Santas Missões Populares

Estamos no ano das Santas Missões Populares. Toda a Diocese de Novo Hamburgo se prepara para uma renovação a partir da espiritualidade missionária.

No fundo é um compromisso com a Palavra de Deus, um incentivo à oração e à missão.

Agora é a hora de intensificar a evangelização. Ninguém pode cruzar os braços ou ficar indiferente. Todos podemos e devemos fazer a nossa parte. As Santas Missões Populares serão uma grande bênção.

Nossa primeira atitude é ter Deus no coração e levá-Lo ao coração dos irmãos. O nosso mundo está cheio de grandes problemas por falta de Deus. É preciso que nos voltemos para Ele de todo coração. Com isso surge uma nova humanidade dentro de nós e ao nosso redor.

Quem tem Deus no seu coração, naturalmente sente a alegria de levá-Lo para outros. Fazendo a experiência pessoal de Deus, que é Uno e Trino, nós nos apaixonamos por Ele. Entramos na sua intimidade e observamos os seus mandamentos que são o caminho para o nosso bem e felicidade. Cultivando uma sincera amizade com Deus, deixamo-nos inundar de seu amor e sabedoria. Esta experiência é tão gostosa e forte que nos impulsiona a levar Deus ao coração dos irmãos, a partir dos mais queridos.

Quando uma pessoa é apaixonada por Jesus, sente necessidade de falar bem de Jesus, do Evangelho, da sua Igreja, da vida sacramental e da sua comunidade.

Evangelizar, portanto, é conhecer Jesus e anunciá-Lo.

Onde começar? O lugar da evangelização é na própria casa, na família, na cidade e no trabalho. Na família, o marido evangeliza a esposa, ou ela a ele. Os pais evangelizam os filhos, ou talvez eles a seus pais. Os irmãos evangelizam seus irmãos. O namorado evangeliza a namorada ou vice-versa. A esposa pode evangelizar o esposo rebelde. A mãe grávida já pode evangelizar o bebê que está gerando, antes de nascer. A mãe pode evangelizar seu bebê recém-nascido, enquanto o amamenta. Eis uma obra, às vezes, difícil, mas imprescindível: evangelizar na família.

No trabalho, há tantas oportunidades de evangelizar aqueles colegas mais amigos e achegados. Podemos evangelizar os vizinhos de residência ou de apartamento, com quem temos amizade ou possibilidade de anunciar. Na escola, os professores podem evangelizar seus alunos. Os alunos podem evangelizar seus colegas de escola. Enfim, onde quer que estejamos, há sempre alguém ‘muito pobre’ de Deus, que precisa encontrar a ‘pérola preciosa’ que é Jesus (cfr. Pe. Alírio J. Pedrini, Brasil Cristão, p. 14, jan. 2009).

Nossa evangelização não é imposição. Damos testemunho de Jesus com simplicidade e coerência. Nossa vida será “anunciar o Evangelho sobre os telhados… anunciar que somos de Jesus”.

Carlos de Foucauld dizia: “Meu apostolado deve ser o apostolado da bondade. Quem me vê deve pensar: já que esse homem é tão bom, sua religião deve ser boa. E se me perguntarem porque sou manso e bom, devo responder: porque sou servo de um outro muito melhor do que eu. Ah! Se vocês soubessem como é bom o meu Senhor Jesus. Gostaria de ser tão bom, que se pudesse dizer: se o servo é assim, como não será então, o Senhor?” (cfr. Edson Damian, Espiritualidade para nosso tempo, p. 135, Ed. Paulinas, 2007).

Introdução – CNBB

Cantos 2º Retiro missionário

A Missão Ad Gentes no Documento de Aparecida
A Missão no Documento de Aparecida
A Salvação se decide na prática
Cada Cristão é um Missionário
Celebração Bíblica Missionária
Celebração Penitencial 1
Cinco tipos de católicos
Cuidado para que ninguém vos engane
É hora de anunciar o Evangelho sem medo e com alegria, assegura o Papa
Livres para escolher
Oração inicial para o 3º Retiro Missionário
Os ensinamentos de São Paulo
Que o Senhor nos ensine a humildade…
Queridos Missionários
São Roque Gonzales e companheiros mártiresRS
Síntese dos Ensinos
Temos muito ainda o que aprender
V Conferência Geral do Episcopado Latino Americano e do Caribe

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda