Julho – Mês do Preciosíssimo Sangue de Jesus

«Pregado enfim na Cruz o nosso amoroso e pacientíssimo Jesus, tomaram os algozes a Cruz em peso, e ficou arvorado no Monte Calvário o Estandarte da nossa Redenção com o verdadeiro Crucifixo. Oh que dor! (u.) que aflição foi a daquela Humanidade Sagrada neste rigorosíssimo ato! Caiu a Cruz de golpe na cova, que era funda, estremeceu e ficou suspenso o Corpo com todo o peso, e com este abalo de todos os membros e de todas as veias, as quatro fontes de Sangue, que estavam abertas, começaram a correr com maior ímpeto e a regar a terra (…). Correm estas quatro fontes no Monte Calvário, e nele se dividem em quatro rios por todas as quatro partes do Mundo, e não há terra que não alcancem; todos (…) temos parte naquele Divino Sangue, (e que fora de nós se a não tivéramos). (…) O fim para que correm estas fontes e estes rios, é para que nossas almas leprosas se lavem, e fiquem limpas da lepra de nossos pecados. (…) Lavai, Cristãos, e cada um lave aquele vício que mais areia a sua alma. Lavem-se nesta fonte de humildade as soberbas; lavem-se nesta fonte de pureza as desonestidades; lavem-se nesta fonte de liberalidade as cobiças e avarezas; lavem-se nesta fonte de caridade os ódios, as invejas, as vinganças; lavem-se nesta fonte de santidade todos os nossos pecados e maldades do Mundo. (…) Quanto mais corre o Sangue, tanto mais enfraquece e se aflige aquele atormentadíssimo Corpo! Oh! que (…) angustiado Vos vejo, meu Jesus! Se o Senhor Se queria firmar sobre o cravo dos pés, lastimavam-se mais os pés; se Se queria suspender sobre os cravos das mãos, rasgavam-se mais as mãos; se Se queria arrimar à Cruz, cravavam-se mais os espinhos. (…) Faltava-Lhe o sangue para o alento, faltava-Lhe o ar para a respiração, e até a terra, que não falta aos bichinhos dela, faltava ao Criador do Céu e da Terra…» (Pe. António Vieira, Prática Espiritual da Crucifixão do Senhor – em Jorge de Vil’ Alva, Espírito e Vida, 7, p. 161). O Sangue de Jesus deve ser para nós nesta hora o Sangue do Testamento, o penhor da aliança que Deus nos propõe. «Tenhamos, pois, confiança, amados irmãos, nos diz o Apóstolo, e, pelo sangue de Cristo, entremos no Santo dos Santos. Sigamos o caminho novo cujo segredo se tomou nosso, o caminho vivo que Ele nos traçou através do véu da sua carne. Aproximemo-nos com um coração puro, com uma fé viva, mantendo firme a profissão da nossa inquebrantável esperança. Excitemo-nos todos à porfia, ao crescimento do amor. E que o Deus da paz, que ressuscitou dos mortos Nosso Senhor Jesus Cristo, o grande pastor das ovelhas no Sangue de Aliança eterna, vos disponha para operardes em tudo conforme a sua vontade… !»

Esta festa foi instituída por Pio IX, no século XIX, assinalando o restabelecimento do poder papal sobre Roma. Na verdade, em 1848 o Pontífice tinha sido expulso da Cidade Eterna pela revolução triunfante. Mas no ano seguinte via restabelecido o seu poder, através da intervenção militar da França. Entre 28 de Junho e 2 de Julho concluíram-se as operações militares. Pouco depois, um duplo decreto notificava à cidade e ao mundo o reconhecimento do Pontífice e a maneira como ele desejava perpetuar, liturgicamente, a memória de tais acontecimentos. A 10 de Agosto, de Gaeta mesmo, onde se refugiara, Pio IX, antes de retomar o governo dos Estados Pontifícios, dirigia-se ao Chefe invisível da Igreja e lha consagrava, estabelecendo a festa deste dia e recordando-Lhe que, por esta mesma Igreja, Ele derramara todo o seu sangue. Pouco depois, já em Roma, o Pontífice dirigia-se a Maria, como em circunstâncias idênticas o tinham feito Pio V e Pio VII, agradecendo a sua intercessão em hora tão difícil e a vitória alcançada no dia da sua Visitação; e estatuía que a festa de 2 de Julho subisse de categoria em todas as Igrejas – prelúdio da definição do dogma da Imaculada Conceição, projetada desde aí pelo Pontífice.

 

Sangue da nova e eterna Aliança
Padre Paulo Ricardo

Hoje, vamos refletir sobre o preciosíssimo Sangue de Nosso Senhor Jesus. Muitas vezes ouvimos a frase: “O Sangue de Cristo tem poder”, mas o que significa isso? Quando pensamos no Pai na cruz não vemos a Sua liberdade porque O enxergamos presos. Mas ela se manifestou na Santa Ceia.

“Isto é o meu corpo, que é dado por vós; fazei isto em memória de mim. Do mesmo modo tomou também o cálice, depois de cear, dizendo: Este cálice é a Nova Aliança em meu sangue, que é derramado por vós” (Lucas 22, 19). É neste ato de oferta que enxergamos o sacerdócio de Nosso Senhor Jesus Cristo. Quantas vezes participamos da Santa Missa e ouvimos essas palavras?

Você sabe o que significa “o Sangue da Nova e Eterna Aliança”? Para entender isso precisamos saber o significado disso. Aliança é um pacto de fidelidade, ou seja, duas pessoas resolvem fazer um “contrato” sério, por meio do qual doam as suas vidas.

Quando falamos de Aliança de Sangue é um pacto para a vida inteira; é isso que Deus faz com cada um de nós. O Pai quis fazer essa Aliança conosco para nos dizer que a nossa vida está n’Ele. Sem o Senhor, nós não temos sentido.

Cortar o relacionamento com Deus significa automaticamente a nossa morte. Quando cortamos o fio de energia que alimenta um aparelho este vai desligar e não vai funcionar. É assim que acontece, também, conosco [se cortarmos o relacionamento com Deus].

O Todo-Poderoso é a razão da sua vida, o que sustenta você, o ar que você respira. O Senhor quis fazer essa Aliança para que você fizesse o bem. Amar ao Pai é bom para você; logo: se quiser se realizar como pessoa, precisará estar em pleno contato com Ele.

O Senhor quer que você fique junto d’Ele e que não vá atrás de outros deuses, como o sexo, a bebida, o dinheiro, ou talvez até seu marido e seus filhos. Não podemos viver mais por conta de uma pessoa do que por conta de Deus.

Se você for fiel apenas 10%, será feliz apenas 10%. Mas, se der toda a sua vida ao Pai, você será totalmente realizado. A sua felicidade depende do seu grau de intimidade com o Senhor. Jesus perdoa a sua infidelidade e mostra a fidelidade d’Ele, esse é o poder do Sangue de Jesus.

O amor é isto: juramento de fidelidade. Amar é gostar e perdoar apesar dos pecados, das fraquezas. Uma mãe que ama seu filho drogado, ama o filho, mas odeia a droga. Deus ama você, apesar de você. Os cristãos não perdoam os pecados e, sim, os pecadores.

Se você tolera o mal, você não ama o bem. Se você ama alguém, você odeia aquilo que o destrói. Por isso, Deus olha para nós com o profundo amor de quem ama o pecador e profundo ódio de quem odeia o pecado.

O Altíssimo não deixa a nossa consciência em paz, Ele vai atrás de nós, é ciumento porque nos ama e nos quer ver bem. O Sangue de Cristo mostra a misericórdia infinita d’Ele por nós. Jesus não desiste de você e você também não pode desistir de si mesmo!

Ame você e odeie o seu pecado, esse é o equilíbrio do cristão. Você pode ter feito tudo para que Deus desistisse de você, mas Ele não vai desistir. Amém!

 

Resgatados pelo Precioso Sangue
Márcio Mendes

Aquele que é o inimigo de Deus tem sido cruel com você, ele tem feito maldades contra você. O que, muitas vezes, você pensa que é obra do acaso, coincidência ou que acontecem por acontecer,  são articulações do maligno para colocar a sua vida a perder e levá-lo ao desespero. O demônio não tem aliado, mas vítimas; você, para ele, é um alvo a ser derrubado. Resistir ao mal é entregar  a Jesus toda a monstruosidade que o maligno foi colocando dentro do seu coração, a fim de que o Senhor possa crucificá-lo. Muitas pessoas dizem que o outro lado da cruz está vazio, pois está reservado a você. Vou lhe explicar que o outro lado da cruz não está reservado para você, pois Jesus foi crucificado no seu lugar; Ele pagou por todos e já está pago. O outro lado da cruz está reservado para toda a maldade, para todo pecado que estava destruindo você. O outro lado da cruz está sendo crucificado toda obra de satanás na nossa vida, é ela que está sendo destruída para sempre. Resistir ao mal é entregar toda a deformidade, todo pecado a Jesus para ser crucificado, é permitir que seja destruído tudo o que é doentio, maligno dentro do nosso coração. Quando você se entrega a Deus, você está permitindo que seja destruído tudo o que existe de enfermo, de pervertido, de malvado dentro do seu coração. Entregar-se a  Ele é permitir que Jesus nos livre de tudo que torna pervertido e duro o nosso coração. O pecado torna ruim a pessoa humana e torna a vida insuportável, ele nos perverte, nos torna insensíveis para o bem e pronto para o mal. Esteja sóbrio para fazer o bem. Quantas vezes formos desobedientes a Deus, sofreremos, porque O desobedecemos. Queremos que nossa vida seja diferente, mas o mal não nos deixa só porque queremos. O fato de desejar que o mal acabe não muda a sua vida, a sua vontade. Chega um momento em que termina a minha parte e começa a de Deus. Isso é salvação. Onde você não consegue se ajudar, Deus vem ao seu socorro. A realidade mais importante nesta Semana Santa é que Deus perdoa os seus pecados, o sangue de Jesus o purifica. Você não deve mais nada ao diabo, não importa o tamanho do pecado, ele já foi destruído, lavado. Quando Deus olha para você, Ele não vê o seu pecado, pois ele foi lavado pelo sangue precioso de Jesus. Você foi resgatado pelo sangue preciso de Jesus Cristo; não pelos bens materiais. O sangue de Jesus lavou os seus pecados.

As pessoas andam tristes e desmotivadas; até as crianças estão sendo educadas para a tristeza. É triste ver crianças lutando contra depressão. As nossas crianças estão se entupindo de novidades materiais, programas de televisão, porque os pais não dão aos filhos amor, mas presentes para substituir a falta de amor. O que você precisa dar ao seu filho para que ele seja feliz é Jesus Cristo. O vazio que você sente no coração é a ausência de Deus. Tantas pessoas se esquecem de que a felicidade vem da vida espiritual. Há pessoas que fazem de tudo para prolongar a sua vida, mas não fazem nada para viver para sempre. Você foi feito para a vida eterna, é Jesus dizendo: “Foi aberta esta ferida do meu lado”, mostrando o peito aberto. “O meu coração foi aberto para você, este é o caminho da salvação”. “Provai e vede como o Senhor é bom” (Salmos 33, 39).” Vem tocar meu sangue, beber da água, mesmo quem se julga indigno e pecador”. Você não ficará caído, pois Jesus nos diz: “Eu te levantarei mas, eu te peço uma coisa que você mergulhe no meu sangue, tenha fé”, que você não se sinta satisfeito, somente com este mundo.

“Filhinhos meus, isto vos escrevo para que não pequeis. Mas, se alguém pecar, temos um intercessor junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo” (I São João 2, 1). Jesus é a vítima dos pecados  do mundo; o sangue de Jesus é o solvente que pode solver a frieza de sua vida. Neste dia, não deixe de se confessar. É direito de Deus estabelecer o meio pelo qual você deve ser perdoado, o sacramento da confissão vai curá-lo, vai ser o lugar onde você vai renascer. Quem se colocar diante de um sacerdote nesta Semana Santa voltará renascido, transformado, sarado diante do confessionário. Há uma palavra antiga que diz: “Todas as vezes que você bebe este sangue de Jesus, quando está em comunhão com Deus depois de ter confessado, recebe a remissão dos pecados e fica cheio do Espírito Santo. Procure um sacerdote, confesse, e quando chegar diante do sacerdote, não fique pensando nos pecados que você esqueceu. Você não estará mais perdido, estará resgatado pelo sangue precioso do Senhor; é Ele quem o  levanta;  é o Senhor quem o resgata. Você foi resgatado pelo sangue precioso do Altíssimo.

 

REZEMOS COM O PRECIOSÍSSIMO SANGUE DE JESUS

“Quereis conhecer o poder do Sangue de Cristo? Repara de onde começou a correr e de que fonte brotou” (São João Crisóstomo). A fonte desta devoção está no lado aberto de Jesus na cruz, no trono glorioso, loucura para os homens e vitória para Deus: “Chegando, porém, a Jesus, como o vissem já morto, não lhe quebraram as pernas, mas um dos soldados abriu-lhe o lado com uma lança e, imediatamente, saiu sangue e água” (Cf. João 19, 33-34).  Estamos vivemos o mês do Preciosíssimo Sangue de Jesus, comecemos esta oração com esta música simples e profunda do Ministério Vida Reluz, então cantemos várias vezes: “Quem poderá resistir se Jesus derramando está, Seu Sangue precioso aqui neste lugar!”

Jesus derrama o teu Sangue precioso em minha pessoa, nos meus sentimentos e vontades, purifica Senhor de todo desejo do pecado, os meus pensamentos e ações. Purifica a minha afetividade e sexualidade dai-me a tua pureza no corpo e na alma. Sangue Precioso de Jesus cura-me da tristeza e da depressão, do medo e de toda enfermidade espiritual e mental, Cura-me da síndrome do pânico e de tudo que possa estar amarrando a minha vida. Jesus coloca no teu lado aberto, todo o meu corpo, proteja-me de toda doença, por isso, lava-me com o teu precioso Sangue e deixa longe de mim as pestes e doenças contagiosas, a mim e a todos os meus, eu confio em vós. Jesus derrama o teu precioso Sangue em minha família, os casos mais difíceis que eu vivo em minha casa, aqueles que estão bem afastados de ti e estão vivendo no pecado e no vício, eu te peço Lava com o teu Sangue e cura a cegueira que eles trazem no coração. Sangue de Jesus fonte de toda graça e libertação, livra-nos do maligno, das praticas espirituais falsas, como o espiritismo, a macumbaria, horóscopo, feitiçaria e seitas orientais, em teu Nome Jesus eu renuncio a todas elas e proclamo o teu Senhorio em minha vida. Liberta também, todos os de minha família das garras do mal. Clamo o Sangue de Jesus sobre todo o espaço físico de minha casa, do meu ambiente de trabalho e os colegas que trabalham comigo, livra-nos de toda inveja, disputa e concorrência desleal, acidentes e de tudo que possa e queira me prejudicar quando estiver andando na rua, livra-me do desemprego e da carência material, dai-me o necessário. Quero junto a Virgem Maria, que estava contigo aos pés da Cruz, consagrar todo o meu ser ao Preciosíssimo Sangue Redentor de Cristo meu salvador e libertador. Assim posso agradecer e dizer, quem poderá resistir se Jesus está derramando seu sangue aqui, neste lugar!

Padre Luizinho, Canção Nova

 

REZEMOS A CONSAGRAÇÃO AO PRECIOSÍSSIMO SANGUE DE JESUS

Nestes dias 07 a 15 de Julho rezaremos a Novena ao Preciosíssimo sangue de Jesus. Convido você também a fazer todos os dias a Consagração, sua e de sua família. Eu tenho rezado esta oração pela minha família, rezemos juntos a Deus pedindo pelo Sangue de Jesus pelas causas de nossos familiares. O Sangue do cordeiro é sinal da primeira Aliança: O sangue sobre as casas em que habitais vos servirá de sinal (de proteção): vendo o sangue, passarei adiante, e não sereis atingidos pelo flagelo destruidor, quando eu ferir o Egito. (Êxodo 12,13) Senhor Jesus cristo, em nome, e com o poder de vosso Sangue Precioso, selamos cada pessoa, fato ou acontecimento através dos quais o inimigo nos queira prejudicar. Com o poder do Sangue de Jesus, selamos toda potência destruidora no ar, na terra, na água, no fogo, abaixo da terra, nos abismos do inferno e no mundo no qual hoje nos moveremos. Com o poder do Sangue de Jesus, rompemos toda interferência e ação do Maligno. Pedimos-vos, Senhor, que envieis aos nossos lares e locais de trabalho a Santíssima Virgem Maria, acompanhada de São Miguel, São Gabriel, São Rafael e toda sua corte de santos anjos. Com o poder do Sangue de Jesus, lacramos nossa casa, todos os que a habitam (nomear a cada um), as pessoas que o senhor a eles enviará, assim como todos os alimentos e os bens que generosamente nos concede para nosso sustento. Com o poder do Sangue de Jesus, lacramos terra, portas, janelas, objetos, paredes e pisos, o ar que respiramos e na fé colocamos um círculo de seu Sangue ao redor de toda nossa família. Com o poder do Sangue de Jesus, lacramos os lugares onde vamos estar neste dia e as pessoas, empresas e instituições com quem vamos tratar. Com o poder do Sangue de Jesus, lacramos nosso trabalho material e espiritual, os negócios de nossa família, os veículos, as estradas, os ares, as ruas e qualquer meio de transporte que haveremos de utilizar. Com o vosso Preciosíssimo Sangue, lacramos os atos, as mentes e os corações de nossa Pátria afim de que vossa paz e vosso Coração ao fim nela possam reinar. Nós vos agradecemos Senhor, por vosso Preciosíssimo Sangue, pelo qual nós fomos salvos e preservados de todo mal. Amém  Muito maior do que o sangue de bodes e touros é o Sangue de Jesus o Cordeiro de Deus:  “Pois se o sangue de carneiros e de touros e a cinza de uma vaca, com que se aspergem os impuros, santificam e purificam pelo menos os corpos, quanto mais o Sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu como vítima sem mácula a Deus, purificará a nossa consciência das obras mortas para o serviço do Deus vivo”? (Hebreus 9, 14-15). “Em Cristo somos mais que vencedores”!!! (Romanos 8, 37).

 

Oração de São Boaventura ao Preciosíssimo Sangue de Jesus

Ó bom Jesus, ó dulcíssimo Senhor, nenhuma gota, mas uma onda de sangue saiu do vosso corpo, das mãos e dos pés na crucificação, da cabeça na coroação de espinhos, de todo o corpo na flagelação e do mesmo coração na abertura do lado, e faz maravilhas se ainda resta sangue em Vós.

Diz-me, ah, diz-me, ó dileto Senhor meu, por que espalhastes tanto sangue do vosso corpo, enquanto uma única gota do vosso sacratíssimo sangue poderia bastar para a redenção de todo o mundo? Mas eu sei, ó Senhor, verdadeiramente eu sei que fizestes isto não por outro, senão para mostrar com quanto afeto Vós me amastes.

Ó suavíssimo Senhor e Salvador do universo, bom Jesus, como posso dignamente render-vos graças, desde o princípio do vosso nascimento até o fim na duríssima morte, mas, também depois da morte, tirastes tanto sangue e tivestes com isso o cuidado de manifestar o amor da vossa excelentíssima caridade com tanta efusão do vosso sangue?

Ó, Senhor Jesus Cristo que, por meu amor, não poupastes a Vós mesmo, feristes o meu coração com as vossas chagas, inebria a minha mente com o vosso sangue; a fim de que, em toda a parte eu me volte, sempre eu vos veja crucificado por mim, e em tudo aquilo que eu ver me apareçam os avermelhados do vosso sangue; e assim, tendo tudo em vós, eu não possa encontrar nada além de vós. Esta seja a minha consolação, de ser assim crucificado convosco; esta seja a minha íntima aflição de não pensar em outro fora de vós. Mas, quantos voltem, refletindo sobre a maravilhosa e misericordiosa condescendência divina por nós; não pouco me envergonho da minha enorme ingratidão! E quanto mais digno reconheço os benefícios da redenção, tanto mais graves são os pecados da minha ingratidão!

Ó dulcíssimo bom Jesus, de quem provém todo bem e todo dom perfeito, guardastes com misericórdia, a nós que humildemente confessamos e verdadeiramente sabemos que sem vós não podemos fazer nada e, vós que vos destes por nós como prêmio redentor, concede que, embora sejamos indignos deste grande preço, sejamos em tudo inteiramente e perfeitamente restituidores da vossa graça, de modo que, conformando-nos à imagem da vossa paixão, sejamos refeitos também segundo a imagem da vossa divindade, que nós perdemos com o pecado. Assim seja.

 

Julho, mês do  Sangue de Cristo  

“Portanto, muito mais agora, que estamos justificados por Seu Sangue, seremos por ele salvos da ira”

O mês de julho é dedicado à devoção do Preciosíssimo Sangue de Cristo, derramado pelo perdão dos nossos pecados. São João Batista apresentou Jesus ao mundo dizendo: “Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo 1,29). Sem o Sangue desse Cordeiro não há salvação.

São Pedro ensina que fomos resgatados pelo Sangue do Cordeiro de Deus mediante “a aspersão do seu sangue” (1Pe 1, 2). “Porque vós sabeis que não é por bens perecíveis, como a prata e o ouro, que tendes sido resgatados da vossa vã maneira de viver, recebida por tradição de vossos pais, mas pelo precioso Sangue de Cristo, o Cordeiro imaculado e sem defeito algum, aquele que foi predestinado antes da criação do mundo.” (1Pe 1,19).

O Papa Bento XIV (1740-1748) ordenou a Missa e o ofício em honra ao Sangue de Jesus, que foi estendida à Igreja Universal por decreto do Papa Pio IX (1846-1878). São Gaspar de Búfalo propagou fortemente essa devoção, tendo a aprovação da Santa Sé. Ele foi o fundador da Congregação dos Missionários do Preciosíssimo Sangue (CPPS), em 1815. São Gaspar nasceu, em Roma, aos 6 de janeiro de 1786.

O Papa São João Paulo II, em sua Carta Apostólica Angelus Domini,  repetiu o que São João XXIII disse sobre o valor infinito do Sangue de Cristo, do qual “uma só gota pode salvar o mundo inteiro de qualquer culpa”.

O Sangue de Cristo representa a Sua vida humana e divina, de valor infinito, oferecida à Justiça Divina para o perdão dos pecados de todos os homens de todos os tempos e lugares. “Isto é meu sangue, o sangue da Nova Aliança, derramado por muitos homens em remissão dos pecados” (Mt 26, 28).

Em cada Santa Missa, a Igreja renova, presentifica, atualiza e eterniza esse sacrifício expiatório pela redenção da humanidade. Em média, quatro vezes por segundo essa oferta divina sobe ao céu em todo o mundo, nas Missas.

O Catecismo da Igreja ensina que “nenhum homem, ainda que o mais santo, tinha condições de tomar sobre si os pecados de todos os homens e de oferecer-se em sacrifício por todos” (n. 616); para isso, era preciso um sacrifício humano, mas de valor infinito. Só Deus poderia oferecer esse sacrifício; então, o Verbo Divino dignou-se a assumir a nossa natureza humana para oferecer a Deus um sacrifício de valor infinito. A majestade de Deus é infinita; e foi ofendida pelos pecados dos homens. Logo, só um sacrifício de valor infinito poderia restabelecer a paz entre a humanidade e Deus.

Assim, o Sangue do Senhor nos libertou do pecado, da morte eterna e da escravidão do demônio. São Paulo diz: “Portanto, muito mais agora, que estamos justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira” (Rm 5,9). Por Seu Sangue, Cristo nos reconciliou com Deus: “Por seu intermédio, reconciliou consigo todas as criaturas, por intermédio daquele que, ao preço do próprio sangue na cruz, restabeleceu a paz a tudo quanto existe na terra e nos céus” (Cl 1,20).

Com o Seu Sangue, Cristo nos resgatou, nos comprou, nos fez um povo Seu: “Cuidai de vós mesmos e de todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastorear a Igreja de Deus, que ele adquiriu com o seu próprio sangue” (At 20,29). “Por esse motivo, irmãos, temos ampla confiança de poder entrar no santuário eterno, em virtude do Sangue de Jesus” (Hb 10,19).

“Cantavam um cântico novo, dizendo: ‘Tu és digno de receber o livro e de abrir-lhe os selos, porque foste imolado e resgataste para Deus, ao preço de teu sangue, homens de toda tribo, língua, povo e raça’.” (Ap 5,9)

Hoje, esse Sangue redentor de Cristo está à nossa disposição de muitas maneiras. Em primeiro lugar, pela fé. Somos justificados por esse Sangue, ensina São Paulo: “Mas eis aqui uma prova brilhante de amor de Deus por nós: quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós. Portanto, muito mais agora, que estamos justificados pelo seu Sangue, seremos por ele salvos da ira” (Rm 5, 8-9). “Nesse Filho, pelo seu sangue, temos a Redenção, a remissão dos pecados, segundo as riquezas da sua graça” (Ef 1,7).

Esse Sangue redentor está à nossa disposição também no sacramento da confissão. Pelo ministério da Igreja e dos sacerdotes, o Cristo nos perdoa dos pecados e lava a nossa alma com o Seu precioso Sangue. Infelizmente, muitos católicos ainda não entenderam a profundidade desse sacramento e fogem dele por falta de fé ou de humildade. O Sangue de Cristo perdoa os nossos pecados na confissão e cura as nossas enfermidades espirituais e psicológicas.

O Catecismo ensina que, pelo Sangue de Cristo, a Igreja pode perdoar qualquer pecado: “Não há pecado algum, por mais grave que seja, que a Santa Igreja não possa perdoar. Não existe ninguém, por mau e culpado que seja, que não deva esperar com segurança o seu perdão, desde que seu arrependimento seja sincero. Cristo que morreu por todos os homens. Ele quer que, em sua Igreja, as portas do perdão estejam sempre abertas a todo aquele que recua do pecado” (cf. n. 982).

Esse Sangue está presente na Eucaristia: Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus. “O cálice de bênção, que benzemos, não é a comunhão do Sangue de Cristo? E o pão, que partimos, não é a comunhão do corpo de Cristo? Do mesmo modo, depois de haver ceado, tomou também o cálice, dizendo: Este cálice é a Nova Aliança no meu sangue; todas as vezes que o beberdes, fazei-o em memória de mim. Portanto, todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será culpável do corpo e do sangue do Senhor ” (1 Cor 10,16-27).

“Em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós mesmos. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia. Pois a minha carne é verdadeiramente uma comida e o meu sangue, verdadeiramente uma bebida. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele” (Jo 6,53-56).

É pelo Sangue de Cristo que os santos e os mártires deram testemunho de sua fé e chegaram ao céu: “Meu Senhor, tu o sabes. E ele me disse: Esses são os sobreviventes da grande tribulação; lavaram as suas vestes e as alvejaram no sangue do Cordeiro” (Ap 7,14).“Estes venceram-no por causa do sangue do Cordeiro e de seu eloquente testemunho. Desprezaram a vida até aceitar a morte” (Ap 12, 11).

É pelo Sangue derramado que Ele venceu e se tornou Rei e Senhor:

“Está vestido com um manto tinto de sangue, e o seu nome é Verbo de Deus. Um nome está escrito sobre o seu manto: Rei dos reis e Senhor dos Senhores” (Ap 19,13-16).

Prof. Felipe Aquino

Nenhum comentário ainda

Comentários desativados

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda