Por que devemos ter um santo de devoção?

É dogma de nossa fé católica que as pessoas que morreram perfeitamente santas vão para o céu imediatamente; e na comunhão com Deus “intercedem por nós sem cessar”, como diz a Oração Eucarística.

Nos primórdios do Cristianismo os cristãos já celebravam a Santa Missa sobre o túmulo dos mártires, nas catacumbas, para suplicar-lhes a intercessão. Mesmo no Antigo Testamento já encontramos uma base bíblica sobre a intercessão dos que já estão na glória de Deus; fato descrito no segundo livro de Macabeus, no capítulo 15, versículos de 11 a 15. O povo judeu estava em guerra contra os gentios, liderados por Judas Macabeu. Para levantar o ânimo dos guerreiros, Judas contou-lhes a visão que tivera, na qual Onias, sumo sacerdote já falecido, e Jeremias, intercediam por eles: “Eis o que vira: Onias, que foi sumo sacerdote, homem nobre e bom, com as mãos levantadas, orava por todo o povo judeu. Em seguida havia aparecido do mesmo modo um homem com os cabelos todos brancos, de aparência muito venerável. Então, tomando a palavra, disse-lhe Onias: ‘Eis o amigo de seus irmãos, aquele que reza muito pelo povo e pela cidade santa, Jeremias, o profeta de Deus'” (2 Mac 15, 11-15).

O Catecismo da Igreja Católica confirma isso no número §956: “Pelo fato de os habitantes do Céu estarem unidos mais intimamente com Cristo, consolidam com mais firmeza na santidade toda a Igreja. Eles não deixam de interceder por nós junto ao Pai, apresentando os méritos que alcançaram na terra pelo único mediador de Deus e dos homens, Cristo Jesus. Portanto, pela fraterna solicitude deles, a nossa fraqueza recebe o mais valioso auxílio” (Lumen Gentium 49).

São Domingos de Gusmão, na hora da morte, pede a seus irmãos: “Não choreis! Ser-vos-ei mais útil após a minha morte e ajudar-vos-ei mais eficazmente do que durante a minha vida”. Santa Teresinha do Menino Jesus afirma antes de morrer: “Passarei meu céu fazendo o bem na terra”. Como o povo ama a “Novena das Rosas” desta santa!

O número 29 do “Manual das Indulgências”, do Vaticano, enriquece com indulgências as orações, ladainhas, novenas aos santos, entre outros. O número 54 das Orações indulgenciadas revela: “Concede-se indulgência parcial ao fiel que, no dia da celebração litúrgica de qualquer santo, recitar em sua honra a oração tomada do Missal ou outra aprovada pela autoridade da eclesiástica” (“O que são as indulgências”, pag. 91, Editora Cléofas).

A Tradição da Igreja está repleta de confirmações sobre a intercessão dos santos. São Jerônimo (340-420), doutor da Igreja, disse: “Se os Apóstolos e mártires, enquanto estavam em sua carne mortal, e ainda necessitados de cuidar de si, ainda podiam orar pelos outros, muito mais agora que já receberam a coroa de suas vitórias e triunfos” (Adv. Vigil. 6). Santo Hilário de Poitiers (310-367), bispo e doutor da Igreja, garantia que: “Aos que fizeram tudo o que tiveram ao seu alcance para permanecer fiéis, não lhes faltará, nem a guarda dos anjos nem a proteção dos santos”. São Cirilo de Jerusalém (315-386): bispo de Jerusalém e doutor da Igreja, afirmava: “Comemoramos os que adormeceram no Senhor antes de nós: Patriarcas, profetas, Apóstolos e mártires; para que Deus, por sua intercessão e orações, se digne receber as nossas”.

O Concílio de Trento (1545-1563), em sua 25ª Sessão, confirmou que: “Os santos que reinam agora com Cristo, oram a Deus pelos homens. É bom e proveitoso invocá-los suplicantemente e recorrer às suas orações e intercessões, para que vos obtenham benefícios de Deus, por Nosso Senhor Jesus Cristo, único Redentor e Salvador nosso.”

Por tudo isso é que a Igreja ensina que devemos suplicar a intercessão dos santos. Essa intercessão, e especialmente a de Nossa Senhora, que é a mais poderosa de todas as intercessões, não substitui a mediação única de Cristo; ao contrário, a reforça, pois, sem a mediação única e indispensável de Cristo, nenhuma outra intercessão teria valor, já que todas são feitas “por intermédio” de Jesus Cristo. Por isso a Igreja não teme invocar os santos e suas preces por nós diante de Deus. É por essa razão também que a Igreja recomenda que os pais coloquem nomes de santos em seus filhos a fim de que tenham, desde pequenos, um patrono no céu.

Os santos, durante sua vida, foram devotos de outros santos. Santa Teresa de Ávila tinha devoção profunda a São José e a Santo Agostinho. São João Bosco era devoto de São Francisco de Sales, etc. Por isso a Igreja nos aconselha vivamente que nos recomendemos à intercessão deles. Neste sentido, o Papa proclama determinados santos protetores das profissões, países, cidades e contra as doenças. Santa Luzia é protetora dos olhos e da visão; Santa Teresa é patrona dos professores; São Lucas, dos médicos, etc. (Ver livro: “Relação dos santos e beatos da Igreja”, Editora Cléofas).

Os santos conseguem interceder por nós junto a Deus porque estão em comunhão com Ele em vista dos seus méritos conquistados na Terra. Cada fiel deve ter um ou mais santos de sua devoção; especialmente aquele que leva o seu nome de batismo.

Professor Felipe Aquino
Pregador, escritor católico e apresentador do programa “Escola da Fé” da TVCN

Nenhum comentário ainda

Comentários desativados

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda