São Simão e São Judas Tadeu, Apóstolos – 28 de Outubro

Evangelho segundo São Lucas 6, 12-19
Naqueles dias, Jesus foi para o monte fazer oração e passou a noite a orar a Deus. Quando nasceu o dia, convocou os discípulos e escolheu doze dentre eles, aos quais deu o nome de Apóstolos: Simão, a quem chamou Pedro, e André, seu irmão; Tiago, João, Filipe e Bartolomeu; Mateus e Tomé; Tiago, filho de Alfeu, e Simão, chamado o Zelote; Judas, filho de Tiago, e Judas Iscariotes, que veio a ser o traidor. Descendo com eles, deteve-se num sítio plano, juntamente com numerosos discípulos e uma grande multidão de toda a Judeia, de Jerusalém e do litoral de Tiro e de Sídon, que acorrera para o ouvir e ser curada dos seus males. Os que eram atormentados por espíritos malignos ficavam curados; e toda a multidão procurava tocar-lhe, pois emanava dele uma força que a todos curava.

Por Pe. Fernando José Cardoso

“Senhor, são muitos a quem se salvam?” Pergunta feita a Jesus à queima roupa, por alguém da multidão. Uma pessoa que faz uma pergunta dessa é uma pessoa que se coloca em um nível especulativo e teórico. Jesus não deseja responder nada neste nível, simplesmente por ser especulativo ou teórico. Jesus chama a cada um ao esforço existencial e a seriedade de um momento que é único e não volta mais: “Esforçai-vos por entrar pela porta estreita, pois são muitos os que buscam a porta larga, e esta conduz à perdição. Ao invés de nos colocar no plano teórico das perguntas desnecessárias, é preciso que, dia-a-dia, saibamos que possuímos uma chance única e que esta nossa vida, que nunca mais se repetirá; pode ser endereçada ou conduzida numa direção, mas pode ser também conduzida em outra direção, pode ir na direção da sua própria destruição. Cada um colabora, dia após dia, pouco, mas eficazmente, quer para o crescimento, quer para a destruição; os exemplos são muitos, e cada um pode retirá-los a partir da própria experiência, ou de contato com outras pessoas. Na verdade, Jesus não deveria responder a esta questão porque se dissesse: “Sim, são poucos os que se salvam”, Ele desanimaria a maioria. Nós poderíamos concluir: bem, eu estou fora deste plano de salvação. Se Jesus respondesse: “Verdadeiramente são muitos os que se salvam”, Jesus estaria imprudentemente oferecendo a alguns a ociosidade nas coisas de Deus, a preguiça e, sobre tudo, na falta de seriedade no desenvolvimento dos próprios talentos naturais e espirituais recebidos. A vida é única, e ela se concluirá ou no reino de Deus, ou na sua condenação eterna. Nós devemos saber que o Evangelho é exigente, e nos coloca, não raramente, na contramão da história, da moda, da mídia, da imprensa, da opinião popular e geral. Tenhamos a coragem de levar a sério o nosso Evangelho. Trata-se nada menos, que da nossa salvação. Porém, sem responder diretamente a pergunta, Jesus não deixa de mostrar o coração amoroso. Virão muitos do oriente e do ocidente a se acertar com o Deus de Abraão, de Isaac e Jacó à mesa dos eleitos. Você que está lendo agora, faça algo que esteja ao alcance da sua mão para ser um daqueles convidados, no último dia, no momento da morte, a ingressar no festim que Deus preparou para seus eleitos; ou pelo contrário, vá perdendo tempo e cavando, dia após dia, de maneira irresponsável, a sua própria destruição. Para que direção a sua vida caminha diante de Deus?

 

«Uma grande multidão de toda a Judeia, de Jerusalém e do litoral de Tiro e de Sídon, que acorrera para O ouvir»
Concílio Vaticano II / Constituição Dogmática sobre a Igreja, «Lumen Gentium», §§ 24-25

Os Bispos, como sucessores dos Apóstolos, recebem do Senhor, a Quem foi dado todo o poder no céu e na terra, a missão de ensinar todos os povos e de pregar o Evangelho a toda a criatura, para que todos os homens se salvem pela fé, pelo batismo e pelo cumprimento dos mandamentos (cf. Mc 28, 18; Mc 16, 15-16; At 26, 17ss.). Para realizar esta missão, Cristo Nosso Senhor prometeu o Espírito Santo aos apóstolos, e enviou-O do céu no dia de Pentecostes, para, com o Seu poder, serem testemunhas perante as nações, os povos e os reis, até aos confins da terra (cf. At 1, 8; 2, 1ss.; 9, 15). Este encargo que o Senhor confiou aos pastores do Seu povo é um verdadeiro serviço, significativamente chamado «diaconia», ou ministério (cf. At 1, 17 e 25; 21, 19; Rm 11, 13; 1Tim 1, 12). […] Entre os principais encargos dos Bispos, ocupa lugar preeminente a pregação do Evangelho. Os Bispos são os arautos da fé, que para Deus conduzem novos discípulos. Dotados da autoridade de Cristo, são doutores autênticos, que pregam ao povo a eles confiado a fé que se deve crer e aplicar na vida prática; ilustrando-a sob a luz do Espírito Santo e tirando do tesouro da Revelação coisas novas e antigas (cf. Mt 13, 52), fazem-no frutificar e solicitamente afastam os erros que ameaçam o seu rebanho (1Tim 4, 1-4). Ensinando em comunhão com o Romano Pontífice, devem por todos ser venerados como testemunhas da verdade divina e católica. E os fiéis devem conformar-se ao parecer que o seu Bispo emite em nome de Cristo sobre matéria de fé ou costumes, aderindo a ele com religioso acatamento.

 

A importância da sucessão apostólica
Padre Roger Araújo

O que dá, de fato, legitimidade àquilo que faz a nossa Igreja ao administrar os sacramentos, ao ministrar a fé e ao pregar a Verdade, – dando-me a certeza de que estou no caminho certo – é a sucessão apostólica.

“Ao amanhecer, chamou seus discípulos e escolheu doze entre eles, aos quais deu o nome de apóstolos” (cf. Lc 6, 12-15). Hoje, celebramos os apóstolos São Simão e São Judas. São Judas é mais conhecido entre nós por fazer parte de uma devoção mais popular, chamado de São Judas Tadeu para diferenciá-lo de Judas Iscariotes, aquele foi o traidor do Senhor. São Judas escreveu uma carta, que todos nós conhecemos, e junto com ele, nós celebramos São Simão, chamado o zelote (cf. Lc 6, 15), também chamado a ser uma testemunha do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo. Na Liturgia de hoje, a primeira coisa que nós aprendemos é a rezar, a subir com Jesus na montanha e a escutar o Pai antes de tomar qualquer decisão importante. Porque o Senhor passou a noite inteira em oração, uma vez que o Seu Espírito se rendeu, uma vez que Seu Espírito estava em perfeita união com o Pai. E, quando amanheceu, Ele escolheu os doze, entre tantos discípulos que O seguiam. Qual é a missão desses apóstolos, os quais nós vemos ser nomeados no Evangelho de hoje, nome a nome? Os doze apóstolos nos recordam as doze tribos de Israel, eles são para nós a configuração do novo Israel, o povo de Deus, a Igreja do Senhor. Para a nossa fé, isso é muito importante, porque, além de ser católica, ela é uma fé universal e chega a todos os povos; e a Igreja tem todas as verdades de fé para que nós possamos ser salvos. A nossa fé também é fundamentada na mesma fé que os apóstolos receberam. Cada vez que eu olho para um bispo, eu sei que ele é um sucessor dos apóstolos. O que caracteriza e o que dá, de fato, legitimidade àquilo que faz a nossa Igreja ao administrar os sacramentos, ao ministrar a fé e ao pregar a Verdade, – dando-me a certeza de que estou no caminho certo – é a sucessão apostólica. É saber que essa Igreja tem uma continuidade, ela começou com os doze, e estes fizeram outros apóstolos, que chegaram até nós hoje na figura dos nossos bispos. Rezemos, meus irmãos, rezemos por esses homens escolhidos por Deus para estarem à frente das nossas dioceses, governando a Igreja do Senhor, em comunhão com aquele que é o Bispo de Roma, o Papa. Rezemos pelos nossos pastores.

 

Jesus reza por nós mostrando ao Pai suas chagas, diz Papa 
Missa na Casa Santa Marta, segunda-feira, 28 de outubro  de 2013, Da Redação, com Rádio Vaticano  
Em homilia, Papa lembrou que Jesus mostra ao Pai as suas chagas: o preço da salvação da humanidade

Jesus continua a rezar e a interceder pelo homem, mostrando ao Pai o preço da salvação da humanidade: suas chagas. Foi o que disse o Papa Francisco em Missa celebrada nesta segunda-feira, 28, na casa Santa Marta. No centro da homilia, esteve o trecho do Evangelho no qual Jesus passa a noite rezando ao Pai antes de escolher os doze apóstolos. Cristo “montou seu time”, disse o Papa, e logo depois foi cercado por uma grande multidão que foi escutá-Lo e ser guiada por Ele. Francisco observou que essas são as três relações de Jesus: com o Pai, com os apóstolos e com o povo. Naquela época, Jesus já rezava ao Pai pelos apóstolos e pelo povo, o que faz também hoje. “É o intercessor, aquele que reza a Deus conosco e diante de nós. Jesus nos salvou, fez esta grande oração, o seu sacrifício, a sua vida, para salvar-nos”, disse. O Santo Padre lembrou que Jesus se foi e agora reza por todos, mas não é um espírito, e sim uma pessoa como o homem, mas em glória. Jesus tem as chagas em suas mãos, o preço da salvação de todos, e as mostra ao Pai quando reza pela humanidade, como se dissesse: “Pai, que isso não se perca”. “Ele reza por mim, Ele reza por todos e reza corajosamente porque faz ver ao Pai o preço da nossa justiça: as suas chagas. Pensemos muito nisto e agradeçamos ao Senhor. Agradeçamos por termos um irmão que reza conosco, reza por nós e intercede por nós”. E na conclusão da homilia, Francisco convidou todos a falarem com Jesus, reconhecendo-O como intercessor e pedindo sua oração por cada um. “E confiar os nossos problemas, a nossa vida, tantas coisas a Ele, para que Ele as leve ao Pai”.

 

PERSEVERAR NA FÉ DOS APÓSTOLOS
Padre José Augusto

Diante deste dia tão sublime a Igreja celebra o dia dos apóstolos, de maneira especial São Judas e São Simão. Celebramos também o Deus que nos chega através de seus escolhidos. “Seu som ressoa e se espalha em toda terra” Este som é a voz de Deus que chamam por seus filhos. E hoje vocês estão aqui porque ouviram a voz de Deus. E isso aconteceu porque 12 homens ouviram o apelo de Jesus. A Igreja diz que pela pregação dos Apóstolos chegamos ao conhecimento do Evangelho. Jesus tinha 72 discípulos e escolheu 12 para que pudesse levar o evangelho que chegou a nós. é por causa deles que vocês estão participando do sacrifício da missa, e podem dizer que Jesus Cristo é o Senhor. Precisamos ter uma alma muito agradecida a Deus pelos apóstolos. Homens que deram sangue, que perderam a vida, para ganhar uma vida no céu. Homens simples que viram Jesus andando sobre as águas. Nunca tinham visto um mestre como aquele, que ressuscitou o filho da mulher de Naim, que devolveu a visão a Bartolomeu, que curou o aleijado, que ressuscitou Lázaro, que instituiu a Eucaristia. Um homem que andou sobre águas e que os apóstolos O viram morto numa cruz e depois apareceu ressuscitado. E então a vida desses apóstolos mudam de verdade porque estão diante de um homem que não apenas ressuscitava, mas que morreu e ressuscitou. Hoje eu agradeço a Deus pelos apóstolos, porque se eles não tivessem anunciado o evangelho, dando até a própria a vida, o que seria de mim? Seria um perdido nesse mundo, caminhando para perdição. Mas graça a convicção deles, que quando no sinédrio os mandaram pararem de falar, eles disseram que não podiam deixar de falar aquilo que viram. A Igreja que nós pertencemos hoje, que somos batizados, que recebemos Jesus, que fomos crismados, que temos a graça de recebermos o sacramento da penitência, é a mesma Igreja que os apóstolos disseram Jesus é o Deus verdadeiro. Que no passado derramaram sangue. Agora pergunto: “vocês terão coragem de abandonar essa Igreja? Essa Igreja onde Jesus disse a Pedro “Tu és Pedro e sobre essa rocha edificarei a minha Igreja”. A porta que abre a porta dessa Igreja é a cruz de nosso Senhor. Uma Igreja maravilhosa, que tem defeitos sim, e cada defeito que ela mostra, mostra também que é a Igreja de Cristo. Jesus nunca desiste, Ele casou com uma Igreja defeituosa e nunca a abandona, mas nós no primeiro erro queremos abandonar. O amor dos casais precisa ser como o amor de Cristo a Igreja, eles têm defeitos, mas não podem se separar. Os apóstolos vieram para nos mostrar que o amor de Cristo por nós é um amor eterno. A aliança de Deus comigo está no sangue de Cristo derramado por mim no calvário e agora eu não posso deixá-Lo. Foi isso que os apóstolos nos ensinaram. Eu estou aqui falando para vocês, o que os apóstolos ouviram de Jesus, que por sua vez o Pai disse a Ele. Chegou a hora de vocês também falarem o que os apóstolos nos ensinaram que Jesus veio ao mundo para nos salvar e todo que n’Ele crer será salvo. Bendito seja Deus pelos apóstolos que anunciaram Sua palavra de salvação. E eu peço a vocês que sejam santos, é o que a primeira leitura nos diz, somos chamado a ser santos. A segunda coisa que peço é perseverança. Quem de vocês vai perseverar? A conversão é um passo, a perseverança que é a questão, quem de vocês vai perseverar? Vamos rezar para que Deus nos dê a graça de perseverar para que um dia nos encontremos no céu juntos com os anjos e santos.

 

Conheça e reze com São Judas Tadeu e São Simão Apóstolos

São Judas, designado por Tadeu (que significa o corajoso), é um dos Doze Apóstolos escolhidos por Jesus para o acompanhar na Sua vida pública. Irmão de São Tiago Menor, primo de Jesus, seguiu o Divino Mestre de perto e depois do dia de Pentecostes dedicou-se à pregação do Evangelho na Judéia, Samaria, Mesopotâmia (hoje região do Iraque) e na Pérsia, aonde viria a morrer martirizado juntamente com o Apóstolo São Simão. São Simão apelidado «o Zelote». Costuma ser representado com uma moca ou cacete na mão porque foi assassinado à paulada. O seu corpo foi trazido para Roma, onde é venerado na Basílica de São Pedro, no Vaticano. O Papa Paulo III concedeu indulgência plenária a quem visitar o seu túmulo no dia da sua festa, que a Igreja fixou no dia 28 de Outubro. Por causa da traição de Judas Iscariotes, o nome de Judas (que significa Deus seja louvado) veio a cair no opróbrio, votando os cristãos tal horror e desprezo por aquela designação que o termo Judas passou a ter usem como equivalente de traidor, criminoso, assassino, homem desprezível ou diabólico. Narra Santa Brígida que Nosso Senhor quis reparar tal estado de coisas e fazer justiça a nome tão belo e sublimemente usada por Seu primo materno. Numa aparição àquela famosa santa sueca, Jesus, num momento difícil, disse-lhe: “para recorrer a São Judas Tadeu, pois ele queria ajudar os seus irmãos neste mundo”. A influência das revelações de Santa Brígida estendeu-se desde a Idade Media ate aos dias de hoje e é por isso que muitos cristãos passaram a recorrer a São Judas, a exemplo de Santa Brígida. Tais foram e têm sido os favores espetaculares do Santo que a sua fama alcançou todo o mundo católico, tornando-se conhecido na tradição cristã como o advogado das causas consideradas perdidas, desesperadas, angustiosas ou muito difíceis de resolver satisfatoriamente. “Mas vós, caríssimos, edificai-vos mutuamente sobre o fundamento da vossa santíssima fé. Orai no Espírito Santo” (Carta de São Judas 1, 20).

Oração para se rezar nas situações difíceis: Glorioso São Judas, ilustre Apostolo e mártir de Jesus Cristo, resplandecente de virtudes e de milagres, fiel e pronto advogado dos que vos veneram e tem confiança em vós, vós sois o patrono e o poderoso auxílio nas situações difíceis. Por isso, eu recorro e recomendo-me a vós. Vinde em meu auxilio, eu vos suplico, com a vossa poderosa intercessão, pois obtivestes de Deus o privilégio de ajudar os que perderam toda a esperança. Dignai-vos baixar os vossos olhos sobre mim; a minha vida é uma vida de cruz, os meus dias, dias de angústia, e o meu coração um mar de amargura. Todos os meus caminhos estão cobertos de espinhos e quase não tenho um lugar de repouso. Não me abandoneis nesta triste situação. Não vos deixarei enquanto não me tiverdes atendido. Apressai-vos a socorrer-me. Ficar-vos-ei reconhecido o resto da minha vida, reverenciar-vos-ei sempre como meu patrono especial e prometo-vos espalhar o vosso culto e a força do vosso nome. Assim seja.

Louvor e Agradecimento: Ó dulcíssimo Senhor Jesus, em união com o louvor celeste, inefável, com o qual a Santíssima Trindade se louva a si mesma e que se repercute sobre a vossa Humanidade bendita, sobre Maria, os Anjos e os Santos, eu Vos louvo, Vos exalto e Vos bendigo por todos os favores e por todos os privilégios que concedestes a São Judas Tadeu, escolhendo o para vosso Apóstolo. Pelos seus méritos, peço-Vos que me concedais a Vossa graça e que, por sua intercessão, me fortifiqueis e me defendais da ação dos meus inimigos e na hora da morte. Assim seja (3 Pai Nosso, 3 Ave Maria, 3 Glória ao Pai).

Oração diária a São Judas Tadeu: Ó São Judas Tadeu, recordo-vos a felicidade que sentistes quando o bom Mestre vos ensinou, a vós e aos outros Apóstolos, a oração do Pai Nosso. Por essa alegria, peço-vos que me obtenha a graça de ser, até ao fim, um fiel discípulo do Salvador (Pai Nosso).

Oração em honra de São Judas Tadeu, Apóstolo: Senhor Jesus, Tu escolheste São Judas entre os teus Apóstolos e fizeste dele, para o nosso tempo, o Apóstolo das causas desesperadas. Agradeço-Te por todos os benefícios que me concedeste por sua intercessão e peço-Te que me concedas a Tua graça nesta vida para que possa participar um dia, na Tua glória, na alegria eterna. Amém.

Nenhum comentário ainda

Comentários desativados

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda