As 4 formas de comungar na Igreja Católica e…

… as 2 Mesas à nossa disposição

Nem todos podem tudo…

Por Mons. Inácio José Schuster

1) COMUNHÃO ESPIRITUAL (desejar)

Α╬Ω A Comunhão espiritual é uma devoção que consiste em unir-se a Jesus presente na Eucaristia recebendo-O não sacramentalmente, mas com um vivo desejo que procede da fé, animada pela caridade. Esta prática é muito louvada e desde o Concílio de Trento a Igreja exorta os fiéis a praticá-la. Os efeitos dessa prática são semelhantes ao da Comunhão Eucarística, menos a sua intensidade, que é menor, enquanto que o modo perfeito de comungar é o de receber o Sacramento. Às vezes, porém, estes efeitos podem ser superiores aos que são produzidos na Comunhão sacramental se as disposições são puríssimas, se bem que na igualdade das disposições, como já tínhamos dito, são evidentemente menos abundantes que na Comunhão Eucarística; de fato eles não se produzem ex opere operato (em virtude da instituição divina), mas só ex opere operantis (em virtude das disposições do indivíduo e são proporcionais a estas). A comunhão espiritual pode ser feita todas as vezes que a alma o desejar. Como prova disto, lembra claramente a Imitação de Cristo (1, IV, c. 10): “Toda pessoa pode, de resto, todos os dias e todas as horas, entregar-se livre e salutarmente às comunhões espirituais”.

Α╬Ω Sem a Comunhão Espiritual não pode existir a Comunhão Eucarística – A Exortação Apostólica do Beato João Paulo II, Familiaris Consortio, explica que existe uma diferença entre a comunhão espiritual e a comunhão eucarística, que afirma que sem a primeira, não pode existir a segunda. A comunhão espiritual é a forma em que a pessoa se une pessoalmente a Cristo no momento da redenção do Santo Sacrifício, para assim, depois, receber a comunhão eucarística. Isto não é uma disciplina inventada pela Igreja e, portanto, no matrimônio, os cônjuges fazem um pacto com Deus, e Deus faz um pacto com eles, que cria um sacramento indissolúvel. Para a comunhão é necessário preparar o coração para receber ao Senhor, e deste modo, quando os divorciados que voltaram a casar deixam de comungar, dão muito mais honra ao Senhor com seu sacrifício e oferecendo-se eles mesmos, através da dor que têm nos seus corações, no sacramento da Eucaristia. Eles sofrem por isso, mas, há mais honra dada pelo corpo de Cristo nesta situação, que quando os batizados vão de maneira superficial e às vezes, de maneira pouco digna, a receber a Comunhão, seja qual seja o estado de suas almas. A respeito, o Beato João Paulo II assinala que “a Igreja deseja que estes casais participem da vida da Igreja até onde lhes seja possível (e esta participação na Missa, adoração Eucarística, devoções e outros serão de grande ajuda espiritual para eles) enquanto trabalham para obter a completa participação sacramental”.

 

2) ADORAÇÃO EUCARÍSTICA (considerar, meditar, contemplar)

Α╬Ω «ADORAÇÃO é reconhecer que Jesus é meu Senhor, que Jesus me mostra o caminho a seguir, me faz entender que só vivo bem se conheço a estrada indicada por Ele, somente se sigo a via que Ele me mostra. Portanto, Adorar é dizer: “Jesus, eu sou Teu e Te sigo na minha vida, nunca gostaria de perder esta amizade, esta comunhão Contigo”. Poderia também dizer que a adoração na sua essência é um abraço com Jesus, no qual eu digo: “Eu sou Teu e Te peço que estejas também Tu sempre comigo”» (Papa emérito Bento XVI). A adoração é o primeiro ato da virtude da religião. Adorar a Deus é reconhecê-lo como Deus, como o Criador e o Salvador, o Senhor e o Mestre de Tudo o que existe, o Amor infinito e misericordioso. “Adorarás o Senhor teu Deus, e só a Ele prestarás culto” (Lc 4, 8), diz Jesus, citando o Deuteronômio (6, 13). “Adorar a Deus é, no respeito e na submissão absoluta, reconhecer o nada da criatura, que não existe a não ser por Deus. Adorar a Deus é, como Maria no Magnificat, louvá-lo, exaltá-lo e humilhar-se a si mesmo, confessando com gratidão que Ele fez grandes coisas e que Seu Nome é Santo. A Adoração do Deus único liberta o homem de se fechar em si mesmo, da escravidão do pecado e da idolatria do mundo” (Catecismo da Igreja Católica n. 2096 e 2097). Toda vez que estivermos perante o Santíssimo, esteja Ele exposto ou no sacrário, devemos nos colocar numa atitude de despojamento e professarmos a fé na Sua presença no pão e no vinho que para nós são Corpo e Sangue de Cristo. E podemos fazê-lo com estas palavras ou de forma espontânea: “Meu Deus! Eu creio, adoro, espero e amo-Vos; peço-Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam”.

Α╬Ω Adorar o Senhor no Santíssimo Sacramento – Em sua Carta Apostólica “Mane Nobiscum Domine”, o Beato Papa João Paulo II nos apresenta o dom da Eucaristia como um grande mistério. Mistério a ser celebrado de maneira digna; que deve ser adorado e contemplado. Queremos assim nos animar mutuamente a estarmos unidos à Santíssima Eucaristia também em seu culto fora da Missa. De um lado, sabemos que antes de tudo a Eucaristia é o sacrifício pascal de Nosso Senhor; que é na Missa onde se atualiza o Mistério da vida, morte e ressurreição de Jesus. Daí a necessidade de celebrarmos com toda dignidade, não somente em decoro, mas em comunhão profunda com o Mistério celebrado e com o corpo comunitário. Participar ativa e conscientemente do inesgotável dom de Cristo. Por outro lado, a Igreja nos anima a estarmos diante do tabernáculo do Senhor ‘perdendo o nosso tempo’: “A presença de Jesus no tabernáculo deve constituir como que um pólo de atração para um número sempre maior” de almas apaixonadas por ele, capazes de ficar longo tempo escutando a voz e quase que sentindo o palpitar do coração” (MND, 18).

 

3) PRÁTICA DAS 14 OBRAS DE MISERICÓRDIA CORPORAIS E ESPIRITUAIS (caridade e justiça, pureza e misericórdia – praticar concretamente no dia a dia)

Α╬Ω Partindo da Palavra de Deus e da Tradição da Igreja (CIC § 2447), podemos falar em 14 obras de misericórdia. Das quais, 7 são obras de misericórdia espirituais e 7 corporais.

OBRAS DE MISERICÓRDIA CORPORAIS:
1ª) Dar de comer a quem tem fome;
2ª) Dar abrigo aos peregrinos;
3ª) Assistir os enfermos;
4ª) Dar de beber ao sedento;
5ª) Vestir os nus;
6ª) Socorrer os prisioneiros;
7ª) Enterrar os mortos.

OBRAS DE MISERICÓRDIA ESPIRITUAIS:
1ª) Instruir (ensinar os que não sabem);
2ª) Aconselhar (dar bons conselhos aos que necessitam);
3ª) Consolar (Aliviar o sofrimento dos aflitos);
4ª) Confortar (Fortalecer os angustiados e abatidos);
5ª) Perdoar (as injustiças de boa vontade);
6ª) Suportar com paciência (as adversidades e fraquezas do próximo);
7ª) Rogar a Deus pelos vivos e pelos mortos.

Α╬Ω 3.1. Envolvimento com as pastorais sociais da Igreja (comungar na vida dos irmãos)

╬Caritas Brasileira (atua tanto em calamidades, como através de programas no serviço especialmente dos mais pobres, no sentido de sua organização e busca de autonomia); ╬Pastoral da Criança (atende mães gestantes e crianças até 6 anos de idade, cuja atuação reduziu significativamente a mortalidade infantil no Brasil); ╬Pastoral da Saúde (junto aos que se dedicam a servir os doentes, na medicina preventiva e popular).
╬Pastorais por setores sociais: a Pastoral da Terra (mediando em conflitos pela terra e na promoção da Reforma Agrária), a Pastoral dos Pescadores, a Pastoral Operária.
╬Pastoral de pessoas em situação de especial vulnerabilidade: a Pastoral do Menor (menores infratores), da Mulher Marginalizada, dos Nômades, Carcerária, Migrantes, da Sobriedade, da Pessoa Idosa.
╬Pastoral de minorias étnicas: a Pastoral afro-brasileira, e com Indígenas (CIMI-Conselho Indigenista Missionário).
A CARIDADE “apaga uma multidão de pecados” (cf. 1Pd 4, 8); ela é sinal da autenticidade da nossa fé em Deus e a expressão mais coerente do seguimento de Jesus.

 

4) COMUNHÃO EUCARÍSTICA – CORPO E SANGUE DE CRISTO

Α╬Ω São Paulo já constatava entre os primeiros cristãos de Corinto: “O que fazeis não é comer a ceia do Senhor” (1Cor 11, 20) e advertia: Essa vossa maneira de agir “longe de vos levar ao melhor, vos prejudica” (11, 17). E finalmente, ele clama: “Que cada um examine a si mesmo, antes de comer deste pão e beber deste cálice, pois aquele que come sem discernir o Corpo do Senhor, come e bebe a própria condenação” (11, 28ss). Esse é o ensinamento da Igreja. Quem comunga em pecado grave “come e bebe a própria condenação” e quem vive numa união “de fato”, sem o Sacramento do Matrimônio, mesmo impossibilitado de regularizá-lo, deve praticar sua Fé, mas somente no que não implique o prévio estado de graça. Não tem valor à apreciação subjetiva ou autorização indébita de algum eclesiástico que ensine à margem da doutrina da Igreja. A consciência é farol seguro, quando formada objetivamente, segundo as orientações emanadas do Magistério legítimo. Faz-se necessário estar em condições exigidas, para que produza vida e não morte. O homem é condicionado ou, pelo menos, influenciado em seus comportamentos por costumes, imposição da opinião pública, controle social. Na atualidade, também em nome do subjetivismo e individualismo exacerbados. Segue um modo de pensar pessoal, impelido por seus interesses e conveniências e não pelos princípios que se radicam em Deus. Vivendo em desordem ética e moral, o homem tende a tornar-se norma de seus atos. E assim não só se expõe ao erro, mas se degrada em seu íntimo, pois, como ensina o Concílio Vaticano II, “no fundo da própria consciência o homem descobre uma lei que não se impôs a si mesmo”. Ela lhe é dada como dom e expressão de ser imagem de Deus. Duas conclusões imediatas são claras: a) nenhuma maioria de votos, nem o volume dos aplausos da opinião pública podem ser última instância moral; b) em quem não cultiva sua consciência, reorientando-a sempre de novo para a verdade, “a consciência vai-se progressivamente cegando com o hábito do pecado” (Gaudium et Spes, 16). Em se tratando dos males decorrentes de uma consciência mal formada, tornam-se mais graves quando atingem os valores sagrados. Esse desvio pode ser motivado por ignorância culposa da Lei do Senhor ou por influência de um subjetivismo prepotente. O mesmo se pode dizer quando essa consciência se relaciona com a dignidade de outrem, como na amizade, no matrimônio ou ainda na educação dos filhos, pois isso leva a prejuízos que já não são de nosso alcance sanar.

Α╬Ω Da Comunhão Eucarística, quem pode participar e em que condições?
Qualquer tomada de posição subjetiva e individualista – “eu sou cristão adulto”, ou “eu mesmo sei decidir” – torna-se não só uma irreverência leve, mas algo grave diante da verdade intrínseca desse Sacramento. Não é um exercício qualquer de piedade. O Concílio Vaticano II chama-o de “fonte e ápice de toda a vida cristã” (Lumen Gentium, 11). Nele, Deus se entrega a nós e o faz sob o signo da kénosis, isto é, do total aniquilamento do seu Filho amado. Ele se entrega, na hora da morte, às mãos do Pai para nos arrancar do pecado, do ódio, de toda perdição e poder do inferno. A Santa Comunhão supõe sempre esse profundo ato de Fé, esse desejo de se assemelhar a Jesus em seu abandono confiante ao Pai, em sua vitória sobre o pecado. Praticamente, isso significa converter-se, aceitar a verdade proposta pelo Magistério eclesiástico, os mandamentos e, com o radicalismo da entrega de Jesus, procurar viver a vontade de Deus. E ainda dar sua vida para edificar a Igreja como comunidade santa, em um mundo marcado pela desobediência a Deus. Contra todas as tentações, Jesus implora o derradeiro dom: “Eles não são do mundo, como eu não sou do mundo. Santifica-os na verdade. A tua palavra é a verdade” (cf. Jo 17, 16s). Não são critérios subjetivos que permitem a participação em tão santa Ceia, mas a obediência com amor a este Deus que se nos revela sob os sinais da morte redentora, neste Sacramento. Em nossos dias, faz-se necessário bradar fortemente para evitar o sacrilégio. Isto ocorre em particular nas celebrações matrimoniais, exéquias, em reuniões, quando se celebra o Santo Sacrifício da Missa. Nesta oportunidade e em outras, não é raro pessoas sem as condições requeridas se aproximarem do altar para comungar: “A Comunhão eucarística está desvirtuada do seu significado: Assiste-se a um fenômeno de ”dinâmica de grupo“ (todos participam nela), separada do discernimento do Corpo de Deus, de que São Paulo fala”.

Tomar e comer, conforme o pedido de Jesus na Última Ceia, e em cada Santa Missa, significa também considerar, significa meditar, significa contemplar. Toma e come, toma e bebe todo aquele e aquela que se põe diante do Santíssimo Sacramento do altar, contemplando a realidade de Jesus Cristo que, a todos, entrega-Se nestes sinais. Come e bebe aquele que adora o Santíssimo Sacramento no altar. E como são bonitas nossas igrejas quando, dentro delas, existe um tabernáculo; quando dentro delas existe uma lampadazinha vermelha convidando-nos à adoração e à contemplação. As nossas igrejas não são salões vazios, não são salões sem nenhuma festa e certamente não são salões despidos. Como existia em Israel a Arca da Aliança, existe aqui o tabernáculo onde Jesus é Emanuel, isto é, Deus conosco. Quando estamos ali em silêncio, estamos também, segundo Sua vontade, comendo e bebendo.

Nenhum comentário ainda

Comentários desativados

Desenvolvido por Origy Networks – Criação de sites e propaganda