Carnaval

Não precisa me pegar! Eu sou livre para amar!
http://blog.cancaonova.com/temjeito/2012/02/17/nao-precisa-me-pegar-eu-sou-livre-para-amar/

“É para a liberdade que Cristo nos libertou. Ficai firmes e não vos deixeis amarrar de novo ao jugo da escravidão” (Gál 5,1). “Sim, irmãos, fostes chamados para a liberdade. Porém, não façais da liberdade um pretexto para servirdes a carne” (Gál 5,13). Conservar no coração que foi numa entrega total na cruz que Jesus adquiriu a liberdade para cada pessoa, da um ganho quando temos que refletir sobre ‘sermos livres’. Em pleno “carnaval” dizer isso, parece um papo careta, mas é a pura verdade sobre liberdade. Somos chamados a sermos livres com responsabilidade. Tendo a visão de que a liberdade foi conquistada por Jesus na cruz não podemos pôr em risco a vida de pessoas e nem prejudicá-las.
Quando vivemos de maneira correta essa riqueza, somos verdadeiramente livres e felizes. Abusar do livre-arbítrio é um jeito irresponsável de viver, portanto saber que somos livres para fazer nossas escolhas e conseguir decidir por aquilo que é certo, significa viver a liberdade canalizada para o bem. É preciso olhar para a realidade dos dias de carnaval: a sociedade é motivada a satisfazer os prazeres da carne; a dobradinha “álcool e sexo” tem sido difundida através da mídia há um bom tempo. Precisamos agir agora para mostrar que outra dupla precisa ser semeada na mente e no coração do ser humano com mais urgência ainda: a liberdade e a responsabilidade.
O dicionário diz que a palavra ‘firme’ significa: fundamentado, estável, estabilidade, constante, permanência e equilíbrio. Agora é tempo de ficar firme no verdadeiro significado de liberdade, caso contrário, ficamos amarrados por aquilo que é apresentado por novela, filme, moda e música; não generalizando, mas existem conteúdos que não conseguem satisfazer a profundeza do coração. Temos que analisar o vazio de algumas letras, que são “sucessos” nacionais e mundiais. A mulher deveria ficar desmoralizada ao ver o homem cantando pra ela com gestos vulgares. Ela não tem que ser pega! Ela é livre ! Livre para amar! Isso é belo! A ‘menina mais linda’ é aquela que sabe escolher o que realmente é bom, sem estar pega/ presa ao que a sociedade apresenta como legal, moderno. É a que sabe dizer não e tem o coração livre para viver simplesmente o que é bom, mesmo que todos digam: ‘“não tem nada de mais”.
Estamos presenciando a decadência intelectual e moral de uma sociedade. Estamos cantando e ouvindo essa decadência! O governo faz a parte dele com campanhas como: “se beber não dirija” e “use camisinha” e mesmo assim as pessoas bebem, dirigem e transam, tudo isso inconseqüentemente, afinal, no carnaval tudo é liberado, mas depois da ‘delícia… delícia’ vem o que? Sobra o que? A solidão? O vazio? Esta desordem é parte de uma mentalidade que vem se difundindo como liberdade; e o carnaval é a sua festa maior, é o momento em que aparentemente a alegria é expressa através deste trio: música, álcool e sexo. O resultado está no aumento de acidentes, no consumo desenfreado da pílula do dia seguinte ou nove meses depois nas crianças que nascem sem saber como, quando e porque foram geradas. São frutos apenas de um prazer momentâneo? Frutos do embalo da música?
Isso não pode acontecer! Não precisamos disso! Não precisamos nos sujeitarmos a isso! Para sermos felizes só precisamos de amor: amor pelo nosso corpo, pela nossa beleza, amor pelo próximo e sim, pela nossa sexualidade! O beijo é igual ferro elétrico, liga em cima e esquenta embaixo. O trio elétrico é uma força poderosa, um palco capaz de contagiar uma multidão através de músicas que dali são conduzidas. Tudo favorece: música, álcool, animação, resultando no sexo sem compromisso, cada dia com um. Assim caminha a sociedade que deveria ser regida pelo livre-arbítrio.
Na verdade, o carnaval é a grande explosão, mas ao longo do ano já acontecem as baladas. O desafio é cultivar e manter a beleza que é a liberdade. A sociedade será mais feliz quando descobrir a verdadeira alegria e a verdadeira alegria está em Deus! Você é livre para escolher, pois a liberdade é o poder de agir ou não agir. A liberdade alcança a perfeição do seu ato quando está ordenada para Deus. Deus nos fez livre para agir. Deus nos deu o livre-arbítrio! Está em suas mãos o destino: ser ‘pego’ ou livre? Eu já fiz a minha escolha, sou livre para amar! Tem Jeito! Cleto e Carla.

 

O verdadeiro Carnaval
Padre Edimilson

“Ninguém engane vocês com argumentos vazios, porque essas coisas atraem a ira de Deus sobre os desobedientes. Não sejam cúmplices deles! Outrora vocês eram trevas, mas agora são luz no Senhor. Por isso, comportem-se como filhos da luz. O fruto da luz consiste em toda bondade, justiça e verdade. Saibam discernir o que é agradável ao Senhor. Não participem das obras estéreis das trevas; pelo contrário, denunciem tais obras” (Efésios 5, 6-12).

A ordem dada por Deus a nós é essa: denunciem as obras das trevas.

A palavra Carnaval vem do latim carnis vallis e significa “prazeres da carne”. Nós temos contemplado, nesse tempo, dias de prazeres da carne, e o coração do nosso Deus fica profundamente ofendido, pois já não há pudor. Os adultos são atingidos, os jovens, as crianças também, todos são afetados.

Outrora, éramos também desse mundo, mas hoje estamos aqui. Nestes dias, tudo aumenta: a violência, o desrespeito para com o outro, a falta de pudor, gente que nunca mostrou o corpo passa a mostrar. São dias difíceis!

Santa Faustina diz em seu diário: “Nestes dois últimos dias de carnaval, conheci um grande acúmulo de castigos e pecados. O Senhor deu-me a conhecer num instante os pecados do mundo inteiro cometidos nestes dias. Desfaleci de terror e, apesar de conhecer toda a profundeza da misericórdia divina, admirei-me que Deus permita que a humanidade exista” (Diário, 926).

“Para essa geração você é um tonto, um fanático, porque está vivendo esses dias fechado num retino”, lamenta padre Edimilson.

Santo Agostinho dizia que os dias de Carnaval são sacramentais de satanás, sinais visíveis daquilo que o demônio faz com os filhos da Luz.

Nós estamos aqui para colocar em obediência a Palavra do Senhor, a qual nos diz que devemos proceder como filhos da Luz, e não tomarmos parte das obras das trevas; pelo contrário, denunciá-las.

A que grau de perversidade estamos chegando!

“Quando ouviram isso, todos ficaram de coração aflito e perguntaram a Pedro e aos outros discípulos: “Irmãos, o que devemos fazer?” Pedro respondeu: “Arrependam-se, e cada um de vocês seja batizado em nome de Jesus Cristo, para o perdão dos pecados; depois vocês receberão do Pai o dom do Espírito Santo. Pois a promessa é em favor de vocês e de seus filhos, e para todos aqueles que estão longe, todos aqueles que o Senhor nosso Deus chamar”. Com muitas outras palavras, Pedro lhes dava testemunho e exortava, dizendo: “Salvem-se dessa gente corrompida” (Atos 2,37-40).

Para essa geração você é um tonto, um fanático, porque está vivendo esses dias fechado em um retiro. As pessoas nos veem como grupo de pessoas ridículas, porque não estamos “aproveitando” os dias de Carnaval. Depois, aqueles que se dizem católicos, entram na fila para receber cinzas [na Quarta-feira de Cinzas], mas a cinza não leva ninguém para o céu. O que nos leva para o céu é o arrependimento do pecado e a busca da confissão. A cinza não é suficiente para perdoar os pecados.

Não tenhamos medo de nos afastar dessa gente perversa, não porque somos melhores, mas porque precisamos viver a radicalidade. Esse é o tempo! Não dá mais para vivermos de qualquer jeito, precisamos ser verdadeiramente filhos da Luz. Você não pode mais viver no mais ou menos, na vida dupla. Você não pode mais concordar com as obras das trevas, pois o tempo exige que sejamos luz. Você precisa ser um sinal de Deus para essa geração, mesmo que ela o considere ridículo.

Deixe a luz do céu entrar e clarear todas as trevas que estão dentro de você, seja sincero. Um católico que não vive com coerência a sua religião torna-se para o mundo um ridículo. Ou somos coerentes ou seremos um bando de ridículos! As pessoas vão olhar para nós e nos verão com máscaras, um bando de ridículos. Se você não vive com autenticidade o catolicismo, está vivendo com máscaras. Nesses dias de Carnaval, as máscaras precisam cair. Se você deixou o Carnaval de lá, mas ainda traz para a Canção Nova preservativos, jogue-os fora. Para que carregar essas coisas na sua bolsa?

“Desperta tu que dormes”. Acordemos, pois os dias não são fáceis. Estamos vivendo tempos difícieis, por isso procure a graça de Deus, não queria ofender Nosso Senhor Jesus Cristo. “Há pessoas que foram iluminadas uma vez, saborearam o dom do céu, participaram do Espírito Santo e experimentaram a boa palavra de Deus e as maravilhas do mundo futuro; no entanto, caíram. É impossível que eles sejam renovados outra vez e sejam trazidos à conversão, pois crucificaram novamente o Filho de Deus e o expuseram a injúrias” (Hebreus 6,4-6).

Reze: “Senhor, eu não quero comunhão com as trevas, porque eu sou filho da Luz. Não quero dar contra testemunho. Deus, ajude-me a ser coerente contigo e com a Sua Igreja. Dê-me essa graça, afaste-me das trevas. Embriague-me, Senhor, com Seu Espírito”.

 

Carnaval e santidade? Sim, é possível!
Márcio Mendes

O Carnaval é para ser um tempo de festa, de alegria, de lugares onde a família se encontra, mas, infelizmente, para muitos é um tempo de tristeza, de mortes, de desilusões. Mas é bom ver pessoas que decidiram reservar esse tempo para estar mais próximo de Deus.

Durante esses dias, o Senhor quer assumir os cuidados com você. Se você se entregou nas mãos d’Ele, sairá deste Carnaval de uma maneira que, talvez, não esperasse. Então, aqueles que o encontrarem, perguntaram-lhe: “O que você fez nesses dias de Carnaval? Você está tão bem!” Então, você lhe responderá: “Eu encontrei o Senhor!”

A nossa Palavra para hoje está em 1 São Pedro 2,11-17:

“Caríssimos, rogo-vos que, como estrangeiros e peregrinos, vos abstenhais dos desejos da carne, que combatem contra a alma. Comportai-vos nobremente entre os pagãos. Assim, naquilo em que vos caluniam como malfeitores, chegarão, considerando vossas boas obras, a glorificar a Deus no dia em que ele os visitar. Por amor do Senhor, sede submissos, pois, a toda autoridade humana, quer ao rei como a soberano, quer aos governadores como enviados por ele para castigo dos malfeitores e para favorecer as pessoas honestas. Porque esta é a vontade de Deus que, praticando o bem, façais emudecer a ignorância dos insensatos. Comportai-vos como homens livres, e não à maneira dos que tomam a liberdade como véu para encobrir a malícia, mas vivendo como servos de Deus. Sede educados para com todos, amai os irmãos, temei a Deus, respeitai o rei”.

Quem não ama a liberdade? Foi para sermos lives que o Senhor nos libertou, mas o preço dela está em entrar na liberdade e permanecer-se nela, mantendo-a. Para saber como fazê-la, a Palavra diz: “Caríssimos, rogo-vos que, como estrangeiros e peregrinos, vos abstenhais dos desejos da carne, que combatem contra a alma”.

Por que o Senhor nos chama de “estrangeiros”, “peregrinos”? Porque, quando somos forasteiros, quando estamos numa terra que não é a nossa, a primeira coisa que precisamos fazer é ter uma atenção redobrada às leis. Outra coisa: todo estrangeiro acaba sendo alvo de todo mundo, chama a atenção de todos. Os forasteiros também não participam de certos “esquemas”, porque não conhecem os costumes daquele povo.

Meu irmão, você é cristão? Então, eu lhe digo que você é um forasteiro, porque você não é desta terra, mas é do céu. Pode perceber que todo mundo olha para você quando coloca uma Bíblia debaixo do braço, quando coloca um crucifixo no pescoço ou usa uma camiseta com uma mensagem evangelizadora. Nós, que somos de Jesus Cristo, também não participamos de certos “esquemas”, por isso a Palavra nos diz que somos “forasteiros” nesse mundo.

Deus ama você demais, por isso Ele não pode deixá-lo viver o Carnaval do mundo. Num retiro, você fará, com certeza, uma experiência muito melhor, num lugar onde não há bebedeiras, não há bagunça.

Você precisa entender que ser de Deus não é fazer algo em alguns lugares, mas em outros não. Ser de Deus é algo que somos e Carnaval é a festa da fraternidade. No entanto, tornou-se, para o mundo, a festa da libertinagem.

Alguém poder ser obcecado pelo sexo, pelas drogas, porque a paixão é um afeto que cega a pessoa e a arrasta da tentação até a obsessão. Em nome da liberdade, muita gente se escraviza o álcool, no sexo. Quantas pessoas você conhece que ficaram amarradas em quem não queriam, porque estavam presas a uma obsessão? Elas querem abandonar essa vida, mas não podem, porque são escravas dessa situação.

Em nome de uma falsa liberdade estragamos nossa vida.

Ninguém quer sofrer, mas as pessoas entram num vício, porque querem prazer, mas este, vindo de um erro, passa. E, depois que o prazer passa, vem o arrependimento, o medo de ser descoberto. Quando a pessoa cai em si, a amargura instala-se dentro dela. Ninguém é feliz por ser alcoólatra, por ser dependente químico.

Mutas pessoas vivem angustiadas, porque colocam, diante de si, a tentação. Tire da sua vida aquilo que não presta. Precisamos aprender a deixar, na nossa vida, apenas aquilo que é útil, bom e belo, porque Deus está em tudo isso.

Se você tirar da sua casa tudo que é inútil, feio e ruim, como ela ficará melhor! Agora, pense no seu coração. Se você tirasse dele todo relacionamento inútil, que lhe faz mal e é feio, como sua vida iria melhorar! Como você ia ter uma qualidade de vida melhor! Se você cortar esses relacionamentos com as pessoas e com as coisas, como sua vida vai melhorar!

Paz é dom de Deus. Quer ter paz? Tenha a consciência tranquila.

 

Que sejam dias de alegria
Eugênio Jorge

“O Senhor disse a Moisés o seguinte: “Faze para ti duas trombetas de prata: faze-as de prata batida. Elas te servirão para convocar a assembléia e para dar o sinal de levantar o acampamento.

Quando elas soarem, toda a assembléia se reunirá junto de ti, à entrada da tenda de reunião. Se se tocar uma só, virão e se juntarão a ti os príncipes, os chefes de milhares em Israel. Quando tocardes com força, pôr-se-ão em marcha aqueles que estão acampados ao oriente. E quando tocardes com força uma segunda vez, partirão aqueles que estão acampados ao meio-dia; o sinal para a sua partida será um toque estrepitoso.

Para convocar a assembléia tocareis também, mas não com estrépito. São os filhos de Aarão, os sacerdotes, que tocarão as trombetas. É uma lei perpétua para vós e vossos descendentes. “Quando na vossa terra sairdes à guerra contra inimigos que vos atacarem, tocareis com força as trombetas, e o Senhor vosso Deus se lembrará de vós, e sereis livres de vossos inimigos. Nos vossos dias de alegria, vossas festas e vossas luas novas, tocareis as trombetas, oferecendo os holocaustos e os sacrifícios pacíficos, e elas vos lembrarão à memória de vosso Deus. Eu sou o Senhor vosso Deus” (Números 10, 1-10).

A um convite de Deus para uma vida nova. Os acontecimentos deste tempo são como trombetas tocando. Deus que te dar a verdadeira alegria que se encontra no Salvador da sua vida.

O senhor fala: “Vinde a mim vós que estas cansado”. Olhe os sinais de Deus te convidando a te despertar do sono e te trazer de volta ao abraço do Pai. Quando você estiver em Deus sua alegria será completa, nada te faltará.

Cristo é alegria que não passa. Irmãos nossa alegria tem uma razão é Cristo.

Havia um homem entre os fariseus, chamado Nicodemos, príncipe dos judeus. Este foi ter com Jesus, de noite, e disse-lhe: Rabi, sabemos que és um Mestre vindo de Deus. Ninguém pode fazer esses milagres que fazes, se Deus não estiver com ele. Jesus replicou-lhe: Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer de novo não poderá ver o Reino de Deus.

Nicodemos perguntou-lhe: Como pode um homem renascer, sendo velho? Porventura pode tornar a entrar no seio de sua mãe e nascer pela segunda vez? Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: quem não renascer da água e do Espírito não poderá entrar no Reino de Deus. O que nasceu da carne é carne, e o que nasceu do Espírito é espírito. Não te maravilhes de que eu te tenha dito: Necessário vos é nascer de novo. O vento sopra onde quer; ouves-lhe o ruído, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai. Assim acontece com aquele que nasceu do Espírito. Replicou Nicodemos: Como se pode fazer isso? Disse Jesus: És doutor em Israel e ignoras estas coisas!…

Em verdade, em verdade te digo: dizemos o que sabemos e damos testemunho do que vimos, mas não recebeis o nosso testemunho. Se vos tenho falado das coisas terrenas e não me credes, como crereis se vos falar das celestiais? Ninguém subiu ao céu senão aquele que desceu do céu, o Filho do Homem que está no céu. Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim deve ser levantado o Filho do Homem, para que todo homem que nele crer tenha a vida eterna. Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Pois Deus não enviou o Filho ao mundo para condená-lo, mas para que o mundo seja salvo por ele. Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado; por que não crê no nome do Filho único de Deus. Ora, este é o julgamento: a luz veio ao mundo, mas os homens amaram mais as trevas do que a luz, pois as suas obras eram más. Porquanto todo aquele que faz o mal odeia a luz e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas.

Mas aquele que pratica a verdade, vem para a luz. Torna-se assim claro que as suas obras são feitas em Deus” (São João3,1-21).

Neste vamos começar do zero. Vida Nova, é uma nova oportunidade que Cristo está dando. Você pode escolher o novo na sua vida. A decisão é sua.

Jesus quer salvar você, para você nunca mais ser a mesma pessoa. Deus quer que você saia daqui com a vida nova.

 

Não nos acomodemos em nossa experiência de fé
Padre Roger Luís

Quero propor a vocês que façamos uma bonita experiência: nos arremetermos a essa situação, na qual Jesus, olhando para a multidão, sente compaixão. Quero convidá-los a colocarem-se no meio dessa multidão e experimentarem a compaixão do Senhor, a qual vai além das aparências, pois vê o coração.

Permitir que a compaixão do Senhor nos acalce é deixar que Ele nos retire da acomodação, porque, muitas vezes, somos acomodados na nossa experiência de fé, na nossa vida de cristãos católicos.

Jesus não quer que Seus discípulos sejam acomodados e Seu ensinamento de hoje nos ajuda a sair dessa situação.

O Salmista nos diz: “O Senhor é o pastor que me conduz, não me falta coisa alguma. Felicidade e todo bem hão de seguir-me, por toda a minha vida; e, na casa do Senhor, habitarei pelos tempos infinitos” (Salmo 22).

Para entendermos esse Salmo, temos de entender que quem o compôs foi o rei Davi, o qual, durante muitos anos, trabalhou cuidando das ovelhas de seu pai. Ele experimentou a realidade do pastoreio e conhecia as ovelhas muito bem; provavelmente, chamava-as pelo nome. Qual é o seu nome? O seu nome está gravado no coração de Jesus, porque Ele o conhece e o chama pelo nome. O Senhor sabe dos seus problemas e quer o seu bem. Se nos deixarmos guiar, permitindo que Deus nos conduza, nada vai nos faltar.

Bento XVI, na homilia de início de seu pontificado, nos disse: Não tenhais medo do Pastor”. E a Palavra nos ensina:

“Eu sou o bom pastor. O bom pastor expõe a sua vida pelas ovelhas. O mercenário, porém, que não é pastor, a quem não pertencem as ovelhas, quando vê que o lobo vem vindo, abandona as ovelhas e foge; o lobo rouba e dispersa as ovelhas. O mercenário, porém, foge, porque é mercenário e não se importa com as ovelhas. Eu sou o bom pastor. Conheço as minhas ovelhas e as minhas ovelhas conhecem a mim, como meu Pai me conhece e eu conheço o Pai. Dou a minha vida pelas minhas ovelhas. Tenho ainda outras ovelhas que não são deste aprisco. Preciso conduzi-las também, e ouvirão a minha voz e haverá um só rebanho e um só pastor. O Pai me ama, porque dou a minha vida para a retomar. Ninguém a tira de mim, mas eu a dou de mim mesmo e tenho o poder de a dar, como tenho o poder de a reassumir. Tal é a ordem que recebi de meu Pai” (João 10,11-18).

Eu posso lhes dizer uma coisa, porque vivi do outro lado. Sei o que foram, pelo menos, uns seis carnavais que vivi lá fora, atrás do trio. Sei que, no último Carnaval que eu vivi assim, onde muitos hoje estão, quase tive uma overdose de cocaína. Num dia, estava tão louco, que fui a um posto de gasolina, caí no buraco de um lava-rápido. Não sei como me quebrei todo! Quando saí de lá com uns amigos, encontramos com a polícia. Que coisa triste! Levamos solavancos, palavrões “na cabeça”. Vivíamos uma falsa alegria, porque não existe felicidade no pecado, apenas experiência de abismo.

Hoje, precisamos seguir a voz do Bom Pastor e eu tenho me esforçado para ser também um bom pastor, seguir a voz do Senhor doa a quem doer. Nós padres temos de ser comprometidos com a verdade, mesmo que ela nos comprometa. O povo precisa aprender a viver a verdade.

Os bons pastores são ministros da verdade do Evangelho. A verdade dói; a mentira massageia o ego.

“Ai daqueles que ao mal chamam bem, e ao bem, mal, que mudam as trevas em luz e a luz em trevas, que tornam doce o que é amargo, e amargo o que é doce! Ai daqueles que são sábios aos próprios olhos, e prudentes em seu próprio juízo!” (Isaías 5,20).

Todas as vezes que realidades forem propostas a você, é preciso passá-las, primeiro, pela verdade de Jesus Cristo, porque aquilo que é mau é nos apresentado como bom. Por isso é preciso que tenhamos discernimento.

O chamado que Deus nos faz é para que caminhemos na verdade. Precisamos deixar cair as nossas máscaras.

 

Sem o Espírito Santo, não dá!
Emanuel Stênio

O livro do profeta Zacarias, mais precisamente no capítulo 4, vers. 6, tem uma mensagem muito importante para nós:

“Não pelo poder, nem pela violência, mas sim pelo meu Espírito”

Nós temos a mania de querer resolver as coisas na nossa vida à base da força, da violência, da imposição, do autoritarismo. Esta palavra cai bem para nós porque aprendemos que nas situações do nosso dia-a-dia precisamos da força de Deus.

O melhor pregador pode subir aqui neste palco e fazer a melhor das pregações, mas se o Espírito Santo não convencer o seu coração, de nada vale. Não adianta você vir aqui e não abrir o seu coração a Deus, ou seja, nada vai acontecer com você. Você pode aplaudir, chorar em alguns momentos, mas a graça só acontecerá se houver esta abertura ao batismo no Espírito.

Nós sabemos que a história dos Rebanhões – início dos retiros de carnavais – existe até hoje porque era uma experiência de transformação pelo batismo no Espírito. Não sei se além da Canção Nova você também vai em algum outro lugar, mas nada vai adiantar se não houver uma abertura a esta presença divina na sua vida.

Nós temos a mania de querer concertar as coisas pela força. Seja um casamento, retirar um jovem das drogas, etc; mas nada destas realidade serão transformadas se o Espírito Santo não estiver ali.

Com um tempo de caminhada no Senhor, eu fui aprendendo que o mal do mundo não está na droga, na violência, na bebida. Tudo isso é uma consequência, pois a raiz de tudo é a falta de amor. Eu quero dizer pra você que é pai e mãe: um carinho, um afago, um olhar de amor pode tirar o seu filho das drogas, porque no fundo as pessoas procuram nestas realidades o amor.

A primeira coisa que o Espírito Santo quer fazer em nos é sentir o amor de Nosso Senhor. Se termos esta consciência, do amor de Deus em nós, mesmo se tiver acontecido situações difíceis na sua vida, a palavra de Deus nos garante: nada vai poder te separar do amor de Deus. Você não vai precisar buscar em canto nenhum o que só o Espírito Santo pode dar. Menina, jovem, queira se sentir amada (o) por Jesus, este amor que derramou todo o sangue por você numa cruz para mostrar que você tem valor.

Se nós não sentirmos este amor de Deus aqui, provavelmente as pregações entrarão por um ouvido e sairão pelo outro.

Você já viveu alguma situação da qual disse: ‘Nossa, não tem jeito, só Deus mesmo’. Tanta gente dizendo isso com relação ao seu casamento, ao filho que está perdido, uma enfermidade que você ou alguém está vivendo. Quantas pessoas eu atendo e tenho a oportunidade de aconselhar, e são situações muito difíceis que a única palavra que temos para dizer no final é: ‘amigo, só Deus’.

Um das dificuldades que temos – e que só Deus para entrar na causa – é a questão do perdão. O perdão deixa as pessoas doentes, levam as pessoas ao vícios, ao ressentimento. Quantas pessoas estão pulando Carnaval por aí para esquecer das mágoas que sofre. Só Deus, só pela força do alto podemos ser livre.

Hoje, quero te convidar para que você se abra a esta força de deus, deixar que o Espírito Santo faça de você uma morada dele. Sem o Espírito Santo não dá meu irmão, você vai continuar patinando, com um pé nas coisas do mundo e na Igreja. Deus quer que você saia daqui livre!

 

Em qualquer lugar, Jesus é o modelo
Padre Adriano Zandoná

Nós estamos neste retiro que se chama ‘vem louvar’ para nós encontrar verdadeiramente com Jesus Cristo e reservar um tempo para escutar a Palavra de Deus.

É importante retirarmos um tempinho para escutar os ensinamento do Senhor, pois nós devemos encontrar um período para se encontrar no silêncio e ouvir a Palavra de Deus. É importante que antes de qualquer coisa rezemos e refletirmos, por isso muitas das nossas escolhas são equivocadas. É muito essencial pensarmos nas nossas decisões futuras e também repensarmos o que já vivemos para poder refletir o que aconteceu de errado e certo.

Devemos aprender a diferenciar o prazer da felicidade, então é mais do que considerável que todas as pessoas tenham um momento de se retirar. Portanto, estando em um retiro neste carnaval não perca a oportunidade de renovar e reordenar a sua vida em Deus.

Não perca a oportunidade de escutar a voz de Deus e deixar Ele bagunçar o seu coração, pois depois o Senhor colocar tudo no seu lugar. Deixa Ele ser o Senhor da sua história, porque muitas vezes as nossas concepções de vida foram deturpadas por esta sociedade em que vivemos.

O Senhor tirar do nosso coração todas as escolhas erradas, pois a nossa sociedade nos coloca em uma espiral de ansiedade. Porque quanto mais ansiosos formos mais seremos pessoas consumistas e deixaremos de refletir, porque precisamos pensar antes de agir. O mundo quer que refletirmos menos para comprarmos mais, por isso não podemos ser objetos do marketing.

Existe uma indústria do carnaval que deseja alienar eu e cada um de vocês, pois eles querem nos impor que o Brasil é palco da grande festa carnavalesca. Isso não é verdade porque foi uma festa trazida para o nosso país. Querem nós mostrar que precisamos consumir durante este período, mas este produtos apenas nos levam a morte. Durante o carnaval muitas pessoas morrem nos acidentes de trânsito, e existe uma indústria do carnaval que precisa que as pessoas consumam cerveja e outras coisas.

Temos que nos divertir sim, mas não na felicidade que nos leva a morte. Devemos nos divertir na alegria de Deus.

Refletindo sobre o carnaval e todas estas falsas verdades que são apresentadas nesta festa. Então façamos esta pergunta: O que Deus quer de mim? Juntos vamos refletir o Evangelho de São Mateus 5, 48: ‘Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus’.

Nós constatamos que a nossa sociedade caminha desta forma e a ideia que o carnaval nos vende é um momento indestrutível, mas Deus te chama a viver a santidade em meio a tudo isso e a realidade que temos recebidos desde criança. O cristão não está fora do mundo, mas fomos deformados neste tempo que nos mostra que podemos tudo e que sempre é possível levar vantagem em cima do outro.

As pessoas sempre querem levar vantagem em cima de tudo e isto nos retira de viver próximos das bençãos de Deus. Devemos ser educados na pedagogia da perfeição e da santidade. O que plantamos e o que vamos colher, por isso devemos educar nossos filhos na vivência do amor do Senhor.

Muitas vezes nós somos ensinados a viver ao contrário do Evangelho, desta forma precisamos reaprender a viver segundo os ensinamentos do Senhor. Precisamos ser perfeitos. E o que vai definir o que é perfeito é o sabor da eternidade que vamos sentir. Deus sabe que vamos cometer alguns erros, mas precisamos buscar e fazer o melhor para imitar Jesus Cristo.

Pense no que vai fazer cada um de nós sentir o sabor da eternidade. Devemos dar um sabor de Deus em todas as nossas escolhas, ações, amizades e relacionamentos. Na narrativa deste trecho do Evangelho de São Mateus o Senhor nos diz que devemos amar os nosso inimigos. Por exemplo: no relacionamento entre casais é preciso que tanto o homem como a mulher não queira tirar vantagens um do outros, mas sim aprender a imitar Jesus na convivência a dois.

Você precisa saber levar o sabor da eternidade no seu casamento e na sua amizade. No relacionamento as pessoas precisam saber escutar e falar a verdade para a outra pessoa, porque precisamos de pessoas que nos levam para a santidade.

A Constituição dogmática ‘Lumen Gentium’ 41 diz que todos os fiéis precisam se tornar santos. É preciso que cada um de nós coloque o sabor da eternidade nas coisas do seu dia a dia. As pessoas precisam aprender a amar de graça sem receber nada em troca. Precisamos ensinar e repassar os nossos valores e o sabor desta eternidade em qualquer lugar que estivermos, por isso necessitamos a amar e acolher bem cada um que chega até nós seja no ambiente do trabalho ou em casa. A ‘Lumen Gentium’ também aponta no número 40 (LG) que devemos fazer o bem. Viva cada dia como se fosse o último, pois para sermos ser santos precisamos ser inteiros. Deus espera de você a perfeição da misericórdia, assim cultive o amor, a beleza do sorriso e alegria do acolhimento. A santidade humaniza a nossa sociedade.

O Senhor quer que cada um de nós se volte para a perfeição de Deus, mas mesmo que tenhamos errados Ele nos convida a viver este sabor da eternidade.

Os jovens são especialmente chamados a viver a santidade de Cristo. Jovem: Deus te chama a imitar Jesus e a ser perfeito assim como Ele é, por isso o sentido da sua vida deve ser a perfeição de Cristo. Faça dos ensinamento do Senhor algo para você seguir.

Deus te convida a perfeição! Queremos ser santos e perfeitos como o Senhor é perfeito!

 

Qual o valor de uma vida sem Deus?
Emanuel Stênio

Na nossa humanidade quando vemos um jovem na prostituição, nas drogas, ou um mendigo que perdeu sua dignidade, não damos muito valor. Mas quando Deus nos vê ou nos viu em uma situação de pecado, ou em uma situação que você era considerada um nada, Ele te amava. Neste momento que as pessoas não acreditavam em você, Deus naquele momento debruçou sobre você, derramando o seu amor.

Nós passamos fases que sentimos um nada. Nada nos trás alegria. No pior momento da sua vida, você valia o sangue que foi derramando na cruz.

Quando você não acredita mais em você, quando as pessoas em sua volta não acreditam, Deus te chama. Quando Deus te olha e você se sente olhado, é o primeiro passo para você se tornar um homem novo, um bom esposo, um jovem sarado. Quanto vale uma vida sem Deus? Vale o sangue de Cristo, porque é para isso que Ele veio.

No evangelho de São Lucas no capituolo 7 relata que Jesus viu a cena de uma viuvá, sepultando seu único filho, Ele se compadeceu, sentiu a dor de uma mãe enterrar o seu filho. Jesus não é alheio ao nosso coração.

No Brasil se morre por 730 pessoas por dias devido a maconha, cocaína e álcool, e em sua maioria é jovem. Nos sofremos, e precisamos sofrer por causa dos 237 jovens quem morreram em Santamaria, mas precisamos ter consciência que muitos jovens morrem diariamente.

Uma vida com Deus tem muito valor.

Cheguei em casa juntamente com os músicos 4h30 bem cansados, viemos de uma noitada boa, sabe por que? Porque chegamos de um show onde levamos Deus.

O amor de Deus te atraiu aqui. Deus é fantástico, Ele fala a linguagem de cada um.

Com 18 anos procurei o amor em tantas coisas, em zonas de prostituição, na drogadição e eu encontrei em uma Igreja, e ali encontrei tudo que procurava. Deus está interessado em você, Ele está cuidando de te conquistar, e fazer uma metanoia (mudança de pensamento).

Aqui contemplamos a alegria, alegria de ser de Deus, passamos o carnaval sem se preocupar se alguém vai brigar, ou alguém que te chamar ir para o motel. E quero dizer desvincula a alegria de pecado, olha quantas pessoas estão passando no carnaval aqui e felizes.

Lembro do meu encontro com Cristo há 30 anos, eu estava drogado e ali encontrei a Deus, eu chorava, sorria e tinha vontade de gritar encontrei o que tanto buscava.

Deus olhou aquela viuva, e ali foi até o corpo do jovem que estava morto, e ali Jesus falou: levanta-te! Deus fala para você levante!

Sabe qual é o maior elogio que você pode falar de uma pessoa de caminhada espiritual? É quem te viu e quem te vê.

Meu irmão, minha irmã essa sede, essa fome que você procura, ela só vai saciar quando você encontrar o amor de Cristo.

 

Igreja, coluna e alicerce da Verdade
Prof. Felipe Aquino

Vemos nas Sagradas Escrituras que os apóstolos, após a ressurreição de Jesus, pensaram que Cristo faria uma “revolução” que derrubasse a César e ao poder reinante. Este era o pensamento dos apóstolos. Mas Jesus os adverte que o Reino de Deus seria implantado através da ação do Espírito Santo. Seria necessário que eles [apóstolos] perseverassem na oração e aguardassem o cumprimento da Promessa.

Meus irmãos, o Espírito Santo nos foi dado para evangelizar. Nós não temos luz própria. A nossa luz vem de Deus, vem da Igreja, a Luz das Nações.

Antes de vir para cá, li inúmeros absurdos nas redes sociais a respeito da renúncia do Papa Bento XVI. Um desses absurdos dizia que o Papa Bento XVI, como teólogo, é considerado uma das mentes mais brilhantes, mas como Papa ele foi um “fracasso”… Ora, isto é um absurdo! Essa e outras pessoas que espalham tais “maluquices” não entenderam que o Papa Bento XVI está nos dizendo, através do seu Pontificado, que Cristo quer uma Igreja de qualidade e não de quantidade. Este Papa tem sido o arauto da Verdade.

Meus irmãos, Jesus prometeu a Sua Igreja o Espírito da Verdade: “Muitas coisas ainda tenho a dizer-vos, mas não as podeis suportar agora. Quando vier o Paráclito, o Espírito da Verdade, ensinar-vos-á toda a verdade, porque não falará por si mesmo, mas dirá o que ouvir, e anunciar-vos-á as coisas que virão” (João 16,12-13).

Que promessa maravilhosa! Jesus assegura à Igreja a Sua infalibilidade. E o que é isso? Em questões de moral, de doutrina, a Igreja não erra, meus irmãos! Ela pode até se equivocar em questões de matemática, de física, química etc… Mas em questões de fé, moral, naquilo que diz respeito ao ensino da Verdade confiada a ela por Jesus, a Igreja não se equivoca!

Nunca, nesses 21 séculos de existência, a Igreja teve um Concílio que viesse a alterar o que foi determinado em outro Concílio anterior. Nunca um Papa contradisse o que foi ensinado por outro Papa. E por quê? Porque o Espírito Santo não se contradiz! Veja só a solidez, a fortaleza da nossa fé católica. E isso é obra do Espírito Santo: a Verdade não muda.

Mas o Papa Bento XVI nos alerta a respeito desta “Ditadura do Relativismo”, através da qual querem negar a Verdade ensinada por Cristo e tirar Deus do mundo.

São Paulo já ensinava a Timóteo: “Todavia, se eu tardar, quero que saibas como deves portar-te na casa de Deus, que é a Igreja de Deus vivo, coluna e sustentáculo da verdade” (I Timóteo 3,15).

A Igreja é esta coluna da Verdade. Jesus a assiste com o Seu Espírito Santo. E é por isso que precisamos evangelizar: para levar as pessoas ao conhecimento da Verdade. Tem muita gente se perdendo no caminho errado. Veja: se você quiser ir ao Rio de Janeiro, mas pegar o seu veículo e seguir em direção a São Paulo, o que acontecerá? Você nunca chegará ao seu destino, pois está indo na direção contrária. É preciso voltar, pegar um retorno e seguir na direção correta. Há muitas pessoas que estão indo na direção errada, na direção das seitas, e indo no caminho contrário ao da Verdade ensinada por Jesus.

O Papa nos chama a evangelizar em nossa América Latina, onde tem se proliferado tantas seitas, meus irmãos! E a meta destas seitas é o de crescer em números e templos. A intenção delas é o de minar a base da fé do povo católico, sobretudo em cinco pontos:

1º – O culto do Mistério Eucarístico, rejeitando o valor da Eucaristia;

2º – A Santíssima Virgem Maria, atacando à Mãe da Igreja;

3 – Ataque contínuo à estrutura hierárquica da Igreja;

4 – O Primado de Pedro, questionando a autoridade do Papa;

5 – Os sinais exteriores da nossa fé católica, atacando nossos Crucifixos, imagens dos santos católicos, procissões etc.

Raniero Cantalamessa, pregador da Casa Pontifícia, advertiu que a Igreja fez a opção preferencial pelos pobres e, no entanto, os pobres fizeram a opção preferencial pelas seitas. E por quê? Porque as seitas ofereceram o contato com o sagrado e o povo tem sede de Deus, meus irmãos!

Sobre isso, o Papa exortou os Bispos da América Latina a uma nova evangelização – não no conteúdo, mas nos métodos. Uma nova evangelização baseada no ardor que vem do Espírito Santo. O sacerdote precisa ser realmente um sacerdote para o povo. As pessoas precisam ir à Igreja e ter este contato com o sagrado, com Deus, pois elas estão sedentas por isso.

O Papa também insiste na questão da acolhida, pois as seitas o que fazem? Elas vão lá na casa daquele que está enfermo, e oram por ele, são presença na vida daquela pessoa e propagam a sua doutrina… E daí acabam ganhando não só o enfermo, como também a toda sua família! E quando Sua Santidade fala de acolhida, vai muito além daquela acolhida “na porta da Igreja”. É acolher o outro em seu sofrimento e ser a presença do Cristo Ressuscitado na vida do próximo.

Precisamos ir atrás das ovelhas que se afastaram da nossa Igreja, meus irmãos! E isso na força e na alegria do Espírito Santo. Nós, católicos, precisamos pregar o Evangelho com alegria! O Papa advertiu a nós, católicos brasileiros, questionando nossa acomodação. Será que não estamos nos acomodando diante desta parte do Rebanho católico que se afastou e foi parar nas seitas? Precisamos ir atrás dessas ovelhas. Devemos buscá-las de porta em porta, de casa em casa, através de uma nova evangelização na alegria e com o fogo do Espírito Santo.

Nenhum comentário ainda

Comentários desativados

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda