Posts by origy-psn

Papa inicia ciclo de catequeses sobre crisma

http://www.a12.com/redacaoa12/santo-padre/papa-inicia-ciclo-de-catequeses-sobre-crisma

O Santo Padre inicia hoje (23), um novo ciclo de catequeses, desta vez dedicado ao sacramento da Crisma, também chamado Confirmação, quando os fiéis recebem o dom do Espírito Santo.

Na Audiência Geral, o Pontífice disse que Jesus confiou uma grande missão: ser sal da terra e luz do mundo. Segundo ele, este dom é recebido justamente no Sacramento da Confirmação. “Confirmação porque confirma o Batismo e reforça a sua graça; assim também “Crisma” porque recebemos o Espírito mediante a unção com o “crisma” – óleo consagrado pelo Bispo – termo que remete a “Cristo”, o Ungido pelo Espírito.

Francisco ressalta que renascer para a vida divina no Batismo é o primeiro passo, mas depois é preciso se comportar como filhos de Deus, ou seja, conformar-se ao Cristo que atua na santa Igreja.

“Sem a força do Espírito Santo não podemos fazer nada. Assim como toda a vida de Jesus foi animada pelo Espírito, assim também a vida da Igreja e de cada seu membro está sob a guia do mesmo Espírito.”

Francisco ressaltou o modo com o qual Jesus se apresenta na sinagoga de Nazaré, a sua a carteira de identidade, isto é, Ungido pelo Espírito. «O Espírito do Senhor está sobre mim; por isso me consagrou com a unção e me enviou a levar aos pobres o alegre anúncio » (Lc 4,18).

O “Respiro” do Cristo Ressuscitado enche de vida os pulmões da Igreja. Pentecostes é para a Igreja aquilo que para Cristo foi a unção do Espírito recebida no Jordão, isto é, o impulso missionário a viver a vida pela santificação dos homens, a glória de Deus.

No momento de fazer a unção, explicou ainda Francisco, o bispo diz estas palavras: “Receba o Espírito Santo que lhe foi confiado como dom”.

“É o grande dom de Deus”, finalizou o Pontífice. “Todos nós temos o Espírito dentro, o Espírito está no nosso coração, na nossa alma. E o Espírito nos guia para que nos tornemos sal e luz na medida certa aos homens. O testemunho cristão consiste em fazer somente e tudo aquilo que o Espírito de Cristo nos pede, concedendo-nos a graça de o realizar.”

O Espírito Santo é a força divina que muda o mundo, afirma Papa

Solenidade de Pentecostes

Domingo, 20 de maio de 2018, Da redação, com Boletim da Santa Sé

Na Solenidade de Pentecostes, no Vaticano, Francisco comparou o Espírito Santo a uma forte rajada de vento que traz mudança

Papa Francisco durante homilia da Santa Missa na Solenidade de Pentecostes, no Vaticano/ Foto: Reprodução Youtube Vatican News

Na Solenidade de Pentecostes celebrada neste domingo, 20, na Basílica Vaticana, Papa Francisco comparou a vinda do Espírito Santo sob os apóstolos a uma forte rajada de vento. Segundo o Santo Padre, a rajada de vento sugere uma força grande, mas não finalizada em si mesma. “É uma força que muda a realidade. De fato, o vento traz mudança (…) o mesmo, embora a nível muito diferente, faz o Espírito Santo: Ele é a força divina que muda, que muda o mundo”, afirmou.

De acordo com o Pontífice, o Espírito Santo penetra nas situações e as transforma, mudando os corações e as vicissitudes. Francisco aproveitou para recordar as palavras de Jesus aos apóstolos – “Ides receber uma força, a do Espírito Santo (…) e sereis minhas testemunhas” (At 1, 8) – e sublinhou o medo enfrentado pelos discípulos mesmo depois da ressurreição do Mestre, e que só foi transformado pelo Espírito. “De hesitantes, tornam-se corajosos e, partindo de Jerusalém, lançam-se até aos confins do mundo”, disse.

“O Espírito liberta os espíritos paralisados pelo medo. Vence as resistências. A quem se contenta com meias medidas, propõe ímpetos de doação. Dilata os corações mesquinhos. Impele ao serviço quem se desleixa na comodidade. Faz caminhar quem sente ter chegado. Faz sonhar quem sofre de tibieza. Esta é a mudança do coração. Muitos prometem estações de mudança, novos começos, renovações portentosas, mas a experiência ensina que nenhuma tentativa terrena de mudar as coisas satisfaz plenamente o coração do homem. A mudança do Espírito é diferente: não revoluciona a vida ao nosso redor, mas muda o nosso coração”, comentou o Papa.

O Santo Padre atribuiu também ao Espírito Santo a capacidade de manter jovem o coração, impedindo o envelhecimento interior. Segundo o Pontífice, a terceira pessoa da Trindade Santa renova os corações, transformando todos de pecadores em perdoados, de culpados e escravos do pecado, em livres e alegres com um coração de paz.

Francisco frisou como aprendizado da Solenidade de Pentecostes a busca pela verdadeira mudança. “Quando nos encontramos por terra, quando nos debatemos sob o peso da vida, quando as nossas fraquezas nos oprimem, quando avançar é difícil e amar parece impossível. Então servir-nos-ia um forte reconstituinte: é Ele, a força de Deus. É Ele – como professamos no Credo – que dá a vida. Como nos faria bem tomar diariamente este reconstituinte de vida! Dizer, ao acordar: Vinde, Espírito Santo, vinde ao meu coração”, suscitou.

Além dos corações, o Papa destacou que, como o vento, o Espírito Santo sopra por todo o lado e chega às situações, mesmo as mais imprevistas. O Santo Padre prosseguiu citando o livro dos Atos dos Apóstolos, no qual é possível ver um dinamismo contínuo, rico de surpresas do Espírito, e advertiu sobre os que buscam a autoconservação e não vão ao encontro dos distantes.

“Muitas vezes, precisamente nos períodos mais escuros, o Espírito suscitou a santidade mais luminosa! Porque Ele é a alma da Igreja, sempre a reanima com a esperança, enche-a de alegria, fecunda-a de vida nova, dá-lhe rebentos de vida”, afirmou o Pontífice. O Santo Padre continuou pedindo aos fiéis que não se cansem de convidar o Espírito para os ambientes onde estão inseridos, e antes das atividades.

O Papa sublinhou que o Espírito dá intimidade com Deus, e força interior para avançar, mas, ao mesmo tempo, é força centrífuga, isto é, impele para o exterior. “Aquele que conduz ao centro é o Mesmo que envia para a periferia, rumo a toda a periferia humana; Aquele que nos revela Deus impele-nos para os irmãos. Envia, torna testemunhas e, para isso, infunde amor, benignidade, bondade, mansidão. Somente no Espírito Consolador proferimos palavras de vida e encorajamos verdadeiramente os outros. Quem vive segundo o Espírito permanece nesta tensão espiritual: encontra-se inclinado conjuntamente para Deus e para o mundo”, comentou.

Ao final de sua homilia, Francisco pediu o Espírito Santo sobre os fiéis, rogando: “Soprai nos nossos corações e fazei-nos respirar a ternura do Pai. Soprai sobre a Igreja e impeli-a até aos últimos confins, para que, levada por Vós, nada mais leve senão Vós. Soprai sobre o mundo o suave calor da paz e a fresca restauração da esperança. Vinde, Espírito Santo, mudai-nos por dentro e renovai a face da terra”, concluiu.

Derramamento do Espírito Santo
Papa no Regina Coeli: Santidade não é privilégio, mas a vocação de todos

Domingo, 20 de maio de 2018, Da redação, com Boletim da Santa Sé

Em reflexão que antecede oração do Regina Coeli, Francisco recordou importância da Solenidade de Pentecostes para a história da santidade cristã

Da janela do Palácio Apostólico do Vaticano, Papa Francisco iniciou na manhã deste domingo de Pentecostes, 20, a reflexão que antecede a oração do Regina Coeli. Aos fiéis reunidos na Praça de São Pedro, o Pontífice recordou a importância da vivência do derramamento do Espírito Santo sobre os apóstolos e os outros discípulos reunidos em oração com a Virgem Maria no Cenáculo (cf. Atos 2 : 1-11). “Naquele dia começou a história da santidade cristã, porque o Espírito Santo é a fonte de santidade, que não é privilégio de poucos, mas a vocação de todos”, afirmou.

Francisco recordou que, no batismo, todos os cristãos são chamados a participar da mesma vida divina de Cristo e, com a Confirmação – a Crisma —, tornam-se testemunhas no mundo. O Papa seguiu citando um trecho de sua recém-lançada Exortação Apostólica, a Gaudete et exsultate: “O Espírito Santo derrama a santidade em todos os lugares no santo povo fiel de Deus” (Gaudete et exsultate , 6).

O Santo Padre retomou também os desígnios de santidade, anunciado pelos antigos profetas. “Vou colocar meu espírito dentro de você e fazê-lo viver de acordo com as minhas leis e vou fazer você observar e colocar em práticas minhas normas. […] tu serás o meu povo e eu serei o teu Deus”(36: 27-28), afirmou o Papa ao citar a passagem de Ezequiel.

“Hoje é a festa do derramamento do Espírito. Daquele dia de Pentecostes, e até o fim dos tempos, essa santidade, cuja plenitude é Cristo, é dada a todos os que se abrem à ação do Espírito Santo e se esforçam para serem dóceis a Ele. É o Espírito que nos faz experimentar uma alegria plena. Ao entrar em nós, o Espírito Santo derrota a secura, abre os corações para a esperança e estimula o amadurecimento interior no relacionamento com Deus e com o próximo”, sublinhou Francisco.

O Papa seguiu citando a frase de São Paulo: “O fruto do Espírito é o amor, a alegria, a paz, a magnanimidade, a bondade, a fidelidade, a mansidão e o domínio de si” ( Gal 5, 22 ). O Pontífice encerrou sua reflexão pedindo à Virgem Maria uma Igreja renovada em Pentecostes, uma juventude renovada para testemunhar a alegria de viver o Evangelho e a efusão, em todos os cristãos, de um profundo desejo de santidade.

Ser amigo do Espírito Santo

“Crer no Espírito é, portanto, professar que o Espírito Santo é uma das Pessoas da Santíssima Trindade, consubstancial ao Pai e ao Filho, «adorado e glorificado com o Pai e o Filho» (4). É por isso que tratamos do mistério divino do Espírito Santo na «teologia» trinitária. Portanto, aqui só trataremos do Espírito Santo no âmbito da «economia» divina” (Catecismo da Igreja Católica, n. 685).

Essa é a experiência de nossa fé, sendo uma Pessoa, nós podemos nos relacionar com Ele [Espírito Santo], ser amigos, próximos e íntimos d´Ele, porque não dizer. E é exatamente isso que essa Pessoa da Trindade deseja ardentemente de nós para poder nos revelar o amor do Pai e do Filho e o conhecimento dos dois. Esse é o primeiro grande benefício de sermos amigos dessa Pessoa Divina e nos aproximarmos d´Ele.

“O Espírito Santo, pela sua graça, é o primeiro no despertar da nossa fé e na vida nova que consiste em conhecer o Pai e Aquele que Ele enviou Jesus Cristo” (CIC n. 684).

O Espírito Santo de Deus é o nosso mestre de vida de oração, Ele nos ensina a rezar como convém, isto é, a alcançar na oração a vontade de Deus, que alimenta e plenifica a nossa alma. “Da mesma forma, o Espírito vem em socorro de nossa fraqueza. Pois não sabemos o que pedir nem como pedir; é o próprio Espírito que intercede em nosso favor, com gemidos inefáveis” (Rom 8, 26).

“Ninguém conhece o que há em Deus, senão o Espírito de Deus” (I Cor 2, 11). Ora, o Espírito, que O revela, faz-nos conhecer Cristo, seu Verbo, sua Palavra viva; mas não Se diz a Si próprio. “Aquele que falou pelos profetas” faz-nos ouvir a Palavra do Pai. Mas a Ele, nós não O ouvimos. Não O conhecemos senão no movimento em que Ele nos revela o Verbo e nos dispõe a acolhê-Lo na fé” (Catecismo da Igreja Católica, n. 687).

Aproximar-nos desta Pessoa Divina e ser amigos d´Ele nos faz conhecer Sua Palavra e o Seu poder, só pelo Espírito Santo podemos dizer: Jesus Cristo é o Senhor. E pelo mesmo Espírito conhecer e experimentar o amor de Deus Pai.

O primeiro grande fruto da amizade com o Espírito Santo é a experiência do amor de Deus e a salvação em Jesus Cristo, proclamando Seu senhorio. Ninguém será capaz de dizer: “Jesus é Senhor”, a não ser sob influência do Espírito Santo” (cf. I Cor 12,3b).

Ele nos purifica dos nossos pecados. Manda teu espírito, são criados, e assim renovas a face da terra (Sl 104, 30). Ilumina e abre a nossa inteligência: o Espírito Santo que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo (cf. Jo 14,26). O Espírito Santo nos ensina a ser dóceis e a obedecer aos mandamentos do Senhor: Porei em vós o meu espírito e farei com que andeis segundo minhas leis e cuideis de observar os meus preceitos (cf. Ez 36,27).

Este Amigo Divino confirmará a esperança da vida eterna, pois Ele é o penhor da herança dada por Cristo Jesus: Nele acreditastes e recebestes a marca do Espírito Santo prometido, que é a garantia da nossa herança, até o resgate completo e definitivo, para louvor da sua glória (Ef 1, 13-14). Ele revela aos nossos corações que de Deus nós somos filhos, devolve a dignidade e a convivência perdida pelo pecado original: E a prova de que sois filhos é que Deus enviou aos nossos corações o Espírito do seu Filho, que clama: “Abbá, Pai!”  (Gl 4,6).

Ele é o nosso conselheiro nas dúvidas e nos mostra qual a vontade de Deus: Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às Igrejas. ´Ao vencedor darei como prêmio comer da árvore da vida, que está no paraíso de Deus’ (Ap 2,7). Anima-nos e levanta-nos do abatimento: Deu-me o Senhor DEUS uma língua habilidosa para que aos desanimados eu saiba ajudar com uma palavra. Toda manhã ele desperta meus ouvidos para que, como bom discípulo, eu preste atenção (Is 50,4).

Ele é o nosso advogado contra o mundo, defensor contra o pecado e principalmente nos defende de nós mesmos quando não conhecemos os desígnios de Deus: E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará um outro Defensor, para que permaneça sempre convosco: o Espírito da Verdade, que o mundo não é capaz de receber, porque não o vê nem o conhece. Vós o conheceis, porque ele permanece junto de vós e estará dentro de vós (cf. Jo 14,16-17).

Sendo amigos do Espírito Santo, recorrendo a Ele, pedindo o socorro do Seu auxílio, chegaremos à vontade do Pai, cuja missão é imprimir em nossa alma, em nossa vida a SANTIDADE: eleitos conforme a presciência de Deus Pai e pela a santificação do Espírito, para obedecerem a Jesus Cristo e serem aspergidos com o seu sangue (I São Pedro 1,2). Esta é a vontade de Deus: a vossa santificação (I Ts 4,3).

Digo, pois: deixai-vos conduzir pelo Espírito, o fruto do Espírito é caridade, alegria, paz, paciência, afabilidade, bondade, fidelidade, brandura, temperança. Contra estas coisas não há lei (cf. Gl 5, 16. 22-23).

Imagine ter um amigo tão virtuoso e cheio de santidade disposto a dividi-la com você. Comecemos agora a falar com Ele:

Vem, Espírito Criador!

Vinde, Espírito Criador, a nossa alma visitai

e enchei os corações com vossos dons celestiais.

Vós sois chamado o Intercessor de Deus excelso dom sem par,

a fonte viva, o fogo, o amor, a unção divina e salutar.

Sois o doador dos sete dons e sois poder na mão do Pai,

por Ele prometido a nós, por nós seus feitos proclamai.

A nossa mente iluminai, os corações enchei de amor,

nossa fraqueza encorajai, qual força eterna e protetor.

Nosso inimigo repeli, e concedei-nos a vossa paz,

se pela graça nos guiais, o mal deixamos para trás.

Ao Pai e ao Filho Salvador, por vós possamos conhecer

que procedeis do Seu amor, fazei-nos sempre firmes crer. Amém!

Por Padre Luizinho – Comunidade Canção Nova

Fonte: site Canção Nova

O Espírito Santo e seus Dons

O que podemos e devemos fazer para que o Espírito de Deus venha a nós e nos satisfaça com Seus dons? Quais devem ser nossas atividades e disposições interiores para atrair e receber ao Espírito Santo?

1- Uma primeira disposição: Deveríamos despertar ainda mais em nossos corações o desejo pelo Espírito Santo e Seus dons. É o mesmo desejo que tinham os apóstolos e a Santíssima Virgem quando estavam reunidos no cenáculo esperando o Espírito Santo prometido. É a súplica é: Vem, Espírito Santo! Esperamos-Te com ânsias, porque somos tão débeis, porque necessitamos Teu poder transformador.

Deveríamos despertar profundos afetos de ânsias para que Ele tome em Suas mãos nossa educação, nossa transformação em autênticos filhos de Deus, em homens simples com alma de criança. Por isso, temos que chegar a ser homens e mulheres que anelam pelo Espírito de Deus.

2- Uma segunda disposição: Devemos esforçar-nos mais para estar em silêncio, para estar sós e tranquilos interiormente. Trata-se de um isolamento e uma solidão repleta de Deus. As forças da alma devem estar concentradas não em nós, mas em Deus. Somente assim poderemos escutar o que o Espírito Santo nos sopra. Se ao nosso redor e, sobretudo, se em nosso interior, existe tanto ruído, tantas vozes alheias, tanto espírito mundano, então não poderemos escutá-Lo. E se não O escutamos, tampouco saberemos o que Ele deseja de nós e nos sugere. E assim nunca vamos perceber Sua presença em nossa alma nem vamos acreditar em Sua atuação e influência em nossa vida.

3- Outra disposição é a oração humilde. Diz o Padre: “Parece-me que chegou o momento em que iremos juntar as mãos e orar. Necessitamos muito mais de oração que de exercícios. Certamente, isso não quer dizer que devamos deixar de praticar o amor filial. Mas sabendo que só possuímos as velas e que é o Espírito Santo quem deve insuflá-las, nos sentimos em dependência total diante de Deus. Devemos cultivar, então, o heroísmo da oração humilde”. Havemos de ser mestres da oração e da humildade.

4- Uma última disposição que atrai o Espírito Santo é o espírito mariano. Sabemos que a Virgem Maria, no Dia de Pentecostes, encontrou-se no meio dos apóstolos. E não duvidamos que, sobretudo, por sua poderosa súplica maternal o Espírito Divino veio sobre cada um deles. E assim também nós devemos unir-nos a ela na espera do Espírito Santo de Deus.

Haveremos escutado alguma vez as palavras de São Luís Maria Grignion de Montfort, que o padre-fundador repetia tantas vezes: O Espírito Santo quisera encontrar nas almas a Santíssima Virgem, quisera encontrar atitude e espírito marianos, quisera encontrar um amor profundo a ela. E quando Ele descobre numa alma a Maria, então não há alternativa que penetrar nesta alma com seus dons e realizar milagres de transformação.

E a causa disso? Como na Encarnação o Espírito Santo e a Virgem Santíssima colaboraram para que nascesse Jesus, assim o Espírito de Deus quer também hoje em dia cooperar com Maria, para que Cristo, o Filho do Pai, nasça e viva em cada alma. Por isso, não é casualidade que o Padre nos convida a ampliar nossa Aliança de Amor celebrando essa mesma Aliança também com o Espírito Santo. Então, Ele nos dará Seus dons, o dom da sabedoria, para que todos possamos conquistar o espírito filial.

Por Padre Nicolás Schwizer – Shoenstatt mov.apostólico
Fonte: Canção Nova

Dia das mães na Pastoral da Criança

Símbolo de amor e ternura, presença divina em nossas casas, vidas, escolas, igrejas, empresas, presença na coordenação e na execução de políticas públicas, presença, presença e presença.
Também, e principalmente nas Vilas, as mães são o suporte, a base e o esteio das precárias famílias que há muito vem mudando e assumindo novos e perigosos formatos.
Mães heroínas são elas – nas Vilas.
Sofrem, passam muitas necessidades, mal sabem ler e escrever, quando sabem. Muitas vezes são maltratadas dentro de suas casas, outras vezes testemunham maus tratos e violência com seus filhos. Muitos desses filhos têm somente a presença de suas mães e algumas vezes dos voluntários da Pastoral da Criança, como exemplos de carinho, atenção e um pouquinho do lado bom da vida.
Se o pai desiste da luta e cai na vida, a mãe não abandona o filho.
Até mesmo Deus, enquanto homem, teve Mãe e a honrou eternizando-a.
Santa Maria, Mãe de Deus, da Igreja e nossa Mãe!
No dia 12 de maio, a Pastoral da Criança da Paróquia Nossa Senhora da Piedade, com sua nova coordenadora – Marinês Zwir, suas líderes e voluntárias: Isabel, Marlete, Silvana e Rosinha, estiveram na Vila Martim Pilger homenageando as mamães da Vila e levando um pouco de conforto, carinho e alento às famílias do local. Na casa muito humilde de Dona Leila, uma das heroínas locais, a Pastoral solenizou e confraternizou com as mães e seus filhos. As mães foram agraciadas com pequenos mimos, muitos beijos, abraços e sorrisos – como Jesus faria se estivesse lá naquele dia. Certamente Ele estava!
Parabéns mamães!
Novo Hamburgo, 12 de maio de 2018.

Em um dia como hoje, Santa Teresinha do Menino Jesus foi canonizada

Por María Ximena Rondón
https://www.acidigital.com/noticias/em-um-dia-como-hoje-santa-teresinha-do-menino-jesus-foi-canonizada-79295

Santa Teresinha do Menino Jesus / Foto: Domínio Público

REDAÇÃO CENTRAL, 17 Mai. 18 / 01:45 pm (ACI).- Em um dia como hoje, há 93 anos, o Papa Pio XI canonizou Santa Teresinha do Menino Jesus, também conhecida como Santa Teresa de Lisieux, Doutora da Igreja e Padroeira das Missões.

Esta carmelita francesa morreu em 30 de setembro de 1897, aos 24 anos. Um ano depois, foi publicado o livro “História de uma alma”, baseado em seus escritos, o qual revela o intenso amor que ela professava por Jesus.

A religiosa foi beatificada pelo Papa Pio XI em 29 de abril 1923 e, em 17 de maio de 1928, foi canonizada pelo mesmo Papa.

Em sua homilia, Pio XI indicou que a santa francesa “o Espírito de verdade lhe comunicou e manifestou o que coube esconder ‘aos sábios e entendidos’ e revelar ‘aos pequeninos’”.

Destacou que, “de fato, ela – segundo o testemunho do nosso Predecessor – foi dotada de tal ciência das coisas celestes a ponto de indicar aos outros a via correta da salvação. E esta participação abundante na divina luz e na divina graça acendeu em Teresa um incêndio tão grande de caridade que, portando-a continuamente quase fora do corpo, por fim, a consumou, de modo que, pouco antes de deixar a vida, pôde candidamente declarar que ‘não havia dado a Deus nada mais do que amor’”.

O Santo Padre também disse sobre seus escritos que, “difundidos em todo o mundo, ninguém lê sem querer reler mais e mais vezes, com alegria máxima para a alma e com fruto”.

Santa Teresinha do Menino Jesus foi proclamada Doutora da Igreja por São João Paulo II em 19 de outubro de 1997.

Naquele dia, o Pontífice polonês destacou que “entre os ‘Doutores da Igreja’, Teresa do Menino Jesus e da Santa Face é a mais jovem, mas o seu ardente itinerário espiritual demonstra muita maturidade, e as intuições da fé expressas nos seus escritos são tão vastas e profundas, que a tornam digna de ser posta entre os grandes mestres espirituais”.

“O desejo que Teresa exprimiu, de ‘passar o seu Céu fazendo o bem sobre a terra’, continua a realizar-se de modo maravilhoso. Obrigado, ó Pai, porque hoje a tornais próxima de nós a novo título, para louvor e glória do Vosso nome nos séculos”, acrescentou.

Os pais desta doce religiosa, Luis Martin e Zélia Guérin, foram canonizados pelo Papa Francisco em 18 de outubro de 2015 em Roma, durante o Sínodo da Família.

Papa adverte contra os que tentam converter o povo em uma “massa” manipulável

https://www.acidigital.com/noticias/papa-adverte-contra-os-que-tentam-converter-o-povo-em-uma-massa-manipulavel-96330

Papa durante a Missa realizada na Casa Santa Marta. Foto: Vatican Media

Vaticano, 17 Mai. 18 / 10:05 am (ACI).- O Papa Francisco advertiu contra os “líderes” que tentam manipular os povos e convertê-los em “massa”, através da construção de uma “falsa unidade” usada para fins particulares.

Na homilia da Missa celebrada na Casa Santa Marta na manhã de hoje, o Santo Padre destacou a necessidade de trabalhar pela unidade, porque “quando nós na vida, na Igreja ou na sociedade civil trabalhamos pela unidade, estamos no caminho que Jesus traçou”.

Entretanto, advertiu contra a “falsa unidade”, como aquela dos acusadores de São Paulo na Primeira Leitura do dia, dos Atos dos Apóstolos. Inicialmente, eles se apresentam como um bloco único para acusá-lo.

Mas Paulo, com a sabedoria do Espírito Santo, lançou a “pedra da divisão” assegurando que estava sendo julgado “pela esperança da ressurreição dos mortos”, o que provocou a divisão da assembleia que o julgava entre os fariseus e saduceus, pois eles não acreditavam na ressurreição.

Nos Atos dos Apóstolos, também se vê outras ocasiões em que São Paulo sofre perseguições por parte do povo, que grita sem nem mesmo saber o que está dizendo, e só repetem o que “os dirigentes” sugerem.

“Esta instrumentalização do povo – explicou Francisco – é também um desprezo pelo povo, porque o transforma em massa. É um elemento que se repete com frequência, desde os primeiros tempos até hoje”.

Nesse sentido, o Pontífice sugeriu pensar como “no Domingo de Ramos todos aplaudiram Jesus: ‘Bendito o que vem em nome do Senhor!’. E as mesmas pessoas, na sexta-feira seguinte, gritaram: ‘Crucifica-o!’. O que aconteceu?”, perguntou-se o Papa.

“Fizeram uma lavagem cerebral e mudaram as coisas. E transformaram o povo em massa, que destrói”.

Este método, “criar condições obscuras para condenar a pessoa”, é o que rompe a unidade. Um método com o qual perseguiram Jesus, Paulo, Estêvão e todos os mártires.

Além disso, o Papa assinalou que também é um método utilizado hoje “na vida civil, na vida política, quando se quer fazer um golpe de Estado”: “a mídia começa a falar mal das pessoas, dos dirigentes, e com a calúnia e a difamação essas pessoas ficam manchadas”.

Do mesmo modo, advertiu que, “de maneira mais concreta, acontece o mesmo também nas nossas comunidades paroquiais, por exemplo, quando dois ou três começam a criticar o outro. E começam a falar mal daquele outro… E fazem uma falsa unidade para condená-lo; sentem-se seguros e o condenam”.

“Condenam mentalmente o outro. Depois se separam e falam mal um contra o outro, porque estão divididos. Por isso a fofoca é uma atitude assassina, porque mata, exclui as pessoas, destrói a ‘reputação’ das pessoas”.

Pelo contrário, convidou a pensar “na grande vocação à qual fomos chamados: a unidade com Jesus, o Pai”.

“E este caminho devemos seguir, homens e mulheres que se unem e buscam sempre prosseguir no caminho da unidade. E não as falsas unidades, que não têm substância, e servem somente para dar um passo a mais e condenar as pessoas, e levar avante interesses que não são os nossos: interesses do príncipe deste mundo, que é a destruição”.

O Papa terminou a sua homilia pedindo “que o Senhor nos dê a graça de caminhar sempre na estrada da verdadeira unidade”.

Leitura comentada pelo Papa Francisco:

At 22,30;23,6-11

Naqueles dias, 30querendo saber com certeza por que Paulo estava sendo acusado pelos judeus, o tribuno soltou-o e mandou reunir os chefes dos sacerdotes e todo o conselho dos anciãos. Depois fez trazer Paulo e colocou-o diante deles.

23,6Sabendo que uma parte dos presentes eram saduceus e a outra parte eram fariseus, Paulo exclamou no conselho dos anciãos: “Irmãos, eu sou fariseu e filho de fariseus. Estou sendo julgado por causa da nossa esperança na ressurreição dos mortos”. 7Apenas falou isso, armou-se um conflito entre fariseus e saduceus, e a assembleia se dividiu.

8Com efeito, os saduceus dizem que não há ressurreição, nem anjo, nem espírito, enquanto os fariseus sustentam uma coisa e outra. 9Houve, então, uma enorme gritaria. Alguns doutores da Lei, do partido dos fariseus, levantaram-se e começaram a protestar, dizendo: “Não encontramos nenhum mal neste homem. E se um espírito ou anjo tivesse falado com ele?”

10E o conflito crescia cada vez mais. Receando que Paulo fosse despedaçado por eles, o comandante ordenou que os soldados descessem e o tirassem do meio deles, levando-o de novo para o quartel. 11Na noite seguinte, o Senhor aproximou-se de Paulo e lhe disse: “Tem confiança. Assim como tu deste testemunho de mim em Jerusalém, é preciso que tu sejas também minha testemunha em Roma”.

Papa conclui ciclo de catequeses sobre o Batismo

Revestidos de Cristo

Quarta-feira, 16 de maio de 2018, Da Redação, com Boletim da Santa Sé

Na reflexão de hoje, Papa explicou significado da veste branca e da vela acesa no rito do Batismo

Audiência geral na Praça São Pedro com o Papa Francisco / Foto: Reprodução Youtube – Vatican News

O Papa Francisco concluiu nesta quarta-feira, 16, o ciclo de catequeses sobre o Batismo, realizado nesse tempo pascal vivido pela Igreja. O tema de hoje foi “revestidos de Cristo”.

Na reflexão de hoje, Francisco se deteve sobre o significado da veste branca e da vela acesa, que fazem parte do rito. “A veste branca, enquanto exprime simbolicamente o que aconteceu no sacramento, anuncia a condição dos transfigurados na glória divina”, disse, explicando que revestir-se de Cristo, como lembra São Paulo, é revestir-se de sentimentos de ternura, bondade, humildade, mansidão, magnanimidade, perdão e, sobretudo, caridade.

Também a entrega da chama tirada do círio pascal lembra o efeito do Batismo. Sobre as palavras do sacerdote nesse momento – “Receba a luz de Cristo”, Francisco explicou que elas recordam que a luz é Jesus Cristo, que venceu as trevas do mal.

“Nós somos chamados a receber o seu esplendor! Como a chama do círio pascal dá luz a cada vela, assim a caridade do Senhor Ressuscitado inflama os corações dos batizados, enchendo-os de luz e calor”.

Francisco lembrou que essa é, de fato, a vocação cristã: caminhar sempre como filhos da luz, perseverando na fé. No caso das crianças, explicou o Papa, é tarefa dos pais, junto aos padrinhos, cuidar de alimentar a chama da graça batismal no coração dos pequenos, ajudando-os a perseverar na fé. “A educação cristã é um direito das crianças”, disse, citando o Rito do Batismo das Crianças.

“Ao término destas catequeses sobre Batismo, repito a cada um de vocês o convite que assim expressei na exortação apostólica Gaudete et exsultate: ‘Deixa que a graça do teu Batismo frutifique num caminho de santidade. Deixa que tudo esteja aberto a Deus e, para isso, opta por Ele, escolhe Deus sem cessar. Não desanimes, porque tens a força do Espírito Santo para tornar possível a santidade e, no fundo, esta é o fruto do Espírito Santo na tua vida (cf. Gal 5, 22-23)”, concluiu o Santo Padre.

Ser mãe: missão para a vida!

Os desafios de uma sociedade que passa por mudanças é uma das maiores preocupações trazidas pelas mulheres ao buscarem a maternidade. Inseguranças, desejos, expectativas sobre os filhos, futuro: uma imensidão de pensamentos invade o imaginário das futuras mamães ou daquelas que fazem esse plano. Mas, vamos pensar juntos: será que existe um “modelo ideal de mãe”?
A missão de mãe da mulher inicia-se no momento da concepção, a partir disso, todos os ideais vão sendo construídos. Não existe a mãe ideal, mas sim a mãe possível e disponível; isso, sim, é importante! Muitas vezes, constrói-se o ideal da “mãe perfeita”, da “mãe que não erra”.
Mas o que seria positivo para a criação de um filho? Ter o equilíbrio para cuidar dele, para protegê-lo, para educá-lo, para apoiá-lo, para prover-lhe as necessidades físicas e materiais, mas, especialmente, para prover as necessidades de afeto. Dar o consolo necessário, estar disponível e disposta a olhar, a conversar, ser empática, ou seja, a entender ou a colocar-se no lugar dos filhos e do seu momento de vida são algumas das formas de construir a missão de ser mãe.
É claro que a vida não é estática nem oferece condições que fazem com que tudo esteja bem o tempo todo: para isso, é necessário que saibamos nos observar para não transferirmos as experiências negativas vividas em nossa formação para a formação de nosso filho. Como diz o título de um livro, é importante que cada mãe possa “falar para seu filho ouvir e ouvir para seu filho falar (do livro: Falar para seu filho ouvir e ouvir para seu filho falar de Adele Faber e Elaine Mazlish). Recusar os sinais que ele dá, não olhar nos olhos dele, desconfiar dele, não dar peso às coisas que ele fala, não o ajuda em nada. É importante que saibamos ensinar, mas que também saibamos confiar e dar autonomia e possibilidade para que nosso filho amadureça com pessoa.
Estar bem emocionalmente faz que possamos contribuir para o crescimento e o desenvolvimento saudável de nossos filhos do ponto de vista psicológico. Faço aqui uma observação especial para as mães: cuide dos outros, mas também cuide de si. Viver em harmonia com sua dimensão espiritual, afetiva, social, biológica, é essencial para que você possa cuidar bem dos outros e consiga lidar com as alegrias, tristezas, conquistas e dificuldades próprias da vida. Lembre-se de que, em primeiro lugar, você é mulher, e com isso, toda a beleza do ser mulher virá com esses cuidados, que depois se farão extensão ao cuidado com o outro, com seu marido, com os filhos.
Mães aprendem a todo momento: desde o choro do bebê que identifica fome ou dor, aprendem também a ligação íntima e profunda que têm com seus filhos. Aprendem pela experiência do ser mãe e, sendo mães, reformulam, superam e vivem positivamente conflitos passados em sua vida. Há uma ligação tão profunda e poderosa existente entre mães e filhos que esta sobrevive para sempre em algum lugar muito além das palavras e é algo de uma beleza indescritível.
Você, mãe, trocaria essa beleza e o poder dessa ligação materna por alguma coisa?
Ser mãe é ser a todo tempo, a toda hora, sem limites. Os limites de uma mãe sempre serão testados, colocados à prova, mas o dom, o amor e a missão farão sempre com que esta supere tudo aquilo que seja lhe dado como prova, bem como a fará experimentar todas as alegrias que esta missão lhe concede!
Muito obrigada a você, mãe, por este e por todos os dias de sua missão!

Canção à Virgem de Fátima cantada por Elvis Presley traz história de conversão

https://www.acidigital.com/noticias/cancao-a-virgem-de-fatima-cantada-por-elvis-presley-traz-historia-de-conversao-56050

Virgem de Fátima e Elvis Presley / Fotos: Santuário de Fátima e Wikimedi

REDAÇÃO CENTRAL, 10 Mai. 18 / 05:00 am (ACI).– Nossa Senhora de Fátima e o Rosário já foram cantados por um grande nome da música internacional, Elvis Presley, na canção “The Miracle of the Rosary”, a qual além da mensagem da Virgem Maria traz como pano de fundo uma história de conversão.

Embora tenha sido criado na Igreja Evangélica Assembleia de Deus, Elvis Presley gravou “The Miracle of the Rosary” em 15 de maio de 1971. Porém, não se trata de uma canção sua, e sim de Lee Denson, amigo do rei do rock, que pertencia à Igreja Batista, mas se converteu ao catolicismo após se casar com uma católica.

A família de Lee Denson ajudou os pais de Elvis quando estes se mudaram da cidade de Tupelo para Memphis, em 1947. Lee foi o primeiro professor de guitarra de Presley.

A história da canção “The Miracle of the Rosary” foi escrita em 1960, quando Denson se aproximou do catolicismo. Sua esposa Mary era católica e devota da Vigem. Todos os dias, rezava o terço, conforme a Mãe de Deus havia pedido aos três pastorinhos na Cova da Iria.

Entretanto, devido avida corrida de músico profissional de seu marido, começou a descuidar da fé. Certo dia, o terço que uma amiga havia lhe trazido de Fátima sumiu. Ela revirou a casa inteira, mas não o encontrou.

Foi na noite de 13 de outubro de 1960 que, ao chegar em casa, encontrou o terço no seu estojo, em cima de uma almofada na cama. Mary e seu marido ficaram surpresos. Mais tarde, enquanto dormiam, acordaram de repente, ela após sentir um suave toque nos lábios e ele por ter ouvido um som parecido com um sino.

Na manhã seguinte, decidiram ir à Missa e revelaram, posteriormente, que ouviram o padre dizer que Nossa Senhora de Fátima todos os dias opera milagres na vida de cada um e que poucos lhe agradecem ou param para pensar no que lhes aconteceu.

Lee e sua esposa contaram que foram os únicos a ouvir essas palavras. Perplexo, o músico não voltou a dormir bem, até que resolver compor uma canção para Nossa Senhora de Fátima.

Pensando em um artista que pudesse gravá-la a fim de dar grande projeção aos milagres de Fátima, logo lembrou-se de seu amigo Elvis Presley. Mas, resolveu esperar até 1967, quando foram comemorados os 50 anos das aparições da Virgem na Cova da Iria. Elvis, porém, não pôde gravar naquele ano, o que veio a se concretizar em 1971.

Lee Denson abandonou a carreira artística para se dedicar à igreja, em Memphis. Em uma ocasião, em 1978, cantou “The Miracle of the Rosary” na Missa e, conforme relatos, a Igreja se encheu de perfume de rosas. Entre os fiéis, estava o arcebispo panamenho Tomas Clavel, que considerou um sinal “milagroso”.

Tempos depois, o Papa Paulo VI abençoou a canção “The Miracle of the Rosary”. Nos anos 1980, Lee Denson a cantou no Santuário de Fátima e no Carmelo de Coimbra, na presença da Irmã Lúcia, uma das videntes de Fátima.

Confira a seguir a tradução desta música:

Oh, Mãe abençoada, nós rezamos a Vós
Obrigado pelo milagre de Vosso Rosário
Só Vós podeis segurar
a abençoada mão do Vosso Filho
por tempo bastante para que o mundo compreenda

Ave Maria, cheia de graça
O Senhor esteja convosco
Bendita sois vós entre as mulheres
E bendito é o fruto de Vosso ventre, Jesus
Oh, Santa Maria, querida Mãe de Deus
Por favor, rogai por nós, pecadores
Agora e na hora de nossa morte

E agradeço mais uma vez
Pelo milagre de Vosso Rosário

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda