirigirem? Talvez não saibamos os números exatos, mas não é surpresa alguma receber notícias de mortes causadas por pessoas alcoolizadas ao volante em época de festas e feriados.

No Brasil, a questão é tão grave que o Ministro da Saúde, José Padilha, afirmou que os acidentes envolvendo motoristas que consumiram álcool ao volante já são epidemia no país.

Antes da Lei Seca, em vigor há 9 anos no Brasil, o número de acidentes e mortes causados pela imprudência crescia de forma avassaladora. Em São Paulo, por exemplo, chegou-se a 50 mil ocorrências de acidentes seguidos de morte em todos os 645 municípios de São Paulo de 2001 a 2010. Com a tolerância zero da Lei Seca e mais fiscalização este número baixou para 16% na capital e 7,2% nos demais municípios segundo pesquisa da USP em Agosto de 2012. Os números mostram uma queda no número de acidentes e mortes no trânsito em decorrência do álcool, mas muito longe ainda do que se espera.

Principais vítimas da combinação álcool e direção são os jovens

Você pode perguntar: “o que tudo isso tem a ver comigo?”. Tem a ver e muito, pois, segundo pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o país desembolsa, a cada ano, 22 bilhões de reais com acidentes nas rodovias, ou seja, o contribuinte está pagando toda essa perda. No entanto, o mais grave não está nos gastos públicos, mas na vida de milhares de jovens que aparecem como as principais vítimas dessas estatísticas.

“O camarada vai a uma festa, bebe além da conta e vai dirigir, aí causa um acidente tendo sérios problemas e destruindo famílias, causando danos a toda sociedade”, diz o psiquiatra Nilton Lyrio.

Por que bebida e direção não combinam?  

Alguém que está sob o efeito do álcool perde totalmente, ou em grande parte, a sua capacidade neuromotora. Aquele obstáculo que parece estar a 10 metros para uma pessoa alcoolizada, na verdade, está muito mais próximo do que ela imagina”, explica a psicóloga Elaine Ribeiro.

O álcool é uma substância facilmente absorvida pelo organismo. Depois de alguns minutos após a ingestão de alguma bebida alcoólica, a droga já está correndo no sangue e chegando aos principais órgãos vitais do corpo; um deles é o cérebro. Essa substância altera a comunicação entre os neurônios diminuindo as repostas do cérebro ao organismo. As principais áreas afetadas são o córtex frontal (responsável pela coordenação motora do nosso corpo) e o cerebelo (responsável pela leitura espacial do corpo e do equilíbrio). Assim, uma pessoa que bebe, sobretudo de forma exagerada, perde a capacidade de resposta motora e espacial, aptidões essenciais para conduzir um veículo.

Um simples teste de equilíbrio revela se o cerebelo foi afetado pelo álcool  

Além do bafômetro (medidor do teor de álcool ingerido), a polícia dos Estados Unidos da América também utiliza faixas amarelas para que o motorista ande sobre elas ou faça o famoso 4 (com as pernas). Se o cidadão ingeriu álcool além da conta, seu cerebelo vai perder a noção de equilíbrio e não conseguirá executar a simples tarefa de andar sobre uma linha reta estendida no chão. Assim será facilmente identificado e punido por consumir bebida alcoólica e dirigir.

Questão de educação?  

Países como França, Alemanha, Itália e Japão assistem aos índices de morte no trânsito caírem há mais de 10 anos. Medidas como fiscalização, leis mais severas e estradas em boas condições foram colocadas em prática de forma rigorosa. Mas junto a tudo isso, um trabalho de educação com toda a sociedade – sobretudo com as crianças nas escolas – também fez toda a diferença. Para se ter uma ideia, no Japão há mais acidente com bicicletas (sem mortes) do que com veículos.

Diante do número de pessoas que morrem todos os anos no Brasil temos duas alternativas: fazer a nossa parte como cidadãos, transformando-nos em educadores de jovens e crianças, ou nos acostumarmos com as notícias de famílias sendo destruídas por causa do álcool.

 

Entenda como o álcool afeta o organismo
Por Alessandra Borges / Produtora Destrave

São muitos os efeitos causados pelo consumo da bebida alcoólica no organismo a longo prazo, principalmente quando este é exagerado.

Para muitos, não há nada melhor do que beber um copo de cerveja bem gelada nos dias quentes ou se sentar num barzinho com os amigos e saborear alguns petiscos com um copinho do lado. No entanto, este hábito rotineiro pode se tornar um vício, ou melhor, um grande vilão para a saúde.

A médica gastroenterologista Márcia Mayumi Fujisawa explica que a bebida alcoólica, ao ser ingerida, produz efeitos diferentes de organismo para organismo dependendo da quantidade.

“A bebida é absorvida em pequena quantidade e de forma lenta pelo estômago, mas de um modo mais rápido pelo intestino, chegando então ao fígado. No estômago, ela pode provocar gastrite aguda”, pontuou Fujisawa.

Segundo a médica, no momento em que a bebida alcoólica atinge o fígado ocorre um processo de metabolização dessa substância pelo organismo, ou seja, depois que ela entra na corrente sanguínea uma série de efeitos começam a surgir. Por exemplo, o rosto fica com uma coloração mais avermelhada, pode haver a aceleração do coração (taquicardia), a pressão sanguínea pode cair um pouco, pode haver uma lentidão dos movimentos e uma sensação de bem-estar e euforia que, dependendo da quantidade ingerida, pode levar a uma fala mais arrastada, dificuldade de caminhar em linha reta e sonolência.

“Além do fígado, todos os outros órgãos ficam comprometidos com doses diárias de álcool”, destaca Dra. Márcia.

Toda ação produz uma reação e com o álcool o processo é o mesmo, e os efeitos variam de pessoa para pessoa de acordo com a quantidade dessa substância presente na corrente sanguínea.

Pesquisas revelam que, a partir de duas latinhas de cerveja, o cérebro já começa a sentir os primeiros sintomas da presença do álcool no organismo. Desta forma, alguém que ingere muitos miligramas de álcool por dia vai apresentar, passadas 6 horas após a ingestão da bebida, sensações desagradáveis, como dor de cabeça, náuseas e vômito, conhecidas popularmente como ressacas.

De acordo com a especialista em gastroenterologia, esse mal-estar acontece porque o corpo passa por uma série de reações químicas por conta da ingestão do álcool, substância tóxica para o organismo, sendo necessário intercalar muito líquido com a ingestão alcoólica para que não ocorra uma desidratação.

“O fato de ingerir muito líquido diminui a desidratação, uma vez que o álcool é diurético, e ainda pode causar vômito e diarreia”, ressaltou a médica.

É importante saber que quanto mais elevado for o nível de álcool no organismo tanto maiores serão as chances de a pessoa entrar em coma alcoólico.

As funções do cérebro, durante o coma alcoólico, são alteradas, a respiração e a consciência ficam mais lentas e o nível de glicose no corpo reduz. Em alguns casos o paciente com esse quadro clínico precisa ser hospitalizado e receber o apoio do setor de cuidados intensivos.

A ingestão de bebida alcoólica também produz efeitos degenerativos no organismo. Um dos órgãos mais afetados é o fígado,  já que é o órgão responsável por retirar o álcool do organismo uma vez que este é ingerido.

Além do fígado, outros órgãos também sofrem as consequências dessa prática, como o estômago por receber grandes quantidades da substância (primeiro órgão a neutralizar essa agressão) e o cérebro que recebe todos os estímulos produzidos por essa substância.

 

O que está por trás do consumo do álcool entre os jovens?
Por Daniel Machado / Produtor do Destrave  

Por trás do consumo, o jovem pode estar escondendo sérios problemas  

Quando encontramos um jovem “enchendo a cara”, logo dizemos: “Ah, é coisa da idade, logo passa”. Cuidado! Por trás do consumo exagerado do álcool a pessoa pode estar escondendo sérios problemas psicológicos, de forma que a bebida surge como fuga de tais problemas.

“No aparelho social a gente vê isso: o jovem buscando a bebida como fuga das ‘questões problemas’ que ele encontra ao seu redor”, diz o psicólogo Marcos Ariel. Segundo o profissional, este comportamento pode ser levado também para a vida adulta e transformar o jovem num adicto em potencial.

Já segundo a psicóloga Elaine Ribeiro, o álcool tem a fama de ser aquela droga que deixa a pessoa mais “solta” e “livre”, e isto mexe com a sua identidade. “O jovem quer ser aceito pelo grupo, ele está buscando a sua identidade e o álcool surge como esta forma de inclusão, já que a droga é aceita e consumida pela sociedade”, salienta a psicóloga.

Outro fator que leva o jovem a consumir cada vez mais o álcool é a questão do “socialmente aceito”, ou seja, desde criança o jovem vê seus familiares bebendo e isto surge como um forte estímulo. “A maioria dos jovens que consomem bebidas alcoólicas começa a fazê-lo dentro de casa e cada vez mais cedo. O “beber socialmente”, geralmente dito pelas famílias, tem um efeito muito mais devastador para um jovem de 15 anos que está em pleno desenvolvimento emocional do que para um adulto”, explica Elaine.

“A maioria dos jovens começam a beber dentro de casa tendo os pais como referência”, Elaine Ribeiro  

Esta afirmação da psicóloga está de acordo com uma pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), na qual 42% dos jovens entre 10 e 12 anos já experimentaram bebidas alcoólicas.

Geralmente, o consumo exagerado do álcool na juventude aparece na fase da adolescência, por se tratar de uma etapa do desenvolvimento em que o jovem está em plena formação da sua identidade e do seu caráter. Nesta fase, surge a necessidade de romper com as normas impostas pelos pais e pela sociedade e de buscar novas aventuras. Mas qual a atitude que os pais devem ter ao perceber que o filho está ultrapassando os limites?

“É importante que os pais exercitem o diálogo desde cedo com o seu filho e não terceirize a educação.

Se o pai se torna referência de diálogo, é possível que o jovem lhe dê respostas positivas diante do problema com o álcool”, explica Marcos Ariel.

Não podemos negar que o problema do álcool na juventude também passa pela educação da família. Mas como esta educação tem sido cada vez mais “terceirizada”, temos o aumento de jovens se afundando no mundo do álcool e, consequentemente, no mundo das drogas.

Se você é jovem e gosta de perder as contas das bebidas que toma no fim de semana, pense bem. Será que por trás das “entortadas de caneco” você não está querendo esconder um vazio existencial, uma falta de sentido na vida?

A influência dos avós na educação dos netos

Hoje, os avós têm um papel importante na educação dos netos diante da realidade dos pais trabalharem fora

Aqui em casa há uma placa que ganhei da minha irmã: “Na casa dos avós tudo pode”. No início pensei que seria deseducador, mas, com o tempo, senti que os meus netos se sentiam orgulhosos com o grau da sua importância para nós. Tudo pode quando eles vêm apenas para passear e não temos a função de educá-los; justamente por isso, fica fácil ser conselheiro, companheiro e contribuir para o desenvolvimento emocional e espiritual. O “domingo” para os netos é dia de diversão, quando podem experimentar e misturar alimentos, tais como batata com leite condensado e comer apenas arroz, porque é o que gostam, mas sem valor nutritivo.

Num mundo conturbado, onde os pais precisam trabalhar para garantir o “melhor” para seus filhos, muitos avós assumem a responsabilidade de ficar com os netos durante a jornada de trabalho de seus filhos.

O tempo de convivência diária e o tipo de relação definem a forma de relacionamento. A responsabilidade cotidiana tem uma forma de tratamento diferente de quem ajuda temporariamente, porque, nesses casos, os avós assumem o papel de educadores. É preciso também ter regras diferentes, para os casos de apoio enquanto os pais trabalham ou quando os avós assumem integralmente a responsabilidade parenteral, em caso de morte ou abandono dos pais.

Para os avós, os efeitos positivos  dessa convivência é que rejuvenescem, sentem-se alegres, reencontram sua utilidade e objetivos de vida. Os efeitos negativos aparecem quando se sentem explorados e sobrecarregados física e economicamente. Em alguns casos, os conflitos entre modelos educacionais causam crises entre os pais e avós, que requer um diálogo para definir as bases da educação.

Para estudar ou trabalhar, deixar os filhos com pessoas que confiam, com laços de parentesco e de amor, propicia tranquilidade na maioria dos casos. Os impactos negativos surgem quando as culturas das famílias são muito diferentes e conflitantes ou por imaturidade dos avós que querem competir com os pais pelo amor da criança.

As crianças são beneficiadas, porque convivem com gerações diferentes, aprendem a valorizar os idosos, mantém o sentimento de pertença familiar, sentem facilidade de negociação com os avós, pois teoricamente pela idade já estão mais maduros para definirem as prioridades do que podem ceder ou não. Os estudos mostram que os avós, mesmo que não possuam formação escolar adequada, fornecessem valores sólidos, apoio emocional e se esforçam para garantir a felicidade dos netos, o que impacta positivamente na vida escolar e afetiva deles. Por outro lado, é preciso um alerta para não ter uma educação permissiva, conflitiva, mimada ou de compensação pela falta dos pais.

Quando os avós dividem com os pais a responsabilidade pela educação, alguns cuidados precisam ser tomados, tais como, definir em conjunto a rotina infantil, respeitar os princípios educacionais dos pais, não criticar os pais diante das crianças. Alguns pais se preocupam se os avós podem deseducar netos, a resposta é sim quando: eles não cumprem o seu papel de pais, os avós discordam e agem diferente dos princípios dos pais e estes não encontram disponibilidade de tempo para introjetar os valores e comportamentos que acreditam serem certos.

Em síntese, nesta convivência entre avós e netos, a família pode se beneficiar se as crianças percebem os pais como responsáveis pela educação e o acolhimento, e os avós como apoiadores que oferecem carinho. Entretanto, pode ser prejudicada quando, nesta relação, existe conflito de papéis e princípios, disputa de poder e falta de amor. É preciso discernimento para os avós estarem perto quando precisam e longe quando pais e filhos estão num momento que pertence só a eles. Ou seja, aquilo que ficar combinado num diálogo franco terá de ser cumprido para não sair caro para a família no final.

Ângela Abdo é coordenadora do grupo de mães que oram pelos filhos da Paróquia São Camilo de Léllis (ES) e assessora no Estudo das Diretrizes para a RCC Nacional. Atua como curadora da Fundação Nossa Senhora da Penha e conduz workshops de planejamento estratégico e gestão de pessoas para lideranças pastorais. Abdo é graduada em Serviço Social pela UFES e pós-graduada em Administração de Recursos Humanos e em Gestão Empresarial. Possui mestrado em Ciências Contábeis pela Fucape. Atua como consultora em pequenas, médias e grandes empresas do setor privado e público como assessora de qualidade e recursos humanos e como assistente social do CST (Centro de Solidariedade ao Trabalhador). É atual presidente da ABRH (Associação Brasileira de Recursos Humanos) do Espírito Santo e diretora, gerente e conselheira do Vitória Apart Hospital.

As mudas do Reino

É dever dos cristãos espalhar boas sementes pelo mundo

Há pessoas com tamanho gosto pelas plantas que se dedicam a recolher, por onde passam, mudas e sementes, para que a vida dada por Deus, na magnífica e variada flora de nossa região, se multiplique por toda parte. Há gente que passa por nossas ruas com carrinhos repletos de madeira, papelão ou ferro velho, para transformar em trocados ou em salário. Os lixões da vida estão repletos de catadores, diante dos quais muitos podem até virar o rosto, mas se esconde ali uma dignidade desconcertante.

E quantos são os homens e mulheres, artistas e poetas, quais trovadores do dia ou da noite, que andam catando versos e compondo melodias feitas de rimas incríveis, carregadas do humor ou da angústia do cotidiano. E não são poucas as pessoas que recolhem imagens, para que dos pincéis dos pintores ou das máquinas fotográficas ou filmadoras passem aos corações a moldura da vida, com rostos e mais rostos.

A crônica da cidade poderia se enriquecer com tantas outras figuras provocantes ou curiosas, todas participantes do agitado malabarismo do viver, que recolhem pedaços de histórias e de coisas, para compor o grande concerto de nossa aventura humana.

Visto do alto, onde se encontra o Senhor, Aquele que está também bem perto de nós, dentro de nós e no meio de nós, o mundo fica até bonito. É que se trata de limpar os olhos para enxergar melhor, para superar o derrotismo dos pessimistas ou a ingenuidade dos que só enxergam a superfície. Há vida pulsando nas veias da humanidade e da terra.

Há um plano de amor com que tudo foi feito pelo Deus, que é amor. De fato, “assim diz o Senhor Deus: Eu mesmo pegarei da copa do cedro, do mais alto de seus ramos arrancarei um rebento e o plantarei sobre um alto e escarpado monte. Eu o plantarei no alto monte de Israel. Ele produzirá folhagem, dará frutos e se tornará um majestoso cedro. Debaixo dele pousarão todos os pássaros, à sombra de seus galhos as aves farão ninhos. E todas as árvores do campo saberão que eu sou o Senhor, que abato a árvore alta e exalto a árvore baixa, faço secar a árvore verde e brotar a árvore seca. Eu, o Senhor, falei e farei” (Ez 17,22-24). Deus é “incorrigível” em Sua mania de fazer jardins e pomares! (cf. Gn 1-3).

A força criadora do amor de Deus faz com que o bem se espalhe e se multiplique. É como “alguém que espalha a semente na terra. Ele vai dormir e acorda, noite e dia, e a semente vai germinando e crescendo, mas ele não sabe como isso acontece” (Mc 4,26-34). Faz parte da vida cristã identificar os sinais da presença de Deus na história humana, olhar ao redor e perceber o bem que se faz, para entender as parábolas da vida que o Senhor continua contando. Em tais novas parábolas, os personagens somos nós mesmos, pois Deus nos chama a sermos sinais de Seu Reino.

Entretanto, com muita propriedade, vem à tona o problema do mal. Desde os primórdios, os seres humanos inventaram mil formas para estragar o jardim plantado por Deus. Até a isso se responde com a belíssima parábola do joio e do trigo (cf. Mt 13,24-43). “Como o joio é retirado e queimado no fogo, assim também acontecerá no fim dos tempos: o Filho do Homem enviará seus anjos e eles retirarão do seu Reino toda causa de pecado e os que praticam o mal” (Mt 13,40-41) Enquanto o mundo for mundo, haverá a misteriosa presença do mal. Identificá-lo dentro e fora de nós e oferecer soluções é tarefa permanente.

Até para denunciar o mal existente, o melhor remédio é espalhar o bem. Vale a máxima de São Francisco de Sales: “Com uma colherinha de mel se atraem mais moscas do que com um tonel de vinagre”. E temos à disposição remédios preciosos: a pregação da conversão, a oração, os sacramentos e o cultivo do “amor mútuo, com todo o ardor, porque o amor cobre uma multidão de pecados” (1 Pd 4,8).

Como cristãos, auguramos que as sementes do bem se espalhem, cresçam e frutifiquem, para que a árvore do Reino de Deus abrigue, como aves do céu, gente de todas as raças e nações. Como nada podemos em nossa fraqueza, suplicamos o socorro da graça de Deus para que possamos querer e agir conforme Sua vontade, seguindo os Dez Mandamentos. Não faz mal sonhar alto com um mundo novo!

Dom Alberto Taveira Corrêa
Arcebispo de Belém – PA

Maria Madalena encontra a si mesma ao encontrar Jesus

Por que choras?

Santa Maria Madalena, aquela que encontra a si mesma ao se encontrar com o Senhor!

“Mulher, por que você está chorando? Quem é que você está procurando?” (Jo 20,15). Quem Maria procurava? Por que ela chorava?

Maria Madalena é a mulher mais citada no Evangelho. É a primeira que faz a experiência com o Cristo Ressuscitado. Era chamada pelos autores monásticos de “enamorada de Deus”. A morte de Jesus era para ela não somente a perda de um líder ou de alguém que ela amava, mas a perda de si mesma. Dela Jesus tinha expulsado sete demônios (cf. Lc 8,2), ou seja, com Ele ela fez a experiência da libertação do mal para o encontro com a vida em Deus.

Na verdade, para Maria, como para todos nós, o encontro com Jesus foi o encontro com si mesma. “Deus é mais íntimo de nós que nós mesmos”, dizia Santo Agostinho. Ele é tão próximo que até os fios de nossas cabeças estão contados (cf. Mt 10,30). Só na verdade de Deus é que, realmente, encontramos nossa verdade. Somente n’Ele sabemos sobre nós e nos conhecemos.

Vivemos num tempo em que os homens estão tão distantes de si que não sabem o caminho de volta para casa. Sem o encontro com o Senhor em si mesmos, eles vivem na exterioridade, distraídos em meio a tantas diversões tecnológicas, a tantos prazeres e barulhos. Santo Agostinho dizia: “Retornai para dentro do vosso coração! Onde quereis ir longe de vós? Retornai da vagabundagem que vos levou para fora do caminho; retornai ao Senhor. Ele está pronto. Primeiro, retorna ao teu coração, tu que te tornaste estranho a ti mesmo, por força de vagabundar fora; não conheces a ti mesmo e procuras aquele que te criou! Volta, retorna ao coração, separa-te do corpo. Regressa ao coração. Lá, examina o que talvez percebas de Deus, porque ali se encontra a imagem de d’Ele; na interioridade do homem habita Cristo”.

Nada contra celulares e ferramentas tecnológicas de comunicação, mas a forma com que os usamos flagra a distância que temos de nós mesmos. Outrora, aquelas paradas, aqueles pequenos vazios do dia a dia eram boas oportunidades de silêncio e solidão, oportunidade de falar ao próprio coração. Hoje, esses vazios são preenchidos com aquelas breves espiadas no Facebook ou um bom momento para ver se há alguma mensagem no WhatsApp. O homem moderno não tem mais tempo para encontrar a si mesmo. Sem Deus, e nesse ritmo de exterioridade, ele vai cada vez mais longe de sua casa.

Sem o encontro com si mesmo surge a falta de sentido à vida, e com ela o desespero. “Cristo revela o homem ao próprio homem”, dizia João Paulo II na Encíclica Redemptor hominis. A verdadeira espiritualidade cristã não nos distancia da própria humanidade; ao contrário, ela nos faz mais humanos. O pecado, ao contrário, nos distancia de nossa identidade, de nós mesmos.

Maria Madalena já tinha feito essa experiência. Na tradição, ela foi vista, muitas vezes, como aquela mulher flagrada em adultério (Jo 8,1-11). Enquanto os homens pegam pedras para apedrejá-la, Jesus escreve algo misterioso no chão. Talvez, ele esteja escrevendo a verdadeira identidade dela. Ele é Deus e n’Ele estava a verdade dela. Ela não é uma adúltera desprezível, mas alguém com dignidade e beleza. Jesus resgata Maria para sua verdade. Talvez seja esse o desespero dela ao procurá-Lo “entre os mortos” no terceiro dia. Se Jesus morreu, com Ele morreu Madalena, sua verdade, sua dignidade.

“Então Jesus disse: ‘Maria’” (Jo 20,16). Ele pronuncia o nome daquela mulher. Ela escuta novamente seu nome e n’Ele sua verdade. A voz de Cristo, que pronuncia nosso nome, é a Palavra de Deus que resgata nossa dignidade. Esteja lá onde estiver sua dignidade denegrida, sua beleza destruída, sua identidade desfigurada pelo pecado, saiba que Cristo está vivo. Se você procurar por Ele, o Senhor restituirá seu verdadeiro nome. Maria, por sua vez, retoma quem é diante de Deus ao pronunciar “Rabonni” (Mestre). Quem é Maria? É a mulher que encontra o profundo sentido de sua vida n’Aquele que é seu Mestre e que está vivo.

“Eu Vi o Senhor!” (Jo 20, 18b), sai Maria anunciando aos discípulos de Jesus. Ele não era um fantasma irreal. Para ela, Ele é a certeza de que ela nunca mais será a mulher dos sete demônios ou uma adúltera; ela será eternamente ela mesma, simplesmente Maria Madalena.

André Botelho
Casado, pai de três filhos. Com formação em teologia e filosofia Tomista, Fundador e Moderador Geral da Comunidade Católica Pantokrator, onde vive em comunidade de vida e dedica-se integralmente à sua obra de evangelização.
Contato: facebook.com/andreluisbotelhodeandrade

Casamento: estou preparado para dar esse passo?

Decisão

Alguns critérios nos ajudam a discernir se estamos preparado para dar um passo para o casamento

Faltando pouco tempo para meu casamento, pergunto-me: existe hora certa para se casar?
(veja bem: já estou com dia e hora marcada para tal acontecimento)

Uma decisão como essa trata-se de algo sem volta, algo para sempre, que muda sua história e o lança em uma dimensão de eternidade. Não pode ser, então, uma escolha indecisa; é necessário um profundo discernimento e se faz urgente uma parada para se pensar: é a hora?

Mas quais critérios devem ser utilizados para se firmar em tal postura? Quais os parâmetros para se decidir para sempre? É possível fazer esse compromisso definitivo?

Antes de dar sequência a esse assunto, vejo que, primeiro, precisamos entender os níveis pelos quais o amor humano passa até ser, de fato, um amor cristão de esposo para esposa. Sem isso, não se tem critérios para dizer “é a hora”! Para não ficar um texto longo, deixo aqui o link de uma pregação que fiz, na qual falo dos quatro níveis do amor segundo São João Paulo II:

Muito bom se você leu! Agora, se não leu, ficará um pouco difícil entender os três critérios básicos para ver se é a hora de se casar, pois só um amor que atingiu os quatro níveis será capaz de abranger as necessidades de um matrimônio autêntico.

Não sou um especialista no assunto, mas, a partir das leituras que fiz, da formação à qual me sujeitei a viver e baseando na Doutrina Católica, digo: a hora certa para se casar é quando se tem a disposição para morrer, quando se possui um amor desinteressado e tem-se a capacidade de dar a vida.

Você deve estar se perguntando: “disposição para morrer”? Como assim? Se quero me casar, é para ser uma questão de vida, não de morte! Primeiro e grande erro.

Primeiro critério é casar é ter disposição de morrer. Morrer para uma vida de solteiro, morrer para uma vida de egoísmo, para uma visão só; mas também é abrir-se para uma visão do mundo a dois. Quem se casa sem a disposição para morrer pode, no casamento, tornar-se “assassino” do outro, pois, em vez de morrer, pode assumir a postura de matar os sonhos e projetos, as esperanças e os desejos do outro.

Segundo critério é ter um amor desinteressado. Quando falo isso, não quero dizer ter uma postura passiva, mas ter um amor que não busca seu próprio interesse, mas que sempre está atento ao interesse do outro, o que o outro pensa, vive e sente . Sem um amor desinteressado não consigo ver o outro como sujeito, mas como objeto de satisfação de meus interesses.

O terceiro e para mim um dos centrais, é a capacidade de dar a vida. Neste caso, é necessário pensar essa vida concreta, pensar a abertura aos filhos, o projeto de fecundidade física, mas, além de tudo, uma vida que dá a vida todos os dias, que busca o nascimento constante do homem novo. Se, no primeiro critério, a questão é a morte do homem velho, aqui, neste terceiro critério, é questão de vida, nascimento do homem novo! Quem, ao se casar, não tem vontade de ser pai e mãe, não entendeu o sentido do casamento; logo, não é hora ainda de comprometer-se para sempre. O mundo carece e padece, pois faltam pais e mães de verdade.

Muitos podem ter parado para ler esse texto pensando que eu falaria em tempo cronológico, mas eu o chamei a uma reflexão além do tempo de segundos e minutos; na verdade, um pensamento sobre o essencial. Com isso, você pode usar os resultados de tais reflexões no concreto da vida e até nas demandas de um noivado. Por exemplo: quando o casal chega ao noivado, há um tanto de coisas que precisam ser vistas: móveis, casa, lugar para a  lua de mel etc. Tudo isso é lindo, mas pode se tornar um inferno se o casal não tiver disposição, às vezes, de morrer na sua vontade sobre a cor de cozinha preta e branca, e deixar a cozinha azul e branco da esposa viver.

Se não vivo um amor desinteressado por ela, será difícil entender que o vestido de noiva diz algo essencial de seus sonhos, e que preciso acolher as lágrimas quando ela pensar nele. Se não estou aberto à vida, posso culpá-la por já engravidar na lua de mel e não ter seguido à risca o método natural.

Percebe que mais do que a hora de relógio, há uma hora do coração que precisa ser vista?

Voltando ao início do texto, digo-lhe que estou a pouco tempo do meu casamento e na luta para viver bem este período. Abro-me, acima de tudo, a Cristo, pois só com Ele aprendo a ser noivo e esposo, e assim ter a disposição de dar a vida sempre! Ele é o modelo do noivo que dá a vida pela noiva, pois se entregou pela Sua noiva, a Igreja, e Sua entrega foi para sempre, foi definitiva!

Adriano Gonçalves
Mineiro de Contagem (MG), é membro da Comunidade Canção Nova. Cursou Filosofia no Instituto da Comunidade e é acadêmico de Psicologia na Unisal (Lorena). Atua na TV Canção Nova como apresentador do programa Revolução Jesus. Mais que um programa, o Revolução Jesus é uma missão que desafia o jovem a ser santo sem deixar de ser jovem. Dessa forma, propõe uma nova geração: a geração dos Santos de Calça Jeans. É autor dos seguintes livros: “Santos de Calça Jeans”, “Nasci pra Dar Certo!” e “Quero um Amor Maior”

O Dom da Amizade

Muitas amizades terminam porque nunca começaram de verdade

Antoine de Saint-Exupéry, autor do livro ‘O Pequeno Príncipe’, escreve: “Num mundo que se faz deserto, temos sede de encontrar um amigo”. Muitas vezes, vivemos em meio a multidões e nos sentimos sozinhos. Falta-nos a presença de um amigo que ouça nossas dores e cure, com o bálsamo das palavras de conforto, as feridas de nossa alma. Amigo verdadeiro sabe cuidar do outro sem deixar de cuidar de si mesmo. Somente quem descobriu, na vida, uma verdadeira amizade saberá valorizar este dom tão precioso e valioso quanto um diamante.

A melhor definição do que seja amizade encontramos nas Sagradas Escrituras: “Um amigo fiel é uma poderosa proteção: quem o achou descobriu um tesouro. Nada é comparável a um amigo fiel; o ouro e a prata não merecem ser postos em paralelo com a sinceridade da sua fé. Um amigo fiel é um remédio de vida e imortalidade; quem teme ao Senhor achará esse amigo. Quem teme o Senhor terá também uma excelente amizade, pois o seu amigo lhe será semelhante” (Eclo 6,14ss). As verdadeiras amizades são tão preciosas que são comparadas pelo Autor Sagrado como um tesouro. Algo valioso que, uma vez encontrado, deve ser cuidado e valorizado.

Amigos nascem de muitas semelhanças, mas também de diferenças. Na escola da vida aprendemos a reconhecer um amigo pela presença silenciosa nos momentos de dor. Amigo verdadeiro sabe se alegrar com as nossas conquistas. Amizade que cultiva a inveja perde o seu sentido e sufoca a raiz do amor gratuito que fortalece a árvore da partilha que cultivamos.

Amizade verdadeira constrói pontes e derruba os muros que separam e dividem. Um amigo de verdade sabe caminhar conosco nas noites sem as estrelas da esperança, e nos guia com a luz do seu amor pelo caminho do bem e da verdade. Amigo sincero fala-nos com carinho, mas não deixa de nos dizer a verdade, mesmo que, muitas vezes, não estejamos dispostos a ouvir.

Amigo verdadeiro sabe respeitar o nosso tempo e não nos sufoca com seu excesso de proteção. Ele sabe que estar longe e tão importante quanto estar perto. Ele nos compreende quando preferimos o silêncio das reflexões ao barulho das palavras sem sentido.

Uma amizade madura nasce no tempo e se cultiva por toda a vida. No tesouro da vida, a amizade deve ser cuidada com carinho e ternura. Quem descuida de um amigo abandona um tesouro valioso e deixa de lado um pouco de si mesmo que foi guardado no coração da outra pessoa. A melhor maneira de valorizarmos uma amizade é ser presença e não ser inconveniente.

Muitas amizades terminam, porque nunca começaram de verdade. São relações interpessoais cultivadas de maneira superficial. Amizade que tem sua base no amor conhece a história do outro e, por isso mesmo, sabe ser misericordioso com quem nos confia partes de sua vida em retalhos de lágrimas e sorrisos.

Jesus confiou tão verdadeiramente em Seus discípulos que não os chamava mais de servidores, mas sim de amigos: “Eu já não chamo vocês de empregados, pois o empregado não sabe o que seu patrão faz; eu chamo vocês de amigos, porque eu comuniquei a vocês tudo o que ouvi de meu Pai” (cf. Jo 15,15). A vida e a missão de Jesus não eram segredos para aqueles que conviviam com Ele diariamente. Jesus sabia que somente aqueles que acolhem a vida do outro na sua própria vida são amigos verdadeiros. O amor de Jesus por cada amigo foi tão grande que a Sua vida já não seria mais Sua, mas continuaria para sempre viva no coração de cada um daqueles que o seguiam, e, no paraíso, esta vida doada e partilhada seria contemplada em um abraço amigo que iria durar toda uma eternidade.

Na amizade de Jesus por cada um de nós encontramos o caminho para uma amizade verdadeira que se doa, gratuitamente, por aqueles que fazem parte de nossa história. Amizade verdadeira tem em Cristo o seu fundamento de amor, caridade, entrega e partilha.

Padre Flávio Sobreiro
Bacharel em Filosofia pela PUCCAMP. Teólogo pela Faculdade Católica de Pouso Alegre – MG. Vigário Paroquial da Paróquia Nossa Senhora do Carmo (Cambuí-MG). Padre da Arquidiocese de Pouso Alegre – MG.

Seja amigo dos amigos dos seus filhos

Um bom teste para os pais como educadores

Um erro que muitos pais cometem, e que os separa dos filhos, é rejeitar os amigos deles e não permitir que eles os tragam para casa. Certas mães, por exemplo, para evitar as desordens que os filhos normalmente fazem, quase os expulsam de casa com os amigos. Mas saibam que estão fazendo péssimo negócio.

Para ser amigo do seu filho, seja também amigo dos amigos dele. O seu filho gosta dos amigos e vai ficar zangado caso eles sejam rejeitados por você. Seja inteligente! Esteja com eles, ganhe a confiança deles. Essa atitude vai ajudá-lo a conhecer as amizades de seus filhos, a fim de que possa evitar as más companhias que corrompem os costumes.

É muito melhor ter os filhos perto de nós em casa, com os amigos, mesmo fazendo alguma coisa que não seja inteiramente do nosso agrado, do que tê-los longe dos olhos.

Um bom teste para os pais saberem como estão como educadores, é sentir a proximidade que têm dos amigos dos seus filhos. Se os amigos deles se relacionam bem com você, isto é um bom sinal.

O jardim da nossa casa, durante os anos de infância dos nossos filhos, foi o campinho de futebol deles, onde reuniam os amigos para jogar. Preferimos deixar para plantar as flores depois que eles crescessem, já que eles sempre foram as nossas flores mais importantes. Hoje, o jardim e o quintal de nossa casa estão cheios de plantas e flores, mas confesso que eu preferia aquelas “flores” que falavam, corriam, se machucavam… e nos abraçavam. Flores nós podemos comprar a qualquer tempo, filhos não.

Seja inteligente, traga os filhos para perto de você; se preciso, traga-os com os amigos, especialmente se você tem filho único.

(Extraído do livro “Educar pela conquista e pela fé”)
Prof. Felipe Aquino
felipeaquino@cancaonova.com

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda