Quinta-feira Santa

Por Pe. Fernando José Cardoso

As atenções de todos nós se voltam para a liturgia desta noite: a missa na Ceia do Senhor.

É o último dia em que Jesus passou conosco neste mundo, antes de ir para o Pai. Jesus, caríssimos Irmãos, não era um Kamikaze, que assumiu de maneira forte e decidida a sua própria morte. Jesus não era um Legionário Romano que se entregava para o bem do Império. Jesus não era um General, como o General Patton da última Grande Guerra que caminhava à frente dos seus exércitos, orgulhoso por onde entrava e dominava. Jesus na noite em que foi entregue, colocou gestos pequenos, mas gestos de amor.

Esta noite, no entanto, caríssimos irmãos é conhecida como a noite da ingratidão. Sim a noite da ingratidão e nós imaginamos em primeiro lugar a figura sinistra de um Judas Iscariotes, aquele foi escolhido por amor, mas depois entregou Jesus por trinta moedas…

Irmãos, só quem já experimentou a traição de um marido ou de uma esposa pode aquilatar a dor que este gesto deve ter causado em Jesus!

Noite da ingratidão, porque dentro em breve os Apóstolos todos irão debandar diante da prisão de Jesus, deixando-o absolutamente só!

Noite da ingratidão porque dentro de poucos instantes também aquele que havia jurado ir com Jesus até a morte, Pedro o negará por três vezes.

Caríssimos irmãos, a noite da ingratidão humana se prolonga no tempo: não existe um Judas também dentro de nós? Não nos mostra a consciência nesta noite que nós o traímos algumas vezes? Não é possível que um Pedro durma dentro nós e se tenha despertado alguma vez? Meus irmãos, noite também do silêncio de Deus Pai, porque, se os homens debandam, o Pai também Se silenciou e Jesus afrontou os seus últimos momentos numa solidão pavorosa.

A noite da ingratidão é também a noite do Amor. Foi a noite em que o amor de Jesus mais se manifestou a nós com presentes que nos relegou: presentes simples e presentes de profundo significado. O presente do lava-pés; o presente do serviço; Jesus continua a lavar os nossos pés todos os dias, durante toda nossa vida; o presente do pão consagrado que entrega como sendo seu Corpo, o presente do vinho consagrado que nos dá como sendo o seu Sangue. O presente que nos faz do Sacerdócio que prolongará na Igreja Católica, a sua presença como chefe, guia e pastor até que Ele volte sobre as nuvens do céu.

Caríssimos, notem a antítese: Jesus responde a todos os pecados com um amor sempre renovado.

Repita a você mesmo muitas vezes nesta quinta feira santa e sobre tudo nesta noite da traição, da ingratidão, mas noite também do Amor sem limites; repita a modo de jaculatória: Ele me amou e se entregou por mim!

 

ORAÇÃO PARA QUINTA-FEIRA SANTA  

Vós partireis dentro de poucas horas, mas não Vos esquecestes de nós e não nos deixareis órfãos.
Com gestos singelos e carregados de grande simbolismo Vos despedistes de nós. E hoje, Convosco, celebramos Vosso adeus a todos nós!
Deixai-nos recordar em Vossa presença estes gestos carregados de tão grande amor.

O gesto do lava-pés.
Senhor, quantas vezes dissestes que o segredo da Vossa vida estava no serviço desinteressado que Deus presta aos seres humanos que criou. Deus ajoelhado diante de meus pés! Dá-me vontade, Senhor, de repetir como Pedro: “Jamais me lavarás os pés!”. Mas, Senhor, compreendo a grandeza e a importância deste gesto: “Se Tu não te lavar ,não terás parte comigo!” Compreendo então, Senhor, que deveis lavar-me. E compreendo também de que lavacro se trata. Não é com água que me desejais lavar, é com Vosso Sangue! Compreendo finalmente, bom Jesus, que esta purificação se inicieis no dia do meu batismo e se prolonga por toda a minha vida, através de Eucaristia que recebo.

Gesto da “Fração do Pão”.
Dizem-nos os Evangelhos Sinóticos, que, nesta noite em que fostes entregue, tomastes um pão de última refeição com os Vossos. Quantas vezes Vos sentastes à mesa com grandes pecadores! Desta vez tomastes o pão, fruto da terra e do trabalho de nós homens e o divinizastes, fazendo que se transformasse em Vós. Tomastes em Cálice com Vinho, ele também fruto do labor humano e o transformastes no Vosso sangue por nós derramado! Senhor, quantas vezes Vos comungueis em Vosso sacrifício! Mas, nesta noite, Vos suplico: Comungai-me também! Fazei com que se realize entre nós aquela misteriosa simbiose que define todo verdadeiro e grande Amor: que eu seja Tu e que Tu sejas eu!

Gesto da instituição do Sacerdócio Católico: “Fazei isto em memória de mim”.
Senhor, sempre venerei Vossos ministros que sacramentalmente prolongam nas nossas comunidades Vossa presença de guia e Pastor. Aprendi também que existe uma analogia entre Pão e Vinho transformados em Vós e os Vossos ministros que sacramentalmente se transformam em Vós! Sei que a única diferença entre essas duas, “transubstanciações” esta no seguinte: enquanto Pão e Vinho cessam de ser tais, dissolvem-se em Vós nossos Sacerdotes, embora prolonguem nossa presença no meio de nós,não perdem suas entidades e personalidades!

Senhor, nesta noite de adeus, desejo sinceramente agradecer-Vos por Vossos ministros. E não excluo de minha gratidão nem mesmo aqueles que, tendo suas lanternas tão sujas, são incapazes de difundir a verdadeira Luz que sois Vós.

Gesto, finalmente, do amor fraterno e desinteressado.
Obrigado, Senhor, por ter eu experimentado em minha vida alguns gestos desinteressados! Hoje compreendo que estáveis Vós por detrás de todos eles!

Senhor, numa sociedade pós-cristã e secularizada; numa sociedade em que os crucifixos desaparecem sistematicamente dos lugares públicos, numa sociedade que não conhece mais a batina ou o hábito religioso, embora o foulard islâmico é sinal de forte pertença religiosa muçulmana, numa sociedade enfim, onde nada mais fala de Vós, nosso gesto cristão há de falar ainda. Talvez não tanto a linguagem do catecismo-ela faz tanta falta – mas a linguagem do Amor. Possa eu compreender, Senhor, nesta quinta-feira Santa, que esta linguagem será sempre atual; poucos a ela resistirão por longo tempo.
E já seremos bem-aventurados, porque- são palavras Vossas que soam hoje em meus ouvidos – “Há mais alegria em dar do que em receber?”.  Amém!

 

Evangelho segundo São João 13, 1-15
Antes da festa da Páscoa, Jesus, sabendo bem que tinha chegado a sua hora da passagem deste mundo para o Pai, Ele, que amara os seus que estavam no mundo, levou o seu amor por eles até ao extremo. O diabo já tinha metido no coração de Judas, filho de Simão Iscariotes, a decisão de o entregar. Enquanto celebravam a ceia, Jesus, sabendo perfeitamente que o Pai tudo lhe pusera nas mãos, e que saíra de Deus e para Deus voltava, levantou-se da mesa, tirou o manto, tomou uma toalha e atou-a à cintura. Depois deitou água na bacia e começou a lavar os pés aos discípulos e a enxugá-los com a toalha que atara à cintura. Chegou, pois, a Simão Pedro. Este disse-lhe: «Senhor, Tu é que me lavas os pés?» Jesus respondeu-lhe: «O que Eu estou a fazer tu não o entendes por agora, mas hás-de compreendê-lo depois.» Disse-lhe Pedro: «Não! Tu nunca me hás-de lavar os pés!» Replicou-lhe Jesus: «Se Eu não te lavar, nada terás a haver comigo.» Disse-lhe, então, Simão Pedro: «Ó Senhor! Não só os pés, mas também as mãos e a cabeça!» Respondeu-lhe Jesus: «Quem tomou banho não precisa de lavar senão os pés, pois está todo limpo. E vós estais limpos, mas não todos.» Ele bem sabia quem o ia entregar; por isso é que lhe disse: ‘Nem todos estais limpos’. Depois de lhes ter lavado os pés e de ter posto o manto, voltou a sentar-se à mesa e disse-lhes: «Compreendeis o que vos fiz? Vós chamais-me ‘o Mestre’ e ‘o Senhor’, e dizeis bem, porque o sou. Ora, se Eu, o Senhor e o Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns aos outros. Na verdade, dei-vos exemplo para que, assim como Eu fiz, vós façais também.

Hoje iniciamos o Tríduo Pascal. E nesta Quinta-feira Santa, nós contemplamos Jesus à mesa com os seus últimos discípulos. São as horas derradeiras, os derradeiros minutos de sua liberdade. Dentro de poucas horas, Ele não terá mais liberdade alguma. Ele será atado de mãos e pés. Ele será conduzido a Anás, a seguir a Caifás, Caifás o mandará a Pilatos e Pilatos o mandará para a cruz. O que faz Jesus nestas últimas horas de liberdade que lhe restam. Não se descompõe. Não clama ao Pai pedindo e suplicando libertação a qualquer modo. Não foge da cidade de Jerusalém. Pelo contrário, toma um pedaço de pão, olha para o céu, e dá graças a Deus. A seguir entrega-o aos seus discípulos e diz: “Tomai e comei, este é o meu Corpo que será imolado por vós”. Toma um cálice com vinho e repete a ação de graças a Deus: “Tomai e bebei, este é o cálice do meu Sangue, que será derramado por vós e por todos para a remissão dos pecados”, isto é, para a reconciliação de cada um e de todos com Deus. Jesus antecipa no pão e no vinho, o que acontecerá com Ele no dia seguinte. Jesus coloca no pão e no vinho a sua própria paixão, a sua morte redentora e a sua ressurreição.  E dá graças ao Pai, por poder se tornar pão imolado, Corpo imolado e Sangue derramado para cada um de nós. E depois de ter modificado o pão e transformado o vinho, no mesmo Corpo imolado e no mesmo Sangue derramado, o dá a beber aos seus e continua a dar a comer e a beber a cada um de nós. É impressionante a profundidade do amor de Cristo. Contemplando o futuro sombrio que esta iminente, Ele o antecipa no pão e no vinho, não sem antes ter dado graças a Deus. Ter louvado e bendito a Deus, por poder ser para nós Carne imolada e Sangue derramado, prestando-nos um imenso serviço de nos reconciliar com o seu Pai e de abrir para cada um de nós, de par em par as portas da eternidade. No Antigo Testamento, o esquema era contrário, primeiro uma pessoa se via aflita e recorria a Deus na sua aflição para que a libertasse. A seguir, uma vez experimentada a libertação, oferecia-lhe um sacrifício de ação de graças. Com Jesus não acontece isto. Não será libertado da morte, antecipa a morte no pão e no vinho, agradece a Deus por poder prestar-nos esse serviço e se dá a nós no Corpo imolado e no Sangue derramado, para que se torne comida minha, comida sua e bebida sua, para nossa redenção. Comovidamente é o que nós celebramos nesta Quinta-feira Santa.

 

«NINGUÉM TEM MAIOR AMOR do que aquele que dá a vida pelos seus amigos» (Jo 15, 13)
Papa Bento XVI
Exortação Apostólica «Sacramentum caritatis», §§ 1-2

Sacramento da Caridade, a santíssima Eucaristia é a doação que Jesus Cristo faz de Si mesmo, revelando-nos o amor infinito de Deus por cada homem. Neste sacramento admirável, manifesta-se o amor «maior»: o amor que leva a «dar a vida pelos amigos» (Jo 15, 13). De fato, Jesus «amou-os até ao fim» (Jo 13, 1). Com estas palavras, o evangelista introduz o gesto de infinita humildade que Ele realizou: na vigília da Sua morte por nós na cruz, pôs uma toalha à cintura e lavou os pés aos Seus discípulos. Do mesmo modo, no sacramento eucarístico, Jesus continua a amar-nos «até ao fim», até ao dom do Seu corpo e do Seu sangue. Que enlevo se deve ter apoderado do coração dos discípulos à vista dos gestos e palavras do Senhor durante aquela Ceia! Que maravilha deve suscitar, também no nosso coração, o mistério eucarístico! Com efeito, neste sacramento, Jesus torna-Se alimento para o homem, faminto de verdade e de liberdade. Uma vez que só a verdade nos pode tornar verdadeiramente livres (Jo 8, 36), Cristo faz-Se alimento de Verdade para nós. […] De fato, todo o homem traz dentro de si o desejo insuprimível da verdade última e definitiva. Por isso, o Senhor Jesus, «caminho, verdade e vida» (Jo 14, 6), dirige-Se ao coração anelante do homem que se sente peregrino e sedento, ao coração que suspira pela fonte da vida, ao coração mendigo da Verdade. Com efeito, Jesus Cristo é a Verdade feita Pessoa, que atrai a Si o mundo. […] No sacramento da Eucaristia, Jesus mostra-nos de modo particular a verdade do amor, que é a própria essência de Deus. Esta é a verdade evangélica que interessa a todo o homem e ao homem todo. Por isso a Igreja, que encontra na Eucaristia o seu centro vital, esforça-se constantemente por anunciar a todos, em tempo propício e fora dele (cf. 2 Tm 4, 2), que Deus é amor. Exatamente porque Cristo Se fez alimento de Verdade para nós, a Igreja dirige-se ao homem convidando-o a acolher livremente o dom de Deus.

 

QUINTA-FEIRA SANTA: O SACERDÓCIO E A EUCARISTIA MISTÉRIO DE AMOR!

Hoje é um dia duplamente feliz, pois Jesus com o coração mais generoso que a face da terra já viu, nos deu dois grandes presentes. Na última ceia, antecipando a Sua doação total, mesmo diante da traição e do Mistério de dor que teria que passar para salvar o mundo das trevas do pecado, entrega aos discípulos o Sacramento do Amor: A Eucaristia. “A Santíssima Eucaristia é a doação que Jesus Cristo faz de si mesmo, revelando-nos o amor infinito de Deus por cada homem. Neste Sacramento admirável, manifesta-se o amor maior: o amor que leva a dar a vida pelos amigos” (Bento XVI). Neste mesmo dia o Mestre “divide” o seu Sacerdócio com os Apóstolos e faz deles ministros do Sacramento do Amor, ministros do Perdão, ministros da misericórdia. O vínculo intrínseco entre a Eucaristia e o Sacramento da Ordem deduz-se das próprias palavras de Jesus no Cenáculo: “Fazei isto em memória de mim” (Lucas 22, 19). Nós sacerdotes usamos as mesmas palavras de Jesus quando instituiu O Mistério de Amor, porque somos os primeiros a estar no lugar de Cristo Jesus para a Salvação do mundo, portanto, o Sacerdócio é um movimento Divino do Amor de Deus Pai que continua agindo em sua Igreja em todo Tempo e o tempo todo. Onde existe um Sacerdote, há a possibilidade do Amor e da misericórdia de Deus se manifestarem pelo homem. Falando um pouco de mim, o lema do meu Sacerdócio é: “Tudo posso naquele que me dá força” (Filipenses 4, 13). A força do meu sacerdócio não vem de mim mesmo, mas a força do sacerdote vem da fonte pela qual ele oferece todos os dias torrentes de “Água Viva” ao povo fiel e sedento desse Amor que é Jesus. Eu busco A Força para exercer minha vida como ministro desse Sacramento nas Palavras que eu dirijo todos os dias ao Pai: “Tomai e comei, isto é o meu corpo; Tomai e bebei isto é o meu sangue, sangue da nova e eterna aliança, para a remissão dos pecados, fazei isto em memória de mim!” As mesmas Palavras de Cristo são fonte de vida, de salvação em primeiro lugar para mim, alimento substancioso para a minha intimidade com o Senhor e para servir ao povo de Deus, que procura no sacerdote não ele mesmo, mas Jesus Cristo o seu Salvador. O Papa João Pulo II disse para os Sacerdotes em sua última carta na Quinta-feira Santa de 2005: “O povo tem o direito de ver Jesus Cristo na pessoa do sacerdote”. Essas palavras do Santo Padre ficaram gravadas em minha alma como uma missão, apesar de ser pecador e cheio de limitações como todo homem, eu não sou um homem comum, eu sou ministro do Sacramento do Amor e da misericórdia. Cristo hoje na Última Ceia depôs do manto, sinal de sua dignidade de Senhor, de Rei, para servir aos discípulos, para lavar os seus pés, esse gesto de humildade revela o caminho que o discípulo deve seguir; Imitar o Mestre: “Compreendeis o que acabo de fazer? Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, pois eu o sou. Portanto, se eu, o Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros. Dei-vos o exemplo, para que façais à mesma coisa que eu fiz”. “Amai-vos uns aos outros, como eu vos amei” (cf. Jo 13, 1-15). Aos sacerdotes hoje, felicidades, força e que eles saibam não estão sozinhos, pois disse o Senhor: “Eu estarei convosco todos os dias, até o final dos tempos!”.

Nenhum comentário ainda

Comentários desativados

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda