“Eucaristia é encontro do homem com Deus”

Domingo, 29 de julho de 2012, Nicole Melhado / Da Redação

Bento XVI fez a proclamação do Angelus Domini da sacada do Palácio Apostólico de Castel Gandolfo  

Na proclamação da oração mariana do Angelus, deste domingo, 29, o Papa Bento XVI falou sobre a Eucaristia, “permanente grande encontro do homem com Deus, no qual o Senhor se faz alimento, dá a Si mesmo para nos transformar Nele”.

O Santo Padre salientou que Cristo é quem sacia a fome do homem, a fome de algo profundo, a fome de orientação, de sentido, de verdade, a fome de Deus.

“Queridos irmãos e irmãs, peçamos ao Senhor que nos faça redescobrir a importância de nos nutrir do corpo de Cristo, participando fielmente e com grande consciência da Eucaristia, para estarmos sempre mais intimamente unidos a Ele”, disse Bento XVI.

Ao mesmo tempo, o Pontífice pediu que todos rezassem para que jamais falte a ninguém o pão necessário para uma vida digna e sejam abatidas as desigualdades não com as armas da violência, mas com a compartilha e o amor.

Aos fiéis e peregrinos reunidos no pátio do Palácio Apostólico de Castel Gandolfo, o Papa falou também sobre o milagre da multiplicação dos pães, descrito no capítulo 6º do Evangelho de João. Nesta passagem, vem destaca também a presença de um garoto, que, diante da dificuldade de alimentar tanta gente, coloca em comum o pouco que tinha: cinco pães e dois peixes (cfr Jo 6,8).

“O milagre não se realiza do nada, mas de uma primeira e modesta partilha daquilo que um simples garoto tinha consigo. Jesus não nos pede aquilo que não temos, mas nos faz ver que se cada um oferece aquele pouco que tem, o milagre pode sempre acontecer: Deus é capaz de multiplicar o nosso pequeno gesto de amor e nos tornar participantes do seu dom”, destacou Bento XVI.

 

Angelus de Bento XVI – 29/07/2012
Boletim da Santa Sé (Tradução de Nicole Melhado – equipe CN Notícias)

Queridos irmãos e irmãs,

Neste domingo iniciamos a leitura do capítulo 6º do Evangelho de João. O capítulo se abre com a cena da multiplicação dos pães, depois Jesus, na sinagoga de Carfanaum, indica a si mesmo como o “pão” que dá a vida.

As ações realizadas por Jesus estão paralelas àquelas da Última Ceia: “Jesus tomou os pães e rendeu graças. Em seguida, distribui-os às pessoas que estavam sentadas” – assim diz o Evangelho (Jo 6,11).

A insistência sobre o tema do “pão” que é partilhado e o render graças (v.11, em grego eucharistesas) evocam a Eucaristia, o Sacrifício de Cristo para a salvação do mundo.

O evangelista observa que a Páscoa, a festa, estava próxima (cfr v. 4). O olhar se orienta para a Cruz, o dom de amor, e para a Eucaristia, a perpetuação deste dom: Cristo se faz pão de vida para os homens.

Santo Agostinho diz assim: “Quem, se não Cristo, é pão do Céu? Mas para que o homem pudesse comer o pão dos anjos, o Senhor dos anjos se fez homem. Se isso não fosse feito, não teríamos o Seu corpo, não havendo Seu próprio corpo, não comeríamos o pão do altar” (Sermão 130,2).

A Eucaristia é o permanente grande encontro do homem com Deus, no qual o Senhor se faz alimento, dá a Si mesmo para nos transformar  Nele.

Na cena da multiplicação, vem destaca também a presença de um garoto que, diante da dificuldade de alimentar tanta gente, coloca em comum o pouco que tinha: cinco pães e dois peixes (cfr Jo 6,8).

O milagre não se realiza do nada, mas de uma primeira e modesta partilha daquilo que um simples garoto tinha consigo. Jesus não nos pede aquilo que não temos, mas nos faz ver que se cada um oferece aquele pouco que tem, o milagre pode sempre acontecer: Deus é capaz de multiplicar o nosso pequeno gesto de amor e nos tornar participantes do seu dom.

A multidão ficou impressionada com o prodígio: vê em Jesus o novo Moisés, digno de poder e, no novo maná, o futuro assegurado, fica parada no elemento material, que comeram e o Senhor, “sabendo que queriam arrebatá-lo e fazê-lo rei, tornou a retirar-se sozinho para o monte” (Jo 6,15).

Jesus não é um rei da terra que exerce o domínio, mas um rei que serve, que se curva até o homem para saciar não só a fome material, mas, sobretudo, a fome de algo profundo, a fome de orientação, de sentido, de verdade, a fome de Deus.

Queridos irmãos e irmãs, peçamos ao Senhor que nos faça redescobrir a importância de nos nutrir do corpo de Cristo, participando fielmente e com grande consciência da Eucaristia, para estarmos sempre mais intimamente unidos a Ele. Ao mesmo tempo, rezemos para que jamais falte a ninguém o pão necessário para uma vida digna e sejam abatidas as desigualdades não com as armas da violência, mas com a compartilha e o amor.

Confiemos à Virgem Maria, enquanto invocamos, sobre nós e sobre aqueles que estimamos, sua materna intercessão.

Nenhum comentário ainda

Comentários desativados

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda