O Valor da Família

Família: vocação que transcende

A família cristã tem hoje mais do que nunca, uma missão essencial e intransferível: ensinar e semear a fé. Uma fé que pregue a Jesus Cristo, amor e fundamento da comunidade eclesial e cristã.

Os pais são os primeiros evangelizadores dos filhos, dom precioso do Criador (cf. Documento Pontifìcio Gaudium et Spes, n.50).  É obrigação dos pais instruírem seus filhos na vida de orações, na vivência dos sacramentos, e na motivação pela santidade. Com esses primeiros ladrilhos da fé, os filhos podem começar a edificar sua vida enraizado na vontade de Deus. Podem crescer nos valores humanos e cristãos que dão pleno sentido à vida.

Os filhos são, sem dúvida alguma, o mais precioso dom do matrimônio e deles dependem em grandíssima parte a felicidade dos próprios pais. Deus mesmo disse: “… não é bom que o homem esteja só.” (Gn 2, 18) e abençoando o homem com a presença da mulher os exortou: “Sede fecundos e multiplicai-vos” (Gn 1, 28). Por isso, o amor conjugal e toda a vida que dele procede, “… tendem a que os esposos, com fortaleza de ânimo, estejam dispostos a colaborar com o amor do Criador e do Salvador, que por meio deles aumenta continuamente e enriquece a sua família (Gaudium et Spes,  n.50, § 1).

Como pode um edifício permanecer firme se não está bem fundado? Desde esta perspectiva podemos contemplar a importância conservadora e vivificante que a família exerce em toda a sociedade. Hoje, em um ambiênte que ataca brutalmente os valores familiares, que degrada a essência do matrimônio, que despreza o verdadeiro sentido da vida, que promove a morte como saída de emergência dos problemas… é necessário a força que procede da família…. «os desvios seculares do matrimônio nunca podem ofuscar o esplendor de uma aliança vital fundamentada sobre a entrega generosa e o amor incondicional. A reta razão nos diz que “o futuro da humanidade passa pela família» (cf. Exortação Apostólica Familiaris consortio, 86).

A família é a esperança do mundo. É a educadora da verdade. A guia verdadeira da felicidade. A sociedade urge que as famílias semeiem os princípios morais e cristãos em todos os seus membros, pois Deus tem destinado à família uma vocação que transcende todas  as outras, a vocação de ensinar a viver.

O amor de Deus pela família é tanto, que Cristo quis nascer e crescer no seio da Sagrada Família da qual recebeu todo o amor, temor de Deus e educação nos princípios religiosos e morais. Segundo uma antiga expressão, o Concílio Vaticano II declara a família: “Ecclesia domestica”- Igreja domestica- (Documento Pontifício Lumen Gentium n.11). Além disso, o Catecismo afirma que a Igreja não é outra coisa que a família de Deus.

Sendo a família a sustentadora de uma sociedade reta e amante de Deus, seus membros devem lutar para defendê-la dos ataques agresivos e destrutores do mundo. Lutar contra o sofisma e o relativismo que descarta os verdadeiros valores cristãos e fundamentais da dignidade familiar.

Willians Rodrigues
[email protected]

Nenhum comentário ainda

Comentários desativados

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda