Papa preside Missa de encerramento do Encontro Mundial das Famílias

Encorajamento às famílias

https://noticias.cancaonova.com/especiais/pontificado/francisco/papa-preside-missa-de-encerramento-encontro-mundial-das-familias/

Domingo, 26 de agosto de 2018, Jéssica Marçal / Da Redação

Papa reiterou pedido de perdão por abusos cometidos por membros do clero na Irlanda e deixou palavras de encorajamento às famílias de todo o mundo

Papa Francisco na Missa deste domingo, 26, no encerramento do Encontro Mundial das Famílias / Foto: REUTERS/Hannah McKay

O Papa Francisco presidiu neste domingo, 26, a Missa de encerramento do 9º Encontro Mundial das Famílias, que é realizado em Dublin, na Irlanda, desde a última terça-feira, 21. O Santo Padre deixou às famílias palavras de encorajamento, convidando-as a “partilhar o Evangelho da família como alegria para o mundo”.

No momento do ato penitencial, o Papa renovou o pedido de perdão diante dos casos de abusos (de poder, de consciência e sexuais) cometidos por membros do clero na Igreja na Irlanda. Ontem, o Papa se encontrou com oito sobreviventes desses abusos e, recorrendo ao que as vítimas lhe disseram, quis colocar diante da misericórdia do Senhor esses crimes e pedir perdão por isso.

“Pedimos perdão pelos abusos na Irlanda, abusos de poder, de consciência, abusos sexuais por parte de membros qualificados da Igreja. De maneira especial, pedimos perdão por todos os abusos cometidos em vários tipos de instituições dirigidas por religiosos e religiosas e outros membros na Igreja e pedimos perdão pelos casos de exploração no trabalho a que foram submetidos muitos menores”.

O Santo Padre pediu perdão também pelos casos em que membros da hierarquia se silenciaram diante dessas situações. “Que o Senhor nos dê a força para nos comprometermos em trabalhar para que nunca mais aconteça e seja estabelecida a justiça”, pediu.

Na homilia, Francisco desenvolveu sua reflexão a partir do Evangelho do dia, em que Jesus falava aos discípulos e muitos deles ficavam perplexos, hesitando em aceitar as “palavras duras” de Jesus, contrárias à sabedoria do mundo. Em resposta aos discípulos, Jesus diz: “As palavras que vos disse são espírito e são vida”, palavras que, segundo o Papa, transbordam vida para quem as acolhe na fé.

“Indicam a fonte última de todo o bem que experimentamos e celebramos aqui nestes dias: o Espírito de Deus, que sopra constantemente nova vida sobre o mundo, nos corações, nas famílias, nos lares e nas paróquias. Cada dia novo na vida das nossas famílias e cada nova geração trazem consigo a promessa dum novo Pentecostes, um Pentecostes doméstico, uma nova efusão do Espírito, o Paráclito, que Jesus nos envia como nosso Advogado, nosso Consolador e Aquele que verdadeiramente nos dá coragem”.

Francisco destacou que o mundo precisa desse encorajamento e convidou as famílias ali presentes a voltar para suas casas tornando-se fonte de encorajamento para os outros, a fim de partilhar as “palavras de vida eterna” de Jesus. E a família, acrescentou, é um lugar privilegiado para que isso aconteça.

A tarefa de testemunhar a Boa Nova de Jesus não é fácil, ressaltou o Papa, recordando, porém, que esses desafios não são mais difíceis que aqueles enfrentados pelos primeiros missionários irlandeses, citando como exemplo de São Columbano, que realizou essa missão evangelizadora na Europa em uma época de obscuridade e decadência cultural.

O Santo Padre considerou que sempre haverá pessoas que vão se opor à Boa Nova, mas isso não deve influenciar nem desanimar os fiéis. “Contudo reconheçamos humildemente que, se formos honestos com nós mesmos, poderemos também nós achar duros os ensinamentos de Jesus. Como permanece difícil perdoar àqueles que nos magoam! Que grande desafio continua a ser o acolhimento do migrante e do estrangeiro! Como é doloroso suportar a desilusão, a rejeição ou a traição! Como é incómodo proteger os direitos dos mais frágeis, dos nascituros ou dos mais idosos, que parecem estorvar o nosso sentido de liberdade!”.

Por fim, o Papa lembrou o envio missionário que cada cristão tem a partir dos sacramentos do Batismo e da Confirmação. “A Igreja, no seu conjunto, é chamada a ‘sair’ para levar as palavras de vida eterna às periferias do mundo. Que a nossa celebração de hoje confirme cada um de vós – pais e avós, crianças e jovens, homens e mulheres, frades e freiras, contemplativos e missionários, diáconos e sacerdotes – na partilha da alegria do Evangelho! Possais partilhar o Evangelho da família como alegria para o mundo”.

Homilia do Papa Francisco no Encontro Mundial das Famílias 2018
Santa Missa no Phoenix Park

«Tu tens palavras de vida eterna!» (Jo 6, 68).

No termo deste Encontro Mundial das Famílias, reunimo-nos como família ao redor da mesa do Senhor. Agradecemos ao Senhor pelas inúmeras bênçãos recebidas nas nossas famílias. Queremos empenhar-nos a viver plenamente a nossa vocação, para sermos, segundo as comoventes palavras de Santa Teresa do Menino Jesus, «o amor no coração da Igreja».

Neste momento precioso de comunhão de uns com os outros e com o Senhor, é bom fazer uma pausa e considerar a fonte de todas as coisas boas que recebemos. Jesus revela a origem destas bênçãos no Evangelho de hoje, quando fala aos seus discípulos. Muitos deles estavam perplexos, confusos e até irados, hesitando se aceitar ou não as suas «palavras duras», tão contrárias à sabedoria deste mundo. Em resposta, o Senhor diz-lhes diretamente: «As palavras que vos disse são espírito e são vida» (Jo 6, 63).

Com a sua promessa do dom do Espírito Santo, estas palavras aparecem transbordantes de vida para nós que as acolhemos na fé. Indicam a fonte última de todo o bem que experimentamos e celebramos aqui nestes dias: o Espírito de Deus, que sopra constantemente nova vida sobre o mundo, nos corações, nas famílias, nos lares e nas paróquias. Cada dia novo na vida das nossas famílias e cada nova geração trazem consigo a promessa dum novo Pentecostes, um Pentecostes doméstico, uma nova efusão do Espírito, o Paráclito, que Jesus nos envia como nosso Advogado, nosso Consolador e Aquele que verdadeiramente nos dá coragem.

Quanta necessidade tem o mundo deste encorajamento que é dom e promessa de Deus! Que vós possais, como um dos frutos desta celebração da vida familiar, regressar às vossas casas e tornar-vos fonte de encorajamento para os outros, para partilhar com eles «as palavras de vida eterna» de Jesus. Na verdade, as vossas famílias são quer um lugar privilegiado quer um meio importante para difundir estas palavras como «boas notícias» para cada um, especialmente para quantos desejam deixar o deserto e a «casa da escravidão» (cf. Js 24, 17) a fim de irem para a terra prometida da esperança e da liberdade.

Na segunda Leitura de hoje, São Paulo diz-nos que o matrimónio é uma participação no mistério da fidelidade perene de Cristo à sua esposa, a Igreja (cf. Ef 5, 32). Mas esta doutrina, embora magnífica, pode aparecer a alguém como uma «palavra dura». Porque viver no amor, como Cristo nos amou (cf. Ef 5, 2), implica a imitação do próprio sacrifício de Si mesmo, implica morrer para nós mesmos a fim de renascer para um amor maior e mais duradouro: aquele amor, o único que pode salvar o mundo da escravidão do pecado, do egoísmo, da ganância e da indiferença às necessidades dos menos afortunados. Este é o amor que conhecemos em Jesus Cristo. Encarnou-Se no nosso mundo por meio duma família, e em cada geração, através do testemunho das famílias cristãs, tem o poder de romper todas as barreiras para reconciliar o mundo com Deus e fazer de nós aquilo que desde sempre estamos destinados a ser: uma única família humana que vive conjuntamente na justiça, na santidade e na paz.

A tarefa de dar testemunho desta Boa Nova não é fácil. Mas, de certo modo, os desafios que hoje enfrentam os cristãos não são mais difíceis do que aqueles que tiveram de enfrentar os primeiros missionários irlandeses. Penso em São Columbano, que, com o seu pequeno grupo de companheiros, levou a luz do Evangelho às terras da Europa numa época de obscuridade e decadência cultural. O seu extraordinário sucesso missionário não se baseara em métodos táticos ou planos estratégicos, mas numa humilde e libertadora docilidade às sugestões do Espírito Santo. Foi o seu testemunho diário de fidelidade a Cristo e entre eles que conquistou os corações que desejavam ardentemente uma palavra de graça e que contribuiu para fazer nascer a cultura europeia. Tal testemunho permanece uma fonte perene de renovação espiritual e missionária para o povo santo e fiel de Deus.

Naturalmente, haverá sempre pessoas que se oporão à Boa Nova, que «murmurarão» contra as suas «palavras duras». Todavia, como São Columbano e os seus companheiros que enfrentaram águas geladas e mares tempestuosos para seguir Jesus, não nos deixemos jamais influenciar ou desanimar pelo olhar gelado da indiferença ou pelos ventos borrascosos da hostilidade.

Contudo reconheçamos humildemente que, se formos honestos com nós mesmos, poderemos também nós achar duros os ensinamentos de Jesus. Como permanece difícil perdoar àqueles que nos magoam! Que grande desafio continua a ser o acolhimento do migrante e do estrangeiro! Como é doloroso suportar a desilusão, a rejeição ou a traição! Como é incómodo proteger os direitos dos mais frágeis, dos nascituros ou dos mais idosos, que parecem estorvar o nosso sentido de liberdade!

Mas é precisamente em tais circunstâncias que o Senhor nos pergunta: «Também vós quereis ir embora?» (Jo 6,67). Com a força do Espírito que nos encoraja e com o Senhor sempre ao nosso lado, podemos responder: «Nós cremos e sabemos que Tu é que és o Santo de Deus» (v. 69). Com o povo de Israel, podemos repetir: «Também nós serviremos o Senhor, porque Ele é o nosso Deus» (Js 24,18).

Com os sacramentos do Batismo e da Confirmação, cada cristão é enviado para ser um missionário, um «discípulo missionário» (cf. Evangelii gaudium, 120). A Igreja, no seu conjunto, é chamada a «sair» para levar as palavras de vida eterna às periferias do mundo. Que a nossa celebração de hoje confirme cada um de vós – pais e avós, crianças e jovens, homens e mulheres, frades e freiras, contemplativos e missionários, diáconos e sacerdotes – na partilha da alegria do Evangelho! Possais partilhar o Evangelho da família como alegria para o mundo.

Ao preparar-se cada um para retomar a própria estrada, renovemos a nossa fidelidade ao Senhor e à vocação a que chamou cada um de nós. Fazendo nossa a oração de São Patrício, repita cada um com alegria: «Cristo dentro de mim, Cristo atrás de mim, Cristo ao meu lado, Cristo debaixo de mim, Cristo acima de mim». Com a alegria e a força conferidas pelo Espírito Santo, digamos-Lhe confiadamente: «A quem iremos nós, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna» (Jo 6, 68).

Nenhum comentário ainda

Comentários desativados

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda