O cristão deve confiar em Deus e não em superstições

Ano Novo
https://noticias.cancaonova.com/brasil/o-cristao-deve-confiar-em-deus-e-nao-em-supersticoes-diz-padre/

As práticas supersticiosas são reprovadas pela Igreja; segundo padre, cristão deve rezar, agradecer e confiar

A superstição é uma crença fortemente presente na passagem de um ano para o outro no Brasil. Apesar de ser configurada uma prática do imaginário popular, a superstição é considerada, segundo o Vice-reitor do Santuário Pai das Misericórdias da Canção Nova, padre Márcio do Prado, um pecado, pois não coloca Deus em primeiro lugar, e sim outras realidades, criaturas e objetos.

A palavra superstição é creditada pelo dicionário online “Aurélio” como um sentimento de veneração, fundado no temor ou na ignorância, no qual a confiança é depositada em coisas ineficazes ou em crendices. Comportamentos supersticiosos são, de acordo com o padre, ações que não têm a aprovação, promoção ou incentivo da Igreja, que considera que a confiança do cristão deve estar em Deus.

Durante as confraternizações, as cores das camisetas são levadas em conta, amuletos se tornam prioridade e alguns rituais são popularmente seguidos. Ações apontadas como inválidas, segundo o sacerdote, para os que se consideram cristãos.

“Muita gente nesse tempo coloca roupa branca para trazer paz, ou amarela para isso ou aquilo, mas, enfim, nada disso para o cristão é válido. É válido rezar, confiar em Deus, é válido trabalhar também, afinal as coisas não caem no colo de ninguém como algo mágico”, pontuou padre Márcio, que aproveitou para destacar a importância da atenção dos fiéis em não utilizar sinais cristãos como amuletos.

Para o sacerdote, além de viver a fé rezando, confiando em Deus e confiando na intercessão dos santos anjos, o cristão que é cristão deve sempre agradecer a Deus por tudo que lhe foi confiado, e se colocar à disposição. “Ele [cristão] deve levantar as mãos para o alto, mas deve também colocar as mãos à disposição e trabalhar, ajudar o próximo”, finalizou.

 

 

Sorte, superstições e dinheiro
https://noticias.cancaonova.com/brasil/fim-de-ano-padre-fala-sobre-sorte-supersticoes-e-dinheiro/

Segundo o dicionário, a palavra sorte está ligada ao incerto, aos imprevistos, oposto ao azar e etc. Buscar a sorte ou tirar a sorte são termos muito comuns no final do ano, época em que as pessoas fazem planos de sucesso para o ano vindouro.

No universo cristão, a palavra sorte tem um significado transcendental, ancorado na confiança em Deus, como explica o pároco da Paróquia Espírito Santo, em São José dos Campos (SP), padre Luis Fernando Soares.

“Eu creio que nosso futuro vai ser de sorte. Não aquela sorte mágica, que não tem nada a ver conosco. Mas a sorte no sentido de que Deus vai nos abençoar. Esta é a nossa sorte! É isso que vai nos conduzir: as mãos de Deus. Não temos a certeza de como tudo vai acontecer, mas acreditamos que Deus está no controle e que tudo concorre para o bem daqueles que O amam”, explicou.

A prática das superstições

Ligada à sorte, está a superstição. Muitos, na tentativa de controlar o futuro, buscam-na também como um caminho para se chegar à sorte. O padre Luis Fernando alerta sobre os riscos que alguns correm neste final de ano ao entregar-se às práticas supersticiosas, aos rituais de oferendas à beira-mar, para alcançar benefícios.

“As superstições nos fazem pensar que estamos nas mãos de um destino cego ou nas mãos de alguma outra coisa que possa controlar a nossa vida. Quando deixamos de confiar em Deus para confiar em qualquer coisa, vamos colocando nossas vidas nas mãos do maligno”, afirmou.

A primeira leitura da Missa celebrada em 1º de janeiro relata a bênção que Deus deseja derramar sobre seus filhos (cf. Nm 6, 22-27). Neste sentido, o padre considera que o caminho é esperar o ano que vem e vivê-lo sempre na companhia do Senhor. “Nós estamos debaixo das mãos de Deus, sob a sua bênção. Temos que viver a cada dia como presente de Deus. Então, é acolher essa bênção do Senhor e entregar-lhe a nossa a vida”, ressaltou.

Muito dinheiro no bolso…

Este é outro pedido que se ouve com frequência. Afinal, quem não quer ter muito dinheiro no bolso e saúde pra dar e vender!? De acordo com o padre Luis Fernando, Deus não condena a prosperidade financeira, a Bíblia, inclusive, menciona a riqueza como uma possibilidade. No entanto, o padre afirma que o problema não é ter bens, mas apegar-se a eles e viver de forma egoísta. “A Bíblia ensina que a prosperidade significa andar nos caminhos de Deus. Então até posso ter ‘dinheiro no bolso’, mas para quê? Para servir!”.

“Tenho que buscar servir – continuou padre Luis Fernando -, ter um propósito neste mundo que é adorar a Deus, amar o meu próximo, servir, anunciar o Evangelho… E para isso eu preciso de saúde, de dinheiro. Neste caso, é bênção de Deus, porque tudo isso vai ser para a Sua glória. Conheço pessoas muito ricas, mas com uma enorme generosidade. Elas usam suas riqueza para abençoar a vida de outras pessoas. Neste sentido é que a riqueza, a ascensão profissional e tudo mais pode nos ser dado, para servirmos”, explicou o sacerdote.

Dica para 2018

Dar nomes aos dias do ano que inicia, é uma dica do padre Luis Fernando. Por exemplo, este dia se chama paz, este alegria, este outro satisfação, amor e etc… Não há problema se os nomes se repetem; o mais importante, segundo o padre, é dar nome às bênçãos de Deus, querer esta bênção, buscá-la e fazê-la acontecer.

“Aconteça o que acontecer, nós estamos nas mãos de Deus. Ele transforma todo o mal em bem. Para aqueles que estão em Cristo não há mais maldição. Mesmo que passemos por momentos difíceis, Deus estará conosco e no final vamos sair mais confiantes Nele”, concluiu o padre.

 

 

Cuidado com as superstições
https://blog.cancaonova.com/felipeaquino/2017/12/29/cuidado-com-as-supersticoes-2/

“Eu sou o Senhor, vosso Deus” (Lv 19,31). “Serás inteiramente do Senhor; teu Deus” (Dt 18,13). “Não praticareis a adivinhação nem a magia” (Lv 19,26b)

Sempre houve está condenável idolatria, que continua moderna, chamada superstição, pela qual se busca uma divinização espúria das energias ocultas. Até mesmo entre os católicos, mal formados, se multiplicam, superstições que beiram ao ridículo. Elas são muitas e variadas.

Entre elas, muitos são os que colocam na entrada de suas lojas e casas vasos com a espada de São Jorge; outros, raminhos de arruda; inúmeros os que andam com “pedras, pêndulos, cristais e outras bugigangas para espantar as energias negativas”.

Há também aqueles que vivem impressionados com os males que possam advir dos “trabalhos” realizados nos terreiros. Querem combater as forças do mal de qualquer maneira e, apesar de frequentarem os Sacramentos da Igreja, empregam esses “rituais” para se “purificarem”.

Estamos já no início do terceiro milênio e, no entanto, prevalecem os feitiços: uma pedra, uma raiz, uma pena de pássaro, uma concha, um dente de animal, ainda há pessoas que pregam ferradura atrás da porta para atrair sorte nas questões econômicas ou vão atrás do trevo de quatro folhas, portador de felicidade.

A enorme lista de superstições que aparece na vida de tantas pessoas, poderiam ser abandonadas se tivessem mais confiança em Deus e na proteção dos anjos e santos; e não se entregariam a práticas tão irrisórias, fundadas num temor doentio. Trazer um amuleto não pode nunca atrair qualquer tipo de ajuda sobrenatural, nem afastar as invectivas do Maligno, o qual, segundo São Pedro, deve ser vencido unicamente pela fé (1 Pd 5,8).

Todas as crendices envolvidas nas superstições carecem de qualquer base filosófica e teológica. É inteiramente destituída de lógica a associação de causa e efeito professada pelos supersticiosos. Sob o ponto de vista da teologia, as práticas supersticiosas demonstram um senso religioso decadente.

No fundo, apesar dos pesares, é a nostalgia do Absoluto que impera. Aquele que perde sua fé na Providência de Deus que governa sabiamente o mundo e se interessa pelos homens de modo especial, tende a se curvar ao império de uma força cega criada pela fantasia humana.

O cristão deve dar sempre a demonstração de uma crença robusta, firmada nas Escrituras, acreditando numa palavra que Jesus repetiu tantas vezes: “Não tenhais medo” (Mc 6,50; Lc 24,36; Jo 6,20). “Sem mim nada podeis fazer” (Jo 15,5); e queria dizer que com Ele tudo pode quem Nele confia. Fora de Jesus não há salvação (At 4,12), disse São Pedro aos chefes judeus.

O escritor romano Varrão († 7 a.C.) exprimia muito bem, na sua linguagem politeísta, o que significa essa religiosidade inferior, quando afirmava que “o supersticioso é o homem que teme os deuses como inimigos, ao passo que o homem religioso os reverencia como pais” (citado por S. Agostinho, De civ. Dei 6.9.2). Quintiliano († 120 d.C.), por sua vez, notava que a “superstição difere da religião como o homem que procura por curiosidade difere do homem que procura por amor” (De inst. orat. VIII 3). Em suma, vê-se que já entre os romanos pagãos a superstição era tida como uma deterioração ou contrafação da Religião.

O Catecismo da Igreja diz que: “A superstição é o desvio do sentimento religioso e das práticas que ele impõe. Pode afetar também o culto que prestamos ao verdadeiro Deus, por exemplo: quando atribuímos uma importância de alguma maneira mágica a certas práticas, em si mesma legítimas ou necessárias. Atribuir eficácia exclusivamente à materialidade das orações ou dos sinais sacramentais, sem levar em conta as disposições interiores que exigem, é cair na superstição” (n.2111). Aqui se enquadram as tais “correntes de oração obrigatórias” sob pena de castigos.

A adivinhação, leitura de cartas ou qualquer outro rito supersticioso do tipo, apontam para a predição de coisas futuras ou ocultas sem recorrer a Deus. Pretende-se descobrir aquilo que só Deus pode conhecer. O grande pecado da superstição está que a pessoa quer buscar fora de Deus, poder e conhecimento, que Deus não quer nos dar porque não é bom para nós. O supersticioso, por práticas mágicas quer impor a Deus fazer a sua vontade por meios mágicos.

Deus nos revelou algumas coisas sobre o futuro, que nos interessam, por exemplo, haverá um juízo particular e um final; e depois o céu ou inferno. E nos deu inteligência, liberdade, vontade, consciência e outros recursos para que nos preparemos responsavelmente para o futuro. Não podemos controlar nosso futuro, pois ele está nas mãos do Senhor. Precisamos confiar Nele como um Pai infinitamente bom e cooperar com a sua graça para fazer a parte que nos corresponde.

No entanto, o homem, levado pela soberba, quer ter tudo sob controle, sem colocar sua confiança em Deus. É esse o pecado da superstição, buscando conhecimento ilícito, por caminhos que estão fora da revelação divina, como a adivinhação. É preciso saber que esses recursos ocultistas, sem que se saiba, recorrem ao demônio; e quem a pratica fica, de alguma maneira, vinculado a ele. São Paulo disse que: “As coisas que os pagãos sacrificam, sacrificam-nas a demônios e não a Deus. E eu não quero que tenhais comunhão com os demônios. Não podeis beber ao mesmo tempo o cálice do Senhor e o cálice dos demônios. Não podeis participar ao mesmo tempo da mesa do Senhor e da mesa dos demônios. Ou queremos provocar a ira do Senhor? Acaso somos mais fortes do que ele?” (1Cor 10,20-22).

À medida que se perde a fé, aumentam as superstições, mesmo entre pessoas que não pertencem a estes grupos, mas que buscam solução para seus problemas. Alguns pensam que seja mera brincadeira e o fazem por curiosidade ou pela pressão de um grupo. Mas precisamos recordar que ai está em jogo a nossa fidelidade a Deus, com quem não se brinca.

Quando o homem não encontra o Deus verdadeiro, e não se entrega a Ele, então, fabrica o seu deus, à sua pequena imagem e semelhança; semelhante à pedra, ao cristal, à magia, etc.

Sobretudo na festa de Ano Novo os espíritos esotéricos se exaltam em busca das melhores condições para serem agraciados por seus deuses e pelos poderes ocultos do além. Para uns é a exigência de começar o Ano com o pé direito; para outro é estar de roupa branca, mesmo as mais íntimas, ainda que alma não esteja tão clara; para outro é pular as ondinhas do mar… e a pobre miséria humana multiplica as fantasias e suas falsidades.

O homem tem sede de Deus! Ou ele adora e serve ao Deus verdadeiro, “Criador de todas as coisas visíveis e invisíveis”, ou passa a adorar e a servir a deuses falsos, mesmo que conscientemente não se dê conta disso. Outros ainda, mais desorientados, correm atrás de horóscopos, de zodíacos, de mapas astrais, de cartomantes, de necromantes, de búzios… Nas grandes e pequenas livrarias, proliferam todos esses tipos de livros, muito bem explorados por alguns escritores e editoras. Lamentavelmente, muitos cristãos (e até católicos!), por ignorância religiosa na sua maioria, acabam também seguindo esses caminhos tortuosos e perigosos para a própria vida espiritual.

Ao cristão é permitido buscar unicamente em Deus, pela oração, todo consolo, auxílio e força de que necessita – e em nenhum outro meio ou lugar. São Paulo disse: “Não vos inquieteis com nada! Em todas as circunstâncias apresentai a Deus as vossas preocupações, mediante a oração, as súplicas e a ação de graças” (Fl 4,6). E São Paulo advertiu severamente as comunidades cristãs de que fugissem da idolatria (cf. I Cor 10,14).

Não podeis participar ao mesmo tempo da mesa do Senhor e da mesa dos demônios. Ou queremos provocara ira do Senhor?” (1 Cor 10,20-22). Quando Deus não atende um pedido nosso, Ele sabe a razão; e, se temos fé e confiança Nele, não vamos atrás de coisas proibidas.

O Ano que começa é um grande presente de Deus para cada um de nós; e deve ser colocado inteiramente em Suas mãos, para que Ele cuide de cada dia e de nós. Nada alegra tanto a Deus do que vivermos na fé. Não devemos recorrer a nenhuma destas práticas ou ritos, pois são totalmente contrárias à nossa fé. Recordemos que o inimigo está como “um leão procurando a quem devorar”.

Prof. Felipe Aquino

Nenhum comentário ainda

Comentários desativados

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda