Fazemos o bem ou o mal aos outros?, pergunta o Papa Francisco

Por Álvaro de Juana
https://www.acidigital.com/noticias/fazemos-o-bem-ou-o-mal-aos-outros-pergunta-o-papa-francisco-21876

Papa abençoa Cruz de São Damião e imagem de Nossa Senhora de Loreto, que serão levadas ao Panamá (Vatican Media)

Vaticano, 12 Ago. 18 / 09:05 am (ACI).- O Papa Francisco abençoou os 70 mil jovens presentes na Praça de São Pedro por ocasião da iniciativa “Por mil estradas rumo a Roma” e os incentivou a “renunciar ao mal”, dando-lhes uma série de recomendações.

Depois que o presidente da Conferência Episcopal Italiana, Cardeal Gualtiero Bassetti, presidiu a Missa, Francisco foi à Praça e a percorreu, sandando os jovens presentes. Em seguida, deu-lhes um mandato missionário e abençoou os objetos que os jovens levarão à Jornada Mundial da Juventude (JMJ) do Panamá, entre os dias 22 e 27 de janeiro de 2019: o Crucifixo de São Damião e uma estátua da Virgem de Loreto.

Antes de rezar o Ângelus, Francisco afirmou que, “para não entristecer o Espírito Santo, é necessário viver de uma maneira coerente com as promessas do Batismo, renovadas na Crisma”, as quais “têm dois aspectos: renúncia do mal e adesão ao bem”.

“Renunciar ao mal significa dizer ‘não’ às tentações, ao pecado, a satanás. Mais concretamente, significa dizer “não” a uma cultura da morte, que se manifesta na fuga do real para uma falsa felicidade que se expressa nas mentiras, na fraude, na injustiça, no desprezo do outro”.

Além disso, o Bispo de Roma disseque “a vida nova que nos é dada no Batismo, e que tem como fonte o Espírito, rejeita um comportamento dominado por sentimentos de divisão e discórdia”.

Alertou contra a ira, o desprezo e a maledicência, “elementos ou vícios que perturbam a alegria do Espírito, envenenam o coração e levam a praguejar contra Deus e o próximo”.

Entretanto, assinalou que “não basta não fazer o mal para ser um bom cristão; é necessário aderir ao bem e fazer o bem”.

“Quantas pessoas não fazem o mal, mas nem mesmo o bem, e sua vida acaba na indiferença, a apatia, na tibiez. Essa atitude é contrária ao Evangelho, e também é contrária ao caráter de vocês jovens, que por natureza são dinâmicos, apaixonados e corajosos”.

O Pontífice os exortou “a serem protagonistas no bem” e a não se sentirem bem “quando vocês não fazem o mal”, porque “cada um é culpado pelo bem que poderia ter feito e não fez”.

“Não basta não odiar, é preciso perdoar; não basta não ter rancor, devemos orar pelos inimigos; não basta não ser causa de divisão, é preciso levar a paz onde ela não existe; não basta não falar mal dos outros, é preciso interromper quando ouvimos falando mal de alguém”.

“Se não nos opomos ao mal, nós o alimentamos calando. É necessário intervir onde o mal se espalha; porque o mal se espalha onde não há cristãos ousados ​​que se opõem com o bem”.

Nenhum comentário ainda

Comentários desativados

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda