Programação Neurolinguística e a Fé Cristã

Revista “PERGUNTE E RESPONDEREMOS”
D. Estevão Bettencourt, osb
Nº 450

http://blog.comshalom.org/carmadelio/6105-a-programacao-neurolinguistica-o-que-e

Em síntese: A Neurolingüística parte do princípio de que o comportamento humano é dependente do pensar e das emoções da pessoa. Em conseqüência ensina a programar pensamentos e sentimentos de tal modo que redundem em comportamento desejado pelo indivíduo. – Tal teoria não deixa de ter seu fundo de verdade; todavia há escolas de Neurolingüística que adotam uma concepção antropológica panteísta ou alheia ao pensamento cristão. Daí a ambigüidade das propostas neurolingüísticas.
A Neurolingüística é, como dizem os seus arautos, uma ciência e uma arte. Teve origem nos Estados Unidos na década de 1970 e vem-se propagando com certo aparato que impressiona o público, embora os livros de Neurolingüística não sejam de fácil leitura.
A seguir, proporemos uma síntese do que seja a nova ciência e lhe faremos alguns comentários. A nossa exposição utilizará o vocabulário e a linguagem dos mestres mesmos da PNL.

1. A Programação Neurolingüística (PNL)
Como dizem os arautos da nova ciência, a expressão “Programação Neurolingüística” é um tanto obscura, mas compreende três conceitos simples.
O vocábulo “Neuro” professa a idéia fundamental de que todos os nossos comportamentos têm origem nos processos neurológicos da visão, da audição, do olfato, do paladar; do tato e das sensações em geral. Percebemos o mundo através dos cinco (ou seis) sentidos externos que temos, e fazemos, em conseqüência, o nosso mapa do mundo. “Compreendemos” as informações assim recebidas e depois agimos. Somos psicossomáticos; o corpo e o psiquismo formam urna unidade inquebrantável, que é o ser humano.
O termo “Lingüística” indica que usamos a linguagem para ordenar nossos pensamentos e comportamentos e para nos comunicarmos com os outros.
O substantivo “Programação” significa que devemos organizar nossas idéias e atividades a fim de obter os resultados desejados. Precisamente a PNL trata da maneira como elaboramos o que captamos através dos sentidos para chegarmos aos objetivos almejados. – A Programação também examina a forma como descrevemos nossos pensamentos e como agimos, intencionalmente ou não, para produzir resultados.
Sintetizando, pode-se dizer com Richard Bandler, um dos fundadores da PNL, que “a PNL é o estudo da estrutura da experiência subjetiva do ser humano e do que pode ser feito com ela”.
Tal definição é baseada no pressuposto de que todo comportamento humano tem uma estrutura e esta pode ser descoberta, modelada e transformada (reprogramada).
Eis outra definição, também proposta pelos arautos da PNL:
“PNL e’ o estudo de como representamos a realidade em nossas mentes e de como podemos perceber; descobrir e alterar esta representação para atingirmos resultados desejados” (Getúlio Barnasque).
Assim, afirmam os cultores da PNL, “a PNL é uma ferramenta educacional, não uma forma de terapia. Nós ensinamos as pessoas coisas sobre a maneira como seus cérebros funcionam e como elas usam tais informações para mudar seu comportamento” (Richard Bandler).
Pergunta-se agora:

2. Como funciona a Programação de Neurolingüística?
A Neurolingüística divide o ser humano em três eus: o eu superior, o médio e o interior, que são conceituados do seguinte modo:

a) Eu inferior: é o responsável pelos processos automáticos do corpo físico, pelas emoções animais (raiva, medo, etc.) e por certos processos mentais mecânicos e condicionados.

b) Eu médio: é responsável basicamente pelas tomadas de decisão conscientes. É analítico e especulativo; mas costuma ser influenciado (muitas vezes, sem o perceber) pelo eu inferior.

c) Eu superior: É uma consciência tetradimensional, com abrangência espaço-temporal muito mais ampla do que a do eu médio. Sua influência sobre o eu médio costuma ser muito mais rara do que a correspondente influência do eu inferior. Os principais indícios de sua influência sobre o eu médio são: plenitude, desprendimento e sentimento de invulnerabilidade.

Na base de tal concepção do ser humano, a Neurolingüística assim faz a sua programação:

1) O eu médio deve amortecer as atividades do eu inferior, obtendo, com isto, não só uma melhor ligação com o eu superior, mas também melhores condições de influenciar o eu inferior. E como realiza esse amortecimento?
– paralisando o diálogo interno;
– relaxando a musculatura voluntária;
– acalmando as emoções.
A paralisação do diálogo interno faz parte da autodefesa psíquica. Associada à respiração profunda, facilita a obtenção da etapa seguinte, ou seja, o relaxamento da musculatura. Assim é atingido sem dificuldade o termo final, que consiste em acalmar as emoções.
Através da melhor ligação com o eu superior, o eu médio pode receber informações intuitivas e/ou influenciar o eu superior a pedir ajuda a outros eus superiores; estes últimos tentarão enviar a ajuda necessária através de seus respectivos eus médios.
Uma vez amortecidas as atividades do eu inferior, o programador formula, mentalmente, uma ou mais orações que expressam o seu objetivo. Ao fazê-lo, deve levar em conta certas regras muito importantes, a saber:

a) nunca use negações explícitas ou implícitas. Exemplo de negação explícita: “O meu filho não vai ficar doente”. Exemplo de negação implícita: “O sol será incapaz de queimar a minha pele”. O primeiro exemplo poderia ser reformulado do seguinte modo: “O meu filho continua e continuará sendo saudável”.
Por que não se devem usar negações? – Porque, se você usar negações, estará atraindo para Si aquilo que deseja evitar.

b) Seja o mais minucioso e preciso possível. Por quê? – Porque, se não for preciso, poderá obter algo que não corresponda ao seu anseio. Veja-se o caso da jovem que programou: “O meu noivo vai voltar são e salvo da Guerra do Golfo e vai casar-se”. Resultado: O noivo voltou são e salvo, mas casou-se com outra mulher. A formulação correta teria sido:
“O meu noivo vai voltar são e salvo da Guerra do Golfo e vai casar-se comigo, dentro de um ano após a sua volta”.

c) Use tempos verbais presentes (de preferência, o gerúndio) ou futuros com limitação de data, conforme o caso. Por conseguinte, diga: “A minha saúde está melhorando” ou “A minha esposa obterá um emprego cujo salário será superior a mil reais até o final do mês de dezembro de 1999″.
Deve-se observar que, para algumas pessoas altamente questionadoras e analíticas, o uso do presente simples (eu sou, eu tenho) pode gerar conflito com o eu médio, pois se fixará na incompatibilidade entre o presente real e o presente programado. Para tais pessoas, é mais seguro o uso do futuro com limitação de data. – E por que a limitação de data é necessária? Pela razão seguinte: Se Marcelo, com 21 anos de idade, faz programação para ganhar dez mil reais, usando tempo futuro sem limitação de data, poderá acontecer que, aos 92 anos de idade, receba uma herança no valor de dez ml reais,… herança que ele não poderá utilizar por estar moribundo no hospital.

d) Faça suas programações diariamente, de preferência sempre no mesmo horário. Evite fazer programações durante os processos digestivos. Seja persistente e paciente.

3. Que Aplicações têm a PNL?
“Neurolingüística é a soma dos sistemas internos de comunicação que permitem ao sujeito iniciar seu processo de interação com o mundo e alterá-lo na medida em que interpreta dentro de si os resultados que obtém” (Dr. Marco Ceda Natali)
A Programação Neurolingüística, em sigla PNL, é uma ferramenta muito útil para localizar e organizar recursos dentro das pessoas.
Alcunhada por um de seus criadores como “Manual de instruções para o uso da mente”, a PNL oferece uma vasta gama de aplicações.
Apenas algumas dessas possibilidades serão citadas aqui:
• Como acrescentar recursos e intensificar resultados.
• Como aumentar o rapport nos processos de comunicação.
• Como conhecer e alcançar os cinco estados essenciais.
• Como contatar o “lado criança” e conseguir acordos entre as partes.
• Como descobrir causas de incongruência.
• Como descobrir e compreender suas motivações básicas.
• Como descobrir modelos de mudança.
• Como eliciar estados de excelência.
• Como entender os mecanismos do mapa e dos filtros.
• Como implantar e modificar âncoras.
• Como modelar e adotar pontos de vista e excelências.
• Como proceder a uma cura rápida de fobia.
• Como proceder à Mudança de História Pessoal.
• Como proceder a Ressignificações de palavras, de significado e de contexto.
• Como programar objetivos
• Como se comunicar com os aliados internos descobrindo objetivos positivos.
• Como trabalhar as crenças e o sistema de crenças
• Como trabalhar com crenças conflitantes.
• Como usar a Associação, Dissociação e Tela Mental.
• Como usar a estrutura decisória T.O.T.S.
• Como usar a hipnose ericksoniana para mudar recursos e comportamentos.
• Como usar a Linha do Tempo.
• Como usar a modelagem para adquirir novos recursos internos.
• Como usar a técnica do reimprinting da linha temporal parental como recurso de reeducação emocional.
• Como usar as submodalidades para descobrir estados de recurso.
• Como usar metáforas.
• Como usar métodos de visualização e verificação ecológica.
• Como usar o Círculo de Excelência para conquistar novos recursos.
• Como usar o metamodelo da linguagem de Fritz Perls.
• Como utilizar os Níveis Neurológicos para tomadas de decisão e implante de modificações.
• Como utilizar os sistemas representacionais.

Põe-se agora a questão:
4. Que dizer?
Não é fácil compreender o linguajar da Neurolingüística. Todavia pode-se dizer que tenciona propor benefícios aos seus clientes mediante dois fatores: a sugestão ou o condicionamento que o indivíduo faz a si mesmo, e… outra força não claramente definida.
A sugestão funciona realmente e com grande eficácia, como se verá abaixo. Quanto à outra força, alguns mestres da PNL parecem identificá-la com o eu superior, que seria divino – o que redunda em panteísmo e não resiste ao crivo da razão. Tal outra força pode ser entendida também como um fator parapsicológico: percepção extra-sensorial, hiperestesia, pantomnésia…; tais fatores são reconhecidos pela ciência e podem, de fato, produzir efeitos inesperados. – Resta, pois, pedir aos arautos da PNL que expliquem claramente quais os fatores que, além da sugestão, produzem benefícios aos usuários dessa arte.
Examinemos mais precisamente o que é a sugestão e como atua.

4.1. Sugestão: que é?
A palavra sugestão vem de sub-gerere e significa: “levar, transportar alguma coisa para baixo ou sob…”; vem a ser uma insinuação ou também uma subordinação. Em psicologia a sugestão ocorre quando se leva ao subconsciente de alguém uma idéia, que irá abrindo caminho no consciente desse sujeito e poderá tornar-se uma persuasão ou convicção.
Para compreender bem o funcionamento da sugestão, devemos lembrar que o organismo humano tem a capacidade de se adaptar ao meio ambiente e a seus dados variáveis. Há estímulos externos que provocam respostas inconscientes e automáticas do organismo, chamadas reflexos: assim a temperatura elevada suscita a secreção de suor, a temperatura em baixa provoca arrepios, a proximidade de comida apetitosa provoca secreção de saliva…
Os reflexos podem ser incondicionados e condicionados. Incondicionados, quando suscitados espontaneamente pela própria natureza (a secreção de saliva, de suor…). Há quem os identifique com os instintos. Condicionados são os reflexos que respondem a um estímulo neutro ou indiferente, como é, por exemplo, o toque de uma campainha; este pode suscitar as mais diversas reações da parte de alguém (campainha para despertar, para a refeição, para começar ou acabar o trabalho…). Se um operador consegue fazer de um estímulo neutro excitante de tal ou tal determinada reação, diz-se que esse estímulo provoca um reflexo condicionado. Tal é o caso, por exemplo, de um cachorro que, na hora de comer, recebe um pedaço de carne e, por isto, ensaliva naturalmente a boca; se, antes de se lhe oferecer a carne, se toca uma campainha, o animal secreta saliva já ao toque da campainha; esse reflexo condicionado se torna habitual a ponto que, mesmo que não se dê carne ao cachorro, ele ensaliva a boca ao ouvir a campainha.
Todo excitante externo que desencadeie respostas biológicas, é chamado sinal: assim o som, a luz, o tato, a palavra. Principalmente para o ser humano a palavra é um sinal muito eficaz; ela pode desencadear atividades biológicas diversas. Quando isto acontece, a palavra é chamada “sugestão”; a resposta à sugestão não é sempre consciente e racional.
A sugestão que vem de fora, é chamada hétero-sugestão. Acontece, porém, que a sugestão pode vir do próprio sujeito ou da imaginação e da memória do indivíduo: tal é a auto-sugestão. Exemplo: se ouço uma campainha que realmente toca aos meus ouvidos, recebo uma hétero-sugestão. Se, porém, sonho com o toque dessa campainha ou a imagino em delírio, sofro uma auto-sugestão.

Consideremos agora
4.2. O Poder da Sugestão

1. A sugestão pode ser recebida ou concebida por alguém, que passa a guardá-la no seu subconsciente, sem fazer caso da mesma. Não obstante, a sugestão pode, mesmo assim, exercer enorme influência sobre o comportamento do sujeito respectivo. Este, sem o saber, estará agindo sob a força de uma sugestão que ele talvez tenha explicitamente rejeitado em primeira instância. Imaginemos, por exemplo, um amigo que diga a seu amigo: “Como você está magro e pálido!”. Este, ouvindo tal juízo, protestará e afirmará o contrário. Mas, aos poucos, poderá ir-se sentindo indisposto e crer que está padecendo de algum mal sério, principalmente se em seu íntimo estiver predisposto a tanto. Importa notar que a idéia sugerida muitas vezes vai tomando vulto, e até lugar primacial, na mente de alguém, apesar da resistência que essa pessoa lhe queira opor. De modo especial, o ser humano repele a idéia de ser vítima de alguma sugestão ou de não ser mais ele mesmo no seu modo de pensar ou agir; ora, apesar dessa repulsa espontânea o poder da sugestão é imenso. São verídicas as palavras de Claude Bernard, principalmente quando se tem em vista o inconsciente: “O homem pode muito mais do que ele julga poder”.

2. Principalmente em questões de saúde e doença a força da sugestão é reconhecida. Tem grande aplicação em todos os tipos de curandeirismo.
Com efeito. Sabemos quão benéfico sobre um processo de recuperação da saúde é o otimismo do paciente; uma boa notícia comunicada a este pode logo desencadear melhoras fisiológicas.
Também são conhecidos os casos em que remédios “milagrosos” produziram efeitos altamente positivos em pacientes gravemente enfermos; tais remédios “milagrosos”, uma vez analisados, não revelaram nenhuma propriedade particular. Diz-se mesmo em tom irônico: “É preciso apressar-se em tomar remédios novos, enquanto eles curam”. São chamados placebo (= agradarei).
O Dr. Mathieu chegou a realizar uma experiência assaz cruel em seu Sanatório de tuberculosos. Anunciou aos enfermos que acabava de ser descoberto o antídoto da tuberculose, que haveria de os curar imediatamente. Depois de ter preparado os ânimos dos doentes durante um período de tempo razoável, o médico injetou-lhes, em dias consecutivos, um pouco de água salgada, que ele chamava pelo nome mágico de antifimose. Então os pacientes obtiveram resultados maravilhosos: a tosse e os escarros diminuíram consideravelmente, os doentes começaram a sentir apetite devorador, que os fez subir de peso numa média de três quilos em poucos dias. Infelizmente, porém, um dos enfermos percebeu que se tratava de um logro e que o médico nada tinha de especial para curá-los. Logo as melhoras cessaram e todos os sintomas da moléstia reapareceram em condições mais graves, porque os pacientes estavam desanimados.
Podemos fazer menção também dos cataplasmas1, que outrora eram aplicados com freqüência, obtendo, como se dizia, bons resultados. Os observadores julgam que, em grande parte, esses efeitos positivos se deviam ao fato de que cada cataplasma exigia meia-hora de preparação; durante essa meia-hora o doente tinha a oportunidade de ansiar pelo tratamento e de se compenetrar da eficácia do mesmo.
Com outras palavras ainda: está demonstrado que, mediante sugestões, somos capazes de produzir efeitos que consciente e voluntariamente não produziríamos. Sirvam de exemplos a modificação da pressão arterial, alterações na pulsação, na sudoração, no nível de açúcar no sangue, no metabolismo, em sistemas glandulares endócrinos, no sistema cardiovascular, na secreção gástrica… Isto explica que a sugestão possa curar doenças ditas “funcionais” ou dependentes de bloqueio nervoso ou emocional: asma, doenças da pele (eczemas), cegueiras funcionais e daltonismo, náuseas e vômitos…

3. Não é necessário que o paciente seja altamente sugestionável para que a sugestão verbal possa produzir efeitos reais e objetivos no organismo. É claro que, nas pessoas mais sensíveis à sugestão, os efeitos são mais rápidos e perceptíveis do que nos pacientes mais indiferentes.

4. As sugestões são eficientes também em estado de vigília ou em pacientes acordados. É erro bastante comum pensar que a sugestão verbal só provoca resposta fisiológica quando o paciente está em sono provocado ou hipnótico. É certo, porém, que um leve estado de sonolência de pessoa em atitude passiva favorece o desencadeamento das reações inconscientes e fisiológicas. Este estado pode afetar todas as pessoas normais.

5. A sugestão indireta pode ser mais eficaz do que a sugestão verbal direta.
A sugestão verbal direta utiliza a própria palavra e sua eficácia para exercer uma ação de comando.
A sugestão indireta recorre não a uma palavra imperativa, mas a um objeto ou uma ação, aos quais se atribui implícita ou explicitamente um efeito maravilhoso. Assim, para obter que alguém adormeça, em vez de se lhe dar a ordem de tentar dormir, ofereça-se-lhe um pó branco neutro (pode ser farinha de trigo), dizendo-lhe que é sonífero. Geralmente verifica-se o efeito almejado, ao passo que a palavra só, por mais meiga que seja, pode não conseguir o mesmo resultado.
São sugestões indiretas os passes, as águas “fluídicas”, as ervas para chá e para banho distribuídas pelos espíritas e curandeiros; estes podem estar de boa-fé acreditando no valor medicinal de tais recursos; na verdade, não fazem senão oferecer estímulos-sinais, que condicionam os seus clientes e os levam ao desbloqueio psicológico de que necessitam.
Pode-se, pois, estabelecer como princípio: “A sugestão é tanto mais eficiente quanto mais indireta ou dissimulada”; quando indiretamente sugestionado, o paciente pensa menos em se defender do imperativo vindo de fora.

1 Cataplasma é “uma placa medicamentosa que se aplica, entre dois panos, a uma parte do corpo dolorida ou inflamada” (Dicionário de Aurélio).

Nenhum comentário ainda

Comentários desativados

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda