Por amor aos animais

Cresce a tendência a sua humanização
Por padre John Flynn, LC

ROMA, terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 (ZENIT.org).– No período que precede o dia de São Valentino, foi divulgada uma pesquisa surpreendente, segundo a qual um quinto dos adultos entrevistados afirmava preferir comemorar a data ao lado de seu animal de estimação ao invés de comemorá-la com seu parceiro.

Participaram da pesquisa 24.000 pessoas de 23 países, conforme referiu a Reuters em 8 de fevereiro. O estudo evidenciou diferenças mais pronunciadas entre as diferentes faixas etárias do que entre diferentes nacionalidades ou gêneros. Cerca de 25% dos entrevistados com menos de 35 anos afirmaram preferir seu animalzinho a seu par. Entre os adultos na faixa de 35 a 54 anos, apenas 18% sustentaram esta posição; 14% dos entrevistados com mais de 55 anos responderam da mesma forma.

Aqueles que disseram preferir um animal de estimação a uma pessoa pertenciam, de maneira geral, à categoria de menor renda.

Os resultados da pesquisa confirmam a crescente tendência à humanização dos animais. Em 23 de janeiro, um artigo do jornal britânico Telegraph tratava da retomada de uma antiga prática pagã – de sepultar pessoas junto aos seu animais de estimação. De acordo com o jornal, foi aprovado, em Lincolnshire, o último de uma série de cemitérios unificados para animais e seres humanos.

O artigo cita Penny Lally, administrador do “Woodland Burial Place” em Penwith. Lally declarou ao Telegraph ter sepultado mais de 30 pessoas juntamente aos seus animais de estimação, e que outros 120 sepultamentos já estariam agendados.

“Para muitas pessoas, o luto por seu animal de estimação não difere daquele vivenciado com a perda de um familiar, especialmente se considerarmos que os animais proporcionam uma vida mais estruturada para muitas pessoas que vivem sós”, observou Elaine Pendlebury, veterinária que atua na instituição de caridade PDSA.

A ideia de cemitérios conjuntos deriva do uso já difundido de cemitérios destinados a animais. Em 26 de outubro do ano passado, o Chicago Tribune pubicou um artigo no qual comentava que um dos cemitérios para animais mais antigo dos EUA, o Hindsdale Animal Cemetery, de Willowbrook, no Illinois, já contava com mais de 15.000 animais sepultados.

Como familiares

Segundo Micheal Schaffer, autor do livro “One Nation Under Dog”, as inscrições nas lápides têm mudado ao longo do tempo, refletindo a elevação, concedida aos animais, à condição de “plenos membros da família”.

“Ao se visitar os antigos cemitérios para animais, as inscrições que se encontram dirão coisas como ‘Aqui jaz Fido, servo fiel’, ou ainda ‘Aqui jaz Fido, o melhor amigo do homem’”, diz Schaffer. “Hoje, ao contrário, se lê: ‘Minha pequena menina’, ou “Sentimos sua falta, Mamãe e Papai’. As pessoas desenvolveram uma concepção a respeito dos próprios animais como se estes fossem seus filhos – um desenvolvimento um tanto dramático”.

Não se trata apenas de sentimentos. As pessoas estão dispostas a gastar somas cada vez maiores de dinheiro com os próprios animais. O artigo do Chicago Tribune conta o caso de um homem que gastou mais de 2.000 dólares no funeral de seu cachorro, após ter gasto mais de 7.000 dólares em tratamentos médicos na esperança de salvar sua vida.

De fato, as despesas com animais têm aumentado notavelmente nos últimos anos. Em 8 de fevereiro deste ano, o American Pet Products Manufacturers Association (APPA) divulgou seu último relatório anual, citando que as despesas com animais domésticos nos EUA aumentaram 5,4% no último ano, passando de  43,2 bilhões de dólares ao ano para mais de 45,5 bilhões de dólares em 2009. A indústria prevê que estas despesas ultrapassem os 47 bilhões de dólares em 2010.

A maior parte desta tendência deve-se ao aumento com despesas médico-veterinárias, que registraram um incremento de 8,5% ao longo do último ano. O relatório observa que os serviços médicos aplicados a animais domésticos incluem hoje tomografias computadorizadas, tratamentos de canal, remoção de tumores e antidepressivos.

O presidente da APPA, Bob Vetere, observou que com esta tendência de humanização dos animais, os padrões de qualidade de vida de homens e animais estão cada vez mais próximos, não apenas no campo da saúde, mas também da alimentação e do vestuário.

Um outro recente informe, publicado pelo Global Industry Analysts em 8 de fevereiro, examina o mercado de acessórios para animais de estimação. Calcula-se que este mercado movimentará, em nível mundial, algo em torno dos 17,2 bilhões de dólares em 2015.

“A humanização dos animais é o principal fator responsável pelo crescimento do mercado de acessórios para animais de ‘pets’, afirma o comunicado do Global Industry Analysts. “Os donos veem seus animais como seus mais fiéis companheiros, e demonstram a intenção de lhes dar tanto afeto quanto aos seus cônjuges e filhos”, acrescenta.

Pessoas?

Margaret Somerville, diretora do Center for Medicine, Ethics and Law da McGill University, no Canadá, abordou a questão da humanização dos animais domésticos em um artigo publicado na internet em 27 de janeiro.

Ela observa que alguns especialistas em ética defendem conferir aos animais o status de pessoa. Isto, entretanto, não seria desejável, uma vez que significaria abolir a ideia de que os seres humanos teriam algum valor especial, representando uma ameaça a seus direitos fundamentais.

“Em outras palava, se os animais se tornassem pessoas, as pessoas se tornariam animais”, observou Somerville – devemos, ao contrário, sustentar que a condição de pessoa é exclusiva dos seres humanos.

Esquecer Deus

A aparente contradição, evidenciada por Somerville, entre a perda do respeito pela vida humana e elevação dos animais a uma condição quase humana, apresenta um aspecto teológico de fundo.

Bento XVI fez uma breve referência ao tema numa audiência geral em 11 de janeiro de 2006. O contexto era o de um comentário ao Salmo 144.

No texto, lê-se: “Senhor, o que é o homem para que se manifeste a ele?… Grande felicidade para o homem, conhecer o próprio Criador. Nisto nos diferenciamos das feras e outros animais, porque sabemos que temos um Criador, enquanto eles não sabem”.

O Papa em seguida retomou um comentário sobre o Salmo feito por um dos Padres da Igreja, Orígenes: “Vale a pena medita sobre estas palavras de Orígenes, que vê a diferença fundamental entre o homem e os animais no fato de que o homem é capaz de conhecer a Deus, seu Criador, de que o homem é capaz da verdade, capaz de um conhecimento que se converte em amizade”, disse o Papa.

“É importante, em nosso tempo, que não nos esqueçamos de Deus, juntamente com todos os demais saberes que conquistamos, e que são tantos!”, observou. “Estes podem se tornar até perigosos, se nos falta o conhecimeto fundamental que confere significado e orientação a tudo: o conhecimento do Deus Criador”, concluiu. Efetivamente, uma das tendências de nossa sociedade moderna é a de, tendo perdido Deus de vista, desenvolver uma mentalidade que também perde de vista a dignidade da pessoa humana. Assim, há uma conexão entre a falta de respeito pela vida humana, cada vez mais considerada sob uma perspectiva utilitarista, e a humanização dos animais. Um passo a mais em direção ao retorno à cultura pagã.

 

DIREITOS HUMANOS  X  direitos dos animais
Peter Singer

Segundo a Folha de São Paulo (8/11/2011), para o filósofo Peter Singer trata-se de discriminação, preconceito e escravagismo julgar que um bicho é animal! Famoso por ser um defensor radical dos direitos animais, Singer diz que humanidade deve se “converter” ao vegetarianismo para que os animais sejam libertos da dor e da violência que sofrem.
Veja algumas “pérolas” retiradas de uma entrevista mais antiga (outubro de 2005) que o tal “filósofo” concedeu ao jornal O Estado de São Paulo:
• “Não faço distinção entre humano e não-humano, não discrimino. É melhor fazer experimentos científicos em humanos em coma irreversível do que com animais comuns que vão sofrer com isso. Também os embriões humanos podem ser usados para testes”.
• “O chimpanzé é um ser autoconsciente. Os chimpanzés são capazes de se reconhecer no espelho, eles demonstram pensamento e planejam o que fazem. […] Então é verdade: eu diria que os chimpanzés têm direitos que superam os de um feto humano. É claro que, normalmente, o feto é algo que a mulher ama e deseja, e por isso ele merece nossa proteção. Mas se a mulher não quer a gravidez, e você considera apenas os direitos do feto isoladamente, acho que ele não tem direito à vida, enquanto o chimpanzé tem”.
Como fiel ativista ecológico, Singer é favorável ao aborto, à eutanásia e ao infanticídio. A explicação é que, se um animal pode ser sacrificado por questões práticas, para acabar com alguma dor que esteja sofrendo ou que venha a sofrer, então pelo mesmo motivo devem se sacrificar pessoas também.

Comparar seres humanos com animais irracionais… Por Deus, o homem tem alma! Mas o leitor já percebeu que Singer é ateu, não é? Para conseguir os seus intuitos, ele não esconde seus desejos de silenciar a Igreja Católica: “Quanto mais conseguirmos enfraquecer a influência da Igreja, melhor a chance de vitória para os que defendem a eutanásia”. Comunismo, evolucionismo, ecologismo, vegetarianismo… O que há de comum entre estes “ismos”? Todas essas correntes ideológicas visam aproximar cada vez mais o homem da barbárie e do neo-paganismo, destruindo assim a dignidade do homem remido por Nosso Senhor Jesus Cristo na cruz. Dignidade esta que deperece na medida em que a Opinião Pública vai engolindo a influência de pessoas como Peter Singer.

 

O meio ambiente em si mesmo, tem mais valor que as PESSOAS?
Jonas 4, 9-11: “Então disse Deus a Jonas: Fazes bem que assim te ires por causa da aboboreira? E ele disse: Faço bem que me revolte até à morte. E disse o Senhor: Tiveste tu compaixão da aboboreira, na qual não trabalhaste, nem a fizeste crescer, que numa noite nasceu, e numa noite pereceu. E não hei eu de ter compaixão da grande cidade de Nínive, em que estão mais de cento e vinte mil homens que não sabem discernir entre a sua mão direita e a sua mão esquerda, e também muito animais?”

Gostaria de tecer algumas reflexões sobre o extremismo de alguns membros do movimento ambientalista internacional, que no afã de protegerem ao meio ambiente e seus recursos, chegam às raias de idolatrar a natureza e, mais grave que isso, de forma consciente ou não, acabam colocando esta como mais importante do que os seres humanos.
Quem são os ambientalistas? São aqueles que trabalham para resolver os problemas ambientais. Procuram soluções para a poluição do ar, da água, o esgotamento das reservas naturais e também se preocupam com o crescimento constante da população, porque este fator traz consigo o aumento do consumo e também uma maior exploração dos recursos existentes no planeta. Os problemas que temos hoje no tocante à dilapidação desses recursos e à poluição do meio ambiente, envolvem e atraem ativistas que empregam tempo (muitas vezes de forma integral) e talentos para esta causa. Mas a questão é que muitos dos assim chamados ambientalistas tem como fundamento ideológico de suas ações os ensinos pagãos que levam ao endeusamento da Terra e da natureza. A personificação do planeta Terra é denominada de teoria Gaia. Gaia era na antiguidade, a deusa da terra na mitologia grega e romana, ou seja, a Mãe-Terra. Este termo na forma como é usado hoje pelos que adoram a natureza, tem a ver com uma cosmovisão oriental, panteísta, de que a terra seria uma deusa e portanto, passível de adoração. Vejam como este texto, extraído de uma publicação do Movimento da Nova Era, demonstra claramente o que estamos descrevendo aqui: “Uma necessidade interior chama claramente a nossa atenção neste momento do período evolutivo. O chamado é para servir o bem-estar do planeta vivo, Terra Gaia… O chamado é para fazer parte de uma consciência holística na qual todos os povos, todas as formas de vida, todos os tipos de manifestação universal são vistos como aspectos interdependentes de uma verdade única” (Barry McWaters, Conscious Evolution, Los Angeles: New Age Press, 1981).
Vejo uma grande contradição naqueles que se consideram intelectualizados demais para crer na Bíblia como sendo a infalível e eterna Palavra de Deus, porém facilmente aceitam o mito da terra personificada e endeusada. E nisso, atribuem tanto valor à natureza, como as florestas, os rios, o ar, o solo, as geleiras no Ártico e na Antártida, que argumentam fortemente contra o aumento da população mundial porque poderia gerar um esgotamento dos recursos e o incremento da poluição no mundo inteiro. E já se ouve de alguns setores do movimento ambientalista (muitos deles envolvidos fortemente com o ocultismo) de que é necessária a redução drástica da população no mundo para que este não venha a ser destruído em face do que possa ocorrer diante deste fato, segundo eles, calamitoso para o planeta em todos os sentidos. No que tange ao controle populacional, temos um exemplo de muitos anos com a experiência do governo chinês que instituiu, de forma obrigatória, a política do “filho único” para tentar frear a velocidade do aumento frenético de sua população. Também com o mesmo intuito, várias entidades nos demais países apoiam o aborto como outra solução para o “problema”. O ramo mais extremista dos defensores do meio ambiente já começa a considerar que pessoas idosas, doentes ou incapacitadas por problemas físicos e mentais são menos importantes que a natureza e seus recursos. A depreciação com os seres humanos certamente aumentará na mesma medida em que aumenta a idolatria para com este planeta e suas riquezas naturais.
E o que isto tudo tem a ver com o profeta Jonas, conforme o texto bíblico que inicia esta reflexão? Comissionado por Deus para ir e pregar uma mensagem de arrependimento, recusou-se e procurou fugir para um lugar distante, porém o Senhor de forma drástica fez com que o Seu servo fosse e pregasse naquela grande cidade. Assim, 120 mil pessoas se arrependeram com a mensagem e Deus mudou Seu plano de aniquilar aquele povo por causa de seus muitos pecados. Mas o profeta ficou desgostoso com a misericórdia divina demonstrada para com os inimigos de seu povo e desejou a morte. Cansado, assenta-se fora da cidade sob uma cabana que construíra para ver o que realmente Deus faria à Nínive (talvez esperando que Deus finalmente castigasse os ninivitas). Então, o Todo-Poderoso faz com que uma planta, uma aboboreira, crescesse em uma noite de tal forma que proporcionasse uma bela sombra sobre onde Jonas se encontrava de tal forma que o indignado profeta muito se alegrou. Mas, no dia seguinte, Deus envia um verme que ataca a planta e esta vem a morrer. Sem a sombra protetora daquele vegetal, o calor aumenta sobremaneira e  ele chega a desmaiar. Quando acorda, novamente tem desejos de morte. Deus interpela então seu rebelde profeta por causa do sentimento que alimentara por uma simples planta. O texto bíblico diz que ele sentira compaixão pela morte da mesma, compaixão esta que se transforma em ira por causa do calor que voltara a sentir. Aprendemos da passagem, que em verdade, o Senhor mostra a Jonas que ele sentira um sentimento que era ilícito, porque estava direcionado a um mero vegetal, enquanto que ao mesmo tempo, ele não demonstrara o mesmo sentimento pelas 120 mil pessoas que estavam ameaçadas de morrerem em face de seus pecados, e de fato morreriam, se Jonas não lhes fosse pregar o arrependimento como Deus Lhe ordenara. Aqui estabeleço o ponto de contato.
Os ambientalistas pagãos, rebeldes a Deus, que não aceitam um Deus pessoal, Deus este que é amoroso e que se preocupa com o bem estar de Sua criação, principalmente e acima de tudo com o homem, criado à Sua imagem e semelhança (Gn 1.26) menosprezam as pessoas, mesmo alegando que querem proteger a natureza e seus recursos para o melhor usufruto da raça humana. Isto porque querem se  basear nas premissas do paganismo. Na verdade, estão em choque duas cosmovisões: a cosmovisão teísta, ocidental e judaico-cristã e a cosmovisão panteísta/monista, oriental e hinduísta-budista. E, orquestrando tudo isto está a velha serpente, Satanás, que deseja implementar uma cosmovisão que destrona Deus e Seus mandamentos, estabelecendo uma doutrinação nas mentes das pessoas, quer sejam governos, empresas, organizações não-governamentais e até mesmo as igrejas cristãs bem como a sociedade em geral para que seja considerada prioridade máxima a salvação do planeta Terra da destruição pela poluição, estabelecendo parâmetros de sustentabilidade, que obviamente contém muitas considerações úteis e válidas para o mundo e a sociedade humana, mas outras são francamente hostis à Deus e aos seres humanos que Ele criou. Satanás tem ódio da raça humana e deseja dominá-la e destruí-la. O vindouro Anticristo trabalhará exatamente com este intuito destruidor porque ele terá o poder do dragão, ou seja, Satanás (Ap 13.4) para inflingir sofrimento e destruição neste combalido planeta. Mas tudo isto acontecerá porque os homens têm pecado contra o Senhor e este já determinou um período na história futura para fazer recair a Sua ira sobre todo aquele que hoje recusa a oferta graciosa do Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo. É tempo pois de a Igreja do Senhor, do povo de Deus em todo o mundo, discernir plenamente a mensagem do ambientalismo pagão a fim de não cooperar naquilo que for francamente contrário aos mandamentos do Senhor, que manda amarmos ao próximo (Mc 12.31) sem fazer distinção de pessoas (Tg 2.1-9). Também é necessário entendermos que os cristãos devem ser os primeiros a defender a natureza, porque o uso equilibrado dos recursos naturais é dever de todos, porque todos são beneficiários deles. Mas não fazemos isto por causa de alguma ideia humanista e pagã de que a Terra é viva, de que ela é a Mãe-Gaia devendo ser respeitada e adorada, mesmo que isso custe a vida de outros seres humanos. Essa espiritualidade pagã é de inspiração diabólica. Mesmo quando alega amor aos seres humanos, porque não está fundamentada na verdade das Escrituras do AT e NT. Não reconhece a verdade suprema personificada em Jesus Cristo. Não reconhece o que a Bíblia ensina sobre o homem. E não aceita o ensino bíblico acerca da criação. Que possamos com a ajuda de Deus entender biblicamente os tempos que estamos vivendo. Pense nisso.

 

OS PERIGOS da humanização de animais
Tratar os animais de estimação como seres humanos pode trazer graves consequências
http://www.fiamfaam.br/momento/?pg=leitura&id=1558&cat=1

Roupas e coleiras de grife, SPA, tratamentos estéticos, massagem, ofurô. A princípio, apenas mimos para os animais de estimação. E tanto cuidado tem um preço: isso pode prejudicar os animais.

Tratar os animais como seres humanos pode trazer problemas e prejuízos psicológicos tanto para os donos quanto para seus bichinhos de estimação, de acordo com o médico veterinário Luiz Fernando Sabadine. “Quando ocorre a humanização dos animais de companhia, eles perdem a sua identidade e passam a sofrer das mesmas coisas que os humanos sofrem”, afirma.

O excesso de atenção é frequentemente tido como negativo. Muita gente, principalmente aposentados, pessoas solteiras ou casais sem filhos, tratam os animais como crianças. É o caso de Ana Cláudia Moreira, 37 anos, secretária. Casada há seis anos, Ana possui dois cães da raça Yorkshire. “Antes deles, até queria ter filhos. Mas desde que comprei meus cãezinhos, não penso mais. Eles me completam”, diz.

Antes de se mudarem para a atual residência, ela e o marido viviam numa casa com três quartos, sendo um especialmente decorado para os cachorros. A nova moradia foi reformada especialmente para eles. “Colocamos pisos rústicos na casa inteira, para evitar escorregões”, justifica Ana.

Apesar de enfrentar preconceito de algumas pessoas, devido aos cuidados excessivos que tem com os animais, Ana Cláudia não vê exageros. “Fiz até uma tatuagem nas costas com o nome deles, e se pudesse, faria muito mais”, completa.

Para a zootecnista Mariana Andrade, uma das coordenadoras do projeto “300 anjos, 300 corações”, que alimenta e cuida dos animais de um abrigo em São Paulo, não há mal nenhum no amor que os donos sentem pelos animais, porém, ela repudia os exageros. “Não sou contra o amor que um ser humano pode sentir por um animal, mas acho um exagero a ostentação”, diz.

Segundo a Associação de Produtos e Prestadores de Serviços ao Animal (Assofauna), o mercado de pet shops cresce cerca de 17% ao ano e fatura R$ 3 bilhões. No Brasil existem aproximadamente 25 milhões de cães, 11 milhões de gatos, 4 milhões de pássaros e 500 mil aquários. De olho nesse mercado, a pet shop de luxo Au Pet Store, em São Paulo, oferece serviços como academia e centro estético para animais. Segundo Alcides Diniz, empresário da loja, os gastos de cada cliente variam. “Um cliente gasta em média R$ 100 por animal, mas já vi gente gastar R$ 3 mil”, diz. Já no Cãotry Club, hotel especializado em cuidar de cachorros, há macas para massagem, piscina aquecida, esteira aquática e até mesmo SPA para emagrecimento dos bichos de estimação.

Com inúmeras opções para cuidar dos animais, eles podem começar a apresentar alteração comportamental. “Percebendo o exagero de cuidados, o animal começa a se comportar como uma criança: mimando demais, você perde o controle”, diz o veterinário Luiz Fernando Sabadine. Agressividade, hiperatividade, comportamento anti-social. Estes são alguns sintomas dos animais “mimados”. Na maioria das vezes, as coisas consideradas erradas são feitas pelo animal na tentativa de chamar a atenção. “Até levar uma bronca é visto como forma de ser lembrado”, considera.

O tratamento para curar desvios comportamentais provocados pelo mimo exagerado consiste basicamente na procura de um profissional especializado, como um zootecnista, e principalmente na mudança de atitude do proprietário em relação ao animal. O médico ressalta que a correção deve ser feita no momento da “travessura”: se feita tardiamente, pode até mesmo ter o efeito contrário, pois o animal não se lembrará por qual motivo está tomando a bronca. “Precisamos principalmente do apoio dos donos. Com a humanização, ele pode acabar transferindo problemas e traumas para o animal”, finaliza Sabadine.

Nenhum comentário ainda

Comentários desativados

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda